Total de visualizações de página

Clik Noticias

Loading...
Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

Mulheres Campesinas

Mulheres Campesinas Fortes
Falando á R-Sertaneja para todos os campesinos que sempre estão envolvidos com metodologia de ouvir o que é de bom.
A música sertaneja ao contrario do que alguns dizem, sempre esteve em alta e agora ainda mais não é apenas uma “onda” e sim um estilo real, sólido e totalmente brasileiro.
Por isso a juventude aprende viola e violão fazendo  ferimento nas cordas de satisfazer o ego na alma de um ouvinte. 
Não adiante ter talento se não tem a capacidade de manter se humilde 
Aqui será mostrado um pouquinho do legado de algumas mulheres batalhadoras que, em dupla, fizeram (e algumas delas continuam fazendo!) um excelente trabalho pela nossa Música Caipira Raiz.
Como se sabe ambos os sexos têm sido vítima de preconceitos simplesmente por pertencer à classe artística, principalmente na primeira metade do Século XX;
Cascatinha que o diga, pois trabalhava em um circo quando conheceu Inhana em Araras e enfrentou também preconceitos por parte da família da moça, apesar do casamento maravilhoso que durou 40 anos e que teve fim somente quando do falecimento de Inhana.
As mulheres realmente enfrentaram e ainda enfrentam uma infinidade de preconceitos;
As Irmãs Galvão, retratadas nessa página, foram determinadíssimas, como poucas!
De acordo com Mary Galvão, ““...
A Dupla Feminina chegava e, quando ficava famosa, aparecia aquele "bonitinho", "maravilhoso", "glorioso" que dizia: "Eu vou casar com você, mas você não vai mais cantar..." e ela parava.
Muitas acabaram assim, como as Primas Miranda.
Quando a colega aparecia com uma aliançinha, pronto!
“A gente já sabia que ia largar tudo...” - depoimento citado na página 151 do excelente Livra de Rosa Nepomuceno: "Música Caipira - Da Roça Ao Rodeio".
Aqui você conhecerá um pouquinho do perfil de algumas Duplas Femininas que, mesmo tendo tido pouca duração, deixaram um trabalho inesquecível que faz parte do Repertório Caipira Raiz e com bastante qualidade.
E também estão nessa página excelentes duplas que continuam firmes "na estrada", como é o caso das Irmãs Galvão e também de Célia e Celma que, por sinal, já trilharam outros caminhos em nossa Boa Música Brasileira além da Música Caipira.
 Mulheres Cantoras e fortes;
“As Pantaneiras”,
Simone Sperança nasceu em Guarulhos - SP, no dia 29 de junho e aos 12 anos iniciou carreira artística junto com a mãe, formando a dupla Simone e Silmara.
Com 16 anos, gravou o projeto cultural “Cozinha Caipira de Célia e Celma” cantando a música “O Poder da Viola”, autoria de Moacir dos Santos e Tião do Carro.
A parceria artística com a mãe durou 7 anos e depois Simone seguiu novos rumos e formou dupla com Pardinho Filho, com quem gravou o primeiro CD reunindo sucessos como “Pedra 90” composição de José Vitor e “Acabou” de sua própria autoria. Foram 5 anos de muito trabalho, crescimento e amadurecimento musical.
Formou-se em fonoaudióloga e por meio desta profissão foi contratada para trabalhar com a Orquestra Feminina e nessa orquestra conheceu a nova parceira, ou melhor, a “Pantaneira” Miriam.
Miriam Boeira nasceu em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, no dia 23 de maio.
A paixão pela música raiz também vem de infância e aos 26 anos começou a fazer aulas de viola, tendo como primeiro professor o músico Sérgio Pena. Formou-se em Administração de Empresas, mas a paixão pela música prevaleceu e, certa de que seguiria carreira artística, desde 2006 vem se aperfeiçoando com intensa dedicação às aulas.
Fez a primeira voz em algumas músicas na Orquestra Feminina e foi em uma das participações entre uma apresentação, que sua voz chamou a atenção da cantora e compositora Simone Sperança que logo a convidou para cantarem juntas. E, assim, nasceu à dupla “As Pantaneiras”, aliás, primeira parceria de Miriam na carreira artística e como segunda voz.
Há um ano juntas, esbanjam talento e estão lançaram o primeiro CD com 6 músicas inéditas.
CONTATOS PARA SHOWS:
FONE: (11) 3362-1947 / (11) 6845-1313 / (11) 8174-3586 (Estela Barroso)
Site Oficial: www.aspantaneiras.com.br

Aline Fernandes
Data:  14/07/2010
Desde os três anos de idade, Aline Fernandes já respirava música. Assistia a seus tios tocar e cantar, ela sempre envolvida, do seu jeito, mas sempre cantando. Sempre teve muito apoio dos pais, do irmão e de toda família. Sempre acalentou um sonho. O de ser uma cantora profissional e fazer sucesso nacional. Aos 14 anos começou a cantar na igreja Católica, um grupo formado por ela, composto por sua família e dois vizinhos. Das incursões na igreja, começaram a surgir casamentos, aniversários, bodas e jantares dançantes, e foi a partir de então que se formou uma dupla para esses tipos de eventos, Felipe e Aline. Assim foi feito, e as oportunidades apareceram. Fizeram muitos shows e ficaram muito conhecidos. A dupla durou seis anos. Mas acabou não dando certo. Então ela iniciou sua carreira solo.     Gravou seu primeiro CD em 2004 com muita dificuldade, pois veio de uma família humilde, mas fazendo algumas economias e com a ajuda de alguns amigos, conseguiu realizar uma parte do seu sonho. O CD possui 10 faixas, sendo seis composições dela e quatro de compositores da região. Uma das músicas que mais tocaram nas rádios foi “Preciso de você”, composição própria de Aline Fernandes. O caminho da vida não é somente flores, e os obstáculos apareceram. Inúmeras dificuldades se sobrepuseram. Não foram poucos os momentos em que pensava em desistir, mas, no mesmo instante, surgia aquela força lá de dentro do coração que lhe dizia para continuar. Em 2008, iniciou a gravação do seu segundo CD, em um estilo sertanejo, com músicas de compositores ótimos como: “Gabriel Valim, Nando Marx, Sandro Henrique, Douglas Mello, Flavinho Tinto”. Um trabalho que esta sendo reconhecido por todo o Brasil. Hoje no segundo álbum de Aline Fernandes estão entre as mais tocadas em todas as rádios do estado e até mesmo fora dele às músicas: “Não vou te perdoar; Te Amo;  Só penso em você, Eu quero ver”.
Aline Fernandes e Banda, com seu estilo Sertanejo Universitário Feminino, estiveram em São Paulo, em um programa de rede nacional, aumentando ainda mais o seu publico. A cantora está conquistando multidões em cada show realizado e o empenho para ter o seu sonho completamente realizado ainda continua e a sua maior ajuda vem de seus fãs, os quais pedem suas musicas e passam uma energia maravilhosa para ela. 
Fonte do Site


Brenda & Bruna

As irmãs Brenda e Bruna são cantoras da música sertaneja. Começaram na música cedo com as respectivas idades 10 e 8 anos e sempre se apresentavam em estilos variados em alguns locais.

Brenda já fez aulas de piano clássico, mas não deu continuidade ao curso, pois não se identificava muito com o instrumento. Bruna já fez curso de violão, piano e guitarra e deu continuidade ao violão. Na dupla a primeira voz é da Brenda, mas costumam diversificar para mexer com o público.
Brenda e Bruna já fizeram shows em muitas cidades e municípios de Minas Gerais, mas as musicas da dupla tem tocado em todos os estados do Brasil. A dupla tem recebido cartas, e-mail e recados de fãs de toda a parte do país. Profissionalizaram-se como uma dupla em maio de 2007 e desde então tem recebido grande aceitação pelo publico infantil, juvenil, adulto e idoso. Durante os shows as músicas são diversificadas e muito animadas para animar o público de um modo geral fazendo uma mistura de sertanejo, pop, romântico, forró e até mesmo axé.
Já lançaram dois CDs. O primeiro álbum foi intitulado com a música ‘’Alegria do Povão’’ que consagrou e alavancou a carreira da dupla Brenda & Bruna. Outras faixas do CD como ‘Amor Amor’, ‘Peixe carimbado’, ‘Reflexo no espelho’ e ‘Eu faria tudo que pudesse’ deram continuidade ao sucesso da dupla. O segundo CD recém lançado recebeu o nome de
“Classe Feminina’’ onde a polemica música de Bruna vem fazendo sucesso nas rádios seguidas de outras 4 faixas que têm sido muito pedidas nas rádios como ‘Você me perdeu’, ‘Fique na mão’, ‘Fora de Órbita’ e ‘Cabeça Virada (Resposta de Coisas Exotéricas)’”.
Brenda & Bruna já viraram referência na voz feminina brasileira sendo convidadas a participar de diversos programas na TV brasileira. Elas seguem pelo Brasil fazendo shows e a cada dia arrastando mais e mais multidões de fãs que se encantam com a voz, o carisma e a beleza das meninas.
Brenda & Bruna é a revelação sertaneja que vai ganha seu coração!
Nome: Michelle Fernanda do Vale Rodrigues.
Data de nascimento e local: 04/10/1989 em São Paulo – SP.
Signo: Libra.
Comida: Massas, lanches, sucos, etc.
Se não fosse cantora seria: Dançarina.
Um sonho: conquistar todos os meus ideais.
Seu jeito de ser: bem humorada e carinhosa.
Cantor (a): Sandy e Junior
Filmes: Um amor pra recordar, Van Helsen, Uma ultima música, etc.
Time do coração: Cruzeiro, Santos e Brasil.
Gatos e Gatas: Bruno Galliasso e Juliana Paes.
Lazer: dança, computador, nadar e andar à cavalo.
Frase: "Posso ter tudo na vida, sem amor nada serei."
Religião: Católica.
Música: todas de menos rock metálico.
Animais de estimação: gatos, cachorros e cavalos.
Cores preferidas: rosa, preto, branco e azul.
Livros: Poderosa de Sergio Klein.
Homem: Tem que ser fiel carinhoso e bem humorado.
Cabelo: Castanho Claro
Pele: Branca.
Olhos: Castanhos claros.
Sapatos: 36.
Manequim: 40.
Sobremesa: Mouse de maracujá e chocolate.
Fruta: Maracujá, uva, maça, morango.
País: Brasil  
Nome: Gessica do Vale Rodrigues.
Data de nascimento e local: 06/09/1991 em São Paulo – SP.
Signo: Virgem.
Comida: Pizza, Panqueca, Batata Frita
Se não fosse cantora seria: Veterinária.
Um sonho: Conquistar meus ideais
Seu jeito de ser: sou uma garota carinhosa, amiga e muito bem humorada!
Cantores (as): Rhianna, Katy Perry e Lady Gaga.
Filme: Um amor pra recordar e Piratas do Caribe.
Time do coração: são dois... Cruzeiro e Santos (risos)
Gato e Gata: Cauã Reymond e Nicole Scherzinger
Lazer: Andar a cavalo.
Frase: “O Senhor é meu Pastor e nada me faltará”.
Religião: Católica.
Música: Broken. Ouço de tudo um pouco.
Animais de estimação: Cavalos e cachorros.
Cores preferidas: branco, roxo e preto.
Livro: Os miseráveis.
Homem: Honesto, trabalhador, que me ame, seja fiel e carinhoso.
Cabelo: Preto.
Pele: Morena.
Olhos: Castanhos.
Sapatos: 35.
Manequim: 36.
Sobremesa: Sorvete e chocolate.
Fruta: Kiwi.
País: Brasil.
Fonte do site 


Celita
A voz de ouro do Brasil.
Nome: Maria Helena Nunes
Nome Artístico: Celita
Idade: 59 anos (22/07/1953)
Naturalidade: Pirassununga/SP
Estado Civil: Separado (A) Judicial
Ocupação: Cantor e Compositor
Escolaridade: Ensino Fundamental Completo
Rainha da Canção Rancheira, “A voz de ouro do Brasil.”.
Desde adolescente com meus 15 anos, eu já gostava de cantar músicas sertanejas em festinhas de aniversários de amigos. As pessoas ficavam em minha volta ouvindo, me aplaudiam e pediam sempre mais uma.
Foram muitos anos cantando de lá pra cá, até que comecei a enfrentar, cantando em rádios, rodas de violeiros e shows em circos, até que um dia fui convidada para participar de um show em São Paulo dos Leões da música sertaneja, Duduca e Dalvan Irmãos Galvão, Leo Canhoto e Robertinho, Pedro Bento e Zé da Estrada, Sérgio Reis, etc.
Enfrentei e cantei ao vivo, minha primeira música foi Cavalo Preto ( inclusive gravei ela no meu 1° disco e canto ela até hoje. )
E qual foi a minha surpresa do final do evento?
Estava la um produtor da gravadora SETA RECORD ( Zé da Estrada ) um dos oponentes da dupla Pedro Bento e Zé da Estrada.
Eu considero o Zé da Estrada meu padrinho de carreira artística que me contratou para meu 1° disco. Um contrato de 5 anos pela SETA RECORD.
Meu 1° disco de vinil destacou a música A NOITE DO NOSSO AMOR em seguida no mesmo ano 1981 eu já lançava meu 2° disco, a música que se destacou foi (TE AMAREI TODA VIDA ) e é até hoje meu maior sucesso.
Assim foi acontecendo os demais contratos e gravações, contratada pela TV e rádio RECORD pela gravadora SETA.
Hoje tenho um total entre todos 25 coleções.
Aqui destaco alguns programas de TV e rádios da grande capital São Paulo que foram meu berço de ouro quando comecei a minha carreira.
Quero falar de alguns programas e apresentadores, Especial Sertanejo - Apresentados por Marcelo Costa, Programa Canta Viola - apresentado por Geraldo Meirelles, Programa Porteira para o sucesso - Apresentado por Roberto Barreiro e Faustão, Programa de Rádio ( José Bétio, José Russo Rádio Record), Programa Edgar de Souza Rádio Nacional de São Paulo, Programa Eli correia Rádio Tupi - SP e Programa Sérgio Reis Rádio Nacional de Brasília etc.
Cantei em muitos circos, e canto até hoje em festa de Rodeios por todo Brasil, fiz muitos Shows dividindo palco com o famoso locutor de rodeio o Zé do Prato, Tião Carreiro e Pardinho, Barrerito, João Paulo e Daniel, Tonico e Tinoco.
Mas quando estas vozes soavam juntos comigo no mesmo palco, para mim era o meu MAIOR INCENTIVO.
O Tião Carreiro me dizia, “sua voz é inconfundível e diferente, sua voz é um ouro” e hoje eu tenho mais um slogan (A voz de ouro do Brasil, e esse é o tema do blog Celita )
Não posso esquecer, seria ingrata se isto acontecesse de não falar da Dalila, ela muito trabalhou nesta grande São Paulo, dia, noite, de madrugada às vezes eu ia junto com ela na divulgação de todos os meus discos.
Não posso esquecer do meu 1° diretor de gravações, saudoso Paulo Rocco, que muito fez por minha carreira, foi ele quem me deu o título “A Rainha da Canção Rancheira.”.
Meu sonho é gravar um ou mais CDS sertanejo em Espanhol (Eu chego la!)
Tudo isso agradeço primeiramente a Deus, Zé da Estrada, Dalila, SETA RECORD e todos os radialista por todo Brasil.
Sou uma pequena notável, por que meus fãs valorizam o meu talento.
Meu Abraço a todos.
Nunca desista de seus sonhos.
Eu sonho, eu idealizo, eu planejo e conquisto!

Tuta Guedes

            Nascida em Pirassununga, interior de São Paulo, Tuta – ou Regina Maria Furlan, seu nome de batismo – teve seu talento musical descoberto em casa, pelo avô, um talentoso saxofonista que tinha uma banda em que toda a família tocava.

Seus brinquedos eram instrumentos musicais, como uma sanfoninha dada pelo tio e, em seguida, um violão e um cavaquinho.

Já adolescente, Tuta, que fez aulas de canto, passou a se apresentar em bailes, e, acreditando em sua capacidade, foi para São Paulo em 2005 atrás do sonho de fazer sua voz marcante ser ouvida pelo povo.

Hoje, líder de uma banda de primeira, e com musicalidade, irreverência e beleza de sobra, a cantora tem levado sua música para um público cada vez maior e mais diversificado.
Das tradicionais feiras e rodeios até os Programas de TV, vários foram os palcos por onde, até agora, Tuta Guedes passou, e em todos, uma impressão unânime: a de que essa menina simples e talentosa, sim, vai longe.
Fonte http://tutaguedes.com.br/


Luane Mattia


É a mais nova cantora “teen” que brilha no cenário Nacional Sertanejo!

Natural de Piraquara Paraná começou sua carreira muito jovem cantando em barzinhos da região; Luane Mattia já cantou ao lado de duplas como Adilson & Silvinha, Luy & Maury, Eduardo Neto & Fernando, Willian & Renan e Léo & Lima que além de darem espaço para que Luane Mattia mostrasse seu trabalho, ainda a incentivam na gravação de seu primeiro CD.

Desde que começou a se interessar pela música essa talentosa artista vem conquistando seu público, que admira e faz questão de acompanhar o seu trabalho.

Luane Diz: '' Amo a música e amo o que eu faço, quero poder agradar a todos com o meu trabalho''.

Agora Luane Mattia lança seu primeiro CD Sertanejo Universitário com a música de trabalho ''Tá rolando um clima''.

alinemkmattia@gmail.com
41) 8444-1015 (41) 3589-5047
Fonte http://www.sertanejobao.com.br
Amannda

Nascida e criada em Campo Grande (MS), a jovem cantora e compositora Amannda Condesca ganhou visibilidade em 2009 com um vídeo no Youtube onde a jovem cantava a música “Perdoa Amor” sucesso de Marcos e Belutti.

Foi pela internet que o músico Sorocaba – da dupla Fernando & Sorocaba – conheceu Amannda, esta garota de timbre único e afinado e decidiu apadrinhá-la, assim como fez com Luan Santana. A campo-grandense, que foi hit no Youtube com uma série de vídeos caseiros, desponta no cenário do sertanejo universitário como a mais nova e grande revelação do gênero, e lança seu primeiro CD e DVD ao vivo pela EMI Music.

Considerada a menina dos olhos do Sorocaba, Amannda tem duas faixas compostas pelo amigo em seu novo trabalho: Tá Surdo.

 Música que liderou a lista de execução nas principais rádios do interior de São Paulo; e Pensa Pra Falar.

O CD e DVD Ao Vivo em Campo Grande trazem ainda outras importantes parcerias da jovem, com Marcos & Belutti (Até o amanhecer) e Hugo Pena & Gabriel (Ai Meu Deus) e o grupo paulista de samba Inimigos da HP (Me Empresta Um Beijo).

No repertório, há ainda canções de autoria de Amannda que prometem virar hit: Ajoelha, implora e Quero te esquecer. O DVD, que traz 21 faixas, mostra também sucessos de seu primeiro CD, intitulado @amanndacomvoce e lançado em 2010, como Cumplicidade e Ei, menino (Tua mãe não te vende, não?).

Amannda vem conquistando cada vez mais espaço na cena musical brasileira com seu talento, além de sua marcante presença no crescente time de vozes femininas no circuito sertanejo. Com este trabalho ao vivo, afirma que está pronta para embarcar para a próxima etapa de sua carreira rumo ao sucesso.
Contato para Shows: (67) 8144- 4464 – Valter Junior
Confira abaixo a entrevista ao site:
Amannda, como aconteceu à paixão pela música?
Comecei a cantar com 3 anos de idade em casa. Com 10 anos comecei a me apresentar, cantando profissionalmente em barzinhos, casamentos, formaturas. Desde pequena sempre ouvi e gostei de sertanejo.
S.O. – Na sua carreira quais são as suas referencias musicais?
Sou muito eclética. Ouço do funk ao samba, RS! Amo Bruno e Marrone, Cristian e Ralf, entre outras tantas duplas sertanejas.
S.O. – Você está lançando atualmente o seu primeiro DVD que foi gravado em maio deste ano, Fale sobre o seu primeiro trabalho e diga o que você achou de ter gravado com artistas como Fernando e Sorocaba, Marcos e Belutti?
Este é o meu primeiro DVD e segundo CD. Já gravei um CD em 2010 com participação especial do Fernando e Sorocaba, da qual sou apadrinhada. No primeiro DVD foi muito especial contar com a participação do Marcos e Belutti, Inimigos da HP e o Hugo Pena e Gabriel.
S.O. – Atualmente “Até o Amanhecer” é o seu hit de trabalho, e para você, qual das suas músicas é a preferida?
Cumplicidade é a minha preferida, simplesmente amo cantar essa música, por isso ela é tão especial.
S.O. – Com certeza a sua rotina modificou muito após o sucesso, como você encara essa nova rotina? Existe tempo para o amor?
Encaro com tranqüilidade. Qualquer tipo de trabalho tem suas dificuldades. Existe tempo para o amor sim, mas estou solteira no momento, e trabalhando MUITO, rsrs.
S.O. – O gênero “Sertanejo Universitário“ atualmente está passando o seu melhor momento de popularidade, podemos dizer que já contaminou todo o Brasil, inclusive locais como a cidade do Rio de Janeiro que sempre enxergou o gênero como “caipira” e nunca lhe rendeu destaque e o Norte/Nordeste que sempre teve seu próprio estilo musical. Como você vê o momento da música sertaneja no Brasil e o que você acha do subtítulo “Sertanejo Universitário”?
Fico muito feliz que o sertanejo está sendo reconhecido, é um ritmo que merece esse crescimento. O chamado “sertanejo universitário” é um novo sertanejo mais renovado, com uma linguagem mais fácil e mais dançante.
S.O – Já existe algum novo projeto de trabalho?
Ainda não. Em 2012 vamos trabalhar este primeiro DVD fazendo muitos shows por todo o Brasil.
S.O. – Quando os seus fãs poderão curtir o seu novo site?
O novo site já estará no ar mês que vem (novembro) todo repaginado.
S.O. – Deixe um recado aos Fãs de Amannda e do Site Sertanejo Oficial.
Nunca deixe de acreditar nos seus sonhos! E Deus em primeiro lugar.
Dalva Mendes


            Dalva Mendes iniciou a carreira com sete anos  junto com sua irmã “Maria das Graças”.
Depois formou dupla com Maria Soares (Dália).
Dalva e Dália tinham um programa de Radio na Difusora Paraisense porem desfizeram a dupla com o tempo.
Um dia participando de um festival, Dalva conheceu Dairon e formaram o novo duo Dairon e Dalva gravou dois discos “Chicote tra-la-la e Piracicaba”.
Residindo em São Paulo, Dalva conheceu diversos artistas consagrados da musica sertaneja, entre eles Tião Carreiro e Pardinho.
Pardinho propôs a Dalva que fizesse dupla com uma amiga sua, até então desconhecida, tendo o nome de Deise.
Dalva aceitou a proposta e formou a dupla Deise e Dalva gravando assim um disco pela extinta gravadora chantecler Continental.
Tempo depois Dalva formaria um outro duo com Deivi gravando pela gravadora Tocantins de Liu e Leo e logo gravou um disco solo pela gravadora Copacabana porem resolveu dar uma pausa nos trabalhos artísticos e mudou se para Ribeirão Preto.
Após alguns anos sem gravar, Dalva está lançando um Cd com dez faixas sendo oito composições próprias e duas do cantor e compositor “Corrente” onde através das melodias, ela expressa o amor e a alegria de cantar.
Fonte da própria cantora 10/01/12.
16 3637 1947 contato.


Virgínia Kheer
A cantora e compositora Virgínia Kheer nasceu em Manhumirim /MG.
Aos 13 anos tocava acordeom em festas juninas, fazia versões de algumas músicas a pedido do Diretor do colégio onde estudava. 
Começou a cantar em festas e em igrejas evangélicas. 
Aos 15 anos, mudou-se para São Paulo. Trabalhando em firmas, conheceu pessoas que cantavam e foi cantar em festinhas de aniversário e bailes, escondida da família. 
Foi no Recanto Goiano, uma casa de música ao vivo, tradicional da cidade de São Paulo, onde cantava que conheceu o cantor e compositor Carlos Cezar. Mostrou a ele algumas de suas composições, e ele aprovou. Surgindo daí uma parceria. Juntos fizeram algumas obras como: 
Nossa Melodia preferida: Gravada pelas “Marcianas” 
Táxi: Gravado por “Ataíde e Alexandre” 
Mixto Quente: Gravada por “Carlos Cezar e Cristiano” 
Momentos do Adeus: Gravada pelas “Mineirinhas” 
Vai Embora: Gravada por “Craveiro e Cravinho” 
Fácil: Gravada por “Mococa e Paraíso” 
Céu da Boca: Gravada por “Matogrosso e Mathias” 
Eu Te Amarei Bem Mais: Gravada por "Marcelo Aguiar" 
Ama todas as composições que fez e que faz, pois cada uma é como um filho. Mas tem umas que são especiais, como: “O Forasteiro”, gravada por Carlos Cezar e Cristiano “Falando as Paredes”, um dos maiores sucessos da dupla Chitãozinho e Xororó, “Nossa Melodia Preferida”, gravada pelas Marcianas, “Cara e Coragem”, gravada por Carlos Cezar e Cristiano, e uma versão “Adeus Amor, Adeus”, gravada por cantora Ivonne Santy e Monaliza. 
Parou de cantar, e se dedicou a carreira de compositora. Aos 35 anos, voltou a subir nos palcos, cantando com a Irene, do "Duo Ciriema”, (dupla de vários sucessos, entre eles: “Não beba mais não”). A parceira da Irene, Maria Aparecida, passou por uma cirurgia. e elas, tinham vários shows agendados. Ensaiaram todo o repertório em uma semana. E aqui um pouco da sua trajetória artística. 
VIRGÍNIA KHER 
E-mail: vi.kheer@hotmail.com
 
THAMMY CEZAR
A cantora e compositora THAMMY CEZAR é paulistana, filha de compositores. Pai: O grande poeta, cantor e compositor Carlos Cezar. Mãe: A compositora Virgínia Kheer.
Aos cinco anos de idade, Thammy surpreendeu seu pai, fazendo duetos para ele em algumas canções. Aos oito anos o acompanhava em shows fazendo dueto na música “Amigos para sempre”, versão do próprio Carlos Cezar.
Aos quatorze anos, comandou um grupo de samba/pagode, com o apoio dos pais, como vocalista e a única mulher do grupo. Porém, o estilo sertanejo sempre falou mais alto em seu coração. Thammy trabalhou como backing vocal para Carlos Cezar. Juntos fizeram a abertura da festa de peão da Red Eventos, na cidade de Jaguariúna, no interior de São Paulo.
Conversando com o pai, Thammy decidiu de vez abraçar a carreira no estilo sertanejo. Porém a perda do pai fez ela dar um tempo e repensar sua trajetória artística.
Três anos depois, Thammy Cezar, voltou a cantar e fazer participações em diversas gravações. Participou inclusive do álbum lançado pelo Coral Santa Tereza, da cidade de Mogi Guaçu, interpretando a música “É difícil definir Jesus” (Saudade), uma homenagem ao pai.
Thammy tem participado de vários programas de rádio e televisão divulgando sua carreira e até mesmo prestando homenagem ao pai, que constantemente é lembrado nos programas musicais pelo grande artista que marcou a música brasileira. Participou juntamente com Mococa e Paraíso, Pedro Bento e Zé da Estrada, entre outros do Programa “Viola, minha viola”, comandado por Inezita Barroso na TV Cultura, em um especial homenageando Carlos Cezar. Ao lado de Matogrosso e Mathias, cantou no Programa Caminhos da Roça, da EPTV, afiliada da Rede Globo no interior paulista. Aliás, é bom registrar que Carlos Cezar em parceria com José Fortuna foram os responsáveis por um dos maiores sucessos de Matogrosso e Mathias, quiçá da música brasileira, a canção “24 horas de amor”, que colocou a música sertaneja nas rádios FMs, que até então não executavam o estilo sertanejo.
contatos
(19) 3362-3669 – (19) 9832-5211



Mariângela Zan.
Mariângela Zan, filha do acordeonista e compositor Mário Zan, sempre sentiu interesse pela música, pois cresceu no meio de músicos e compositores. Começou a cantar aos 13 anos de idade, fazendo backing-vocal nos shows e bailes de seu pai, por todo o Brasil.
Aos 15 anos, assumiu oficialmente o vocal da banda, interpretando canções de autoria de Mario Zan e de outros compositores.
Mariângela Zan diz que se firmou como cantora profissional nos bailes pelo Brasil, pois é neste ambiente que um intérprete aprende a cantar todos os ritmos.
           Ao longo destes 14 anos acompanhando seu pai, Mariângela Zan apresentou-se cantando solo em diversos programas de televisão como: Altas Horas e Mais Você (REDE GLOBO); Viola minha viola e Ensaio (TV CULTURA), recebendo elogios do diretor e apresentador do programa Fernando Faro, entre outros.
Mariângela Zan apresentou com Mario Zan durante dois anos e meio, o Programa "Mário Zan e seus convidados", na REDE VIDA DE TELEVISÃO, onde apresentou os melhores artistas da música popular Brasileira e algumas atrações internacionais, atingindo grande audiência.
Neste programa, Mariângela Zan cantava uma música por programa, sempre variando compositores e ritmos.
 Mariângela Zan apresentou-se em praticamente todos os Sesc´s da capital e interior de S.Pem shows com muito sucesso. Ela cita como os shows mais marcantes desse período um na Sala São Paulo, em Janeiro de 2004, acompanhada de orquestra, onde interpretou vários sucessos de Mário Zan e o segundo no Festival América do Sul em Corumbá – MS, cantando canções locais pantaneiras inclusive a música "Chalana", de autoria de Mário Zan e Arlindo Pinto.
           Mariângela Zan gravou um CD em homenagem a seu pai Mário Zan, com composições de autoria dele (relançado em 2009).
           Mariângela Zan está em carreira solo desde 2007, sempre trabalhando em Sesc's, Praças públicas, centros culturais.
Mariângela é uma estudiosa da cultura brasileira, do folclore e dos diversos segmentos da música popular brasileira, principalmente a música raiz.
           Nesta nova fase da carreira, Mariângela Zan já se apresentou cantando em diversos programas de televisão como: Viola minha viola (TV Cultura), Terra Nativa (TV Bandeirantes), Pra você – de Ione Borges, (TV Gazeta), Dia a dia Rural (TV Terra Viva, do Grupo Bandeirantes), Caminhos da Roça (EPTV - Globo Interior SP e MG).
           Mariângela Zan participou no ano de 2008 do projeto "Filhos de peixe", que reuniu filhos de grandes nomes da música regional brasileira. Apresentaram-se em lindos shows em diversas cidades do Brasil, programas de rádio e televisão e fizeram um show memorável no Centro Cultural São Paulo.
           Atualmente, Mariângela Zan apresenta o show: "Viagem pela música raiz", que agrada gerações por onde passa, levando o público da emoção a extrema alegria. Sucesso absoluto de público em Sescs, Praças Públicas, centros culturais, sendo várias vezes aplaudida de pé.
           Em janeiro de 2011, foi convidada pela prefeitura de São Paulo para se apresentar no 457º aniversário da cidade de São Paulo.
No palco da Avenida Ipiranga com Avenida São João, cantando a musica "Quarto centenário" de autoria de Mário Zan e J.M.Alves e ao lado do grupo Fala - mansa o forró "Pau de arara" de autoria de Luis Gonzaga e Guio de Moraes, para um público de mais de 600 mil pessoas.
           Mariângela Zan fez dois shows na VIRADA CULTURAL da cidade de SP em 2011 e fez a VIRADA CULTURAL do estado na cidade de Marilia, em maio de 2011.
Participou também da VIRADA CULTURAL paulistana de 2012 e da RE-VIRADA cultural do estado em 2012 nas cidades de Americana e Cosmópolis.
           Fez parte do projeto CEU é Show 2011 da Secretaria de educação da cidade de São Paulo, onde se apresentou nos teatros da unidades educacionais do Céu durante todo o ano de 2011 e teve o contrato renovado para a temporada 2012, por ter sido uma das atrações mais solicitadas da temporada anterior.
           Mariângela Zan tem 32 anos de idade, é formada em Direito e Jornalismo.
Hoje dia 08/07/12 ela estará se apresentando no viola minha viola, TV Brasil.


Crissia Montess
Sobre mim
Crissia Montess nasceu no bairro do Ipiranga em São Paulo capital, e desde criança já cantava junto com a mãe Terezinha que adorava acompanhar pelo rádio as músicas de grandes nomes do cenário musical brasileiro.
Foi assim que ela tomou gosto pela música e aprendeu a valorizar as canções de artistas como Tonico e Tinoco, Liu e Léu, Trio Parada Dura, João Mineiro e Marciano, Chitãozinho e Xororó, Tião Carreiro e Pardinho, Suzamar, Nalva Aguiar, Jayne e tantos outros nomes da música sertaneja.
O gosto pelas coisas da roça vem do tempo de adolescência em que morou na zona rural de várias cidades do interior paulista, onde seus pais trabalhavam na agricultura. Com vários anos de experiência musical, desde os primeiros cursos de canto, CRISSIA MONTESS leva para seus shows a segurança e o conhecimento de quem já foi crooner de banda de baile, Backing vocal e cantora de estúdio na gravação de jingles publicitários e vinhetas para rádios de todas as regiões do Brasil. A beleza, o carinho e o carisma com o público completam a cantora que em seus shows apresenta um repertório que passa pelo country-rock, romântico, sertanejas universitárias e baladas dançante.
Contato para shows - 11 8520-5819 / 11 7390-2780


Mirelli Elias
A nova voz Feminina que deve conquistar o Brasil:
A nova aposta de alguns dos principais profissionais do mercado sertanejo será a Cantora Catarinense Mirelli Elias, comentários entre o meio artístico que ela será a nova musa na música sertaneja. Ficamos na expectativa do lançamento das músicas da menina que deve pimentar o mercado sertanejo.

Beatriz Soczek

Nasceu em 02/09/1994, em Quitandinha – PR. Filha de Anastácia Laska Soczek e Francisco Soczek Neto, Seu pai faleceu quando tinha 1 ano e 10 meses, não conheceu o pai. Quando criança com 7 anos, já brincava com uma varinha batendo em tampas de panelas e em latões de tinta (bateria); aí percebeu que tinha talento pra música. Aos 8 anos começou a aprender a tocar violão e com 3 semanas já sabia tocar a música Chico Mineiro. Logo procurou aula de técnica vocal, pra aperfeiçoar a voz e assim foi continuando.
Mais tarde, resolveu tocar viola e continuou a se aprimorar. Pessoas admirando seu carisma foram incentivando e foi melhorando. Sempre participou dos aniversários da cidade de Curitiba, convidada pela Fundação Cultural e fez shows beneficentes na região. Participou da Canja de Viola em Curitiba aos domingos no TUC; dando preferência para musicas sertanejas… Incentivada pela sua mãe (Anastácia), gravou a primeira música na Canja de Viola com o titulo LIÇÃO DE VIDA(autor desconhecido) e depois Rainha do Paraná (Nizio).
Em 2007 viajou para Igaraçu do Tietê – SP e Barra Bonita – SP, onde participou de vários eventos. Em 2007 Gravou seu primeiro CD: TRIÂNGULO SERTANEJO, uma coletânea e em 2008 seu segundo Cd ESPORA DE PRATA no qual o Padre Reginaldo Manzotti participa em uma música. Suas Músicas são aceitas em todas as cidades do Brasil. Viajou a Porecatu – PR aos 14 anos para divulgar seu CD, quando visitou a cidade de Florestópolis, Lupionópolis, Centenário do Sul e Mirante do Paranapanema. Foi hospedada na fazenda Candiolinda em Porecatu pelo compositor Valdevino Sobral.
Seu 3º CD gravou no final de 2010 com 16 anos, Titulo : Risquei seu telefone. Nunca teve empresários, sua mãe Anastácia Laska Soczek que dá todo apoio. A música Rainha do Paraná (Nízio) teve bastante repercução na região. Em seu 2º CD, as musicas mais tocadas foram Pequeno Agricultor (Francisco Franco) Senhora das multidões (Valdevino Sobral) e Espora de Prata (Mineirinho) . Do seu 3º CD está sendo mais ouvida Risquei seu telefone (Soberano/Beatriz Soczek) Estou Pedindo que me esqueça (Soberano/Beatriz Soczek) Amor Cigano (Mineirinho). Em Festa de Peão (Valdevino Sobral/Beatriz Soczek) e Meu Querido Sul (Valdevino Sobral). Mais de 40 rádios da internet, FM e AM tocam suas musicas direto. É filiada na ABRAMUS desde 2008. Começou a tocar sanfona em Agosto de 2009, gravou a Música Chalana e colocou no youtube, hoje tem mais de 28.300 Exibições.
Minha apresentação sempre é solo, VOZ E VIOLÃO, não tenho banda, nos locais aonde vou, tem as bandas, aí me acompanham pra me dar um apoio. Meu estilo de cantar é Sertanejo, Cowtry e gaúcha: afirma a cantora que Apresenta nos shows musicas de Chitãozinho e Xororo, Zezé di Camargo e Luciano, Daniel, Guilherme e Santiago, Amado Batista, Victor e Léo, Edson e Hudson e demais artistas.
Os fãs fazem muito pedido de musicas no show.


Nathalia e Camilla
Cantoras e compositoras, Nathalia e Camilla são gêmeas,
20 anos, nasceram em Rio Verde-GO.
Desde pequenas adoravam interpretar canções de grandes nomes da música sertaneja.
No ano de 1998, houve a perda de um grande ídolo nas meninas, o cantor Leandro da dupla Leandro e Leonardo,foi então que fizeram a primeira composição  em homenagem ao cantor,um poema com 30 títulos das musicas da dupla.O programa Domingo Legal (SBT) preparou uma homenagem pelos 2 anos de falecimento de Leandro.
O poema das meninas  foi enviado à produção do programa e então elas foram convidadas a participar da homenagem em uma matéria gravada em Goiânia junto à família do cantor.
Depois disso não pararam mais, se apresentaram em várias festas da cidade e região.
Aos 13 anos, Nathalia e Camilla realizaram um grande sonho, cantou ao lado da dupla Zezé di Camargo e Luciano em Rio Verde GO. Para mais de 30 mil pessoas.
Aos 15 anos mais uma vez Nathalia e Camilla sobem ao palco ao lado de Zezé di Camargo e Luciano em Lagoa da Prata - MG.
Um ano depois conheceram a dupla Victor e Leo na cidade delas e tiveram oportunidade de apresentarem suas composições à eles.Foram convidadas pela dupla à participarem do grande show que aconteceria naquele dia.
No mesmo ano fizeram adaptação da música “É o amor”  para homenagear o amigo Zezé di Camargo pelos seus 45 anos de idade e fizeram abertura do show da dupla em comemoração ao aniversário do cantor,no Atlanta Music Hall(Goiânia GO).
Aos 17 anos também na cidade de Rio Verde se apresentaram ao lado de Jorge e Mateus e realizaram a gravação do primeiro álbum com 9 composições próprias voltadas para o estilo pop romântico, o que lhes renderam várias participações em programas de radio e televisão da cidade e também da região.
Após todas essas experiências na vida artística,
Nathalia e Camilla, mais maduras e certas de que o estilo sertanejo fala mais alto em seus corações, resolveram partir para esse novo desafio.
Aos 18 anos gravaram o primeiro CD no estilo ‘sertanejo universitário’.
Hoje aos 20 anos, estão fazendo grandes shows na cidade e região, televisão e rádio,e tiveram mais uma vez a oportunidade de cantar ao lado dos grandes amigos e ídolos Zezé di Camargo e Luciano no ultimo dia das mães em Inhumas -GO,e com Fernando e Sorocaba em Trindade - GO na inauguração da casa de show Metrópole.
Realizaram a gravação do mais novo álbum da dupla, o primeiro ao vivo, com 9 músicas inéditas (a maioria de autoria própria)  e 5 regravações.Um trabalho feito com muito amor e carinho para que o publico sinta o gostinho do ‘show’ de Nathalia e Camilla independente de onde estiverem.
CONTATOS PARA SHOWS:
0xx64 9642-6692
contatonathaliaecamilla@gmail.com
Fonte http://nathaliaecamilla.com.br


EDNA & CIDA MOREIRA
 “As meninas de Vazante”, é assim que carinhosamente, é chamada a dupla de música sertaneja, formada pelas irmãs EDNA & CIDA MOREIRA, da cidade de Vazante, MG.
Sendo a primeira Edna Moreira dos Santos, nascida em 11 de setembro de 1954 e a segunda, Aparecida Moreira Souza, em 21 de novembro de 1958, ambas casadas e mães de família.
Iniciou a parceria em outubro de 1975, quando participaram de um Festival de Músicas Folclóricas, realizado no Social Vazante Clube, sendo classificadas em primeiríssimo lugar.
A partir daí, eram convidadas a cantar em festas, circos, animações de reuniões familiares, quermesses nas igrejas católicas, piqueniques dos servidores públicos municipais e em serestas.
Apesar de que o pai sonhava para que elas seguissem carreira, deixaram de cantar por muitos anos. Somente em 2009, é que retornaram com uma participação especial no Programa Nossa Terra Nossa Gente, realizado na Fazenda Mata Preta, apresentado por Maurício Araújo e levado ao ar em 8/11/2009, na TV NOROESTE de Vazante-MG.
No mês seguinte, realizando um sonho das duas e para homenagear o pai (in memorian), gravaram o 1º CD “MOTIVO DE SAUDADE”, beneficente à APAE e à Casa de Apoio aos doentes de câncer, de Vazante-MG, em Barretos-SP.
16/03/10 – Missa Sertaneja no Santuário de N. Senhora da Lapa - Lançamento do 1º cd.
08/04/10 – Aniversário do Centro Cultural de Vazante-MG – Homenagem ao dia internacional da mulher.
19/05/10 – SESC em Uberlândia-MG- Encontro de violeiros – Tributo a Pena Branca.
24/05/10 – Patos de Minas – FENAMILHO
19/07/10 – Vazante-MG - Igreja São João Batista - Show na Festa em louvor ao santo padroeiro da Comunidade.
26/09/10 – Patos de Minas – CAVALIONS – Festa do Tropeiro.
23/01/11 e 13/02/11- Uberlândia- MG – Programa Coração Sertanejo – canal 12 aberto - Canal 6 TV a cabo.
30/04/11- Show no encerramento da romaria da Festa em louvor à N.S. da Lapa,
Com a presença de aproximadamente dez mil pessoas.
01/05/11- Vazante-MG - Santuário de N. S. da Lapa – Missa Sertaneja (Missa do trabalhador), com a presença de aproximadamente três mil pessoas.
08/05/11 – Lançamento do CD vol.II da dupla, com o título “Vento Mensageiro”, letra e música do primo Pedro José e uma homenagem às mães, com a música “Deusa Divina”, de autoria de José de Arimatéa de Uberlândia-MG.
Cujo trabalho está sendo muito solicitado pelos ouvintes das seguintes emissoras de rádio: Montanheza e Liberdade de Vazante-Mg, Juriti e Boa Vista de Paracatu-MG, Gerais FM de Coromandel MG., Clube de Patos de Minas, Paranaíba de Uberlândia-MG, Rádio do povo de Muzambinho-MG, João Pinheiro-MG, Ceres e Anápolis-Goiás, Brasília-DF, Rádio Jornal do Povo –Curitiba-MG, etc...

Fernanda e Jaqueline
 "As Caipiras"
A vocação para a música começou cedo para as irmãs Fernanda e Jaqueline... Por incentivo do pai, cantor e compositor que gravou 3 LPs no inicio da década de 1980, estabeleceram desde a infância laços com a música sertaneja.
Os pais Randal e Romilda, foram os responsáveis pela formação da dupla, e juntos sonharam com uma carreira de sucesso para as filhas. Iniciaria então a busca pela inserção no cenário artístico sertanejo, uma dupla do interior de Minas Gerais. Residindo na comunidade rural da Tenda dos Morenos, e vivendo da plantação de tomate – dura realidade de quem vive na roça - as chances de realizar o sonho de gravar um CD eram poucas. Mesmo com a aceitação da dupla feminina nas apresentações em festas populares da região, gravar um CD parecia coisa impossível, na época.
Um objetivo...
O sonho estava em primeiro plano na vida da família, porém as necessidades básicas deveriam ser primeiramente supridas. Mas o talento e o prazer de cantar falavam mais alto. Foram muitas as apresentações da dupla em sua região, sobretudo nas festas típicas e rurais como as festas juninas, folias de reis, rodeios, entre outras.
Tais eventos proporcionaram à dupla novas experiências e acima de tudo confiança no que sabiam fazer muito bem. Na cidade se apresentaram em bares e casas de shows com os pais. Participaram também de um festival em 2005 de uma rádio em Uberlândia obtendo a segunda colocação.
E assim, foram construindo uma carreira artística que desembocou na realização do sonho: O primeiro CD produzido por Tiago Carvalho em São Paulo em 2008, com a ajuda do atual empresário da dupla, Dione Lopes. Buscando agradar todos os gostos, gêneros e idades, o interior das gerais lança no mundo artístico da música sertaneja a mais nova dupla feminina: As Caipiras.
As Panteras
Simone Sperança nasceu em Guarulhos - SP, no dia 29 de junho e aos 12 anos iniciou carreira artística junto com a mãe, formando a dupla Simone e Silmara.
Com 16 anos, gravou o projeto cultural “Cozinha Caipira de Célia e Celma” cantando a música “O Poder da Viola”, autoria de Moacir dos Santos e Tião do Carro.
A parceria artística com a mãe durou 7 anos e depois Simone seguiu novos rumos e formou dupla com Pardinho Filho, com quem gravou o primeiro CD reunindo sucessos como “Pedra 90” composição de José Vitor e “Acabou” de sua própria autoria. Foram 5 anos de muito trabalho, crescimento e amadurecimento musical.
Formou-se em fonoaudióloga e por meio desta profissão foi contratada para trabalhar com a Orquestra Feminina e nessa orquestra conheceu a nova parceira, ou melhor, a “Pantaneira” Miriam.
Miriam Boeira nasceu em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, no dia 23 de maio.
A paixão pela música raiz também vem de infância e aos 26 anos começou a fazer aulas de viola, tendo como primeiro professor o músico Sérgio Pena. Formou-se em Administração de Empresas, mas a paixão pela música prevaleceu e, certa de que seguiria carreira artística, desde 2006 vem se aperfeiçoando com intensa dedicação às aulas.
Fez a primeira voz em algumas músicas na Orquestra Feminina e foi em uma das participações entre uma apresentação, que sua voz chamou a atenção da cantora e compositora Simone Sperança que logo a convidou para cantarem juntas. E, assim, nasceu a dupla “As Pantaneiras”, aliás, primeira parceria de Miriam na carreira artística e como segunda voz.
Há um ano juntas, esbanjam talento e estão lançaram o primeiro CD com 6 músicas inéditas.

Michelle & Karoline –
Foi numa manhã de julho de 2008, numa Roda de Viola na Rádio PRF-8 de Botucatu, através do agora padrinho das moças, o Ramiro Viola, que elas se conheceram e foi amor a primeira vista...
Karoline, a caboclinha violeira, como era carinhosamente chamada, seguia carreira solo, e foi se apresentar na rádio naquela manhã a convite do Violeiro Matuto, Ramiro Viola. Michelle, amiga de Ramiro há tempo, foi assistir a apresentação dos violeiros e, na oportunidade apresentou-a para Karoline. Papearam um pouco e trocaram número de telefones, após o convite da Michelle para fazerem uma missa sertaneja juntas. A partir daí não mais se separaram. Hoje, além de dupla, são também madrinha e afilhada, as duas católicas. Michele crismou Karoline, e as duas seguem mais unidas do que nunca, como dizem sempre, a Viola une as pessoas... E as uniu... Com toda a força.
Michele Rosa Dellegues, nasceu em Botucatu. Começou a fazer seus primeiros acordes no violão aos 11 anos, incentivada pelos pais que vieram do sítio e o ensinamento de sua mãe de nunca esquecer ou negar as suas origens, nem se alhear de suas raízes. Por vocação sempre ouviu com seu pai e cantarolou músicas caipiras. Começou a cantar e tocar na igreja de Santa Terezinha, onde até hoje participa da Pastoral da Música nas missas, junto com Karoline. Depois de um tempo ausente de Botucatu, volta pra cidade raiz, agora com seu pequeno Gabriel, hoje com seis anos, onde encontra os amigos, entre eles, o velho amigo Ramiro Vióla, que volta a incentivá-la a voltar a cantar. “Cada um tem que desenvolver na terra os talentos confiados pelos céus” – ele sempre repete.
Ana Karoline Beneditti, 16 anos e um talento especial, dona de uma voz doce, e um dom incrível para tocar. Toca viola e violão desde muito pequena. Sua primeira platéia eram as galinhas (sempre diz entre risos), e sua primeira violinha foi comprada através da venda de latinhas, e com a ajuda do seu querido e saudoso avô.
Nascida em Botucatu, essa caboclinha como ainda é chamada, vive num sítio cercado das recordações caboclas do avô, que deixou coleções de fitas, discos de vinil, vitrolas... tudo do mais puro sertanejo raiz.
Por tudo isso, e muito mais, essas meninas tem defendido nossa moda raiz. Com dois anos de dupla, vem sempre se destacando nos festivais de modas sertanejas da região.
Fãs de Leide e Laura, Juliana Andrade e Jucimara, As Galvão e Inezita Barroso, por seus trabalhos e pela dura batalha por serem mulheres vitoriosas nesse ramo. Além de imensa admiração por violeiros renomados como Ramiro Viola e Pardini, Tião Carreiro & Pardinho, Goiano & Paranaense, Tonico e Tinoco, entre tantos nomes que as incentivaram e incentivam seu maravilhoso trabalho.
O agradecimento especial da dupla sempre é dedicado ao padrinho Ramiro Viola, o maior incentivador. Também ambas são muito gratas à família, pelo apoio sempre presente e que acompanham a dupla por onde for. Há espaço em seus corações também para o professor e amigo Valdir Luis, que tanto acredita no talento delas. Acima e além de tudo, são gratíssimas a Deus por tê-las colocado uma no caminho da outra, e tem proporcionado tanta força e alegrias. O mesmo Deus que dá o dom é o que faz o sucesso acontecer. Assim ocorre com as pessoas que trazem no coração a marca de um destino a ser cumprido.
As meninas acalentam um grande sonho: encontrar pessoalmente Inezita Barroso e gravar o programa Viola Minha Viola, apresentado por ela. Outro grande sonho é também a gravação do 1º cd, e para isso estão se aprimorando cada vez mais na viola, violão e voz. E ainda mais: já arriscam, com muito critério, compor suas próprias músicas. A primeira moda que compuseram juntas: - “Natureza Esquecida”, conquistou o terceiro lugar, no Poranganejo – Festival de Musica Inédita Sertaneja Raiz de Porangaba em setembro de 2009. Além disso, por terem começado a participar de festivais de modas inéditas, estão em contato com compositores e encontram belíssimas canções.

Sula Mazurega
Aos nove anos de idade apresentou-se no programa "Show de viola", apresentado por Carlos Aguiar na TV Gazeta. Em 1979 e 1983 gravou dois discos independentes com o pai Renato Mazurega. Até esse momento, acompanhou a dupla, Renato e Sueli, passando a apresentar-se como cantora solo por incentivo da dupla, Milionário e José Rico. Nesse mesmo ano, gravou o primeiro disco com o apoio da dupla, Milionário e José Rico. Este último, inclusive, cantou em uma das faixas.
Estourou nas paradas de sucesso em 1988, com a música "Quero ver aquele que não chora".
Sem a preocupação de se prender a um determinado estilo, canta principalmente sertanejo, mas também lambadas, tangos, boleros e rancheiras. No início dos anos 90, fez sucesso com "Uma lágrima" e "Fale comigo".
Em 1991 gravou LP na Chantecler, interpretando rancheiras, lambada, rasqueado e bolero, com destaque para a música "Pássaro livre", que fez parte da trilha sonora da novela Top Model, da TV Globo.
Em 1992, gravou seu terceiro disco, com composições de Jéferson Farias, Carlos Randall e Tivas, tendo como destaque a música "Este mistério", de Chitãozinho.

Camilla Castro
Camilla Castro, 21 anos, cantora e compositora.
Nascida e criada em Itumbiara/GO, berço de outros grandes nomes da música sertaneja. Quando criança Camilla já demonstrava interesse pela música, ouvindo os programas de rádio com seus avós. Com apenas 10 anos de idade participava de eventos municipais e apresentações artísticas de grande público, surpreendendo a todos com o seu talento e carisma precoces.
Fez parte de várias bandas, mas foi em 2009 que Camilla Castro deu início a sua carreira musical, formando uma dupla sertaneja feminina e gravando um CD independente com várias regravações de sucesso para divulgar o seu trabalho. Participou de vários programas de TV e de Rádio, fez vários shows pelo interior dos Estados de Minas Gerais e Goiás.
Em 2011, Camilla Castro partiu para a carreira solo e em uma fase mais madura começou a compor suas próprias canções, inspirada em seus maiores ídolos nacionais e internacionais, tais como: Pena Branca e Xavantinho, Almir Sater, Renato Teixeira, Leandro e Leonardo, Zezé Di Camargo e Luciano, Victor e Léo, Jorge e Mateus, Ivete Sangalo, Beyoncè, Shakira, Elis Regina, Ana Carolina, dentre outros. Mas, é a paixão pelo som da viola do mestre Tião Carreiro que dá ao universo musical de Camilla Castro, a grande força e o privilégio de levar adiante a cultura sertaneja.
A cada dia Camilla Castro conquista mais o público com a sua diversidade musical. Seu estilo único e contagiante mescla o sertanejo, o pop, o folk, o country, o romantismo e a moda de viola.
Autora dos sucessos “Seu olhar” e “Caiu a ficha”, Camilla Castro gravou em março/2012 o seu primeiro CD solo, inspirado na animação de seus shows.
Este novo CD vem com uma proposta animada, produção diferenciada e arranjos modernos, prometendo mexer com o público em todos os sentidos.
E a história continua...
As Pantaneiras
            Simone Sperança nasceu em Guarulhos - SP, no dia 29 de junho e aos 12 anos iniciou carreira artística junto com a mãe, formando a dupla Simone e Silmara.
Com 16 anos, gravou o projeto cultural “Cozinha Caipira de Célia e Celma” cantando a música “O Poder da Viola”, autoria de Moacir dos Santos e Tião do Carro.
A parceria artística com a mãe durou 7 anos e depois Simone seguiu novos rumos e formou dupla com Pardinho Filho, com quem gravou o primeiro CD reunindo sucessos como “Pedra 90” composição de José Vitor e “Acabou” de sua própria autoria. Foram 5 anos de muito trabalho, crescimento e amadurecimento musical.
Formou-se em fonoaudióloga e por meio desta profissão foi contratada para trabalhar com a Orquestra Feminina e nessa orquestra conheceu a nova parceira, ou melhor, a “Pantaneira” Miriam.
Miriam Boeira nasceu em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, no dia 23 de maio.
A paixão pela música raiz também vem de infância e aos 26 anos começou a fazer aulas de viola, tendo como primeiro professor o músico Sérgio Pena. Formou-se em Administração de Empresas, mas a paixão pela música prevaleceu e, certa de que seguiria carreira artística, desde 2006 vem se aperfeiçoando com intensa dedicação às aulas.
Fez a primeira voz em algumas músicas na Orquestra Feminina e foi em uma das participações entre uma apresentação, que sua voz chamou a atenção da cantora e compositora Simone Sperança que logo a convidou para cantarem juntas. E, assim, nasceu à dupla “As Pantaneiras”, aliás, primeira parceria de Miriam na carreira artística e como segunda voz.
Há um ano juntas, esbanjam talento e estão lançaram o primeiro CD com 6 músicas inéditas.
FONE: (11) 3362-1947 / (11) 6845-1313 / (11) 8174-3586 (Estela Barroso)
Site Oficial: www.aspantaneiras.com.br
 As Ellens
            Irmãs Dailyelen e Katyelen foram criadas na cidade paranaense de Maringá e desde muito cedo tiveram os primeiros contatos com a música. Com total liberdade e apoio dos pais as duas começaram a cantar, ainda pequena, em casa.
            Aprenderam a tocar violão, usar a segunda voz e logo veio a primeira gravação. Às escondidas fizeram uma fita demo – uma brincadeira para saber como era ter as vozes acompanhadas por instrumentos.
Começaram a tocar em reuniões de amigos e festinhas e, pouco a pouco, a diversão começou a ganhar força e o que era sonho, foi se transformando em realidade.
            Maringá estava ficando pequena para os desejos e ambições das meninas. Elas sabiam que se quisessem conseguir maiores projeção em suas carreiras, precisava ir para um grande centro como São Paulo, mas a falta de contatos e conhecimento adiaram por um tempo o sonho das irmãs.
            Rio de Janeiro foi o destino. Tiveram a oportunidade de conhecer pessoas que as levariam ao mundo fonográfico mostrando suas composições, e vibraram com a conquista do primeiro trabalho.
            Pela Indie Records sai o primeiro CD da carreira, intitulado Ellens. As faixas Tá Com Medo de Que? 
E Águas Passadas logo ganharam espaço na programação das rádios de todo o País.
            Mas foi em São Paulo que as irmãs finalmente se encontraram. A experiência e as amizades adquiridas através do primeiro trabalho projetaram a dupla para um cenário mais parecido com que desejavam desde o começo da carreira.
            O segundo CD vem composto por um repertório de canções próprias e de nomes consagrados da música sertaneja. A balada romântica Tem Quem Me Ama, parceria com Fátima Leão, conquista as paradas de sucesso e a dupla feminina ganha destaque no cenário musical brasileiro com suas vozes singulares.
            Milhares de pessoas começam a prestar atenção nas irmãs, segui-las em suas apresentações e admirar o talento das cantoras. Multiplicam-se os pedidos de shows. Durante a turnê pelo Sul do país, novas canções do segundo CD, como Laranja Lima, Ajoelha Amor e Pega Isso, Pega Aquilo ganham destaque na programação das principais emissoras de rádio da região. Embaladas pelo reconhecimento do público, Ellens projetam novos desafios para carreira e, através das letras das suas canções.
Biografia por Lumen

Clemilda
     Clemilda Ferreira da Silva (São José da Laje, 1 de setembro de 1936) é uma cantora brasileira que estourou nas paradas de sucesso com a música “Prenda o Tadeu”, em 1985, e a partir de então participou de vários programas de rádio e TV, entre eles o “Clube do Bolinha”, na Rede Bandeirantes, e o “Cassino do Chacrinha”, na Rede Globo. Nesse mesmo ano ganhou seu primeiro Disco de Ouro e em 1987, com o disco “Forró Cheiroso”, mais conhecido como “Talco no Salão”, ganhou seu segundo Disco de Ouro.
Biografia
Nascida em São José da Laje, Clemilda passou a infância e a adolescência em Palmeira dos Índios, Zona da Mata de Alagoas.
 No começo da década de 1960 decide viajar para o Rio de Janeiro para "tentar a sorte", onde então consegue emprego como garçonete.
Até então ainda não havia descoberto o dom artístico que tinha.
Em 1965, consegue cantar pela primeira vez na Rádio Mayrink Veiga no programa "Crepúsculo sertanejo", dirigido por Raimundo Nobre de Almeida, que apresentavam profissionais e calouros. Nessa ocasião, conhece o sanfoneiro Gerson Filho, contratado da gravadora e também alagoano como ela, que popularizou o fole de oito baixos e já era artista com disco gravado. Com ele Clemilda viria a se casar. Fez algumas participações em dois LPs do esposo, e a partir de 1967começou a gravar seu próprio disco.
Sua carreira tomou impulso com os freqüentes shows que fazia em Sergipe, onde vive há mais de duas décadas, sempre acompanhada pelo marido. Após 1994, com a morte do companheiro, a forrozeira-mor — carinhosamente conhecida como "Rainha do Forró" — afastou-se dos shows e há algum tempo vem se dedicando à apresentação do “Forró no Asfalto”, na TV Aperipê de Aracaju, programa há mais tempo no ar da emissora (do qual esteve meses afastada em virtude de complicações com um AVC e da osteoporose).
Ainda é uma das cantoras mais requisitadas para shows nas festas juninas nordestinas.
Clemilda, em entrevista ao site da Prefeitura de Aracaju.
O primeiro [disco de ouro] ganhei no Clube do Bolinha, em 1985, com o LP "Prenda o Tadeu". Com o "Forró Cheiroso", chamado popularmente de "Talco no Salão", ganhei o segundo disco de ouro, no Cassino do Chacrinha. Foram os dois momentos mais importantes pra mim.
O resto é matéria em revista, jornal.
E teve também o prêmio que recebi no Fórum do Forró, pelo qual agradeço bastante a Marcelo Deda, que na época era prefeito [de Aracaju].
Também agradeço muito ao atual prefeito, Edvaldo Nogueira, porque ele sempre se lembra de mim quando tem evento, mesmo que não seja para fazer show, mas para participar.
Acho bom e gosto muito deles, porque eles me têm muita atenção.

Estilo de composição

A composição de seus trabalhos caracteriza-se principalmente pelo sentido duplo das letras (jocoso-malicioso), como o que é feito pelo também alagoano Sandro Becker.
 Duo Irmãs celeste

            Diva Araújo e Geisa Araújo, ambas nascidas em Sacramento-MG. Diva, ainda criança, já se apresentava nos programas de rádio na cidade de Uberaba-MG para onde havia se mudado juntamente com a família.
Mais tarde, tendo se mudado para São Paulo, Diva começou a cantar na Rádio Nacional no programa do Dr. José Rosa. Na capital paulista formou a dupla com sua irmã Geisa.
Dotadas de vozes bastante afinadas, com agudos que nos fazem lembrar interpretações de Operetas, Diva e Geísa agradaram de imediato e receberam o convite de Blota Jr. para atuar na Rádio Record.
Por sua beleza encantadora, as irmãs Diva e Geísa também ficaram conhecidas como "As Bonecas que Cantam".
Nessa época conheceram o inesquecível compositor e acordeonista Mário Zan que passou a ser o empresário do Duo Irmãs Celeste.
E o primeiro disco foi gravado em 1957; um 78 RPM com a valsa "Cantando" (Mário Zan e Arlindo Pinto), e o rasqueado "O Trem Apitou" (Mário Zan e Arlindo Pinto).
E passaram a se apresentar por todo o Brasil. E em 1958, gravaram a valsa "Calendário da Vida" (Mário Zan e Nonô Basílio) e o rasqueado "Nova Flor (Os Homens Não Devem Chorar)" (Palmeira e Mário Zan); esse rasqueado alcançou enorme sucesso e foi gravado por muitos outros intérpretes, inclusive no exterior, onde recebeu uma versão em espanhol (feita por Pepe Ávila: “Los Hombres No Deben Llorar”) e também uma versão em inglês (feita por Hamilton) com o título “Love Me Like A Stranger”.
Gravaram também "Beijinho Doce" (Nhô Pai) e "Roceira" (Capitão Furtado).
Foi também o Duo Irmãs Celeste que gravou "Alvorada Tupi" (Mário Zan e Nonô Basílio) em 1958 pela RCA-Victor, que foi a primeira tupiana gravada, ritmo esse criado por Mário Zan e Nonô Basílio.
A dupla seguiu se apresentando ao longo de seis anos, gravando ainda 8 LPs e em seguida se desfez.
“Prá variar”, o casamento parece ter sido mais uma vez o motivo da tão curta existência de uma boa dupla feminina: Geisa casou-se com Mário Zan e passou a seguir carreira solo, tendo se apresentado inclusive na Alemanha. Mais tarde, porém ela se separou do acordeonista e acabou abandonando a carreira artística.
Diva permaneceu na carreira tendo sido contratada pela Rádio São Paulo, onde se apresentou como cantora e atriz de rádio.
E, na televisão, Diva atuou na TV Record e também na extinta TV Tupi, onde fez parte do elenco das novelas "O Punhal de Prata", "A Fábrica" e "O Hospital".
Participou também da revista "No País dos Bilhetinhos" e foi "crooner" em boates.
Aline Mendonça Luz
            (Montes Claros, 25 de dezembro de 1946 — Montes Claros, 21 de outubro de 2003) foi uma cantora e ativista brasileira.Aline Mendonça Luz nasceu no dia 25 de dezembro de 1946, em Montes Claros, norte de Minas Gerais. Começou a cantar nas serestas da família e aos 12 anos entrou para o conservatório Lorenzo Fernandez para estudar canto.
Aos 17 anos foi morar em Belo Horizonte e no ano seguinte fez suas primeiras apresentações profissionais. Em 1966 participou dos espetáculos “Taí Nosso Canto” e “Collage 66”, que revelaram o que de novo estava acontecendo nas artes mineiras. Era também a época da febre dos festivais. Aline participou de vários, não raro recebendo o primeiro prêmio e o de melhor intérprete. Também nesse período apresentou o show “O Velho e o Novo”, cantando com Clementina de Jesus. Em 1972, inscreve-se no programa de calouros do Silvio Santos, em São Paulo, e ganha cantando músicas como Atrás da Porta e Expresso 2222. Suas interpretações lhe valem a antológica nota máxima do crítico José Fernandes e uma crônica, no Jornal O Dia, na qual ele chama Aline de a Sarah Bernhardt da Canção. Em 1973 muda-se para o Rio de Janeiro, contratada pela RCA. Grava várias versões de Amo-te (mesmo?) Muito (canção escrita por Caetano Veloso especialmente para Aline), rejeitadas pela gravadora com a justificativa de serem pouco comerciais. Grava então um compacto simples, com canções de Piry Reis e Geraldo Carneiro, que a gravadora não lança. Aline pede rescisão e sai da RCA. Nesse período, Aline sobrevive cantando nos cabarés da Lapa, mas sempre fiel à boa música brasileira. Um de seus fãs mais ardorosos deste período foi João Francisco dos Santos, o Madame Satã, para quem Aline sempre cantava Nervos de Aço. Participa de várias iniciativas coletivas, como o Circuito Aberto de Música Brasileira, que buscavam espaço para os novos músicos. Também apresentou shows bastante elogiados, como Canto Mulato, O Riso e a Faca, Cante a Palo Seco e Batalhão das Sombras. Em 1976 começa a estudar canto com o professor Eládio Pérez-González. Aline participa intensamente do Comitê Brasileiro pela Anistia e dos movimentos de resistência ao regime militar. Em 1978 participa do Projeto Pixinguinha Em 1979 funda a Companhia Vento de Raio, sua própria gravadora, e lança o primeiro disco independente de uma cantora no Brasil. O disco é muito bem recebido pela crítica e entra na relação dos melhores do ano. Mais shows. Outro Projeto Pixinguinha. 1982. Outro disco: Uma Face, Outra Face. Mais elogios da crítica. Esse segundo disco mereceu uma crítica de Sílvio Lancellotti, na Folha de São Paulo, na qual Aline é chamada de a melhor cantora do Brasil, depois de Elis Regina, a santa baixinha. Junto com seu segundo disco, Aline produz e lança o disco do pianista e arranjador Helvius Vilela, Planalto dos Cristais. 1983. Conhecendo a dificuldade para lançar um disco independente, abrem as portas de sua gravadora, emprestando o selo, sem qualquer tipo de exigência, a músicos do quilate de Pascoal Meirelles, Alaíde Costa, Nivaldo Ornelas, Guilherme Rodrigues, Ricardo Vilas e outros, para que possam lançar seus discos. 1986. Em São Paulo, no Centro de Pesquisas Teatrais, dirigido por Antunes Filho, Aline aprofunda seu trabalha com a obra de João Guimarães Rosa. 1987. Apresenta em vários espaços um ousado espetáculo solo de voz, Amo-te Muito, com canções entremeadas por textos de Guimarães Rosa. 1988. Lança o disco Mares de Minas, acompanhada em quase todas as faixas por Toninho Horta e Beto Lopes. Em 1987 Aline volta a morar em sua cidade natal, Montes Claros. Nessa retomada da cultura mineira e sertaneja, a cantora Aline cede espaço cada vez maior para a ativista Aline, que chegou a presidir o Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente local. Nesse período Aline dedica-se a uma vasta pesquisa da música popular brasileira, que resultou numa série de recitais temáticos, seguidos de debates. O chamado Projeto Raízes e Antenas foi articulado com sindicatos, ongs ambientalistas, movimentos sociais, universidades e escolas, e debateu temas como a ecologia dos cerrados, a desagregação da cultura sertaneja, a condição da mulher e os direitos humanos. Também o trabalho com a obra de João Guimarães Rosa se intensifica, produzindo trabalhos coletivos de grande envergadura, como a pesquisa “Grande Sertão Veredas e seus Ecossistemas”, o manifesto “O Melhor de Tudo é a Água”, a pesquisa “Cavernas do Grande Sertão”, a pesquisa “Ecossistemas Grande Sertão: Veredas – As Transformações Culturais e a Destruição Ambiental no Norte de Minas”, o projeto “Veredas do Peruaçu”, a pesquisa “O Ciúme em Grande Sertão Veredas” e o show “Alegria é o Justo”. Em 21 de outubro de 2003, aos 56 anos, parafraseando Guimarães Rosa, Aline tornou a ficar encantada. Aline construiu uma trajetória artística e humana das mais densas da música popular brasileira. Sua pequena discografia, mesmo tendo recebido entusiasmado reconhecimento da crítica especializada, continua inédita em CD. Deixou dois trabalhos ainda inéditos: uma gravação de várias canções de amor (dentre elas Beatriz, Paula e Bebeto, Ne me quittes pas, Vem morena, Volver a los dicesiete) com o músico francês Bernard Aygadoux e uma gravação da obra da artista plástica e compositora mineira Lisabeth Emmermacher.
Nathalia Siqueira
(Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 30 de dezembro de 1984) conhecida também apenas por Nathalia ou Country Star é uma cantora e compositora brasileira, vencedora do reality show Country Star, da Rede Bandeirantes.
            Apesar de não ter nascido em uma família de músicos, Nathalia Siqueira, nascida no Rio de Janeiro, mas criada até os 10 anos em Teresópolis/RJ e ldepois mudou-se para Vila Velha, no Espirito Santo, sempre apresentou o sonho de ser cantora. Em 1989, aos 4 anos começou a cantar em casa para os familiares e amigos e em 1997 , aos 12 anos, se apresentou pela primeira vez em um concurso de música promovido por seu colégio, onde ganhou a atenção do padrasto, que passou a incentivar a aspirante a cantora.
Dos 16 anos aos 21 anos Nathalia passou por diversos trabalhos, como vendedora de planos de celular, auxiliar administrativo em uma agencia de turismo e até mesmo secretária em um consultório dentário, mas foi mesmo em uma escola de música onde trabalhou que a cantora aprendeu mais sobre a profissão que desejava.
Ao mesmo tempo em que trabalhava, a cantora se apresentava em festivais e barzinhos cantando country e MPB, além de canções internacionais de cantoras como Shania Twain, Celine Dion e outras. Aos 22 Nathalia deu a luz a seu primeiro filho, Bryan.
            Em 2007, três meses após dar a luz, Nathália viu a chance de se tornar cantora conhecida em todo Brasil ao se inscrever no reality show musical Country Star, quadro do programa Terra Nativa, comandado pela dupla sertaneja Guilherme & Santiago na Rede Bandeirante, após insistência de uma amiga.
Durante oito semanas Nathalia passou por seleções, de onde foram retiradas 300 candidatas entre 4.132 inscritas, levadas à eliminatórias e semifinais, sob a avaliação dos jurados Rick Bonadio, Zilú Camargo e Bozo Barretti, até chegar a final do programa.
Em uma disputa com a segunda finalista, Marília Dutra, Nathalia acabou por ganhar a disputa com mais de 6 milhões de votos, tornando-se a mais nova artista contratada pela Gravadora Mundial Universal Music.
             Em 25 de setembro de 2007 é lançado o primeiro single da cantora,
Você Me Ensinou o Amor, alcançando o primeiro lugar no Hot 100 Brail, entrando ainda para o Hit Parade Brasil e fechando como uma das canções mais tocadas do ano seguinte, 2008.
O primeiro álbum da cantora, intitulado Country Star, teve a participação do cantor Leonardo, além da dupla, Guilherme & Santiago e da música premiada da banda country americana Dixie Chicks, tendo a produção de Rick Bonadio e Eric Silver, gravado na cidade de Nashville, nos Estados Unido. Emily Robinson, da banda Dixie Chicks, compôs a canção "Homem da Estrada" especialmente para o álbum, tendo ainda a canção "Quem Não Queria Ser Eu" composta por Keith Urban, além das versões das cançãos "God Only Knows" dos Beach Boys, intitulada "O Que Poderá Ser De Mim Sem Você?" , e "What Hurts The Most", de Jo O'Meara, intitulada Você Vai Voltar Pra Mim[8].
Em 2008 foram lançados outros três singles do álbum, "Vou Ser Feliz", "O Que Ela tem Que eu Não Tenho" e "Você Vai Voltar Pra Mim", uma das canções mais tocadas do ano de 2008, chegando a figurar entre as quinze melhores do Hot 100 Brail, e as cinco mais tocadas pelo Hit Parade Brasil.
             Em 2009 o contrato com a Universal Music chega ao fim,. No mesmo ano Nathalia assina com a HRP Promoções Artísticas, escritório com 23 anos de existência, comandado pelo empresário Hamilton Régis Policastro, lançando seu segundo álbum, intitulado Nada Vai Me Derrubar, onde sua música de trabalho "Babau", composta por Dann Nascimento (Compositor de "E daí" de Guilherme e Santiago) foi muito bem executada por todas as rádios do Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais e São Paulo.
 Em 2010 a irmã da cantora, Débora Lyra, vence o concurso de Miss Brasil.
            Em 2011 Nathália por uma decisão pessoal decide encerrar a carreira Sertaneja e volta a morar no Espirito Santo, onde até o momento grava seu primeiro Cd Gospel.
Contato 27 3039-6932
Rosalinda e Florisbela:
Apesar de não ter gravado nenhum disco, a dupla "Rosalinda e Florisbela" existiu na década de 1940 e faz parte da História das Duplas Femininas na Música Caipira Raiz.
Hebe Camargo nasceu em 08/03/1929 na cidade de Taubaté-SP.
Filha de Ester e Sigesfredo Monteiro de Camargo (o Fego Camargo que era violinista do Cinema Politeama em Taubaté-SP, na época em que os filmes eram realmente mudos, e também compositor da toada "Pinho Sofredor" (Fego Camargo - Capitão Furtado), gravada pelas Irmãs Galvão em 1979), Hebe formou, juntamente com sua irmã Estela Camargo, a dupla "Rosalinda e Florisbela".
Tudo começou quando a família Camargo trocou sua Taubaté natal pela Paulicéia Desvairada no ano de 1943, quando Fego passou a fazer parte da Orquestra da Rádio Difusora de São Paulo-SP.
Foi em 1944, ano seguinte ao da mudança para a Capital, que Hebe passou a se apresentar em programas de calouros em emissoras de rádio da Capital Paulista, imitando a "pequena notável" Carmen Miranda. Após ganhar diversos prêmios como caloura, Hebe formou o Quarteto "Dó-Ré-Mi-Fá" junto com a irmã Stela e as primas Helena e Maria, cantando músicas do grupo feminino americano "Andrews Sisters". E o quarteto foi contratado pela Rádio Tupi.
"Dó-Ré-Mi-Fá" no entanto encerrou as atividades três anos depois, por ocasião do casamento de uma das primas que, conseqüentemente, acabou deixando a carreira artística. Formou-se então o trio "As Três Américas", mas, pouco tempo depois, a outra prima também deixou o conjunto, tendo restado apenas as irmãs Hebe e Estela, que formaram finalmente a dupla "Rosalinda e Florisbela".
Em 1939, Ariowaldo Pires, o Capitão Furtado apresentava nas tardes de Domingo na Rádio Difusora de São Paulo-SP o seu célebre programa "Arraial da Curva Torta", programa esse que permaneceu no ar durante 12 anos e, nesse período, revelou-nos diversos talentos, dentre os quais, o acordeonista "italiano naturalizado caipira" Mário Zan e o sambista Blecaute (Vale lembrar que Blecaute (do inglês"Black-Out") também foi um apelido sugerido ao sambista pelo Capitão Furtado, criticando os racionamentos de energia que eram comuns no Brasil durante a segunda guerra mundial).
A dupla "Rosalinda e Florisbela" foi contratada pelo Capitão Furtado para substituir "Xandica e Xandoca" (dupla que havia deixado repentinamente o programa "Arraial da Curva Torta" na Rádio Difusora de São Paulo-SP). Fego Camargo, pai de Hebe e Estela, tocava violino no programa "Saudade" na mesma emissora (razão pela qual a família Camargo havia se mudado para a Capital Paulista em 1943, conforme já foi mencionado).
Estela chegou a formar com outras duas irmãs, Helena e Norma Avian, o "Trio Itapuã", em 1955. Hebe seguiu carreira –s olo com a ajuda de Gilberto Martins (o homem que havia lançado a radio novela no Brasil). Gilberto, no entanto, achava que o nome da Hebe "não combinava, precisava mudar" e sugeriu a ela o nome artístico de Magali Prado. Tendo lutado bastante sem os resultados esperados, Magali Prado acabou chegando à conclusão de que seu próprio nome legítimo funcionava bem melhor e começou a crescer por si só no bairro Sumaré, até se tornar a "Estrela de São de Paulo". Lembrar também que seu nome de Batismo, Hebe, é o mesmo nome da Deusa da Juventude na Mitologia Grega.
Se Estela Camargo não levou prá frente a Carreira Artística, Hebe Camargo (que aos 15 anos de idade era também conhecida como "A Moreninha do Samba" - ela tingiu os cabelos de loiro pela primeira vez em 1957 e nunca mais mudou o visual...) seguiu como excelente cantora da Fina Flor da nossa Boa Música Brasileira e continua apresentando seu conhecidíssimo programa semanal.
De fato, Hebe Camargo acabou deixando de lado a carreira musical dado o estrondoso sucesso que passou a obter como apresentadora de programas de Televisão.
Merece destaque também o fato histórico de que em 1950.
Hebe foi convidada por Assis Chateaubriand para participar da Primeira Transmissão Ao Vivo da Televisão Brasileira, na extinta TV Tupi - Canal 3 - de São Paulo-SP. Hebe acabou gostando e optando por permanecer nos estúdios de TV!
E, dentre os vários prêmios que a Hebe Camargo recebeu durante sua carreira artística, o que mais a deixou emocionada foi ter sido eleita, numa pesquisa realizada 1990, como sendo "A Cara de São Paulo". E, em 1994, Hebe também recebeu da Câmara Municipal o título de Cidadã Paulistana.
Sandra Reis e Jucimara:
Sandra Cristina Moises, natural de São Paulo-SP, e Jucimara Aparecida de Souza Lins, natural de Lins-SP, começaram a cantar com apenas 6 anos de idade. Ambas formaram algumas duplas provisórias e também fizeram carreira solo.
Sandra Reis foi vencedora do Clube do Bolinha em 1992 na TV Bandeirantes (programa apresentado pelo saudoso apresentador Edson "Bolinha" Cury). Jucimara, por outro lado, foi à primeira mulher a vencer o Festival de Barretos em 2001, que foi na verdade o 19º Festival “Violeira Rose Abrão” que fez parte da 47ª Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos. 
Jucimara na verdade participou desse festival formando dupla com a também excelente Violeira Juliana Andrade, que hoje segue carreira - solo.
Além do primeiro lugar, "Juliana Andrade e Jucimara" receberam também o título de “As Melhores Violeiras do Brasil” e essa conquista abriu as portas e impulsionou a jovem dupla à gravação do primeiro CD, intitulado “As Violeiras do Brasil”.
Foi na Cidade de Botucatu-SP, num churrasco, que Sandra Reis e Jucimara, por brincadeira, começaram a cantar juntas a célebre música "O Ipê E O Prisioneiro" (Dino Franco - Paraíso) e perceberam o quanto as vozes combinaram. A dupla se formou de imediato e elas fizeram já no dia seguinte o primeiro show, naquela cidade. E o nome artístico Sandra Reis foi uma sugestão do compositor Valdemar Reis
Seguiram-se então diversos festivais, programas de Rádio e TV e também o crescente reconhecimento do talento da jovem dupla, o que é sem dúvida altamente gratificante para o artista. 
Sandra Reis e Jucimara são conhecidas carinhosamente como "As Violeiras do Brasil", e tem em comum a paixão pela Música Caipira Raiz. No repertório constam belíssimas composições de Tião do Carro, José Caetano Erba, Nelson Luiz Lopez, Antônio Teodoro, Poeta e Jacira Amaral, dentre muitos outros.
Dupla autêntica, Sandra Reis e Jucimara se apresentam com a Viola e o Violão em punho, e jamais se esquecem das grandes duplas que fizeram e continuam fazendo a História do nosso belíssimo e riquíssimo Cancioneiro Caipira Raiz.
Quero aqui destacar o CD "As Violeiras" - BRCD 641 - produzido pela Zan-Brasidisc, sob a direção geral de Osmar Zan e coordenação geral de Marcelo Zan, no qual a jovem Dupla Feminina nos brinda com um belíssimo repertório incluindo várias músicas inéditas. O CD contou com a participação do Maestro Mário Campanha (esposo de Mary Zuil Galvão) nos Arranjos e Regências e também tocando Viola e Violão, além das participações de Cláudio Rocha Gresemberg no Contra-Baixo, Wilsinho no Acordem, James Curuça na Percussão e Filipe Viola também na Viola Caipira. Destaque para "Bolha de Sabão" (Tião do Carro - José Caetano Erba), "Festival No Céu" (Nelson Luiz Lopez) e "Violeiras Do Brasil" (Antônio Teodoro).
 Soube da existência da dupla Sandra Reis e Jucimara graças ao programa "Viola Minha Viola" que foi gravado na Fazenda Lajeado em Botucatu-SP e que foi ao ar nos dias 11 e 12/10/2003 pela TV Cultura de São Paulo, produzido por Rivaldo Corulli e apresentado pela "Madrinha" Inezita Barroso,
No qual elas interpretaram "Felicidade" (Raul Torres) e "Nelore Valente" (Sulino - Antônio Carlos). Tive também a felicidade de conhecer pessoalmente essa excelente Dupla Feminina no programa "Viola Minha Viola" que foi gravado no dia 17/03/2004 no Teatro Franco Zampari da TV Cultura e que foi ao ar nos dias 03 e 04/04/2004 no qual elas interpretaram "Pescador e Catireiro" (Cacique - Carreirinho), "Beleza Divina" (Loiro - Tenente Rael) e "Festival No Céu" (Nelson Luiz Lopez).
 E Bárbara Viola, filha de Sandra Reis também vem cantando e tocando o Tradicional Instrumento Musical Caipira Raiz. Seguindo também os passos da mãe, defendendo a genuína Música Raiz, com certeza será um futuro talento defendendo esse maravilhoso Estilo Musical Brasileiro. 
Xandica e Xandoca:
   Pouquíssimo se sabe sobre essa dupla formada pelas irmãs Odete Namur e Selma Namur, ambas nascidas em Assis-SP em 1932 e 1928, respectivamente.
Odete e Selma iniciaram a Carreira Musical na própria cidade-natal cantando em diversas festas com repertório internacional, com as letras das músicas em Inglês, Francês e Castelhano.
Tendo se mudado mais tarde para a Capital Paulista juntamente com a família, as duas irmãs se apresentaram num programa de calouros da Rádio Difusora de São Paulo-SP (PRF-3) e, com o êxito alcançado, foram rapidamente contratadas por Ariowaldo Pires (o inesquecível Capitão Furtado) para atuarem no seu inesquecível programa "Arraial da Curva Torta", ocasião na qual Odete e Selma adotaram os nomes artísticos de Xandica e Xandoca, respectivamente.
Xandica e Xandoca foram a primeira dupla feminina naquele programa e, com o sucesso obtido, foram convidadas a gravar os dois primeiros discos 78 RPM na gravadora Colúmbia (hoje Warner Music), no ano de 1943, com destaque para o famoso sucesso "Bate Co Pé, Bate Co A Mão" (Capitão Furtado).
E a jovem dupla feminina também gravou na Continental outro disco com as músicas "Meu Bandoleiro" (Capitão Furtado - Anthony Sergi) e "Moreninho" (Anthony Sergi - Xandoca). Ao que consta, parece ter ficado em apenas três "bolachões" 78 RPM a discografia completa de Xandica e Xandoca:
 Apesar do sucesso e da popularidade rapidamente conquistados, Xandica e Xandoca abandonaram a Carreira Artística, por volta do ano de 1956, sendo que já haviam largado antes (e repentinamente) o "Arraial da Curva Torta". Como curiosidade, vale lembrar que a dupla Xandica e Xandoca foram logo substituídas pela jovem dupla Rosalinda e Florisbela, que eram Hebe e sua irmã Estela Camargo, filhas do Violinista Sigesfredo Monteiro de Camargo (conhecido carinhosamente como Fego Camargo).
Apesar de curtíssima duração, Xandica e Xandoca fazem parte da História das Duplas Femininas na Música Caipira Raiz. , Professora e também Farmacêutica, que é a Ely Camargo! Conheça um pouquinho da trajetória musical desse ícone que é de fundamental importância não apenas para o Folclore Goiano, mas também para o riquíssimo Folclore
Brasileiro!Conheça um pouquinho da trajetória de Ely Camargo. 
Inezita Barroso.
Relíquia sertaneja e
         Continuando a "Viagem de Trem" pelo "Interior Musical do Nosso País", vamos fazer agora uma parada "numa Grande Capital", pois foi no bairro da Barra Funda, na Rua Lopes de Oliveira, bem pertinho da casa de Mário de Andrade, na "Paulicéia Desvairada", que nasceu em 04/03/1925 essa grande cantora, de voz contralto perfeita e
especialista em Folclore que se chama Ignez Magdalena Aranha de Lima!!!
De Formação Universitária (formada em Biblioteconomia), Inezita Barroso sempre gostou do nosso Riquíssimo Folclore. Desde criança, conhecia Raul Torres que, tendo sido colega de seu pai na Estrada de Ferro Sorocabana, ia com freqüência à sua casa, onde cantava quando ela fazia aniversário.
A paixão de Inezita pelo Folclore começou desde cedo, pois desde criança tinha bastante admiração por Mário de Andrade (que morava vizinho à casa de sua tia). Conheceu autênticas Modas de Viola cantadas por colonos das fazendas de seus tios, além das já mencionadas visitas de Raul Torres à sua casa!
Tudo isso, somado a centenas de viagens por essa "Nossa Terra Descoberta por Cabral", fizeram de Inezita uma personagem única no cenário musical brasileiro. Não poderia jamais desenvolver esse site dedicado à Memória Musical Brasileira, sem ter uma página dedicada a essa excelente cantora e especialista em Folclore, referência obrigatória nesse universo caipira!
Estudou Canto, Piano e Violão na infância e sua estréia profissional se deu em 1950, na Rádio Bandeirantes a convite de Evaldo Rui. Participou também da transmissão inaugural da TV Tupi, canal 3, em 1950 (no mesmo evento, a dupla Tonico e Tinoco também havia participado apresentando a música "Pé de Ipê" (Tonico - Tinoco)), e trabalhou como cantora exclusiva da Rádio Nacional de São Paulo, transferindo-se mais tarde para a Rádio Record. Participou de seis filmes do nosso cinema na década de 50, inclusive na Vera Cruz. Também ganhou prêmios como melhor cantora do rádio, por grandes sucessos tais como "Moda da Pinga" (Ochelsis Laureano - Raul Torres) e "Lampião de Gás" (Zica Bergamin).
Na década de 50, era "Musa Cult" da "Intelectualidade Urbana".
Mais tarde foi que passou a dedicar o seu trabalho também ao estudo e resgate do Folclore Brasileiro, realizando gravações e ministrando cursos com o objetivo de divulgar esse tipo de Cultura Musical.
"O Folclore é vivo, é mutante, e as modificações ocorrem na poesia, nas letras, nos instrumentos. Então, se um cara fazia Viola a canivete, lá no quintal da casa dele, a gente admite que compre uma Viola maravilhosa, moderna, com um som aprimorado, né? Agora, inadmissível, são coisas que acontecem nesse terreno, que não têm limite: Eu soube que em Minas tem uma Folia de Reis que sai com gravador e o pessoal "dublando" atrás. É indecente demais pra mim. "
Citado na página 326 do Livro "Música Caipira - Da Roça Ao Rodeio" de Rosa Nepomuceno, esta citação de Inezita nos mostra o quanto ela dá valor ao que é autêntico, ao que é da Nossa Terra. Na página 333 do mesmo livro, outra citação:
 “... não é que eu não goste, mas eles quebraram aquela unidade caipira. Então dali pra cá começaram a aparecer as duplas ditas modernas, né? Criou-se nesse momento, não uma inimizade, mas uma prevenção contra esse tipo de música. Os caipiras resolveram se unir, porque não havia mais lugar para eles, eles estavam indo embora, pro interior. "
Nesta citação, Inezita se referiu aos que "inovaram a linguagem do mercado" que misturaram alhos com bugalhos, Violas com guitarras, os quais Inezita sempre viu "com reservas"; isto na época em que "estouravam nas paradas de sucesso" Léo Canhoto e Robertinho, Milionário e José Rico e o Trio Parada Dura. Lembrar que ainda não eram conhecidos Leandro e Leonardo nem Zezé di Camargo e Luciano.
Inezita também sempre lutou contra os preconceitos: além das exigências do mercado fonográfico que, na maioria das vezes, têm deturpado o verdadeiro valor da nossa Boa Música Brasileira, ela também enfrentou o "preconceito machista": imagine uma jovem, bonita da alta sociedade paulistana (lembrar que nas décadas de 20, 30 e 40 São Paulo era ainda bem provinciana) cantando e tocando ao violão as músicas do nosso rico Folclore! É certo que, com a perfeição de sua voz contralto, Inezita chegou a interpretar até mesmo árias de óperas como "Carmen" de Georges Bizet, mas, "apenas em família". Mas, seu gosto musical, sua verdadeira paixão, sempre esteve "nas estradas de terra" rumo às mais remotas manifestações musicais desse nosso Brasil tão imenso!!
Desnecessário dizer que, no início, Inezita também enfrentou resistência nos ambientes das emissoras de rádio e também das gravadoras; até mesmo dos próprios pais ela enfrentou resistência, principalmente numa “... São Paulo calma e serena, que era pequena, mas grande demais...", onde já se sentia saudade do "Lampião de Gás" (a belíssima música de Zica Bergamin que o diga...), mas ainda era a "Velha São Paulo Quatrocentona”... 
Até hoje, a mulher ainda enfrenta o preconceito, principalmente quando canta sozinha, tendo que lutar contra o machismo brasileiro herdado dos Índios:
"... nas tribos, a mulher não entra nas danças, não canta e nem assiste, e essa tradição passou para o Caipira. Mulher não entra nas rodas de cateretê, por exemplo e, cantando caipira e tocando violão, então, pelo Amor de Deus! Eu é que sei... "
Citado também por Inezita, consta na página 333 do Livro "Música Caipira - Da Roça Ao Rodeio" de Rosa Nepomuceno, o qual recomendo mais uma vez ao Apreciador da nossa Boa Música Brasileira e da nossa Música Caipira Raiz!!
Inezita produziu em 1970 um documentário que representou o Brasil na Expo-70, no Japão. Também produziu diversos documentários e programas para a TV de um modo geral, tendo viajado pelo Mundo inteiro com seu Repertório Folclórico. Fez programas especiais para o Uruguai, Paraguai, Estados Unidos, Israel, França, Itália e até mesmo para a União Soviética. Gravou mais de 70 discos entre os "bolachões 78 rpm", LP's e CD's.
Merecem destaques dois CD's que Inezita gravou com o violeiro Roberto Corrêa pela RGE (hoje Som Livre) ("Voz & Viola" e "Caipira de Fato"), nos quais podemos ouvir a Voz de Inezita e o excelente acompanhamento (aliás, por que não dizer, excelente solo!!) da Viola Caipira de Roberto Corrêa, num autêntico repertório Caipira Raiz além de belíssimas páginas imortais do Nosso Cancioneiro Nacional.
Inezita Barroso continua apresentando na TV Cultura de São Paulo o Programa Viola Minha Viola("Êta Programa que eu gosto!!"), que existe desde 1980 e é o mais antigo programa do gênero na Televisão Brasileira. Transmitido em rede para todo o Brasil, esse excelente programa vai ao ar nas noites de Sábado com reprise nas manhãs de Domingo.
Inezita também continua desenvolvendo intenso trabalho de pesquisa do Folclore por diversos Estados Brasileiros, fazendo também palestras sobre o tema e ministrando ainda diversos cursos sobre Folclore para Secretarias Municipais de Cultura e também para a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Também é Professora de Folclore Brasileiro e História da Música Popular Brasileira na Universidade Capital (São Paulo-SP). Realmente a Maior Autoridade em Folclore Brasileiro!
Inezita também continua "na estrada", fazendo shows pelo Interior e pelas Capitais, shows esses que costumam estar lotados de gente de todas as idades, tanto de gente "saudosa dos lampiões de gás", como também de gente jovem interessada nas potencialidades instrumentais da Viola Caipira, gente que, contrariamente aos interesses comerciais da maioria das gravadoras e produtoras, quer ouvir a "Brasileiríssima Música" que Inezita sabe interpretar com qualidade!!
Essa nossa "Terra Descoberta por Cabral", apesar de tudo, parece que "... segue seus rumo aos trancos e barrancos, mas não sai da moda. Inezita também não...", conforme citado na página 334 do Livro "Música Caipira - Da Roça Ao Rodeio" de Rosa Nepomuceno...
Graças ao apoio de Inezita e ao seu Programa "Viola Minha Viola", "a Moda de Viola continua na moda" e podemos ter acesso ao trabalho de excelentes músicos, tais como Pereira da Viola, Roberto Corrêa, Zé Mulato e Cassiano, Ramiro Viola e Pardini, Paulo Freire, Tião do Carro, Renato Teixeira, Almir Sater, Renato Andrade, Helena Meireles e também o excelente Pena Branca (que, mesmo sem a companhia do saudoso Xavantinho, continua "na estrada" e já lançou dois excelentes CDs após o falecimento do irmão), com quem Inezita gravou "Marcolino" (Domínio Popular), a terceira faixa do CD "Semente Caipira", o primeiro lançado após o falecimento do Xavantinho.
no Teatro São Pedro na Capital Paulista em Março de 2003, na gravação do programa "Viola Minha Viola" Especial, pela TV Cultura de São Paulo-SP, o momento no qual a "Madrinha" Inezita Barroso recebeu das mãos do Governador Geraldo Alckmin e da Secretária da Cultura do Estado de São Paulo Cláudia Costim a Comenda do Mérito da Ordem do Ipiranga! Nesse programa também estiveram presentes Pedro Bento e Zé da Estrada, as Irmãs Galvão, Teodoro e Sampaio e a Orquestra Paulistana de Viola Caipira, sob a regência do Maestro Rui Torneze.
Tive o prazer de conhecer pessoalmente a Madrinha Inezita Barroso e também o produtor do "Viola Minha Viola" Rivaldo Corulli, por ocasião do II Encontro de Violeiros de Ribeirão Preto-SP. Na foto abaixo, Rivaldo Corulli (tendo na mão um exemplar da Revista Viola Caipira), Inezita e Ricardinho, por ocasião do II Encontro de Violeiros de Ribeirão Preto-SP em 13/03/2004: 
Em Pardinho, além do show, a "Madrinha" também entregou o Troféu Inezita Barroso aos vencedores do Festival, que consagrou as seguintes duplas:
1º lugar: João Pedro e Rafael, de São José do Rio Preto-SP.
2º lugar: Irmãos Ferreira, de Bariri-SP.
3º lugar: Fred Henrique e Marco Aurélio, de Tremembé-SP.
4º lugar: Paulo Cruz e Eduardo, de Cuiabá-MT.
5º lugar: Lelo e Vandy, de Caxias do Sul - RS.
Os premiados do 1º ao 3º lugar também tiveram como Prêmio uma apresentação no Programa "Viola Minha Viola" na TV Cultura de São Paulo-SP, enquanto que os quatro Primeiros Colocados também tiveram como Prêmio uma apresentação no Programa "Canto da Viola", na TV Record Centro-Oeste Paulista, programa que na época era produzido pelo Ramiro Viola.
 Inezita entrega o Troféu à dupla João Pedro e Rafael, que foi a Primeira Colocada, defendendo a composição "O Massacre" (Nélson Lopes), no III FESMURP em Pardinho-SP, no dia 12/06/2005 (à esquerda, o Prefeito de Pardinho Francisco Rocha, o "Fião" e, à direita, Sérgio Vieira que elaborou e apresentou o Festival):
 E, no SESC de Bauru-SP, Inezita fez uma excelente apresentação acompanhada pelo Violonista Théo de Barros e também pelo Violeiro-Solista Roberto Corrêa, interpretando um repertório com excelentes clássicos da Fina Flor da MPB, com composições de Hekel Tavares, Noel Rosa e Francisco Alves, além de páginas célebres do Repertório Caipira Raiz, tão bem interpretadas pela "Madrinha"!
Quero dar um destaque especial ao mais recente CD de Inezita Barroso hoje relembrando, lançado em 2003 pela Trama, no qual Inezita nos mostra mais uma vez seu excelente Bom Gosto pela nossa Boa Música Brasileira.
Trata-se do 80º. Trabalho da carreira de Inezita e também de seu primeiro trabalho pela gravadora Trama.
"Hoje Lembrando" contou com a Produção de Fernando Faro; arranjos e regências de Théo de Barros, além de duas composições até então inéditas de Paulo Vanzoni: "Bem Iguais" e "Recompensa". Destaque também para "Modinha" de Heitor Villa-Lobos, com Poema de Manuel Bandeira.
 Parabéns, Inezita!! Parabéns pelo "Viola Minha Viola" e por defender a nossa autêntica Música Raiz!! 

Ely Camargo
"No Brasil, entre esses raros artistas dedicados à tarefa de levar o canto das grandes camadas à gente tão desinformada das cidades, está à cantora Ely Camargo.
Desde seu primeiro LP - muito significativamente intitulado "Canções de Minha Terra" - o que Ely Camargo tem feito, e agora confirma neste CD que todos teremos prazer em ouvir, é exatamente isto: fazer cantar por sua voz, tão cheia de emoção, de sonoridade, a voz anônima do povo que, apesar de tudo, canta e traduz no seu canto a alma da própria terra." (comentário de José Ramos Tinhorão no texto do encarte do CD   lançado pela paulinas comep edições paulinas  CD 12235-1 de 1999).
A Música Folclórica do Estado de Goiás não poderá jamais ser citada sem incluir o nome de sua maior representante que é a Cantadora e Folclorista Ely Camargo.
Cantora, Pesquisadora de Folclore, Violonista, Professora e também Farmacêutica, Ely Camargo, assim como a "Madrinha" Inezita Barroso, é uma das principais intérpretes não somente do Folclore Goiano, mas também do riquíssimo Folclore Brasileiro!
Ely Camargo nasceu no dia 12/02/1930 na cidade de Goiás-GO, a antiga e histórica Capital do Estado, também conhecida como "Goyaz Velho", que é também a cidade-natal da Poetisa e Escritora Cora Coralina e também da Artista Plástica Goiandira do Couto!
Ely é filha de Joaquim Edison Camargo (Goiás-GO, 07/09/1900 - Goiânia-GO, 25/03/1966) (retrato à esquerda) que foi Compositor e Regente da Orquestra Sinfônica de Goiânia-GO.
Foi comemorado o Centenário de Joaquim Edison Camargo no dia 07/09/2000, ocasião na qual Ely Camargo gravou o CD "Lembranças de Goiás" com 10 belíssimas Composições por ela interpretadas (ver mais detalhes logo abaixo).
Durante a infância, cantou em coros de Igreja. Foi integrante em 1960 do Trio Guairá de Goiânia-GO e, em 1961 e 1962, apresentou na Rádio Brasil Central de Goiânia-GO, um programa que era por ela produzido e que também era retransmitido em Brasília-DF pela Rádio e TV Nacional.
Em 1962, Ely Camargo passou a morar na Capital Paulista onde assinou seu primeiro contrato com a extinta TV Tupi e, no mesmo ano, gravou o já mencionado LP "Canções da Minha Terra" (CMG 2175) pela gravadora Chantecher. Ely também lançou na mesma gravadora os LPs com o mesmo título, nos Volumes 2, 3 e 4.
Em 1964, gravou (também na Chantecher) o LP "Folclore do Brasil" (CMG 2349), no qual interpretou Cantos de Trabalho nas Plantações de Arroz, de São João da Boa Vista-SP, e também um Canto de Ferreiro, de Botucatu-SP (recolhido por Rossini Tavares de Lima).
Pesquisando o nosso riquíssimo Folclore, Ely Camargo reuniu um enorme e riquíssimo acervo coletado em viagens por diversos rincões do Brasil, incluindo também as Regiões Norte e Nordeste.
Além de alguns "compactos" e 2 Discos 78 RPM, Ely Camargo gravou cerca de 15 LPs, alguns dos quais foram lançados também em países tais como África do Sul, Alemanha, Itália e Portugal.
Seus dois Discos 78 RPM foram gravados na Chantecler em 1962 e 1963, tendo no Lado A do Disco N° 78-0595 (1962) o Arrasta-Pé "Santo Antônio Tenha Dó" (Maria do Rosário Veiga Torres) e o Samba Caipira "Marido Pealado" (Teddy Vieira - Almayara), no Lado B do mesmo Disco.
E, no Lado A do Disco Nº 78-0660 (1963), a Valsa "Tempos Passados" (Zica Bergami) e a Moda de Viola "Lá Na Venda Lá Na Vendinha" (Lourdes Maia), no Lado B do mesmo Disco.
Ely Camargo também integrou o Conselho da Secretaria Municipal de Cultura de Goiânia-GO e, na Rádio da Universidade Federal de Goiás, ela apresentou os programas "Brasil de Canto a Canto", "Ely Camargo Convida" e "Alma Brasileira".
Em 1973, Ely também lançou pela gravadora Chantecher/Alvorada o LP "Minha Terra" (CALP 8053), o qual foi bastante elogiado pelo crítico José Ramos Tinhorão, no Jornal do Brasil.
Um dos maiores sucessos de Ely Camargo como compositora foi sem dúvida "O Menino e o Circo" (Ely Camargo), Composição Musical que ficou conhecida nas belíssimas vozes de Cascatinha e Inhana, gravação que está presente na 15ª faixa do CD "Meio Século de Música Sertaneja - Volume 02" da BMG (gravação original RCA).
No final dos anos 1990, Ely Camargo passou a trabalhar na Secretária Municipal de Cultura de Goiânia-GO. Seus trabalhos mais recentes são os CDs  cantiga do povo e águas da fonte (que conta com a participação especial da Banda de Pífanos de Caruaru e de um Coral regido por Sérgio Vasconcellos Corrêa), lançado em 1999 pelas "Edições Paulinas", além do CD "Lembranças de Goiás", um "disco-tributo" que Ely gravou em 2001 por ocasião do centenário de nascimento de seu pai, e o CD "Ely Camargo e Roberto Corrêa - Canções Brasileiras", lançado em 2009.
No CD cantigas do povo águas da fonte, comentado no encarte por Jorge Kaszás e José Ramos Tinhorão, Ely Camargo interpreta Cantos Religiosos, tais como Reisados, Benditos, Cantos Para Pedir Chuva e Incelências, dos Estados de Alagoas, Goiás, Bahia, Minas Gerais e Ceará, recolhidos e adaptados por Ely Camargo e também pelo Frei Francisco Van Der Poel, OFM.
No CD "Lembrança de Goyaz", Ely Camargo interpreta 10 belíssimas Composições de seu Pai Joaquim Edison Camargo que, de acordo com José Mendonça Teles, Presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Goiás (em comentário no encarte do CD), " ...viveu aquela geração romântica da antiga Vila Boa, dos saraus e das retretas, daí os temas apaixonados, e nostálgicos de suas Músicas. Lembro-me dele dirigindo os corais do Lyceu e do Instituto de Educação de Goiás: magro, olhos fundos. estatura mediana, cabelos lisos, voz mansa, pausada, disfarçado bigodinho e inteiro na sua grandeza moral. A vida do Maestro é toda ela dedicada à Música, embora tenha se bacharelado em Direito. Pioneiro de Goiânia-GO, aqui chegou em 1938, quando nasciam as primeiras casas da Cidade. Foi o criador da primeira Orquestra Sinfônica de Goiãnia-GO. Este CD, comemorativo do Centenário de seu nascimento, com 10 Canções interpretadas por sua filha Ely Camargo, das quais 7 inéditas, resgata a Memória do notável Maestro que tanto cantou as belezas da Terra Goiana."
Gravado mais recentemente, em 2009, o CD "Ely Camargo e Roberto Corrêa – Canções
Brasileiras", mixado e masterizado no Zen Studios de Brasília-DF, brinda o Apreciador com a belíssima voz de Ely Camargo, acompanhada pelo Solo de Viola de Roberto Corrêa, com Músicas Tradicionais do Cancioneiro Popular, e também de Autores conhecidos, cujas Obras já caíram em Domínio Público. Destaque para "Casinha Pequenina" (Tradicional), e "Mostraram-Me Um Dia" (Gonçalves Crespo), também conhecida pelos títulos "Mucama", "Mestiça" e "Mulata", com Poesia de Gonçalves Crespo (intitulada "Canção") escrita em 1870 (a Música, cujo trecho o Apreciador ouve ao acessar essa página).
Apesar, de existirem esses três maravilhosos CDs, disponíveis à venda para o Apreciador, não podemos nos esquecer dos diversos LPs, Compactos e 78 RPM's que Ely Camargo também gravou, os quais esperamos que sejam remasterizados e lançados em CD o mais breve possível, dada a importância fundamental da Compositora para o Riquíssimo Folclore Brasileiro! 
Nalva Aguiar
             Cantora de diversos estilos e também Atriz, Nalva de Fátima Aguiar nasceu no Triângulo Mineiro, na cidade de Tupaciguara - MG no dia 09/10/1945, tendo vivido uma infância humilde. Seu pai era alfaiate e também foi proprietário de um hotel.
Com apenas três anos de idade, Nalva já sonhava ser Cantora e começava a "ensaiar os primeiros passos". Aos sete anos, passou a estudar Acordeom.
Nalva também chegou a ser professora da técnica desse Instrumento Musical.
Mais tarde, Nalva Aguiar começou a cantar em festas e também na emissora de rádio de sua cidade-natal, além de outras emissoras de rádio da região e também na TV Triângulo Mineiro. Na primeira metade da década de 1960 ela participou de um dos Discos da dupla "Nísio e Nestor".
É bem verdade que Nalva Aguiar é uma cantora bastante versátil e o destaque que quero dar nesse resumo biográfico é à sua belíssima voz quando interpreta, de forma impecável, o Repertório Caipira Raiz.
No ano de 1966, Nalva trocou sua Tupaciguara natal pela Capital Paulista, época em que a Jovem Guarda estava no auge e era o que atraía a jovem cantora. No ano seguinte, ela representou o Estado das Minas Gerais num concurso na que teve lugar na Rádio Nacional do Rio de Janeiro - RJ, onde fez sucesso ao interpretar em inglês a famosa canção "Jambalaya" (Hank Willians).
Ainda em 1967, Nalva Aguiar participou do filme "Adorável Trapalhão" ao lado de Renato Aragão (o famoso Didi).
E em 1969 participou do filme "2000 Anos de Confusão" também com Renato Aragão, além de seu companheiro Dedé Santana.
No início da década de 1970, Nalva Aguiar fazia sucesso com o estilo da Jovem Guarda, sendo que um dos seus grandes "hits" era a versão de Wando para o famoso "Tema do Cristiano" (personagem interpretado por Francisco Cuoco) da novela "Selva de Pedra", na Rede Globo, em 1972: "Não Volto Mais (Rock And Roll Lullaby)" (Barry Mann - Cyntia Weil - adapt.: Wando). Foi nessa época que Nalva decidiu optar pela Música "Country e Sertaneja", estilo pelo qual ela chegou inclusive a ser reconhecida internacionalmente. 
Lembrar que, na época, a Música Sertaneja já vinha experimentando algumas inovações, com o sucesso crescente de Léo Canhoto e Robertinho, Milionário e José Rico e do Trio Parada Dura.
E foi no ano de 1976 que Nalva Aguiar "estourou" nas paradas de sucesso com a gravação de "Beijinho Doce" (Nhô Pai) (apesar de ter sido num "ritmo pop"), gravação feita no ano anterior e que fez parte da trilha sonora do filme "O Conto-Do-Vigário" de Kléber Afonso e Barros de Alencar. O Compacto Simples com essa gravação (Epic/CBS Nº 66280) vendeu mais de 500 mil cópias e tinha no Lado B a música "Amigos Como Antes" (Totó).
Em 1977, Nalva participou do filme "Entre o Céu e o Inferno”, juntamente com a dupla "Duduca e Dalvan". E em 1979 ela participou também do filme "Sinfonia Sertaneja", com Geraldo Meirelles e Marcelo Costa.
Como Compositora, Nalva Aguiar teve a Música "Coração Sofredor" (Nhô Pai - Nalva Aguiar) gravada em 1983 pela dupla Tonico e Tinoco  no LP "Viva A Viola", lançado em 1982 pela Copacabana (COELP 41873) e que, para nossa felicidade, foi remasterizado em CD. Nalva é também autora de "Triângulo Mineiro" (Nalva Aguiar - Itamar dos Santos), "Sombra dos Laranjais (Tupaciguara)" (Nalva Aguiar - Itamar dos Santos), "Reportagem" (Teixeirinha - Nalva Aguiar), "Rosana" (Nalva Aguiar - Itamar dos Santos) e "Cortina da Saudade" (Tião do Carro - Nalva Aguiar), apenas para citar algumas.
Em 1984, Nalva Aguiar gravou em dueto com Teixeirinha o LP "Guerra dos Desafios" (Chantecher 2.74.405.157).
Consta em algumas biografias que Nalva Aguiar foi à primeira cantora a gravar Músicas de Renato Teixeira, apesar de que, ao que consta, o registro mais antigo de uma música de autoria desse compositor é de 1968, ano em que sua composição "Madrasta" (Beto Ruschel - Renato Teixeira) foi gravada pelo "Rei" Roberto Carlos (LP "O Inimitável" - CBS 137585) e também pelo próprio Renato Teixeira (no LP "IV Festival Da Música Popular Brasileira - Vol. 3" - 1968 - Philips R-765.067-L), além de Taiguara (LP conhecido como "O Vencedor de Festivais" - Odeon MOFB 3570). As três gravações em 1968. Nalva, no entanto, realmente foi das intérpretes pioneiras em composições de Renato Teixeira, tendo gravado "Interlagos" (Renato Teixeira) e "Não Corto Mais Os Meus Cabelos) (Renato Teixeira) em 1971 (7ª. e 8ª. faixas do LP "Nalva" - Beverly - SBLP-19009).
Dentre várias outras composições de Renato Teixeira, Nalva também gravou, numa belíssima interpretação, "Nó Na Garganta" (Renato Teixeira) (LP "Nalva Aguiar" - Entre/CBS - 104500 - 1981) (a Música cujo trecho o Apreciador ouve ao acessar essa página), além de "Amora" (Renato Teixeira), "Amado Irmão" (Renato Teixeira) e "Doradinho" (Renato Teixeira) (LP "Doradinho" - Chantecler - 2.11.405.623 - 1983).
Além das composições de Renato Teixeira, Nalva Aguiar também gravou belíssimas páginas do Repertório Caipira Raiz, como por exemplo, "Tá De Mal Comigo" (Nhô Pai), "Dia de Formatura" (Moacyr Franco), "Cabecinha No Ombro" (Paulo Borges), "Coração Da Pátria" (Barrinha), "Coração Redomão" (Tião do Carro - Moacyr dos Santos), "Aurora do Mundo" (Goiá), "Avenida Boiadeira" (José Fortuna - Paraíso) e "Peito de Aço (Tião Carreiro - Lourival dos Santos), apenas para citar algumas.
Nalva também participa do CD que homenageia Tião Carreiro, lançado em 1996 pela Warner Music ("Saudades De Tião Carreiro - Os Amigos Cantam Seus Sucessos" - 06301715-2), na faixa 14 "Raízes Do Amor" (Paraíso - José Fortuna), juntamente com Tião Carreiro e Pardinho, dueto que ela fez "com a gravação que já existia anteriormente". Nessa gravação podemos ouvir também um dos melhores momentos da belíssima voz de Nalva Aguiar.
Nalva Aguiar é considerada como pioneira da Música Country e já ganhou diversos prêmios, dentre os quais, o de "Rainha dos Caminhoneiros", por três anos seguidos.
Nalva também recebeu cinco vezes o título de "Rainha do Peão de Boiadeiro" na famosa Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos-SP.
Ganhou também da Rádio Country Norte-Americana de Nashville (Estado do Texas) uma Placa de Ouro como "The Queen of Country Music in Brazil" ("A Rainha da Música Rural no Brasil).
Após um período ausente das gravações, tendo inclusive morado no Exterior, Nalva retornou ao Brasil e, após ter sido apresentada pelo Marcelo Costa (TV Record) à gravadora Velas, ela gravou o CD "Nalva Aguiar" (012 948-2) em 1999, o qual contou com a participação de Ivan Lins (na faixa 7: "Bandeira Do Divino" (Ivan Lins - Vitor Martins)), Chitãozinho e Xororó (na faixa 1: "Meu Bem Querer" (Djavan)), e Sérgio Reis (na faixa 4: "Vende-se" (Dêne)), além do locutor de rodeios Barra Mansa (declamando versos na faixa 10: "Oração do Peão de Boiadeiro" (Renato Teixeira)). Ao que consta, esse é o CD mais recente gravado pela Grande Dama da Música Sertaneja, como vem sendo considerada a Nalva Aguiar.
A trajetória artística e pessoal de Nalva Aguiar   é realmente uma Lição de Vida, com muitos "altos e baixos", e importantes momentos de superação.
Nalva reside atualmente na Zona Norte da Paulicéia Desvairada e continua "na estrada".
Ela considera como um sonho o retorno à carreira após tantos obstáculos e afirma que ”“... Não quero ficar com mágoa, com tristeza.
Nada disso não.
Eu quero ser uma velha cheia de vida.
E ainda cantar muito...
Eu não quero chorar, quero sorrir sempre...  

 Irmãs Castro –
Dupla sertaneja formada por Maria de Jesus Castro (Itapeva/SP, 1926) e Lourdes Amaral Castro (Bauru/SP, 1928).
Em 1938, Maria de Jesus e Lourdes Amaral participaram escondidas dos pais do concurso Descobrindo Astros do Futuro, em Bauru (SP). Venceram o concurso e continuaram a cantar músicas em inglês numa rádio local.
A carreira profissional da dupla teve início quando Nhô Pai as viu cantando e gostou do duo perfeito das vozes. Nhô Pai pediu então autorização aos pais de Maria de Jesus e Lourdes Amaral para ensiná-las o gênero sertanejo. No início dos anos 1940, receberam convite para cantar no Rio de Janeiro. Devido à idade, tiveram que falsificar as certidões de nascimento para poder cantar em cassinos.
Na Capital Federal cantaram nas Rádios Tupi, Globo, Mayrink Veiga. Em São Paulo atuaram nas rádios Cultura, Tupi e Bandeirantes. Em 1944, gravaram seu primeiro disco, interpretando o corrido Não me escrevas, de Gabriel Ruiz e Nhô Pai, e o ranqueado Che cabu (Vem cá), de Nhô Pai.
No ano seguinte, gravaram novo disco contendo o valseado Faz um ano, de F. Valdez Leal e Nhô Pai, e o corrido Beijinho doce, de Nhô Pai, que se tornaria o maior sucesso da dupla e um dos clássicos da música sertaneja.
Com o sucesso obtido com a gravação de Beijinho doce, as Irmãs Castro tornaram-se estrelas. Seus discos começaram a vender em grandes quantidades. Em 1945, gravaram Sou roceira, chamego de Cuates Castilla e Ariovaldo Pires, e a valsa Cidade morena, de Nhô Pai e Riellinho.
Em 1947, gravaram Noites do Paraguai, guarânia de S. Aguayo, com versão de Ariovaldo Pires, uma das muitas versões de canções paraguaias e mexicanas que a dupla gravou.
No mesmo disco estava o ranqueado Ciriema, de Nhô Pai e Mário Zan, outro de seus grandes sucessos. Com o sucesso que estavam obtendo, passaram a receber vários convites. Apresentaram-se em circos e rádios por todo o Brasil. Cantaram também em diversos países da América Latina, tais como Paraguai, Uruguai e Argentina.
Em 1956, gravaram a guarânia Luar de Aquidauana, de Anacleto Rosas Jr. e Zacarias Mourão. Por essa época fizeram excursão ao Paraguai para se apresentar por uma semana no Teatro Vitória, o maior de Assunção.
Acabaram ficando um mês, sendo transferidas em seguida para o Teatro Municipal, já que o conjunto americano The Platters iria se apresentar no Vitória.
The Platters teve que esperar a transferência das irmãs Castro e ficou com lotação pequena enquanto as duas estiveram em Assunção.
De retorno ao Brasil, vieram em avião cedido pelo governo daquele país. No Paraguai fizeram sucesso principalmente com Che Yara porã tupy, de Ariovaldo Pires e Riellinho, e Che china mi, de Antônio Cardoso e Ariovaldo Pires.
Em 1974, lançaram um LP pela Chantecler, quando regravaram antigos sucessos como Beijinho doce, além de outras músicas, como Pelejo pra te deixar, de Biá e Gauchito. Em 1984, participaram do programa Viola minha viola, na TV Cultura de São Paulo. Dissolvida em 1985, foi a primeira dupla feminina a gravar música sertaneja.
Biografia enviada por Elizabeth em 22/6/2010
Você Sabia que?
O primeiro disco das Irmãs Castro foi gravado pela Continental em 1944 quando elas tinham 18 e 16 anos de idade. Nesse 78 RPM, gravaram: "Não Me Escrevas" (Gabriel Ruiz - Nhô Pai) e o rasqueado: "Che Camba (Vem cá)" (Nhô Pai).
Contribuição de Elizabeth
"Beijinho Doce" (Nhô Pai), clássico da Música Caipira, foi o maior sucesso das Irmãs Castro.
Contribuição de Elizabeth
As irmãs Castro começaram em 1938 na Rádio Clube de Bauru, onde venceram o concurso de calouros "Descobrindo Astros do Futuro", cantando: "O Que É Que A Baiana Tem" (Dorival Caymmi).
Contribuição de Elizabeth
Por serem belas, as irmãs Diva e Geisa também ficaram conhecidas como "As Bonecas Que Cantam".
Contribuição de Elizabeth
Convidadas para cantar no Rio de Janeiro, as irmãs Castro tiveram suas Certidões de Nascimento alteradas, devido serem menores de idade, para poderem cantar nos cassinos.
Contribuição de Elizabeth
As irmãs Diva Araújo e Geisa Araújo, nasceram em Sacramento/MG.
Contribuição de Elizabeth
Diva, ainda criança, já se apresentava nos programas de rádio na cidade de Uberaba/MG.
Contribuição de Elizabeth
Diva começou a cantar na Rádio Nacional no programa do Dr. José Rosa, na capital Paulista, onde formou a dupla com sua irmã Geisa.
Contribuição de Elizabeth
Dotadas de vozes bastante afinadas, com agudos que nos fazem lembrar interpretações de Operetas, Diva e Geisa agradaram de imediato e receberam o convite de Blota Jr. para atuar na Rádio Record.
Contribuição de Elizabeth
Janaynna Targino
Aos 09 anos de idade Janaynna despertou o interesse pela música, contando com um apoio mais que especial, seu pai. Aos 14 anos de idade Janaynna se apresentava em bares e boates da cidade, mostrando que a música corria em suas veias. Com as casas cheias Janaynna sentiu a necessidade de profissionalizar o seu trabalho. Assim nasceu o CD intitulado 'Hora do Rodeio', conquistando suas primeiras apresentações em festas de agropecuária e rodeios da região.
Toda a família era movida por música, tanto que depois de algum tempo sentiu a necessidade de um parceiro levando para os palcos seu irmão, formando a dupla, Cleber Jr & Janaynna, no qual permaneceu por dois anos e lançaram um álbum.
Experiente Janaynna chega ao mercado nacional com o CD e DVD 'Luau Sertanejo'. Produzido e dirigido por Carlos Dias (Grupo Tradição) e Dudu Borges, Janaynna apresenta um repertório com regravações consagradas e regionais, além disso, conta com uma musicalidade bem atual, O maior desafio neste projeto são suas composições com Carlos Dias, que além de Produtor é o seu esposo. Portanto, essas são as músicas inéditas que compõem o seu trabalho: Ce ta loco, Pra que brigar, Amo mesmo, Cara de pau, Quem cala consente, Bye Bye e Se liga.
Inovando o mercado da música sertaneja Janaynna já está nas rádios de todo país com a música 'Sacanagem tua' de autoria de Marco Aurélio, e ainda traz a música 'Julieta e Romeu' de Carlos Dias e Bikay.
Biografia enviada por Diili em 26/5/2010
Irmãs Castro: 

Maria de Jesus Castro nasceu em Itapeva-SP em 1926 e Lourdes Amaral Castro nasceu em Bauru-SP em 1928.
Começaram em 1938 na Rádio Clube de Bauru, onde venceram o concurso de calouros “Descobrindo Astros do Futuro”, cantando “O Que É Que A Baiana Tem” (Dorival Caymmi).
Deve ser lembrado que elas participaram do concurso “escondido dos pais”.
Após o concurso, continuaram cantando em inglês numa outra emissora de rádio local.
Em 1940, Maria de Jesus e Lourdes, com 14 e 12 anos de idade, respectivamente, mudaram-se para a Capital Paulista, onde tiveram que enfrentar os "famosos preconceitos" por serem do sexo feminino e, além disso, menores de idade.
Mas foi em São Paulo que Nhô Pai (compositor de sucessos como "Beijinho Doce") viu as irmãs cantando e gostou do dueto perfeito de suas vozes.
Pediu então autorização aos pais delas para poder ensinar a elas o Gênero Sertanejo.
E as Irmãs Castro apresentavam-se em diversos programas, sempre acompanhadas pelo Nhô Pai; e, lógico, também pela mãe delas!
E foram convidadas então para cantar no Rio de Janeiro.
Devido à idade, falsificaram as Certidões de Nascimento para poder cantar nos cassinos.
Na Cidade Maravilhosa também cantaram em emissoras de Rádio como a Tupi, a Globo e a Mayrink Veiga.
E, de volta à Paulicéia Desvairada, passaram pelas Rádios Cultura, Tupi e Bandeirante, elas foram contratadas com exclusividade pela Rádio Record.
            O primeiro disco das Irmãs Castro foi gravado pela Continental em 1944 quando elas tinham 18 e 16 anos de idade.
Nesse 78 RPM, gravaram o corrido "Não Me Escrevas" (Gabriel Ruiz - Nhô Pai) e o rasqueado "Che Camba (Vem cá)" (Nhô Pai).
No ano seguinte, gravaram um novo disco 78 RPM contendo o valseado "Faz um ano" (F. Valdez Leal - Nhô Pai), e o corrido "Beijinho Doce" (Nhô Pai), clássico da Música Caipira que foi o maior sucesso das Irmãs Castro e que as transformou rapidamente em estrelas, tal a vendagem de “Beijinho Doce”.
Fato curioso é que Música Caipira não era o estilo preferido das Irmãs Castro. Elas preferiam outros estilos de Música Brasileira. O convite para a carreira sertaneja, no entanto, partiu de Nhô Pai que viu nelas o potencial e elas acabaram aceitando. 
E, com o crescente sucesso que vinham obtendo, passaram a receber vários convites e a se apresentar em circos e rádios por todo o Brasil e também em outros países da América Latina, tais como Paraguai, Uruguai e Argentina.
No Paraguai, por sinal, elas foram para se apresentar por uma semana no Teatro Vitória (o maior de Assuncion), mas acabaram permanecendo um mês por lá.
A apresentação das Irmãs Castro foi transferida então para o Teatro Municipal de Assuncion, já que o excelente conjunto vocal americano “The Platers” tinha uma apresentação programada no Teatro Vitória. E as Irmãs Castro acabaram "roubando a platéia" do "The Platters", pois o conjunto americano, além de ter tido que aguardar a transferência das Irmãs Castro para o outro teatro, ainda teve no show lotação abaixo da esperada, enquanto as Irmãs Castro se apresentavam com mais platéia no Teatro Municipal!
E, na volta ao Brasil, voaram num avião cedido pelo Governo Paraguaio!
No Paraguai fizeram sucesso principalmente com "Che Yara Porã Tupy" (Capitão Furtado – Riellinho) e "Che China Mi" (Antônio Cardoso – Capitão Furtado).
A dupla se desfez em 1985.
Porém as Irmãs Castro compõem um "capítulo" muito importante na História da Música Caipira Raiz, pois, além delas terem sido a primeira Dupla Feminina a gravar Música Caipira, as Irmãs Castro também foram as pioneiras no ritmo “Corrido” (o mesmo ritmo de "Beijinho Doce" (Nhô Pai)).
Lourdes Amaral Castro partiu para o Oriente Eterno às 10:50 da manhã do dia 30/08/2011, quando contava 83 anos de idade, no Hospital Municipal de Jarinu - SP, tendo sido vítima de um enfarte agudo do miocárdio e deixando um enorme vazio na História da autêntica Música Caipira Raiz...

Irmãs Freitas:
  
 Ana Lúcia e Luciana são os nomes artísticos escolhidos pelas irmãs Alice de Freitas Machado (nascida em Taquaral – GO, no dia 11/11/1961) e Ilda de Freitas Machado (nascida também em Taquaral – GO, no dia 24/02/1958).
Filhas de João de Freitas Machado e Maria José Pereira: uma família humilde e numerosa, composta por mais 10 irmãos, e que tiveram suas infâncias bastante ocupadas com o trabalho na lavoura, trabalho esse bastante pesado e exercido desde os 6 anos de idade, mas que não as impediu de desenvolver o Gosto Musical nem de participar das festas de Folias de Reis!
Irmãs de André e Andrade, Alice e Ilda iniciaram a Carreira Musical no ano de 1976, cantando em circos e festas no Estado de Goiás, com apenas 15 e 18 anos de idade, respectivamente!
Dois anos depois, em 1978, as Irmãs Freitas gravaram seu primeiro disco, pela Gravadora RDG (RDG-2035), com destaque para a Música "Canoeira da Araguaia" (Albertino Soares - André - Andrade), cujo sucesso proporcionou à jovem Dupla a contratação pela gravadora Chantecher, na qual elas gravaram os LPs seguintes.
Foi a partir dessa época que as Irmãs Freitas passaram a gravar e se apresentar em companhia do saudoso Sanfoneiro Voninho, que enfeitava os arranjos e valorizava suas apresentações.
Além de ter atuado junto com as Irmãs Freitas, Ivone Ferreira Dias, o Voninho, natural de Jataí - GO, também integrou "Os Filhos de Goiás", "Carlito, Baduy e Voninho" e o "Trio Alto Astral", além de ter gravado alguns discos em carreira - solo, tendo sido também Compositor de belíssimas Músicas para solo de Acordeom.
Além de atuar como Acordeonista, Voninho também foi uma espécie de "Empresário" das Irmãs Freitas, marcando shows, escolhendo o Repertório, e às vezes até "atuando como guarda-costas". De acordo com o que ele mesmo disse à inesquecível Revista "Moda e Viola", ”... tem hora que a barra pesa, quando se viaja com duas mulheres bonitas...”. 
Voninho havia iniciado sua carreira artística em 1963 em Jataí - GO, sua cidade-natal, tendo logo se entrosado no Meio Musical, com o apoio dos Radialistas Jerônimo Gonçalves Assis, Edgard de Souza e José Béttio.
Voninho, porém, partiu para o "Andar de Cima" por volta das 23h00min no dia 23/04/2008, na Santa Casa de Misericórdia de Goiânia-GO, onde já estava internado havia quase dois meses, com graves problemas de saúde, incluindo dengue hemorrágica.
Consideradas como sendo "As Musas da Música Caipira", com um Repertório selecionado, além de irradiar beleza e simpatia, as Irmãs Freitas fizeram e ainda fazem bastante sucesso em todo o país.
O jeito de cantar no Estilo Goiano, proporcionou às Irmãs Freitas uma característica muito especial que serviu para projetá-las no Meio Artístico Musical.
Seus irmãos André e Andrade, também ajudaram bastante no início da carreira das Irmãs Freitas, passando-lhes a experiência e tendo sido responsáveis pelo lançamento da Dupla. O pai (João de Freitas Machado), apesar de ter sido, de início, contra a Carreira Musical das filhas, acabou também sendo um grande incentivador, além de ter sido um dos Compositores de seu Repertório desde o primeiro LP.
Após algum tempo sem gravar, as Irmãs Freitas retornaram aos palcos com nova formação: Luciana (Mãe) e sua filha Ourina e, com essa nova formação, elas se apresentaram no excelente Programa Viola Minha Viola que foi ao ar no dia 10/01/2010 pela TV Cultura de São Paulo-SP, apresentado pela "Madrinha" Inezita Barroso!
Irmãs Galvão: 
"Brasileiro curte modismo, mas depois acaba voltando para o sertanejo" – Marilene Galvão.
Ícones da Música Sertaneja, as Irmãs Galvão (ou “As Galvão”, como o Apreciador preferir) são consideradas pelo comunicador Toni Gomide da Rádio Tupy como sendo “As Vozes do Século”.
Mary Zuil Galvão (nascida em Ourinhos-SP no dia 04/05/1940) toca o Acordeom e Marilene Galvão (nascida em Palmital - SP em 27/04/1942) toca o Violão. Com o incentivo dos pais, o alfaiate Bertholdo e a costureira Maria, a dupla se formaram em 1947 quando elas tinham 7 e 5 anos de idade, respectivamente, na pequena cidade de Sapezal - SP (hoje Distrito de Paraguaçu Paulista-SP).
Na verdade, Mary já "soltava a voz" para os parentes e amigos do Sr. Bertholdo em Sapezal, quando num belo dia, a irmãzinha Marilene, sem que tivesse sido planejado, entrou cantando em dueto quando Mary estava cantando e... Nascia então, naquele exato momento, aquela que se tornou uma das melhores duplas femininas brasileiras.
Com mais de 60 anos de carreira, “As Galvão” formam a mais antiga Dupla Caipira Feminina em atividade no Brasil, e continuam afinadíssimas e tocando da mesma forma como faziam no início.
Fizeram as primeiras apresentações na Rádio Paraguaçu Paulista-SP e também na Rádio Difusora, de Assis-SP e na Rádio Cultura de Maringá - PR.
O pai, Bertholdo, cheio de sonhos, vendeu tudo o que tinha e arriscou a mudança para a Capital Paulista, investindo nas duas filhas.
Era o ano de 1952 e, com uma carta de apresentação do Dr. Miguel Leuzzi (radialista incentivador da música cabocla), tentou o primeiro contato na Rádio Piratininga, cujo diretor não quis ouvi-las, por se tratar de apenas duas criancinhas...
Mas, “Seu” Bertholdo não desistiu: confiava no talento de Mary e Marilene e inscreveu as meninas no programa de calouros “Torre de Babel” apresentado por Salomão Esper: o programa era para adultos e, com apenas 12 e 10 anos de idade, elas não poderiam ser inscritas.
 “Comovido”, porém com as duas menininhas, perguntou se elas “queriam cantar”... E elas cantaram e encantaram a todos os que ali estavam e... Foram contratadas!
No “Torre de Babel”, as Irmãs Galvão atuavam juntamente com gente já famosa e respeitada como Dolores Duran e Nelson Gonçalves.
Daí pra frente, atuaram no programa “Tenda de Salomão”, também na Rádio Piratininga. Seguiram para a Rádio Nacional (hoje Globo) onde participaram de programas como “Ronda dos Bairros” e “Caravana da Alegria”. Ainda no mesmo ano de 1952, seguiram para a Rádio Bandeirante, onde participaram do programa “Serra da Mantiqueira” sob o comando de Biguá e do Capitão Barduíno.
Cantou também no programa “Brasil Caboclo”, comandado pelo Capitão Balduino, e que era na época o programa de maior audiência no Brasil, com bastante correspondência que recebia de todo o Território Nacional. 
Ouvindo esse programa, Diogo Mulero, o Palmeira, diretor artístico da RCA Victor, ofereceu a elas a oportunidade de uma gravação. E, no Rio de Janeiro, saiu o primeiro 78 RPM das Irmãs Galvão. 
Foi também nessa época que as Irmãs Galvão conheceram pessoalmente gente como “Tonico e Tinoco” e “Cascatinha e Inhana”, cuja voz elas já conheciam do rádio quando ainda moravam no Interior. 
"Uma Sanfona, um Violão; 
Duas jovens criativas que formam o duo Irmãs Galvão!"
Esse slogan foi criado por Oswaldo Soares em 1953, quando Mary e Marilene participaram do programa “Domingo Alegre” na Rádio Cultura. Passaram também um curto período de tempo na Rádio América e retornaram à Bandeirantes por onde permaneceram por um período de 10 anos.
Nessa emissora, Irmãs Galvão também interpretaram obras primas de nossa Boa Música Brasileira acompanhadas pela Orquestra de Sílvio Mazzuca; porém, não abandonaram jamais a Música Caipira.
Além de diversos prêmios que ganharam em festivais como intérpretes, as Irmãs Galvão também ganharam o “Troféu Oceania” da UASP (União dos Artistas Sertanejos Paulistas), “Disco de Ouro” com a lambada “No calor dos teus abraços”, “Prêmio Sharp” como “Melhor Dupla Sertaneja (em 1994), o “Disco do Ano” 2002 ("Nóis e a Viola"), “Prêmio Caras de Música” como Melhor Dupla e também receberam indicação para o “Grammy Latino” de Los Angeles como Melhor Álbum de Música Regional ou Raiz, tendo ficado entre cinco finalistas.
Em 1981 Mário Campanha, Maestro e Arranjador e também esposo de Mary Zuil Galvão, passou a produzir os discos da dupla que passou a se apresentar como sendo “As Galvão”, já então bastante conhecidas não apenas no Brasil, mas também em outros países como Portugal, Canadá e Suíça.
A comemoração dos seus 50 anos de carreira se deu em 1997 no parque da Água Branca em São Paulo-SP, show no qual estiveram presentes cerca de 6 mil pessoas, sendo homenageadas por diversos intérpretes renomados da Música Caipira Raiz, entre eles, Tinoco e Tinoquinho.
As Galvão gravaram ao longo de sua carreira artística 10 discos 78 RPM, 22 LPs e 3 novos CDs (fora algumas remasterizações de antigos discos de vinil). 
Juliana Andrade e Jucimara:
 ”Estamos na contramão dos gêneros que estão na moda e tocam no
rádio”.
Não quero falar mal de ninguém; só acho que existe espaço para todos. ”(Juliana Andrade).
A autora da sábia frase acima, a jovem Violeira, Cantadora e Compositora Juliana Andrade, nasceu em Taboão da Serra-SP e começou a tocar Viola Caipira com apenas 14 anos de idade, influenciada pelo bom gosto de seu pai, “Seu” Francisco Andrade, que também se dedicava ao tradicional instrumento musical Caipira Raiz, apesar de não ser “conhecido pelo grande público”. A própria Juliana nos conta: "Meu pai era Violeiro, mas queria que meus irmãos aprendessem.
Comecei a pegar a Viola escondida e, quando ele percebeu, já tinha uma Violeira em casa. “
Inezita Barroso conheceu Juliana quando ela tinha apenas 15 anos de idade, em 1995, quando o “Viola Minha Viola” da TV Cultura de São Paulo homenageava João Pacífico, de quem a jovem Violeira é grande apreciadora. “Inezita me deu a honra de ser minha “Madrinha Musical”.
Juliana também recebeu no ano 2000 o título de Princesa da Viola que foi concedido pelos ouvintes e telespectadores da Rádio e TV Cultura de São Paulo. E este título foi registrado em cartório!
Jucimara Aparecida de Souza Lins, natural de Lins-SP, começou a cantar com apenas 6 anos de idade, tendo formado algumas duplas provisórias, além de também ter feito carreira - solo, a exemplo de Juliana Andrade.
Apreciadora das Irmãs Freitas e também de Tião Carreiro e Pardinho, Jucimara faz a segunda voz, além de tocar a Viola e o Violão.
Juliana Andrade e Jucimara foram as primeiras mulheres a vencer o Festival de Barretos, o que aconteceu na edição de 2001, o 19º Festival “Violeira Rose Abrão”, que fez parte da 47ª Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos-SP.
Além do primeiro lugar, "Juliana Andrade e Jucimara" receberam também o título de “As Melhores Violeiras do Brasil”.
E foi a primeira vez que uma dupla feminina não apenas esteve entre os dez primeiros colocado na história desse festival, como também conquistou o primeiro lugar. Essa vitória em Barretos abriu as portas e impulsionou Juliana e Jucimara para a gravação do primeiro CD, “As Violeiras do Brasil” “Ganhar o festival foi um marco na nossa carreira, foi sem dúvida um dos momentos mais importantes”.
Para Juliana, a vitória não apenas serviu como uma arma contra o preconceito que ainda se tem contra a mulher, mas também foi de encontro à discriminação dos jovens e da mídia.
De acordo com a jovem Violeira, (e para nossa grande alegria), as pessoas estão "perdendo a vergonha de gostar das Modas de Viola". "Nos shows, muitos jovens participam e gostam do nosso trabalho".
Além da “Madrinha” Inezita Barroso, Juliana de Andrade e Jucimara tiveram também o apoio do Praiano (que foi parceiro de Tião Carreiro no início da década de 90) e de Jesus Belmiro que cedeu inclusive uma composição sua para o trabalho da dupla: "Diamante Verde" (Jesus Belmiro - Juliana Andrade). “O primeiro CD, além de composições próprias, traz também raridades como “Felicidade”, composta por Raul Torres em 1932” e também duas composições instrumentais em Solo de Viola: "Brincando Com A Viola" (Gedeão da Viola) e Herança De Pai (Francisco Andrade).
A dupla Juliana Andrade e Jucimara se desfez algum tempo depois. Juliana Andrade seguiu carreira - solo por algum tempo, enquanto que Jucimara formou por algum tempo a dupla com Sandra Reis.
E, no início de 2006, a dupla Sandra Reis e Jucimara se desfez e Jucimara reatou a dupla com Juliana Andrade, renascendo então essa excelente dupla feminina.
Quero destacar o novo CD da dupla ("As Violeiras do Brasil") que é uma reedição do primeiro CD, contendo algumas faixas - bônus. Destaque para "Bolha de Sabão" (José Caetano Erba - Tião do Carro), "Ninho de Saudade" (Pardinho - Mairiporã), "Canoeira do Araguaia" (Albino Soares - André - Andrade) e "Invernada da Recordação" (Ronaldo Viola).
Parabéns, Juliana!! Parabéns, Jucimara!! Continue defendendo firmemente a nossa Música Caipira Raiz, a Viola e a Boa Música Brasileira como vocês vêm fazendo!!! 
Leyde e Laura:
   
  Lucineide (Leyde), nascida em Guiratinga - MT no dia 04/08/1973, e Marinilza (Laura), nascida em Pedra Preta - MT no dia 18/08/1970.
Eram ligadas à Música desde a infância e formaram a dupla, cujo nome é possivelmente uma "citação mercadológica" à Mãe do famoso cantor e compositor Roberto Carlos, que ele carinhosamente chama de Lady Laura, em seu famoso sucesso composto em parceria com Erasmo Carlos.
Filhas do Sr. José e de Dona Sidelina, Lucineide e Marinilza foram criadas na “roça” juntamente com seus dez irmãos trabalhando no plantio de arroz, feijão e milho.
Seus pais eram também os "Rezadores de Terço" da região.
Dessa forma, o primeiro contato de Leyde e Laura com a Música foi através dos Cânticos Religiosos, além dos "causos" de fim de tarde, Rodas de Viola nas reuniões de família e também da influência do irmão mais velho Sandro Lúcio, que sempre esteve envolvido com a Música.
Ainda na infância, Lucineide e Marinilza faziam "backing" vocal para os irmãos Sandro Lúcio e Mateus. E elas percorreram o Interior do Brasil apresentando-se em diversas cidades dos Estados de Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e São Paulo.
Lucineide e Marinilza trocaram seu Estado-Natal de Mato Grosso pela Capital Paulista no ano de 1992, incentivadas pelo Empresário e Produtor Oswaldo Galhardi, Esposo de Laura.
A jovem dupla feminina lançou seu primeiro disco no mesmo ano de 1992, com destaque para "Porque Você Não Gosta De Mim" (Carlos Cezar - José Fortuna), "Na Luz Do Teu Olhar" (Paraíso - Wally Macedo), "Chove Não Molha" (J. Luís) e "Confiei Demais" (Nino e Jeferson).
Interpretando um misto de "pop-sertanejo" com ritmos da autêntica Música Caipira-Raiz, dentre seus maiores destaques, podemos citar "Mistérios" (Zezé di Camargo - Fátima Leão), "Eu Não Sabia Que Você Existia" (Tony - Renato Barros) e "Férias na Praia" (Sérgio de Freitas), além de belíssimas Jóias Musicais tais como "Terra da Padroeira" (Tião do Carro - João Miranda), "Viola e Cantador" (Chico Amado - Anna Fernandez), "Pé de Cedro" (Zacarias Mourão - Goiá), "Tardes Morenas de Mato Grosso" (Goiá - Valderi), "Viola Pura" (José Caetano Erba - Paraíso), "O Caso Irmãos Naves (Erro Judiciário)" (Sulino - Dr. Antônio Carlos) e "A Força do Amor" (Jesus Belmiro - Paraíso), apenas para citar algumas!
Leyde e Laura interpretam ritmos da genuína Música Caipira Raiz (incluindo à Moda de Viola) e também Músicas românticas e dançantes e já foram agraciadas com diversos troféus tais como o "Prêmio Ary Barroso", e "Estrada Boiadeira" esse último como a "Melhor Dupla Sertaneja Feminina Do Brasil".
Quero aqui destacar o CD "Viola Pura" que é um excelente trabalho da jovem dupla feminina com arranjos do compositor Paraíso, e com as participações de João Mulato (Viola), Araguary e João Bosco (Violões), Maestro Adeildo (Requinto), Nabar (Contrabaixo), Walter Brunelli (Percussão) e Liu (Berrante). O CD apresenta ao Apreciador um repertório de 14 faixa no autêntico Estilo Caipira Raiz, incluindo "A Mão do Tempo" (Tião Carreiro - José Fortuna), "O Menino da Porteira" (Teddy Vieira - Luizinho), "Tardes Morenas de Mato Grosso" (Goiá - Valderi), "Vá Pro Inferno Com Seu Amor" (Meirinho), "A Força do Amor" (Jesus Belmiro - Paraíso) e "O Caso Irmãos Naves (Erro Judiciário)" (Sulino - Dr. Antônio Carlos), além da faixa-título "Viola Pura" (José Caetano Erba - Paraíso), apenas para citar algumas.
Quero destacar também o DVD "Meu Canto Caipira", que foi gravado ao vivo por Anjos Studio, no Teatro Municipal de Mauá-SP, em 16/12/2009! Produzido por Beto Contessotto (Betinho), o DVD brinda o Apreciador com uma belíssima apresentação que se inicia com a declamação de um texto de Guimarães Rosa, a cargo de Ivanna Calado. Logo depois, Leyde e Laura mostram suas belíssimas e entrosadíssimas vozes, cantando "a capela" (sem acompanhamento instrumental) a faixa-título "Meu Canto Caipira" (Batista dos Santos).  Gravado pela Allegretto, o DVD conta com a participação de excelentes Músicos do quilate de Marcílio Zarpelão (Violão com Cordas de Aço), Carlos Magno (Violão com Cordas de Nylon), Arnaldo Freitas (Viola Caipira), Dr. Júlio Santin (Viola Caipira), André Fernandes (Baixo), Walter Brunelli (Teclado), Mingo Jacób (Percussão), Doniseti Juvino (Percussão), Marcelo Rosner (Violino), Jair Ferro Meira (Violino), Manoela Bonina (Violino) e Aline Siqueira (Violino). E, durante o show, as participações especiais do Grupo "Os Favoritos do Catira" e também da Dupla Mococa e Paraíso. 
Mara e Cota:
Apesar de ter existido apenas como uma "brincadeirinha" e ter gravado apenas um disco, que foi um "bolachão" 78 RPM, em 1959, a dupla "Mara e Cota" faz parte da História da Música Caipira Raiz e da Boa Música Brasileira, não podendo deixar de ser citada nessa página dedicada às Duplas Femininas.
O repertório do disco gravado "não nasceu Caipira", mas foi arranjado como tal: trata-se de duas belíssimas composições de Antônio Carlos (Tom) Jobim e Vinícius de Moraes: "Eu Não Existo Sem Você" e "Eu Sei Que Vou Te Amar". E, para nossa grande alegria, essas duas gravações foram remasterizadas em CD e está disponível no álbum triplo "Tom Jobim - Raros Compassos” lançados pela excelente gravadora Revivendo de Curitiba - PR.
De acordo com Ruy Castro, no jornal O Estado De São Paulo, a dupla "Mara e Cota" ”... não existiu.
Nem em 1959, nem nunca. Pelo menos, nunca foi vista ao vivo, nunca cantou em rodeios e nunca se apresentou no rádio, nem mesmo naqueles programas às 5 da manhã, patrocinados por vendedores de adubos ou fabricantes de arreios.
Mara e Cota só existiram por algumas horas (...), exagerando na caipirice, duas canções do já então mais sofisticado compositor brasileiro e seu parceiro Vinícius de Morais... “
Se a dupla passou despercebida do grande público, as duas integrantes são consagradíssimas em nossa Boa Música Brasileira, já que foram as excelentes cantoras Sylvinha Telles e Stellinha Egg!
De acordo com Ayrton Mugnaini Jr., nas páginas 59 e 60 de seu livro "Enciclopédia das Músicas Sertanejas", no verbete "Bossa Nova e Música Sertaneja", ”... “A Bossa Nova, apesar de sua sofisticação harmônica e rítmica e do elitismo de vários de seus fãs e praticantes, sempre se fascinou pela Música de Raiz...”. 
Ayrton menciona também o excelente compositor Tom Jobim que, ”... além de ter composto toadas como "A Chuva Caiu", compôs também "Boto" em parceria com o Jararaca... " (da inesquecível dupla Jararaca e Ratinho).
E, mais adiante, Ayrton também cita Mário Albanese, o célebre criador do ritmo Jequibau (em compasso 5/4), e que também compôs algumas músicas que foram gravadas por renomados intérpretes tais como Tonico e Tinoco e Zé do Rancho e Mariazinha, utilizando no entanto o pseudônimo de Nhô Mário, "...devido ao preconceito de muitos contra a Música Sertaneja na época...".
Sylvinha Telles nasceu no Rio de Janeiro - RJ no dia 27/08/1935 e faleceu em Maricá - RJ no dia 17/12/1966, com apenas 32 anos de idade, vítima de um acidente de carro.
Uma das principais intérpretes de Antônio Carlos Jobim, de quem gravou cerca de 50 composições, incluindo as duas que "se tornaram caipiras" na gravação feita juntamente com Stellinha Egg.
Antes mesmo da Bossa Nova passar a ser conhecida pelo grande público, Sylvinha, com 19 anos de idade, chegou a namorar com o cantor João Gilberto e, na mesma época, tentava iniciar a carreira de cantora "às escondidas dele".
Se o namoro não foi em frente, a influência musical permaneceu, já que foi no ano de 1955 que Sylvinha iniciou de fato a sua carreira profissional, participando da revista musical "Gente de Bem e Champanhota", no Teatro Follies, no Rio de Janeiro - RJ. Nesse mesmo ano gravou, pela Odeon, o 78 RPM com as músicas "Amendoim Torradinho" (Henrique Beltrão) e "Desejo" (Garoto - José Vasconcelos - Luiz Cláudio), acompanhada pelo Violonista Candinho, que veio a ser seu primeiro esposo e também o pai da excelente intérprete Claudinha Telles.
Apresentando-se em diversos teatros, o talento de Sylvinha Telles começou a se fazer notar até que, com o LP "Carícia", lançado em 1957 e, considerado por muitos como precursor da Bossa Nova, ela se tornou bastante conhecida das rodas musicais e do grande público.
Dentre outras belíssimas músicas desse LP, podemos mencionar "Chove Lá Fora" (Tito Madi), "Se Todos Fossem Iguais A Você" (Tom Jobim - Vinicius de Moraes) e "Canção Da Volta" (Ismael Neto - Antonio Maria).
Sylvinha e Candinho se separaram quando Claudinha tinha apenas 3 meses de idade e, dois anos depois, ela se casou com o produtor Aloysio de Oliveira, que já havia integrado o famosíssimo conjunto "Bando da Lua", celebrizado principalmente por ter acompanhado a inesquecível Carmem Miranda nos Estados Unidos.
Após uma carreira um tanto tumultuada nos anos 60, um acidente de automóvel na Rodovia Amaral Peixoto, no Estado do Rio de Janeiro, tirou a vida de Sylvinha Telles que contava apenas 32 anos de idade, deixando um enorme vazio em nossa Boa Música Brasileira. E Claudinha Telles tinha apenas 9 aninhos...
De acordo com a filha Claudinha, "Lembro de minha mãe sorrindo, brincando e cantando pra mim. Sei que ela desejava-me ver como sua herdeira musical, me ensinou Violão aos seis anos de idade". Sylvinha comentava que Claudinha ”... seria cantora, pois chorava em Lá Menor e não desafinava".... Isso na época em que Claudinha Telles tinha apenas um aninho de idade...
Stella Maria Egg nasceu em Curitiba-PR no dia 18/07/1914 e faleceu no dia 17/06/1991, também na Capital Paranaense.
Influenciada pelo ambiente musical familiar, com apenas cinco anos de idade, Stellinha já cantava em festas da Igreja Evangélica.
Iniciou a carreira artística na Rádio Clube Paranaense em Curitiba - PR. Após vencer um concurso de Melhor Intérprete do Folclore Brasileiro, Stellinha foi contratada pela Rádio Tupi de São Paulo-SP. E, na Capital Paulista, trabalhou também na Rádio São Paulo e na Rádio Cultura até se transferir, no início da década de 1940, para a Rádio Tupi do Rio de Janeiro - RJ, onde ela se apresentou ao lado de Dorival Caymmi e Sílvio Caldas.
Em 1944, Stellinha gravou seu primeiro disco, pela Continental, interpretando a toada "Uma Lua No Céu... Outra Lua No Mar" (Jorge Tavares - Alaíde Tavares) e o coco "Tapioquinha De Coco" (Jorge Tavares - Amirton Valim).
Stellinha se casou em 1945 com o maestro Lindolpho Gaya (06/05/1921 - Itararé-SP; 15/09/1987 - Curitiba- PR) e, a partir de então, passou a trabalhar nos arranjos de suas músicas e, dentre as quais, gravou "Não Consigo Esquecer Você" (Lindolpho Gaya) e "Mais Ninguém" (Lindolpho Gaya - Eme de Assis).
E entre 1955 e 1956 Stellinha viajou pela Europa, apresentando-se na extinta União Soviética, e também na França, Polônia, Finlândia, Itália e Portugal, sempre acompanhada do maestro e esposo Lindolpho Gaya.
Empenhada com o estudo e a pesquisa do riquíssimo Folclore Brasileiro, Stellinha também gravou diversas composições folclóricas e de Domínio Público, tais como "Garoto da Lenha de Angico", "Boi Barroso", "Samba-Lelê", "A Moda da Carranquinha", "Cantigas do Meu Brasil", "Prenda Minha" e "Fiz a Cama na Varanda" (Ovídio Chaves - Dilu Melo), além de composições de Catulo da Paixão Cearense, Ernesto Nazaré, Anacleto de Medeiros e Dorival Caymmi, em diversos LPs dedicados aos mais variados aspectos da Música Popular e Folclórica do Brasil.
E, ainda sobre a dupla "Mara e Cota", de acordo com Ruy Castro, "...Por que as duas se meteriam a gravar em estilo caipira (...) estraçalhando duas canções ultra-elaboradas, com letras tão longas e caprichadas? Por um misto de brincadeira e jogada comercial. (...) Por mais conhecidas e admiradas, as duas não eram grandes vendedoras de discos. Faziam parte do elenco que dava "prestígio" à gravadora (...) mas, em termos de vendas, não podiam competir com Dalva de Oliveira, Anísio Silva e outros que atingiam as grandes massas. (...) A idéia de reuni-las numa dupla caipira partiu, quase que involuntariamente, do artista gráfico e capista da Odeon César Villela (...) que sugeriu (...) acoplar Sylvinha a alguma outra cantora para formar uma dupla caipira. (...) Aloysio [de Oliveira] gostou da idéia. Mas só podia fazer isso com gente de sua confiança, como Stellinha e Gaya. E, sendo Aluísio quem era jamais as deixaria cantar o repertório de arraial das duplas caipiras. Podiam cantar caipira, mas as canções teriam de ser de, imagine, Tom e Vinícius. O resultado foi o 78 rpm 14.556 da Odeon, tendo no lado A 'Eu Não Existo Sem Você' e, no lado B, 'Eu Sei Que Vou Te Amar', lançado um mês depois, em novembro. ““
Pininha e Verinha: 
         Nascidas respectivamente em São Paulo-SP e em São João da Bocaina -SP, Felipina Varela Maciel, a Pininha, e Cleonice Soares da Silva, a Verinha, são excelentes Cantoras e também Compositoras.
Pininha   iniciou a carreira incentivada pelo seu pai Arlindo Thomáz Vianna, o Zelão, Sanfoneiro, Humorista e Radialista natural de Guaxupé - MG.
Tendo atuado nas Rádios Bandeirantes, Nacional e Nove de Julho, na Capital Paulista, e também na Rádio Boa Nova de Guarulhos-SP, Zelão era bastante conhecido no Meio Sertanejo, além de ter sido amigo de grandes nomes da Música Caipira Raiz, tais como Tião Carreiro e Pardinho Tonico e Tinoco, Dino Franco e Mouraí e Liu e Léu, apenas para citar alguns.
Em 1958, Pininha formou uma dupla inicialmente com Cidinha, com quem gravou o corrido "Meu Cavalinho" (J. M. Alves - Lourdes Guimarães) e o rasqueado "Desengano Cruel" (Pininha - Cidinha).
Em seguida, Pininha passou a formar dupla com Verinha, com quem gravou no ano seguinte, o arrasta-pé "Moreno do Paraguai" (Dois Coringas - R. Gonçalves) e o valseado "Me Leva" (Priminho - Elpídio dos Santos), que foram dois grandes sucessos consagrados da nova dupla.
As apresentações de Pininha e Verinha eram freqüentemente acompanhadas por Zelão, que era também orientador e animador dos shows da dupla (também conhecida como o trio "Zelão, Pininha e Verinha"). Zelão (foto à esquerda) também compunha, como foi o caso da guarânia "Sou Eu" (Zelão - Roque de Almeida) também gravada por Pininha e Verinha, no ano de 1960. Zelão também é autor de outras Músicas de gênero, tais como "Moço Bonito" (Zelão - Francisco Lacerda) e "Desconfiada" (Jeca Mineiro - Zelão), também gravadas por Pininha e Verinha. E, no repertório de Tião Carreiro e Pardinho, Zelão é também co-autor de "Viola Chic-Chic" (Zelão - Tião Carreiro - Lourival dos Santos).
Foram diversos os sucessos gravados pela dupla, dentre os quais "Quero Seu Amor" (Zelão - Anísio Teodoro), "Disco Antigo (Zelão - Orlandinho)", "A Solidão Me Tortura" (Jeca Mineiro - Sebastião Vitor), além das já mencionadas "Moço Bonito" (Zelão - Francisco Lacerda) e "Desconfiada" (Jeca Mineiro - Zelão).
Desnecessário dizer quão importante foram os circos no desenvolvimento da Trajetória Artística de Zelão, Pininha e Verinha!
Em 1958, a inesquecível "Revista Sertaneja" elegeu Pininha e Verinha como o Melhor Duo do Ano, e elas receberam com muita honra o troféu "Viola de Ouro", troféu esse que era bastante cobiçado pelas Duplas Sertanejas de um modo geral.
Vivendo atualmente uma nova fase, Pininha e Verinha se vêem novamente livres para se dedicar à Carreira Artística; elas estão voltando e, em 2005, apresentaram-se no programa "Raízes do Brasil" (que, na época, ia ao ar no horário das 05h00min às 07h00min da manhã, sob o comando do saudoso Muibo César Cury, um dos mais tradicionais apresentadores do Rádio Paulista. (e também compositor de "João de Barro" juntamente com Teddy Vieira)), na Rádio Cultura - AM de São Paulo-SP (1.200 kHz), ocasião na qual elas também apresentaram seu novo CD com músicas remasterizadas às quais gravaram ao longo da carreira.
Pininha e Verinha também se apresentaram no Viola Minha Viola  que foi ao ar pela TV Cultura de São Paulo-SP nos dias 10 e 11/01/2004, apresentado pela "Madrinha" e Comendadora Inezita Barroso.
No programa elas interpretaram "Moreno do Paraguai" (Dois Coringas - R. Gonçalves) e "É Brincadeira" (Muniz Teixeira - Maracaí).
Além do belíssimo Repertório Musical, a Dupla "Pininha e Verinha" também diverte o Apreciador com diversos esquetes cômicos entre uma Música e outra, com destaque também para a voz bastante aguada infantil que a Pininha imita...

Primas Miranda:
   
As primas Maria do Carmo Miranda e Sérgia Aparecida Miranda nasceram em Catanduva-SP nos dias 20/06/1941 e 07/04/1941, respectivamente.
Contando apenas 14 anos de idade, as duas primas estrearam num programa infantil da Rádio Difusora de Catanduva-SP, no ano de 1955.
Fizeram enorme sucesso e, como "cantavam como gente grande", assinou contrato no mesmo ano e passaram a integrar o elenco profissional da emissora, na qual comandou durante quatro anos o programa "Primas Miranda Cantam Para Você", programa exclusivo que proporcionou a elas bastante sucesso na região.
Os convites para shows passaram a ser cada vez mais freqüentes e no ano de 1958 as Primas Miranda venceram o torneio "Roda de Violeiros" em Sorocaba-SP, ocasião na qual o célebre Comendador Biguá conheceu a jovem dupla feminina e convidou-as para irem à Capital Paulista cantar em seu programa "Serra Da Mantiqueira", na "Mais Popular Emissora Paulista" da época, a Rádio Bandeirante.
O Comendador Biguá criou para as Primas Miranda o Slogan: "As garotas que cantam e encantam"!
Lembrar que as Primas Miranda, na época, eram moças criadas no interior, ainda com 17 anos; sendo assim, a oportunidade surgiu somente no ano seguinte, quando fizeram sua primeira apresentação na emissora paulistana.
E o destino das duas já estava traçado: por coincidência ou "capricho do destino", Luizinho, que na época era diretor da gravadora Odeon, ouvia o programa naquele instante. Tomou logo um táxi e foi ao encontro das duas jovens cantoras. Conhecendo-as pessoalmente, convidou-as para a gravação do primeiro Disco.
E assim nasceu o primeiro disco das Primas Miranda, gravado na Odeon: o 78 RPM Nº. 14.467, em 13/05/1959, com o maior sucesso da dupla: "Aliança Contrariada" (Lourival dos Santos - Nízio) e, no outro lado, "Gotinhas de Saudade" (Bolinha - Sueli).
Aliás, antes mesmo da gravação do primeiro Disco, as Primas Miranda já haviam entrado no Estúdio, a convite de Campanha e Cuiabano, e participaram da gravação de "Genuína Cana Verde" (Lázaro Franco De Godoy - Celinho), no Lado A do 78 RPM Odeon N° 14.447, gravado em 19/03/1959 e lançado em Abril de 1959.
No mesmo ano de 1959, as Primas Miranda receberam o "Troféu Revelação do Ano". Gravaram mais dois discos na Odeon e dois na Orion. E em 1962 foram para o selo "Sertanejo" da gravadora Chantecher (hoje Warner Music), onde gravaram "Faz Um Ano" (Waldick Soriano - Teddy Vieira) e "Coisas Do Destino" (Goiá - Clóvis Pontes), essa última imortalizada também na interpretação de Zilo e Zalo.
Lançaram o sétimo 78 RPM também no selo "Sertanejo", antes de encerrarem a carreira musical.
Luizinho foi um grande amigo e também um grande fã das Primas Miranda.
E em 18/07/1960 participou com seu trio Luizinho, Limeira e Zezinha da gravação da música "Que Me Importa" (Valdir Machado), verdadeira "jóia lapidada" na Música Caipira Raiz, no Lado A do Disco 78 RPM Nº. 14.657 na Odeon. No Lado B do mesmo disco, "Recordação" (Luizinho - Alfredo Borba).
E em 1963, por motivos particulares, as Primas Miranda, do mesmo modo que diversas jovens duplas femininas da época, encerraram a carreira maravilhosa que iniciavam, deixando 7 discos 78 RPM, com 14 Músicas gravadas e muitas saudades aos Apreciadores.  
No período em que permaneceu em atividade, as Primas Miranda conviveram com grandes nomes da Música Caipira Raiz, sempre muito queridas e respeitadas por todos eles. 
Maria do Carmo, a "Téca", reside atualmente em São José do Rio Preto-SP, com seu Esposo, o renomado Fotógrafo Dilson Vaz Cipolli.
E Sérgia mora em Ribeirão Preto-SP, casada com o Acordeonista Clóvis Pontes. E, para nossa felicidade, no ano de 2002, elas iniciaram a retomada da carreira, tendo participado do "Viola Minha Viola" na TV Cultura de São Paulo-SP em 2003.
E elas estão preparando um CD com lançamento previsto para breve. Vamos aguardar e divulgar! Seja bem vindas Primas Miranda, de volta à brilhante Carreira Musical!
Bruna Garcia
     Talentosa, dona de uma bela voz, com jeito doce de menina. Assim é Bruna Garcia, que já aos 5 anos começou a mostrar para a avó Josephina que o seu ofício era cantar. Foi ela sua primeira incentivadora e que em qualquer festinha da família sempre dava o microfone na mão da neta e ordenava: Canta.
 Não demorou muito para que Bruna, ainda adolescente deixasse de cantar apenas nas festinhas da família...
 Filha do cantor Donizete intérprete da música Galopeira, Bruna começou a se apresentar em shows ao lado pai e se destacou  pela afinação, carisma e bela voz.
 De lá para cá Bruna já abriu diversos shows para importantes artistas sertanejos, esteve no palco de Barretos, a maior festa de rodeio do Brasil, e hoje, aos 17 anos, Bruna segue com seus shows cheios de vida, com repertório próprio e também grandes sucessos.
 Com forte influência sertaneja, Bruna também foi influenciada por hitmakers como Shakira, Sandy, Shania Twain, Karen Carpenter (do grupo The Carpenters?) e Ivete Sangalo. “Meu repertório é muito diversificado, canto de tudo em meus shows, apesar da raiz sertaneja”, revela..
 No segundo semestre de 2011, Bruna Garcia  iniciou a divulgação de seu primeiro Cd “Vai Sonhando” nas rádios e tvs,  onde concedeu entrevistas e está na estrada fazendo shows para que seu trabalho fique ainda mais conhecido.
 Vai Sonhando é seu CD, que apesar de promocional  tem cara de CD de carreira! Trata-se de um trabalho de três faixas, produzido por Daniel Silveira e Clemente Magalhães.
 Vai Sonhando a primeira faixa, já toca em diversas rádios do país e mostra todo o potencial dessa jovem cantora. O CD traz ainda a balada romântica “Meu Jeito de Ser” da compositora argentina Claudia Brant e o trabalho se encerra com uma canção cheia de suingue e energia, “Qto Eu Amo Vc!”.
 Com tanta determinação e amor pela música, com certeza Bruna Garcia será  um grande sucesso em todo o Brasil.
João Caltabiano
Zero Um Entretenimento
Tel: 11 99554330/ 77169575
Nextel: 55*2*25667 
   Sula Miranda
Sula nasceu com um sério problema na laringe. Por ser estreita demais, dificultava a passagem dos alimentos. Para complicar, tinha o timo aumentado, uma glândula situada na parte inferior do pescoço, dificultando qualquer tipo de alimentação. Qualquer secreção na saliva era suficiente para que a recém-nascida engasgasse, colocando em risco sua vida. Era uma situação muito difícil, que obrigava uma constante vigilância, principalmente à noite, quando os pais se revezavam na cabeceira de Sula.
         Examinada por uma junta de quarenta médicos quando tinha um mês de vida, a conclusão foi que Sula deveria se submeter a uma traqueostomia (cirurgia com que se estabelece comunicação entre a traqueia e o exterior), que a condenaria a passar o resto de sua vida com uma abertura externa na garganta, por onde falaria. Sua mãe, porém, não permitiu a operação. Entregou o caso a Deus, no momento em que disse “Deus me deu ela assim, que seja feita a vontade dELE.”, mesmo sabendo dos riscos de vida que a filha corria.
         O pediatra Dr. Jayme Murahovschi que acompanhava a doença de Sula resolveu, assumir o caso e tratar da criança, tentar um tratamento à base de fortes antibióticos. Corria riscos com esse tratamento, mas não sabia se havia chances de cura.
Com muita dedicação, fé e perseverança da mãe e do médico o tratamento deu certo. Hoje o Dr. Jayme Murahovschi, costuma citar esse caso aos seus alunos, além de ter o carinho, a gratidão e a confiança de Sula, ele foi o pediatra de seu filho Natan.
O pediatra até hoje não entende como Sula virou cantora. A chance de que ela tivesse uma vida normal não era grande, mas ela conseguiu mais do que isso.
         Durante toda infância Sula morou no bairro do Ipiranga, em um sobrado que tinha um salão grande na parte inferior. As brincadeiras vividas pelas irmãs, eram todas voltadas para atividades artísticas, como dançar, cantar e interpretar esse ambiente pode ter influenciado bastante na carreira artística delas. Por causa dos problemas de saúde de Sula, aliados a um excessivo cuidado com as filhas, o pai não permitia que elas brincassem como outras crianças nas ruas. Por conta disso,
Seu Mário volta e meia chegava do trabalho carregado de brinquedos e instrumentos musicais; tudo para que as meninas ficassem sempre em casa. As três gostavam muito de tocar os cantores da Jovem Guarda na vitrolinha que ganharam do pai. Dançavam, tocavam instrumentos e cantavam o tempo todo.
         Das brincadeiras musicais participavam também as amiguinhas do bairro.
Era uma algazarra tão grande que deixavam à mãe e as empregadas da casa enlouquecidas. No meio de tanta música e instrumentos musicais, todas se dedicaram ao aprendizado de violão. Sula aprendeu também um pouco de piano.
Com 16 anos, Maria Odete (Gretchen) resolveu dar aulas desse instrumento.
Uma de suas alunas, chamada Paula, acabou se tornando grande amiga das três irmãs. Este relacionamento de amizade gerou a criação de um grupo musical “As Mirandas”.
         No final dos anos 70, Sula, suas duas irmãs e uma amiga formaram o conjunto "As Melindrosas”. Fizeram grande sucesso perante o público infanto-juvenil, vendendo um milhão de discos e tiveram vários discos gravados. O sucesso as levou a fazer um filme, uma comédia musical chamada "É proibido beijar as Melindrosas".
A fase de adolescência de Sula foi marcada pela participação no conjunto. Sua carreira no conjunto durou três anos.
Ficou afastada da vida artística por quatro anos e depois deste período, decidiu então entrar para o mundo sertanejo que naquele período passava por grandes transformações.
         Há algum tempo a música sertaneja vinha sendo renovada. Chitãozinho & Chororó, Milionário e José Rico e Sérgio Reis, entre outros, vinham dando uma nova feição a esse estilo de música, conquistando públicos diferentes daqueles que acompanhavam as tradicionais duplas.
Sula, que já tinha em seu gosto musical este estilo como seu estilo predileto, percebeu que poderia apostar naquele caminho novo e promissor. Gravou uma fita com músicas sertanejas, elaborou um projeto visual diferenciado e foi à luta, atrás de quem poderia ajudá-la. Não foi fácil. Até o primeiro disco nessa nova fase, Sula percorreu inúmeras gravadoras.
Após três anos nessa busca, finalmente acabou encontrando sua oportunidade na gravadora 3M. Eles estavam procurando justamente o que Sula oferecia.
Iniciou carreiro solo, estava nascendo Sula Miranda, nome que passou a adotar a partir de então. Sula assinou contrato com a 3M e lançou seu primeiro disco, em julho de 1986. Em outubro desse ano, já era recorde de vendas. O sucesso de Sula estava traçado desde o início. Ela veio no movimento de renovação que a música sertaneja estava tendo.
Era jovem talentosa e cheia de garra, o novo gênero tomou conta dos programas de rádio e televisão.
O sertanejo-urbano, mistura da tradicional música caipira com toques de modernidade nos temas e na introdução de instrumental eletrônico. E assim, ela estava preparada para buscar o seu objetivo.
         Sula sabia que as pessoas que gostavam deste gênero musical, gostavam de ouvir falar da vida dos peões de boiadeiro e dos caminhoneiros, todos os cantores deste estilo dedicavam faixas em seus discos a estas duas classes. Teve a felicidade de encomendar uma música a Joel Marques, compositor consagrado, uma canção que falasse da vida da esposa do caminhoneiro, este foi o segredo do sucesso, empatia imediata com a música "Caminhoneiro do Amor". Em dois meses, todas as rádios estavam tocando essa música. Logo no lançamento, as vendas atingiam 250 mil cópias. Aproveitando o embalo, Sula gravava um videoclipe para a televisão.
Era a sua hora. Os convites para shows não paravam de chegar. Era o sucesso e Sula sabia que tinha que aproveitar. Chegava a fazer 25 shows por mês em eventos por todo Brasil.
Gravou muitos compositores famosos e conceituados ao longo dos anos. Participou de vários programas de rádio e televisão.
         Sempre teve forte presença no palco. Atraía públicos de 30 mil a 100 mil pessoas em cada espetáculo. Com seu carisma, prestígio e credibilidade, foi uma das cantoras do estilo sertanejo, mais requisitada do país, para anúncios e campanhas publicitárias. Sua marca foi licenciada para diversos produtos. Montou uma grife e abriu 40 lojas franqueadas por todo país com grande sucesso por muitos anos.
SULA MIRANDA - Home Vídeo
Sula Miranda também teve sua vida registrada em um home vídeo que foi lançado em todo país, nas bancas de jornal através de uma revista e de um vídeo e que veio atender a enorme expectativa de seus fãs, que ansiavam há tempos por conhecer a trajetória da vida pessoal e profissional da artista.
         A COR ROSA, O SÍMBOLO DE SUA CARREIRA.
A cor rosa um símbolo em sua carreira. Essa cor, porém, apareceu por acaso na vida dela. No início da sua carreira, Sula alugou uma casa para instalar seu escritório. Chamou um pintor e pediu que ele pintasse as paredes na cor bege, em um tom bem claro. O pintor errou a cor e acabou pintando cor de rosa. A partir desse fato a vida de Sula mudou, e a cor rosa passou a fazer parte do seu dia a dia, virou uma marca registrada e reconhecida pelo público durante o período em que atuou como cantora. Seu ônibus que excursionava pelo país, seu carro, moto e até mesmo a bicicleta, ou seja, todo tipo de transporte, para sua locomoção pessoal, tinham esta cor. Até os dias de hoje, a imagem da cor rosa é associada ao seu nome em todo país.
O início de sua carreira como locutor, deu-se na Rádio Record com o programa "Rumo Certo". Anos depois, após já ter seguido a carreira como apresentadora, retorna a Rádio Capital apresentando diariamente, durante a programação da emissora, vários boletins de caráter informativo, voltados exclusivamente ao caminhoneiro.
Devido ao grande sucesso como cantora, Sula resolveu apostar na carreira de apresentadora de televisão.
         Começou em 1990, sendo contratada por Goulart de Andrade para comandar um programa dedicado aos caminhoneiros, onde ela mostrava através de reportagens externas a vida desses profissionais da estrada, o programa "Roda Brasil" era transmitido pela Rede Record de Televisão. Foi quando Sula resolveu investir em um "programa piloto", um programa musical onde mostrava neste trabalho, seu potencial enquanto apresentadora. Essa fita foi enviada para várias emissoras de televisão, sem qualquer retorno positivo. Apenas em 1991, um ano depois, após ganhar o Troféu Imprensa como melhor cantora de música sertaneja, Sula foi chamada pelo SBT para apresentar o programa "Sula Miranda", um programa musical dedicado exclusivamente à música sertaneja, onde obteve grande sucesso e mostrando que a partir dai poderia atuar e crescer como apresentadora.
Em 1993, foi para a Rede Record de Televisão para apresentar todas as sextas-feiras o programa "Sula Show", no qual ela apresentava um programa de variedades, com entrevistas, musicais de todos os estilos, brincadeiras e jogos.
            Em 1995, Sula estreou na CNT, ela ganhou o horário nas tardes de sábado, onde apresentou o programa "Sula Show", com quadros de variedades, musicais, jogos e calouros, onde permaneceu até 1996.
Transferiu-se em 1997 para a Rede Manchete de Televisão para apresentar “Sula Miranda Show”, um programa musical semanal, com grandes sucessos da atualidade e performances da artista, inspiradas nos grandes musicais, mostrando dessa forma toda a versatilidade de Sula. Paralelamente a apresentação deste programa, ela apresentava um quadro no programa "Siga Bem Caminhoneiro”, patrocinado pela Petrobrás e transmitido pelo SBT aos domingos pela manhã.
         Em 2000, Sula, já na REDE TV, com o programa “ELAS,” se dedicada totalmente como apresentadora a um programa voltado especificamente ao universo feminino, onde apresentava esse público informações atualizadas sobre moda, culinária, decoração, saúde e artesanato.
Em 2002, na Rede Mulher de Televisão, com programa "Ser Tão Mulher”. Também dirigido ao público feminino.
Depois de um período ausente em função de ter feito um intervalo na vida de apresentadora e dedicar-se a um projeto musical, retornou em 2004 com o programa “A Tarde é Nossa” pela rede Mulher de Televisão, um programa com visual moderno, conteúdo dinâmico, descontraído, com dicas e assuntos variados.
         Em 2008 na TV a cabo, um programa direcionado ao segmento de decoração, transformando ambientes, trazendo o talento de Sula como decoradora: “Estilo & Idéias”. Em 2010 e atualmente, por conta do seu trabalho como decoradora, decorou a sala VIP e recepção da REDE CNT de televisão, Sula ganhou um quadro no programa Noticias e Mais apresentado por Leão Lobo e Adriana de Castro, com o nome, FAZENDO A DIFERENÇA, onde além de transformar ambiente também realiza transformações de situações, na vida das pessoas, com o objetivo incentivá-las a não desistirem de seus sonhos.
 Além de apresentar o FAZENDO A DIFERENÇA toda quinta-feira as 13h na REDE CNT, comanda também nas segundas feiras as 13h o quadro NA MEDIDA, onde proporciona ao telespectador a oportunidade de “viajar” pelo mundo e ter muita informação sobre, lazer, gastronomia, turismo e muito mais.
Em 1998, durante a sua gravidez, Sula resolveu fazer um curso de decoração para adquirir mais conhecimentos nesse segmento. Já havia concluído aos 19 anos o curso de Educação Artística na faculdade de Belas Artes. Começou atuar na área de decoração assumindo vários projetos. No ano de 1999 associou-se a duas arquitetas, Isabela Nalon e Gigi Gorenstein.
         Em 2000 cedeu sua casa de Campos de Jordão, para uma mostra de decoração MOAD e ajudou na organização, onde coordenou e acompanhou o projeto de cada participante atuando de uma forma inédita em mostras, pois o formato de ter que atender as suas necessidades como “cliente’ foi um diferencial neste evento”. Nessa oportunidade Sula aprimorou seus conhecimentos e abriu novas portas para atuar, obtendo grande sucesso como decoradora.
O que era um hobby acabou virando profissão. Hoje Sula atua também nessa área, realizando projetos por todo país.
         Agendar eventos:
contatoconvite@sulamiranda.com.br
(55 11) 9912.5743
Agendar programas de rádio, TV e entrevistas.
imprensa@sulamiranda.com.br
(55 11) 9912.5743
As irmãs Dailyelen e Katyelen
Foram criadas na cidade paranaense de Maringá e desde muito cedo tiveram os primeiros contatos com a música. Com total liberdade e apoio dos pais as duas começaram a cantar, ainda pequenas, em casa.
Aprenderam a tocar violão, usar a segunda voz e logo veio a primeira gravação. Às escondidas fizeram uma fita demo – uma brincadeira para saber como era ter as vozes acompanhadas por instrumentos. Começaram a tocar em reuniões de amigos e festinhas e, pouco a pouco, a diversão começou a ganhar força e o que era sonho, foi se transformando em realidade.
Maringá estava ficando pequena para os desejos e ambições das meninas. Elas sabiam que se quisessem conseguir maiores projeções em suas carreiras, precisavam ir para um grande centro como São Paulo, mas a falta de contatos e conhecimento adiou por um tempo o sonho das irmãs.
Rio de Janeiro foi o destino. Tiveram a oportunidade de conhecer pessoas que as levariam ao mundo fonográfico mostrando suas composições, e vibraram com a conquista do primeiro trabalho.
Pela Indie Records sai o primeiro CD da carreira, intitulado Ellens.
As faixas ta Com Medo de Que?
E Águas Passadas logo ganharam espaço na programação das rádios de todo o País.
Mas foi em São Paulo que as irmãs finalmente se encontraram. A experiência e as amizades adquiridas através do primeiro trabalho projetaram a dupla para um cenário mais parecido com que desejavam desde o começo da carreira.
O segundo CD vem composto por um repertório de canções próprias e de nomes consagrados da música sertaneja. A balada romântica Tem Quem Me Ama, parceria com Fátima Leão, conquista as paradas de sucesso e a dupla feminina ganha destaque no cenário musical brasileiro com suas vozes singulares.
Milhares de pessoas começam a prestar atenção nas irmãs, segui-las em suas apresentações e admirar o talento das cantoras. Multiplicam-se os pedidos de shows. Durante a turnê pelo Sul do país, novas canções do segundo CD, como Laranja Lima, Ajoelha Amor e Pega Isso, Pega Aquilo ganham destaque na programação das principais emissoras de rádio da região. Embaladas pelo reconhecimento do público, Ellens projetam novos desafios para carreira e, através das letras das suas canções.
Biografia enviada por Lúmen em 26/2/2010
Barra da Saia
Banda faz sucesso com estilo musical único, fazendo releitura da música sertaneja, numa visão moderna, porém, sem perder suas características originais.
Formada por jovens artistas de altíssimo nível técnico, a BARRA DA SAIA é a primeira banda brasileira essencialmente feminina no segmento que elas mesmas denominam de Roça´n Roll: a mistura da música raiz e caipira, com pitadas do country e do rock´n roll.
Na estrada desde 1999, com shows por todo o Brasil, lançaram seu primeiro CD intitulado BARRA DA SAIA em 2004, emplacando a música “Seu DJ” entre as 10 mais da Terra FM durante um ano. Em 2003 e 2004, participaram da turnê “Te Amo Demais” do cantor Leonardo, tocando e cantando com ele o momento raiz, abrindo shows nas maiores casas de espetáculo do país, como Olympia (S.Paulo) e Canecão (Rio de Janeiro).
Em 2006 lançaram seu segundo CD/DVD intitulado “Roça´n Roll” escolhido como Melhor CD Independente de 2006 no segmento sertanejo e em 2007 foi indicado ao Grammy Latino na categoria de Melhor CD de Música Regional.
Mas a história da BARRA DA SAIA não começa aí…
Suas integrantes – Adriana Sanchez (voz, acordeon e teclado), Adriana Farias (voz, viola e violão) e Julia Lage (vocal e contrabaixo) – têm em seus currículos trabalhos com artistas, bandas e orquestras dos mais variados segmentos, o que sem dúvida foi o fator fundamental para a criação, com características de inovação, do seu som único e moderno.
Em janeiro de 2009 representou o Brasil na 19ª Fiesta Nacional Del Chamame e 5ª Fiesta Del Mercosul em Corrientes na Argentina, onde foi aplaudida de pé pelo público que lotava o Anfiteatro Cocomarola.
Também em 2009 gravou ao vivo em São Paulo seu 2º DVD, comemorando 10 anos de carreira , com a participação de Sergio Reis, As Galvão, Pepeu Gomes, Amon Lima, Os Favoritos da Catira e Zeca Baleiro. Toda a renda do DVD foi doada em prol do Hospital de Câncer de Barretos.
Em fevereiro de 2010 devido ao grande sucesso retornou a Corrientes na Argentina para representar o Brasil na 20ª Fiesta Nacional Del Chamame e 6ª Fiesta Del Mercosur ao lado de Juan Carlos Borges, Gilberto Monteiro e Renato Borghetti. Em 2010 também prepara-se para a gravação de seu 3º CD de carreira.
Ainda em 2010, as meninas da BARRA DA SAIA estiveram em programas de destaque da televisão brasileira como Altas Horas, o Domingão do Faustão e o Programa Hebe – no qual a apresentadora tornou-se madrinha da banda. A BARRA DA SAIA também gravou uma participação especial no DVD de Hebe, gravado em setembro de 2010 e no DVD de 10 anos do Projeto Direito de Viver, em prol do Hospital de Câncer de Barretos.
Para encerrar mais um ano de grandes realizações profissionais, a BARRA DA SAIA apresentou-se em uma das maiores e mais tradicionais festas do país, o Réveillon na Paulista, onde também se apresentaram Zezé de Camargo & Luciano, Capital Inicial, Fábio Jr. e a banda Hori.
Depois desta recepção a 2011, a nova música de trabalho ‘Você e Eu’ já é uma das músicas mais executadas nas rádios de todo o país e mostra que a carreira das meninas da BARRA DA SAIA tem tudo para continuar sua trajetória de sucesso. Os fãs podem esperar ansiosos pelo novo CD e DVD da banda, a ser gravado esse ano.
Integrantes
Adriana Farias
Instrumento: Viola, Violão e Voz
Data de nascimento: 03/05
Signo: Touro
Cidade que nasceu: Ipiranga , São Paulo
Comida predileta: arroz, feijão e ovo frito(gema molinha)
Influência musical: almir sater, tião carreiro, ricardo vinini, ivan vilela
Dicas musicais: Womans Work (Word Music), ulali ,maria callas
Show inesquecível: vários mas o DVD da Hebe Camargo foi demais…
Viagem inesquecível: para argentina, rojaiju (eu te amo) corrientes
Se não fosse músico gostaria de ser: veterinária ou praticar hipismo(salto)
Sonho: fazer sucesso e conciliar tudo com muita felicidade sempre!!!
Perfume: Miracle (Lâncome) e de noite Alien (Tierry Mugler)
Flores: rosas vermelhas e orquideas
animais de estimação:cavalo,cachorro, gato
Cor: azul céu,lilás alfazema, rosa,branco
Release
Olá!
Sou Adriana Farias , canto e toco viola e violão na Barra da Saia , banda do meu coração ! mas tenho uma estrada longa por esse Brasil que vou tentar resumir aqui nessas linhas.
Nasci no Ipiranga , São Paulo e me interessei por música a pártir dos 8 anos quando ganhei um violão velhinho mas de muita serventia de meu tio, logome interessei pelo sertanejo devido a ter um tio que possuia uma dupla e uma maravilhosa vióla que depois de sua partida pra perto de Jesus  veio parar em minhas mãos como herança dada com muito amor.
Gravei meu primeiro disco com 11 anos com a influência das polcas, guarânias e chamamés em composições de minha autoria com o nome de Hanayna “a garota do coração sertanejo”gravei outro aos 15 sempre sendo esse o nome usado até meus 20 anos com um horizonte repleto de shows e apresentações em circos , cidades, festivais ,teves e rodeios  e assim fui construindo uma carreira.
Estudei canto com  Maria Guilhermina, Cláudia Mocchi conceituadas professoras de canto lírico. Me interessei em tocar este instrumento fantástico que é viola e tive aulas com Ricard o vinini, joão vilarim e com todos amigos violeiros  fui adquirindo experiência.
Fui vocalista de grandes artistas como: Leandro e Leonardo com o qual gravei a canção “ìndia” no dvd Tempo, Fábio Jr.,Vanessa Camargo, Raimundos ,Vavá,e mais um montão de gente bacana que eu iria ocupar linhas demais pra falar de todos.
Participamos de grandes eventos, show de abertura do Leonardo no Canecão, representamos o Brasil no Festival de Chamamé em Corrientes na Argentina deixando assim vir a flor da pele a emoção de cantar músicas nessa maravilhosa língua cheia de cultura,gravamos o Dvd da Hebe, cantar com ela foi inexplicável de maravilhoso!nossa muita coisa preciso escrever um livro…super beijo a todos e fiquem com meu coração em vossas mãos pois isso é o que dou a meus fãs quando canto para eles!!!
Boa Vibe sempre!!!
Adriana Sanches
Instrumento: Acordeon, Piano e Voz
Data de nascimento: 26 de outubro.
Signo: Escorpião.
Cidade que nasceu: Santo André – SP (aê Galera do ABC!!!).
Comida predileta: Feijucaaaa
Influência musical: Música Latina em geral e música Brasileira
Dicas musicais: Puxa, minha dica é escutar a música sem rotular, ouvir, se despir de preconceitos, só há dois tipos de músicas: Boas e Ruins. Adoro Mercedes Sosa, Regiz Gizavo, Dominguinhos, Itamar Assumpção, Lenine, Almir Sater, Lucina, Pink Floyd, Bach, Fuelles Correntinos, Raul Barboza, Elis Regina, Richard Bona, As Galvão, Beatles, Secos e Molhados, Santana, Celia Cruz… enfim ouça!
Show inesquecível: Nossa, tem alguns, o Canecão com o Leonardo foi emocionante, mas tocar e cantar no DVD da Hebe Camargo, a rainha de todos nós, foi indescritível.
Viagem inesquecível: Muitas viagens fazem parte destes 12 anos, e cada uma a sua maneira foi, importante, porém a viagem a Corrientes na Argentina foi muito forte e inesquecível, levamos nossa música a outro país, com outra língua e fomos recebidas com muito amor, foi demais tocar meu acordeon na terra do Chamamé, aprendi muito, compartilhei muito e fiz grandes amigos para toda vida! O povo correntino recebeu a gente com muito amor e nos ensinou uma linda palavra Rojaiju, que é uma grande demonstração de amor! Deixamos essa mensagem lá quando tocamos: Rojaiju Corrientes!
Se não fosse músico gostaria de ser: Bailarina Clássica
Sonho: Escutar a música da BARRA DA SAIA cantada pelo MUNDOOO
Perfume: Armani Code, Obsession, Obsession Night (Clavin Klein), CK in 2…
Flores: Orquídeas e Angélicas
Animais de Estimação: Cavalo e cachorro
Cor: Verde, branco, preto, vermelho… depende do meu estado de espírito
Comecei a tocar piano clássico ainda criança para complementar minha bagagem de bailarina, só me interessei pela música popular bem mais tarde, quando em algum momento a música
me seqüestrou definitivamente sem que eu percebesse… 
Estudei harmonia, arranjo e orquestração com Cláudio Leal Ferreira com quem aprendi muito, um grande mestre!
Já trabalhei com alguns artistas como o grande Itamar Assumpção (saudade!), com quem aprendi muito, Skowa, Roberta Miranda, entre outros artistas e já na BARRA DA SAIA, com o cantor Leonardo, tocando e cantando.
Na música vivi muitas experiências inesquecíveis, e todas me fizeram ser o que sou hoje .
 Em 98 resolvi formar a banda BARRA DA SAIA, era hora de seguir meu próprio caminho.
Já havia experimentado e vivido profissionalmente muita coisa, mas faltava algo.
 Tive vontade de me arriscar, surpreender, fazer alguma coisa diferente, com personalidade, algo que não existisse , uma banda feminina tocando de verdade e com competência nesse universo tão masculino. Acho mulher tocando, muito interessante, mistura feminilidade com atitude e cada integrante do grupo é uma guerreira.
A entrada de cada menina na banda se deu em momentos diferentes. Primeiro veio a Adriana Farias, chegou na 1ª formação da banda e trouxe toda sua bagagem caipira, depois a Julia com sua atitude rock. Somos diferentes, porém complementares como Água, Fogo, Terra e Ar e essa mistura faz a BARRA DA SAIA ser o que é.
Estamos sempre experimentando, ouvindo, testando, buscando emocionar com nosso Roça ‘N Roll, essa mistura da viola caipira com a pegada mais Rock e Country no baixo e a mistura  do violino celta com acordeon latino, tão característico da nossa sonoridade.
Lançamos nosso primeiro CD em 2004, onde mostrarmos um pedacinho de cada uma de nós, o início da realização de um sonho, o 2º CD juntamente com o DVD Roça´n Roll  teve a surpreendente indicação ao Grammy Latino, baita conquista , nosso 2º DVD ao vivo quando completamos 10 anos, também foi uma grande festa, um sonho realizado  com convidados maravilhosos.
2010 foi um ano incrível, fechamos o ano tocando para quase 3 milhões de pessoas em plena Avenida Paulista, um dois maiores réveillons do mundo, é muita emoção. Olhando prá trás vejo que esse sonho já é realidade.
Em 2011 estamos prontas para o 3º CD e o 2º DVD , com certeza um ano de muitas conquistas.
Um grande beijo e meu agradecimento a minha família, ao meu parceiro Bosco Fonseca,  às minhas companheiras de estrada, a MC3 e a todos os que apoiam e que acreditam em nossa música, MUITO OBRIGADA!!!
Julia Lage
Instrumento: Contrabaixo
Data de nascimento: 23 Outubro
Signo: Escorpião
Cidade que nasceu: São Paulo
Influência musical: Rock, Pop, Alternativo, Instrumental, Sertanejo e Música clássica.
Dicas musicais: Escutem de tudo sem preconceito!
Show inesquecível: Rush, Paul McCartney,Sting,Richie Kotzen e Chris Cornell
Viagem inesquecível: Argentina ( afinal lá descobri os cortes maaaaais legais de cabelo e um dulce del letche huuuuuuuuum rsrsrsrs sem falar na musicalidade do povo de lá!!!!!)
Perfume: CK in 2U, Gucci II, L’Eau Par Kenzo
Flores: do campo e todas cheirosinhas rsrsrs
Cor: Depende do dia huauhahuaua mas sou fã de vermelho, preto, branco e poraí vai.
Animal de estimação: 3 Cães, 2 SRD (sem raça definida) e 1 beagle.
Release
Cresci num ambiente musical. Quando pequena, ouvia meu avô tocar violão nas festas e minha mãe costumava colocar música clássica para eu me acalmar e dormir. Desde os seis anos estudei em uma escola onde música e artes em geral eram levadas tão a sério quanto as demais matérias (Matemática, etc.).
Ainda criança, aprendi a tocar flauta doce e aonde eu ia, levava o instrumento junto. Até que um belo dia, resolvi mudar para a flauta transversal.
No início de minha adolescência conheci os clássicos do rock. Como todo adolescente, eu também queria montar uma banda!! Não sabia direito o que queria tocar e então, pedia para minha mãe uma bateria! Mas por morar em um apartamento minha mãe disse que eu deveria pensar melhor!
Então quando realmente resolvi prestar a atenção nas músicas, descobri que mais legal ainda era o contrabaixo e que tinha tudo a ver com a rítmica que eu tanto gostava. Me encantei com o som do baixo e desde os 15 anos pratico o instrumento.Tive aulas com o Ximba no Conservatório Souza Lima onde também estudei canto erudito com Jeller.
Passei por várias bandas de estilos variados, mas basicamente rock, até que aos 17 anos entrei na Barra da Saia!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Formei-me no curso de Licenciatura em Música no final de 2005. No ano seguinte tive aulas de canto popular com Rony, preparador vocal de grandes musicais.
CONTATO PARA SHOWS
MC3 Produções Artísticas LTDA
(11) 3746-0222
contato@mc3art.com.br
RÁDIOS
MC3 Produções Artísticas LTDA
(11) 3746-0222
radio@mc3art.com.br
ASSESSORIA DE IMPRENSA
Great Assessoria
(11) 5051-2400
 Cíntia e Monique:
A força Feminina do Sertanejo
Nascidas na cidade de Paranaíba-MS, filhas de Edson e Mônica, a dupla feminina Cíntia e Monique com 20 e 17 anos de idade, completam no ano de 2012, cinco anos de união cantando e defendendo a música sertaneja.
Esta parceria nasceu no ano de 2007, onde participou do Festival Viva MS e gravaram uma faixa no DVD em homenagem aos 30 anos do Estado de Mato Grosso do Sul, na cidade de Campo Grande. Desde então as irmãs participaram de inúmeros festivais ganhando vários prêmios e troféus nos estados de MS, SP, MT e GO.
Atualmente, Cíntia e Monique contam com o apoio do empresário e compositor Valter Gama e também de Áli Gama, que estão contribuindo de forma a realizar o sonho da dupla, em ter um trabalho de qualidade para apresentar ao público, através da gravação de seu primeiro CD com 12 faixas inéditas, que foi produzido na cidade de Campo Grande. Neste trabalho se fazem presentes os produtores musicais, Everton Melo, Alexandre Lima e Renan Araújo. Há também a participação do Gerson gaiteiro que ficou reconhecido pelo seu trabalho com o grupo Tradição em parceria com Michel Teló, e da dupla, Alex e Yvan.
Assim, então a dupla Cíntia e Monique continua a trilhar o caminho em defesa da musica sertaneja contando sempre com parcerias brilhantes e com o apoio do público que sempre as acolheram de forma carinhosa. Vale ressaltar ainda que a dupla busca sempre trabalhar com carisma, presença de palco e cantando o sertanejo nos estilos romântico, universitário, raiz, acompanhando sempre os vários estilos que surgem na diversidade da musica sertaneja.
Paula Fernandes
Cantora e compositora, Paula Fernandes, 25 anos, nasceu em Sete Lagoasem Minas Gerais. Começou a cantar ainda criança, aos oito anos e, aos 10, lançou o primeiro disco independente, “Paula Fernandes”. Nesta época, se apresentou em festas e casas de espetáculos de sua cidade e arredores e participou de programas de televisão e rádio para divulgar o trabalho. Em Sete Lagoas, Paula apresentou o programa de rádio “Criança Esperança” na companhia dos amigos Brandão e Sidney a boa atuação a levou a participar de vários números autorais no programa “Paradão Sertanejo”, da TV Band Minas.
Aos 12 anos, Paula Fernandes se mudou com a família para São Paulo e foi contratada por uma companhia de rodeios, com a qual trabalhou durante cinco anos, viajando por todo o Brasil como cantora da trupe, o que lhe rendeu bastante experiência de palco, repertório e vida artística. Neste mesmo ano, inspirada no sucesso da novela “Ana Raio e Zé Trovão”, Paula lança seu segundo CD, “Ana Rayo”, com repertório pop/sertanejo. Paula então foi apresentada ao diretor Jayme Monjardim pelo produtor musical Marcus Viana, conhecido por criar trilhas sonoras de produções como as novelas “Pantanal”, “O Clone e “A Casa das Sete Mulheres”“. O contato resultou na gravação da música “Ave Maria Natureza”, uma versão da “Ave Maria” de Schubert, bastante executada na trilha da novela “América”.
Neste mesmo ano, Paula Fernandes lança seu terceiro CD, “Canções do Vento Sul”, pelo selo Sonhos e Sons, com participação do grupo Sagrado Coração da Terra e do cantor Sérgio Reis, este na música “Sem Você”. “É a mais bela voz que ouvi nos últimos dez anos”, afirmou Reis na época. No álbum, Paula já mostrava sua diversidade artística, com temas que passavam pela MPB, música pop, country, sertanejo de raiz e pitadas de world music. O disco rendeu a Paula uma importante indicação ao Prêmio Tim de Música Brasileira de 2006, na categoria de Melhor Cantora Popular (júris popular e oficial).
Em dezembro de 2006, Paula Fernandes lança o álbum “Dust in the Wind”, também pelo selo Sonhos e Sons, com músicas de seu repertório internacional, como “Angel”, de Sarah MacLachlan, “The Boxer”, de Paul Simon, além de uma bela versão para a música “Dust in the Wind”, do Kansas, incluída na trilha sonora da novela “Páginas da Vida”.
Em 2008, Paula Fernandes é contratada pela Universal Music, que aposta no talento da cantora mineira no CD “Pássaro de Fogo”,com destaque para as músicas “Meu eu em você” e “Pássaro de Fogo”. Ainda antes do lançamento do disco, a gravadora opta pela Internet como porta de entrada de divulgação do novo trabalho. A iniciativa agregou novos fãs e sedimentaram antigos admiradores da cantora. Desta parceria surgiram diversos vídeos que podem ser assistidos na íntegra no site YouTube.
Autora do sucesso Meu eu em você, cantora Paula Fernandes lança álbum pela Universal Music.
Fone: 11 5054.7000
Alba Joacy
Uma mineirinha de Belo Horizonte com sede de aprender. Se sua vontade é cantar? Não importa obstáculos.
O querer sempre permanece para ALBA.
 Desde criança sempre foi em busca de seus desejos. Dançar sempre foi uma paixão. Tanto que fez vários anos de Jazz e um pouco de sapateado. Mas mesmo sem saber falar, a música já estava presente em sua vida.
Cantar em eventos no colégio onde estudava fazia parte de seu cotidiano. Tudo que envolvia dança e música ALBA estava presente. Com o apoio de sua família, pouco a pouco sua vontade foi se tornando realidade.
Começou a estudar música e a cantar em um bar que pertencia à escola de canto onde estudava. Mas ainda não era suficiente. Ela queria mais. Começou a estudar violão para também lhe ajudar no canto e com isso veio à descoberta das composições.
Escrever?
Um prazer maior. Tanto que em todos os seus CDs gravados sempre tem músicas de sua autoria.
Além de aproveitar esse dom e cursar a faculdade de Jornalismo. Profissão que exerce muito bem.
Com toda essa garra ALBA ingressou definitivamente no mundo musical em 2002. E de lá para cá foram gravados seis CDS, sendo dois ao vivo:
Mexe Amor Demais, Ao vivo em Caeté/MG, Ao vivo em Barretos/SP, Coletânea Nada és normal e Dançar Agarradinho só comigo.
Mas não para por ai. Muito ainda pode acontecer. Pois quem conhece a força e a garra de ALBA sabe que muita coisa boa está por vir.
Telefone (31) 9613-0854
Escritório:
Rua Félix Francisco Chamon, 644 B. Vera cruz.
Contagem - MG CEP 32.265-210
Para fazer um orçamento para levar a cantora
Alba a sua casa de shows ou ao seu município
Basta mandar as informações sobre o evento
No e-mail abaixo:
Valeria Costa
Em 1994 já fazia shows em Shopping Centers locais, começando assim a se profissionalizar. Em 1995, começou a cantar nos melhores bares de Goiânia e nesse mesmo ano fez seu primeiro show de grande porte e compôs sua primeira canção intitulada "Só por te amar".
Em 95 teve sua primeira experiência em estúdio, gravando em São Paulo quatro faixas para seu primeiro e único LP.
Em 1996 começou a trabalhar como atriz no grupo teatral Martim Cererê, participando desde então de seis peças sob a direção de Marcos Fayad.
Com a peça?
Na Carrêra do Divino.
O grupo apresentou-se em grandes capitais como: São Paulo e Brasília (no Teatro Nacional).
Entre os anos de 97 e 99 outros caminhos foram trilhados pela cantora além de sua carreira solo.
Valéria Costa com os amigos, Ana Paula, Marcos Abreu e Silas Fernandes formaram a banda Twice.
A primeira gravação da banda foi a música "Fechar os olhos", seguida por "Já parou pra pensar". Esta formação durou alguns meses e realizou algumas apresentações. Após a saída de Silas Fernandes e Marcos Abreu, Valéria Costa e Ana Paula ainda levaram adiante a banda por mais algum tempo.
Em 1998 a peça "Na Carrêra do Divino", se apresentou em Portugal no FITEI (Festival Internacional de Expressão Ibérica), Valéria, então, dividia seu tempo entre o teatro e a carreira solo, que abraçou definitivamente.
         No ano de 2000 foi selecionada para participar do "Concurso de Novos Talentos" do programa "Domingão do Faustão", que teve pouco mais de 30 mil inscritos de todo o Brasil. Terminou entre os 14 finalistas do concurso após três apresentações no programa. 
Neste mesmo ano começou a gravar seu primeiro CD, e continuou a fazer shows.
Em 2001 lançou seu primeiro CD, intitulado "Ponto de Partida".
Este CD marcou sua entrada nas rádios do estado de Goiás e seu show de lançamento foi realizado com sucesso no Teatro Goiânia, recebendo ótimas críticas.
A partir de então, começou a fazer shows de grande porte e em 2002 realizou uma pequena turnê em várias cidades do interior do estado de Goiás.
Em 2003 lançou seu segundo CD, chamado de "Primeiro Ato".
Com este trabalho fortaleceu ainda mais seu nome no estado de Goiás e passou a trabalhar em alguns lugares além do estado.
Foi com este CD que gravou também seu primeiro vídeo-clipe, que foi para a música "Esquece e volta", primeira música de trabalho do CD.
Já em 2005, o CD começou a ter distribuição nacional através da gravadora JT Records, iniciando assim um trabalho de divulgação no interior do estado de São Paulo.
         Nesta fase de sua carreira, Valéria já fazia shows para públicos superiores a 30 mil pessoas, participava de grandes festivais e havia aberto shows para grandes artistas como Zélia Duncan,
Cidade Negra e CPM 22.
Em Agosto de 2006 gravou seu primeiro DVD, intitulado "Cada Movimento".
A gravação foi realizada na cidade de Goiânia com sucesso de público e crítica. O DVD é composto por 18 faixas, making of, galeria de fotos, entrevistas, ensaios, clipes e o show acústico na íntegra.
Entre as 18 faixas, o DVD contém 2 regravações de sucessos nacionais, regravações de sucessos da própria cantora, regravações dos maiores sucessos das bandas locais e algumas faixas inéditas. O DVD chegou às lojas em dezembro de 2006 com selo Alvo Records e distribuição nacional pela Tratore. 
         O show de lançamento do DVD foi realizado no ano de 2007, em Goiânia, com parceria do SESC e transmitido pela TV Goiânia posteriormente.
Em 2008, Valéria fez vários shows acústicos prestigiando espaços menores e grandes shows eletros-acústicos com banda.
As prioridades atuais são a divulgações fora do estado de Goiás, e dar continuidade a turnê Cada Movimento. Alguns estados como MG, SP, SC, RS, MT, entre outros já executam bem as músicas do CD acústico.
         Em algumas cidades destes estados, Valéria já se manteve na primeira colocação das paradas musicais com as músicas Mil vidas e Então vá. Sobre o futuro a cantora revela "Espero que minha música seja capaz de chegar a lugares onde nunca estive, e espero que me leve junto com ela!"
009 foi um ano de muitos shows, incluindo grandes Festivais e Exposições Agropecuárias.
Em 2010 Valéria Costa começou o processo de gravação de seu novo álbum após o Carnaval, e se dedicou a compor e gravar até meados de agosto.
Em setembro o CD intitulado, Intuição foi lançado oficialmente.
O nome do CD foi escolhido por seu público, e sua primeira música de trabalho, de repente amor!, já é sucesso em várias rádios.

Luana & Janaina
Tudo começou no Casamento de um parente, em Taquaritinga, em fevereiro de 1997, com uma pequena participação, uma brincadeira, vamos dizer assim. Luana e Janaina acabavam de deixar a banda em que trabalhavam e, começavam a dar seus primeiros passos para um futuro de grandes sucessos juntas. Subiram no palco e cantaram algumas músicas e, difícil foi descer com todas aquelas pessoas pedindo bis...
Luana e Janaina decidiram, então, que não deviam esperar mais e, juntaram suas trouxinhas, seus talentos e suas famílias.
Nascia a Banda Milleniu´S...
De lá pra cá, as duas garotas, Luana e Janaina, não pararam mais e os shows cresciam disparadamente.
No começo, faziam shows em Shoppings, em Boites, Choperias, estavam começando a ficar conhecidas em várias cidades da região e esperavam crescer mais musicalmente mas sempre com aquela humilde que transparecia.
Uma das principais características dessas duas meninas é a união e a família. Tudo isso sempre foi o modo objetivo de se expressar perante o público, que era desde as crianças até os mais idosos.
Luana e Janaina trabalharam por muito tempo com o nome Milleniu´S. Fizeram muitos shows, programas de TV e Rádio. Não haviam gravado CD, mas isso não as impedia de nada. Eram e são maravilhosas como profissionais e pessoas. Não faltavam convites para gravar, mas ainda não era hora, "diziam".
Em 2002, foram convidadas para participarem de um CD, uma Coletânea do Clube Sertanejo da cidade de Taquaritinga, já utilizando o nome
Luana & Janaina. "Paixão de Rodeio" é o título do CD volume 2 da coletânea, com participação em duas faixas, com as músicas de composição de Janaina. "Cawboy do Brasil" um country balanço no estilo americano, dançante, pra deixar o cawboy doidinho e, "Furacão", um country mais caipira, da fazenda, para os eternos peões de rodeio.
O resultado está sendo razoavelmente bom, para um pequeno início de um grande futuro!
Luana & Janaina vem se apresentando em vários programas de TV e Rádio, lançando suas músicas de trabalho e já estão sendo convidadas para participar de mais um CD, que com certeza, irá superar as expectativas!
Sempre atualizando o repertório, a produção de palco, roupagem e outras coisas mais, Luana & Janaina não param de crescer em rumo ao sucesso, sempre é claro, com as bênçãos e proteção de Deus.
 Um grande Show musical
Com músicas dos Anos 60,
Anos 70, 80 e 90,
Internacionais, Românticas, Boleros,
Atuais de Sucesso,
Músicas Dançantes e Variadas
Para os casais apaixonados,
Com uma seleção gostosa e animada
Pra toda galera,
Com Axé, Dance Rock Nacional.
E um repertório para Rodeios
Com musicas Country,
Sertanejas, Xotes e Forrós,
E muito mais!
Para ver e ouvir tudo isso entre em contato com Luana & Janaina
Pelo telefone abaixo:
(016) 3253 2085 – Taquaritinga-SP – falar com Vicente Apis
Mande-nos um e-mail: luanaejanaina@bol.com.br
Nosso Show Musical é para todos os tipos de Eventos:
Casamentos, Formaturas, Aniversários de 15 Anos,
Festas em Geral, Baile Casais,
Rodeios e Bailes Country, Festas Agropecuárias,
Aniversário de sua Cidade,
Quermesses e Leilões de Gado, etc.
Temos Equipamento de som próprio e Iluminação
de última geração !!!
Uma grande Produção e, para tudo isso,
Contamos com uma equipe maravilhosa
Que trabalha com Luana & Janaina, fazendo de seu Evento,
Um acontecimento
Histórico e Único!
Luana,
Logo que deu seus primeiros passos, já surgiam comentários de que futuramente seria alguma personalidade televisiva, isto porque sempre foi muito esperta e descontraída. Desde criança sempre gostou de imitar personagens famosos, tanto voltados para música quanto ao humor. Tinha uma grande afinidade com crianças e, por isso, queria ser professora, apresentadora de programa infantil, enfim, coisas desse tipo. Nas férias de 1984, na cidade de Ubatuba, litoral paulista, junto de seus familiares e amigos, foi curtir um som ao vivo em um barzinho, onde estava havendo uma “competição musical” (nesta época não havia videoke, se não...) ficando completamente fascinada com a idéia, um amigo imediatamente a inscreveu. Pelo explosivo sucesso da musica Wath´s Up nesta época, sua escolha não poderia ter sido melhor. Logo viria o resultado onde Luana havia pegado o primeiro lugar, ganhando como prêmio, e vocês podem acreditar meia dúzia de super guaraná antártica (vou querer uma pequena comissão pela propaganda). A partir deste dia, sua vida mudou totalmente...
CURSOS COMPLEMENTARES / APERFEIÇOAMENTO
Formação em Magistério.
Formação em Pedagogia.
Aulas de Teclado e Violão pela Escola de Artes de Jaboticabal.
EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
Sua primeira experiência, aos 12 anos de idade, foi cantar com o músico Nivaldo Fontes. Depois disso, foi crescendo profissionalmente e vindo a participar de várias outras bandas como “VÊ-Chame, Skemanovo, Banda Aquarela”,
“Os Bossistas, Arley e sua Orquestra, Banda Santa Cecília, Axé Brasil...”.
Faz vários trabalhos para estúdios e rádios como “jingle, vinhetas, paradas...”.
ATUALMENTE
Hoje, com 23 anos de idade, tendo em mãos seus suados diplomas de Magistério e Pedagogia, atua como professora eventual em sua cidade, dá aulas particulares de alfabetização e faz shows com sua parceira de palco, Janaina.
Janaina
Aos dois anos, Janaina já percutia seu pianinho que ganhou de seu avô materno, que era músico da Orquestra Sinfônica em Portugal e que viria a falecer logo depois. Desde cedo dançava, cantava e encantava as pessoas com seu talento. Começou seus estudos na música bem cedo, iniciando-se pelo Conservatório Escola Técnica de Artes Municipal Santa Cecília da cidade de Taquaritinga, aos 6 anos de idade, vindo a se formar com o título Técnica em Música nas disciplinas Piano, Violão, Canto, Arranjo e Composição, Estrutura e Teoria, Música de Câmara, MPB e Folclore, Flauta e outros. Cursou vários instrumentos para complementar sua formação e especialização. Hoje, com 26 anos, Musicista, graduando em Fonoaudiologia, com especialização em voz, dá aulas de música e canto, ministra as aulas de Canto Coral, Piano Popular, Técnico de Teclado e Técnicas de Arranjo e Composição no mesmo conservatório de sua formação e, é claro, faz shows com sua parceira de palco, Luana, por toda região.
CURSOS COMPLEMENTARES / APERFEIÇOAMENTO
Musicista (Formação em Técnica em Música pelo Conservatório Municipal Santa Cecília – 1986 / 1996).
Graduando em Fonoaudióloga – UNIARA (2000).
Cursos de Inglês pelas escolas Fisk, Wizard e Lizard (1986 – 1994).
Formada em Teclado e Órgão Eletrônico pela Escola Musical Art., Taquaritinga (1993).
Fez aulas de Harmonização em Teclado com professores da região.
Cursou Violino pela Escola de Música Cromática, Taquaritinga (2000).
Cursou Canto Lírico pela UFMG – GO (Ministrado pela Cantora Klara Csords Witt – Húngria) 2000.
Cursou Canto com a professora Marta Herr - SP.
Curso de Técnica Pianística na Escola de Artes de Jaboticabal, ministrado pela pianista Patrizia Prati /Itália (2001).
Cursos de Fonoaudiologia, Motricidade Oral (ministrado pelo Dr. Jaime Luiz Zorzi e Dra. Irene de Queiroz Marchezan), Ortodontia e Cirurgia Ortognática (ministrado pelo Dr. Adriano Marota Araújo) e Reabilitação Voz e Fala em Indivíduos Surdos (pela Dra. Silvana Bommaritto), realizado pela Uniara / Araraquara – 2001.
Curso de Aprendizagem de Linguagem e Escrita (ministrado pelo Dr. Jaime Luiz Zorzi) pela APAE de Itápolis – 2001.
Curso de Harmonização da MPB aplicada ao Piano (ministrado pela Prof.ª Érika) 2003.
Curso de Harmonização da MPB aplicada ao Piano – Parte II (ministrado pela Prof.ª Érika) 2004.
Curso de Comunicação pela Oficina das Artes de Taquaritinga – 2004.
EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL
Professora de Música desde 1996. Já ministrou vários cursos e oficinas de voz por toda região. Ministrou o curso de Canto Coral realizado na paróquia de Santa Luzia na cidade de Taquaritinga em 2001. Coordenou o programa de oficina de voz no curso de Fonoaudiologia na Universidade de Araraquara sob a supervisão do Dr. e Prof. Wilson Pedro em 2001. Já se apresentou em vários Estados com diversas Bandas de renome como “Arley e sua Orquestra, Os Bossistas, Orquestra Sul América, Alex e Argel, Adalberto e Adriano, Banda Mega Som, Banda Aquarela, Banda Temperatura Máxima, etc.” Vem trabalhando como Tecladista e Backing Vocal para Bandas e Orquestras em Carnavais desde 1991.
Possuem vários trabalhos em Estúdios, gravando backing vocal para duplas de sucesso, vinhetas, jingles para diversos comerciais e rádios, etc. Atua como professora de Música, Arranjadora e Compositora na Escola Técnica de Artes Municipal Santa Cecília de Taquaritinga.
ATUALMENTE
É sócia de Luana (da dupla “Luana & Janaina”) que vem se apresentando desde abril de 1997, por vários Estados do Brasil. Lança vosso primeiro trabalho como dupla em fevereiro de 2002, pelo CD do Clube Sertanejo gravando duas faixas “Cawboy do Brasil” e “Furacão” (com autoria de Janaina Martins Apis), onde estão presentes, duplas de grande sucesso na região. È professora de Música e Canto Particular e Arranjadora do Conservatório de Música ETAM Santa Cecília de Taquaritinga.

Hellen & Lílian
Hellen e Lílian demonstraram precocemente vocação artística.
Nascidas no interior de São Paulo, Hellen na cidade de Itaí e Lílian em São Manuel, iniciaram carreiras cantando e tocando em corais de igrejas e eventos regionais.
Paralelamente, cultivavam sensibilidade sertaneja. Hellen tocando viola, violão, sax e teclado em apresentações solo, sem ainda se conhecerem e Lílian também tocando violão e cantando em bandas nas quais adquiriu experiência.
Hellen foi apresentada a Lílian, cuja característica vocal ajustava-se perfeitamente como segunda voz. Do encontro surgiu a idéia da formação da dupla que se tornou realidade em 2002. Desde então, Hellen e Lílian realizam shows pelo Brasil, cantando vários estilos, raiz, sertanejo romântico, moda de viola, forró e country.
Hellen e Lílian já tiveram privilégio de conhecer muitos nomes consagrados da música sertaneja e vem se apresentando em programas de tv de várias regiões e através de entrevistas em jornais, revistas e rádios divulgam o trabalho do 1° CD, lançado recentemente. Uma das características da dupla é o gosto pela música raiz e moda de viola e com orgulho são apresentadas nos shows que muito agrada ao público.
Outro destaque fica por conta de ser uma dupla feminina que se diferencia pelo estilo musical e com simpatia, beleza, talento e carisma a dupla deixa saudade por onde passa, despontando para o sucesso como “A REVELAÇÃO DA MÚSICA SERTANEJA”.
Marcus ou Raquel Telefone: (14) 3842- 2706
E-Mail: raquel.maranhao@terra.com.br
Flávia de Lucca Cantora
A mais nova cantora country, hoje com 17 anos. Participou como uma das principais atrizes do comercial Mc Bello/ Mc Bonno Mc Donald´s e fez parte durante dois anos na rede globo do elenco do programa "Gente Inocente" com o apresentador Márcio Garcia. Interpreta quatro músicas do Cd do "Betinho Carreiro e sua turma" sendo a vocalista principal em "Catuetê", "Luly", "Peninha de Águia" e "Árvore". Gravaram diversos jingles um deles do "Pão de Forma PANCO".
Apresentou-se no Programa Livre no SBT junto a Laura Pausini, no Programa da Eliana e Alegria na Rede Record e muitos outros realizaram papel como atriz na peça teatral "Figura Paterna", do diretor Luís Gustavo em 1999, sem contar que abriu o show do cantor Daniel.
Moghar  Guitarrista
Hoje com 22 anos, guitarrista e backvocal. Tocou com grandes nomes da música brasileira como Daniel, Leandro e Leonardo e Chitãozinho e Xororó, realizou vários trabalhos com bandas diversificadas mostrando seu dom e talentos com diversos estilos musicais. Além de executar papel de modelo e ator.
Dudú  (Baterista)
Hoje com 23 anos, baterista. Tocou com grandes nomes da música brasileira, através do blues e jazz, se aperfeiçoou realizando trabalhos com Daniel, Gean e Geovanni e Marlon e Maicon, realizou diversos trabalhos em vários estilos mostrando seu dom e talentos para o Brasil, com um conteúdo musical riquíssimo.

COUNTRY GIRLS
AMIGAS A VARIOS ANOS MYLLA E RAFAELA AO ANALISAREM O MERCADO DO, ENTAO DECIDIRAM SE UNIR E CRIAR A COUNTRY GIRLS QUE NASCEU HÁ ALGUNS MESES E JA FAZENDO UM HIPER SUCESSO POR ONDE PASSAM COM LANÇAMENTO DO 1º CD PARA O MES DE MAIO NO CENTRO HIPICO AMARELINHO E OUTRAS CASAS DO RAMO
TRABALHEI COM DIVERSAS BANDAS COUNTRIES DESDE 1997, DENTRE ELAS A FAMOSA, COICE DE COBRA COUNTRY BAND.
CANTEI EM DIVERSAS CASAS DO RAMO COUNTRY SERTANEJO, INCLUSIVE NA ABERTURA DO SHOW DA CANTORA COUNTRY NORTE AMERICANA DANNI LEIGH NA ESTANCIA ALTO DA SERRA.
O REPERTORIO BASEIA-SE NO MELHOR DO COUNTRY MUSIC AMERICANA E BRASILEIRA COMO: FAITH HILL, REBA MCENTIRE, MARTINA MACBRIDE, LORRIE MORGAN, TRISHA YEARWOOD, SHANIA TWAIN, TERRI CLARK, SHELBY LYNNE, EDSON E HUDSON, CEZAR E PAULINHO, BRUNO E MARRONI, JAYNE ETC..
ESTAMOS TRABALHANDO NO NOSSO 1º CD QUE TERA A FESTA DE LANÇAMENTO NO CENTRO HIPICO AMARELINHO.
TRABALHEI COMO REDATORA E CRITICA DA REVISTA COUNTRY E CIA. PROMOTORA E DJ DE VARIAS FESTAS COUNTRIES DESDE 1996, TAMBEM FAZENDO VARIOS TRABALHOS VOLTADOS A BACK VOCAL DE VARIAS DUPLAS DO LITORAL PAULISTA
MILEIDE CARLA DE OLIVEIRA                
RAFAELA RIBEIRO PACINI
Nascimento. 05/07/1979                
Nascimento. 05/07/1979
Endereço. AVENIDA BRASIL, 405                 
Endereço.  AVENIDA DOM PEDRO I, 1085 BLOCO 1 APTO 74
Bairro. PARQUE DAS AMERICAS              
Bairro.       ENSEADA
Estado. SA CEP: 09351-000        CEP.:         11440-001
Telefone:  (11) 4541-4827/Telefone.:() (13) 3353-3707/
 mrcountrygirls@globo.com          
Irmãs Passos
Irmãs Passos (Aline e Aracéli), natural da cidade de Joinville - SC. Uma dupla que teve seu início musical há 16 anos, quando ainda criança. Participaram de vários Festivais de música em São Francisco do Sul - SC, onde moravam na época.
Pouco tempo depois começaram a cantar com a família, o pai Nilton na guitarra e vocal, o irmão Alan, teclado e vocal, o irmão Andrei no contrabaixo, a Aline na bateria e vocal e Aracéli, no vocal. Iniciava-se a Banda Família Passos, que animaram vários eventos na cidade onde moravam.
Aline e Aracéli foram convidadas para cantar com o conjunto que fazia os festivais da canção: Banda Bahamas, Aline na época com 13 anos de idade e a Aracéli com 11 aninhos. Alguns anos depois voltaram a morar em Joinville e foram convidadas para serem as vocalistas do Musical Os Bárbaros, onde cantaram durante um ano. Depois desse tempo, o pai e empresário Nilton decidiram dar continuidade ao Musical Família Passos, que passou a ser chamada de Irmãos Passos, a família novamente se reuniu fazendo shows e bailes em toda região Norte de SC. No dia 1° de dezembro de 2001 realizaram a gravação do 1° CD, como Irmãs Passos, no ano de 2003, posteriormente gravaram o 2° CD resultando num investimento maior de ônibus e uma equipe formada por 13 pessoas entre músicos e técnicos de som. As Irmãs Passos fazem bailes e shows por vários Estados do Brasil com sua Banda Paixão Sul, equipe de músicos profissionais que receberam nome para a banda devido aos bailes que chegam até 5 hs.
Ano de 2007, a realização de mais um CD o 3° da carreira, com músicas selecionadas e grandes compositores como: Juvelino Lopes, Marcos Paulo, Marciano, entre outros mestres compositores da música sertaneja.
Telefone: (47) 3422-1516
AS MORENAS
Conheceram-se na igreja, no coral começaram a cantar e juntas viram que gostavam da mesma coisa e decidiram formar daí a dupla AS MORENAS, daí por em diante vêem sempre se apresentando em locais aqui de Campo Grande, já entraram em estúdio, mas só para gravar coletânea pretendem gravar seu próprio CD e fazerem muito sucesso, e abrir espaço para duplas femininas sertanejas fazerem também sucesso nacional. 100% sertanejas,
Mais dados a serem relatados pessoalmente, pois temos muitas bagagens mais não dá para digitar tudo em um simples computador...
BEIJOS.... Das MORENAS
Nome: Viviane ou Nilza
Telefone: 067 3461418 ou    
ANA DI PAULA
ANA DI PAULA iniciou sua carreira artística aos quatro anos de idade, quando fora chamada para interpretar no teatro infantil a peça “A LINDA ROSA JUVENIL”, tendo o papel principal.
“““ “““ Participou de vários programas infantis, dentre os quais, tornou-se conhecida por atuar como ‘BRANCA DE NEVE ““ do programa infantil ‘FESTOLÂNDIA” no SBT/TVS.
Ainda na área infantil, fez vários shows com a dupla de palhaços Atchim e Espirro, O Dr. Cacareco, o mágico Kam Robert, o malabarista Bruno Edson e ainda participi de vários espetáculos circenses no Circo do VAI VAI.
ANA DI PAULA, estudou teatro, canto e na área musical, foi por cerca de 6 anos, Cover da cantora e apresentadora “Sula Miranda”.
Atualmente, está trabalhando e inovando o mundo pop cowntry interpretando músicas conhecidas inéditas e pelo público sertanejo.
ANA DI PAULA é conhecida pelo interior paulista como “A PRINCESINHA DO VALE DO MOGI”, cujo apelido foi lhe dado carinhosamente por seus fãs, que abrangem todo o Vale do Rio Mogi, no qual tem grande destaque.
Dentre os seus inúmeros shows, podemos citar que ANA DI PAULA é a cantora oficial da festa da “ ROMARIA DOS CAVALEIROS E CANOEIROS DO BAIRRO TAQUARI-PONTE”, festa em louvor à padroeira do Brasil, “ NOSSA SENHORA APARECIDA”, na cidade de Leme/SP, e se faz necessário ressaltar que esta festa é uma das mais importantes de toda a região do Vale do Mogi.
O SHOW de ANA DI PAULA é composto por bailarinos e músicos, com duração média de 1 hora e 30 minutos, podendo ser opcional ao estilo de show que o contratante desejar.
Maiores Informações liguem para:
Dondoca: (19) 3554-59-65
Maria Helena: (11) 33331-12-94
BARRA DA SAIA:
Banda que faz sucesso com estilo musical único, fazendo releitura da música sertaneja, numa visão moderna, porém, sem perder suas características originais.
 Formada por jovens artistas de altíssimo nível técnico, a BARRA DA SAIA é a primeira banda brasileira essencialmente feminina no segmento que elas mesmas denominam de Roça´n Roll: a mistura da música raiz e caipira, com pitadas do country e do rock´n roll.  Na estrada desde 1999, com shows por todo o Brasil, lançaram seu primeiro CD intitulado BARRA DA SAIA, em 2004, emplacando a música “Seu DJ” entre as 10 mais da Terra FM, durante um ano. Em 2003 e 2004, participaram da turnê “Te Amo Demais” do cantor Leonardo, tocando e cantando com ele o momento raiz, abrindo shows nas maiores casas de espetáculo do país, como Olympia (São Paulo) e Canecão (Rio de Janeiro).
Em 2006 lançaram seu segundo CD/DVD intitulado “Roça´n Roll”, escolhido como Melhor CD Independente de 2006 no segmento sertanejo, que em 2007, foi indicado ao Grammy Latino na categoria de Melhor CD de Música Regional.
 Mas a história da BARRA DA SAIA não começa aí... Suas integrantes, Adriana Sanchez (voz, acordeom e teclado), Adriana Farias (voz, viola e violão) e Julia Lage (vocal e contrabaixo) - têm em seus currículos trabalhos com artistas, bandas e orquestras dos mais variados segmentos, o que sem dúvida foi o fator fundamental para a criação, com características de inovação, do seu som único e moderno.
Em janeiro de 2009, a banda representou o Brasil na 19ª Fiesta Nacional Del Chamame e 5ª Fiesta Del Mercosur, em Corrientes na Argentina, onde foi aplaudida de pé pelo público que lotava o Anfiteatro Cocomarola. Também em 2009, gravou ao vivo, em São Paulo, o 2º DVD, comemorando 10 anos de carreira, com a participação de Sergio Reis, As Galvão, Pepeu Gomes, Amon Lima, Os Favoritos da Catira e Zeca Baleiro. Toda a renda do DVD foi doada em prol do Hospital de Cancêr de Barretos.
Em fevereiro de 2010 devido ao grande sucesso retornou a Corrientes na Argentina para representar o Brasil na 20ª Fiesta Nacional Del Chamame e 6ª Fiesta Del Mercosur ao lado de Juan Carlos Borges, Gilberto Monteiro e Renato Borghetti.
Ainda em 2010, as meninas da Barra da Saia estiveram em programas de destaque da televisão brasileira como Altas Horas, o Domingão do Faustão e o Programa Hebe – no qual a apresentadora tornou-se madrinha da banda. A Barra da Saia também gravou uma participação especial no DVD de Hebe, gravado em setembro de 2010 e no DVD de 10 anos do Projeto Direito de Viver, em prol do Hospital de Câncer de Barretos.
Para encerrar mais um ano de grandes realizações profissionais, a Barra da Saia apresentou-se em uma das maiores e mais tradicionais festas do país, o Réveillon na Paulista, onde também se apresentaram Zezé de Camargo & Luciano, Capital Inicial, Fábio Jr. e a banda Hori.
Depois desta recepção a 2011, a nova música de trabalho ‘Você e Eu’ já é uma das músicas mais executadas nas rádios de todo o país e mostra que a carreira das meninas da Barra da Saia tem tudo para continuar sua trajetória de sucesso. Os fãs podem esperar ansiosos pelo novo CD e DVD da banda, a ser gravado esse ano.

ÉRIKA E ELAYNE
SUMARÉ/SÃO PAULO, SP, BRAZIL
Um pouco da história das irmãs, Érika e Elayne.
Somos a quarta geração de músicos e cantores da família.
Temos história de muita luta e dedicação.
Com uma vasta experiência, influenciadas pela música sertaneja nós as irmãs Érika e Elayne cedemos à paixão por esse novo projeto e nasce à dupla.
Eu Erika, iniciei minha carreira aos três anos e oito meses, gravei vários discos na área infantil e quando jovem fiz parte da banda Cheiro da Terra juntamente com meus irmãos Melqui, Marcio e Elayne.
Sempre tive vontade de cantar com minha irmã e hoje esse sonho se realiza.
Eu Elayne no início de minha adolescência comecei a cantar e fiz parte também do Cheiro da Terra.
Aprendi muito, pois acompanhei a transformação da Erika que canta desde pequena, e ao lado dos meus irmãos na formação da Banda.
Hoje cantar do lado da Erika é uma honra pra mim.
Música, um dom de Deus?
Erika
Sertaneja de coração, sou a quarta geração de cantores de minha família, são 30 anos de carreira, muito trabalho e amor a música, aos meus fãs e família.
Desde os 3 anos de idade sabia o que queria, cantar.
Gravei 5 discos ainda na época vinil, cantado músicas infantis e nos shows; música sertaneja.
Participei de muitos programas de TV como, Bozo, Bolinha, Fofão, Mara Maravilha, Sergio Malandro, Dárcio Campos, Atchim e Espirro entre outros.
Era contratada da Gravadora Copacabana, aonde cheguei a disco de ouro, quanta honra ter feito parte dessa família!
Fui despertando interesse pela música em meus irmãos, Melke, Marcio e
Elayne.
Logo em seguida formamos nossa primeira banda com o nome RH.
Alguns anos depois com mais experiência na música surge a Banda Cheiro da Terra.
A música Cowboy de Rodeio onde faço o solo foi uma das que mais se destacou nos dando o título de banda revelação da música country no Brasil pelo apresentador Faustão onde participamos por várias vezes em seu programa na Rede Globo.
Com todo esse sucesso da banda, apresentamos em diversos programas de TV, tema de Novela e muitos shows por todo Brasil.
A música tem uma constante mudança e por isso hoje estou em um novo projeto, cantando com minha irmã Elayne ( Erika e Elayne) uma dupla feminina onde faço a segunda voz e em algumas canções o solo.
Em breve muitas novidades, conto com vocês!
Juliana Andrade:
“Estamos na contramão dos gêneros que estão na moda e tocam no rádio. Não quero falar mal de ninguém; só acho que existe espaço para todos.” (Juliana Andrade).
A autora da sábia frase acima, a jovem Violeira, Cantadora e Compositora Juliana Andrade, nasceu em Taboão da Serra-SP e começou a tocar Viola Caipira com apenas 14 anos de idade, influenciada pelo bom gosto de seu pai, “Seu” Francisco Andrade, que também se dedicava ao tradicional instrumento musical Caipira Raiz, apesar de não ser “conhecido pelo grande público”. A própria Juliana nos conta: "Meu pai era Violeiro, mas queria que meus irmãos aprendessem. Comecei a pegar a Viola escondida e, quando ele percebeu, já tinha uma Violeira em casa."
Inezita Barroso conheceu Juliana quando ela tinha apenas 15 anos de idade, em 1995, quando o “Viola Minha Viola” da TV Cultura de São Paulo homenageava João Pacífico, de quem a jovem Violeira é grande apreciadora. “Inezita me deu a honra de ser minha “Madrinha Musical”“.
Formando a dupla com Jucimara, também Violeira de Taboão da Serra-SP, Juliana participou do 19º Festival “Violeira Rose Abrão” que fez parte da 47ª Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos. Apreciadora das Irmãs Freitas e também de Tião Carreiro e Pardinho, Jucimara fez a segunda voz, além de tocar Viola e Violão.
A dupla Juliana de Andrade e Jucimara   conquistou nesse festival o primeiro lugar e receberam também o título de “As Melhores Violeiras do Brasil”.
Foi a primeira vez que uma dupla feminina não só esteve entre os dez primeiros colocados na história desse festival, como também conquistou o primeiro lugar. Essa vitória em Barretos, sem dúvida, abriu as portas e impulsionou Juliana e Jucimara para a gravação do primeiro CD, “As Violeiras do Brasil” (foto acima à direita). “Ganhar o festival foi um marco na nossa carreira, foi sem dúvida um dos momentos mais importantes”.
Para Juliana, a vitória não apenas serviu como uma arma contra o preconceito que ainda se tem contra a mulher, mas também foi de encontro à discriminação dos jovens e da mídia.
Jucimara segue hoje a carreira artística em dupla com Sandra Reis, enquanto Juliana Andrade prossegue em carreira - solo.
Além da “Madrinha” Inezita Barroso, Juliana de Andrade e Jucimara tiveram também o apoio do Praiano (que foi parceiro de Tião Carreiro no início da década de 90) e de Jesus Belmiro que cedeu inclusive uma composição sua para o trabalho da dupla: "Diamante Verde" (Jesus Belmiro - Juliana Andrade). “O primeiro CD, além de composições próprias, traz também raridades como “Felicidade”, composta por Raul Torres em 1932” e também duas composições instrumentais em Solo de Viola: "Brincando Com A Viola" (Gedeão da Viola) e Herança De Pai (Francisco Andrade).

Juliana também recebeu no ano 2000 o título de Princesa da Viola que foi concedido pelos ouvintes e telespectadores da Rádio e TV Cultura de São Paulo. E este título foi registrado em cartório!
Quero destacar também o segundo CD de Juliana Andrade intitulado "A Viola Da Princesa" lançado pela Zan-Brasidisc com destaque para composições próprias tais como "Pagode 2000" (Juliana Andrade) e "Raiz Brasileira" (Juliana Andrade), além de célebres composições já consagradas no repertório Caipira Raiz, tais como "Direito De Cantar" (Zé Mulato - Cassiano), "Lembrança" (José Fortuna), "Saudades De Matão" (Antenógenes Silva - Jorge Gallati - Raul Torres), "Chalana" (Mário Zan - Arlindo Pinto) e "Chico Mulato" (João Pacífico - Raul Torres), além de diversas interpretações com excelente solo no tradicional instrumento musical caipira raiz.
Para Juliana (e também para nossa grande alegria), as pessoas estão “perdendo a vergonha de gostar das Modas de Viola”. "Nos shows, muitos jovens participam e gostam do nosso trabalho".
Juliana Andrade, juntamente com o também jovem Violeiro Rodrigo Mattos, participou recentemente do programa “Viola Minha Viola” que foi ao ar nos dias 09 e 13/07/2003 pela TV Cultura de São Paulo e interpretou sua belíssima composição “Sonho Lindo” (Ronaldo Viola - Juliana Andrade), além de um bonito Solo de Viola em “Saudade de Ouro Preto” (Domínio Público - Adaptação de Antenógenes Silva - Edmundo Lys). E, no mesmo programa, a "Madrinha" Inezita Barroso também mostrou seu belo toque na Viola interpretando "Recortado" (Recolhido em Piracicaba-SP).
Está em preparação e será lançado dentro em breve o terceiro CD de Juliana Andrade ("Sonho Lindo"). Aguardem comentários a respeito.
Parabéns, Juliana!! Continue defendendo firmemente a nossa Música Caipira Raiz, a Viola e a Boa Música Brasileira!!!
Contato para shows: (11) 9308-5958
EDNA E CIDA
Cida Moreira fala sobre a vida
Aparecida Moreira Souza, pseudônimo Cida Moreira, funcionária pública, aposentada por tempo de serviço, segundo grau de escolaridade, nascí em Vazante-MG, aos vinte e um de novembro de 1958, filha de Mário Moreira dos Santos e Maria das Dores Moreira, sendo eu a quarta filha do casal.  
Descobri o meu dom de cantar, aos doze anos de idade, ao participar de um festival de calouros, num parque de diversões, sendo classificada em lº lugar, como cantora solo, interpretando a música Jesus Cristo.
Participei várias vezes, como caloura, na rádio Montanheza de Vazante e em vários festivais estudantis, onde, sempre me destacava em 1º ou 2º lugar. Em cinco de outubro de 1975, resolvi fazer dueto juntamente com a minha irmã Edna, quando fomos convidadas a participar de um festival de músicas folclóricas, realizado no Social Vazante Clube, interpretando a música La Golondrina (versão) a andorinha, fomos classificadas em lº lugar. A partir daí, éramos convidadas para animações de reuniões familiares, igrejas, serestas e piqueniques dos servidores públicos municipais. Certa vez, fizemos uma apresentação no "Circo Olinda" em Vazante, e fomos muito aplaudidas.
Desde 1999, venho me dedicando também, na música religiosa, cantando nas santas missas nas igrejas católicas de Vazante.
Representando a Conferência de São Cristóvão, participei de um festival de músicas religiosas inéditas, realizado pelo Conselho Nossa Senhora do Carmo, alcançei o 2º lugar, com a música: "Rainha da Paz", de minha autoria.
Durante algum tempo, fiz parceria com Exaltina, tanto nas santas missas, como nas rodas de violeiros em Vazante e cidades vizinhas. E uma participação especial no Programa Canta Viola, em Patos de Minas, apresentado por Kid Mosquito e outra no Programa Nossa Terra Nossa Gente, realizado no Bar e Restaurante "Ú-Kaipira", apresentado por Maurício Araújo e levado ao ar em 08 de fevereiro de 2009.
No mesmo ano, em dueto com a minha irmã Edna, uma outra participação especial no Programa Nossa Terra Nossa Gente, realizado na Faz. Mata Preta, apresentado por Maurício Araújoe levado ao ar no mês de novembro. No mês seguinte, nós, Edna & Cida Moreira, realizamos um sonho gravando o nosso 1º CD "Motivo de Saudade."
Postado por EDNA E CIDA
Luana Lima
Luana Lima mora em Jales/ SP, canta a muitos anos, já participou de vários festivais de musicas chegando até a ganhar algumas vezes em 1º lugar.
Luana já fez dupla sertaneja, fazendo muitos shows em Cuiabá estado do Mato Grosso. Hoje Luana tem 2 CDS gravado, um trabalho de qualidade gravado em Santos, produzido por Flavio Medeiros, e conta com a participação na gravação do CD, de alguns músicos do cantor Daniel, seu trabalho também trás compositores de nomes que já são consagrados no meio da musica, como por ex: Jairo Góes, Ivo Ramos, Neldon Farias que já fez algumas musicas de sucesso do cantor Daniel, entre outros. O 1º trabalho tem o titulo de Vai Coração e o 2º de Sentimento Lindo que inclusive é o carro chefe do CD. É a música mais tocada na região, um country romântico e dançante. Luana também já participou de vários programas de TV nível Regional. E conta com muito apoio dos amigos dos familiares e fãs para que seu trabalho fique conhecido em nível Nacional. Por isso faz um bom trabalho de divulgação por vários estados, e muitas rádios tem aberto as portas para essa divulgação. Luana Lima além de cantar também estuda, já fez uma Faculdade de Letras, e agora está cursando o 2º ano de Farmácia, mas sempre diz: que o forte em sua vida é a musica e canta porque gosta, nunca deixará por nada, pois a musica corre em suas veias. Luana também gosta muito de dança embora música e dança estão ligados, durante algum tempo fez aulas de ballet, jazz, dança do ventre e outros. Tudo isso pensando em sua carreira, para uma melhor apresentação nos palcos em que se apresenta.
Faz shows com banda e bailarinos, um show bem eclético e descontraída. Luana também ficou muito conhecida na região por fazer aberturas nas grandes festas de rodeio da região.
Com muita garra e luta ela busca o sucesso, fazendo com que seu trabalho fique cada vez mais conhecido, embora esta carreira não seja tão fácil mas, Luana não abre mão de seu objetivo.
Contato: 0xx17- 97852958 ou 0xx17- 81157965 Acessem a pág: www.buscamp3.com.br/luanalima e baixe as musicas da cantora Luana Lima. ou www.fotolog.aonde.com/luanalima para visualizar algumas fotos de shows.
Luana já esta preparando o 3º CD de sua carreira.
Em breve! Aguardem!!
Mineira Lu Bitencourt
                Batalhadora. Essa palavra define bem a cantora e compositora mineira Lu Bitencourt.
Nascida em Senhora do Carmo, cidade do município de Itabira - MG, Lu sempre se mostrou firme aos seus ideais e desde o início de carreira prometia que se não fosse capaz de fazer suas próprias canções nunca ia se sentir uma artista de verdade.
E apesar dos muitos obstáculos impostos pela profissão, a cantora conseguiu, com êxito, cumprir sua promessa ao reunir material suficiente pra lançar o seu primeiro trabalho autoral, intitulado Hábitos. Era o fôlego que essa mineira precisava para investir na carreira e divulgação do seu trabalho nas rádios, a fim de que começassem a surgir as primeiras oportunidades de shows.
Lu sempre teve contato com a música desde cedo. Seu pai também era músico e cantava e tocava violão, viola cavaquinho e bandolim.
Ela cresceu ouvindo chorinho samba canção, bolero e música sertaneja de raiz. Isso foi fundamental pra que ela se engajasse de vez no universo musical.
Mas por incrível que pareça, apesar deste contato da cantora com esses gêneros populares, ela não se enveredou por esse segmento. Preferiu optar por uma pegada mais forte voltada pro pop/rock com blues e alguma mistura de Rap.
Vale lembrar que sua experiência inicial em bandas contribuiu e muito para ela chegar a esse patamar.
Lu começou a cantar aos dezoito anos em um grupo formado no bairro, onde iniciou cantando rock, pop/rock e mais tarde em bandas de baile, na qual praticou estilos diversos. Depois seguiu fazendo muitos shows no interior de Minas. Era o crescimento merecido dessa batalhadora.
Demos uma chance para Lu Bitencourt expor um pouco mais sobre seu trabalho.
Contato:
(31) 3288 2007
(31) 3288 1218
(31) 87290986
(31) 8789-1761
Nanci Portela,
Nasceu na cidade de Presidente Venceslau, São Paulo, e foi criada em Baependi, Sul de Minas Gerais.
Começou sua carreira como cantora aos 7 anos de idade, adotando o estilo sertanejo romântico, mesclado como country.
Iniciou profissionalmente
Aos 16 anos, cantando em escolas, festas juninas, circos, touradas, entre outros. Seu show atual é alegre, dançante e bem interpretado com um toque sensual. Nanci já percorreu todo o Brasil sendo contratadas pelos empresários
em festa de peão, aniversário de cidades, exposições agropecuárias etc....
Por volta dos anos 90 Nanci Portela iníciou seu trabalho de cantora e locutora na CIA de Rodeios Coração do Brasil (S .J .dos Campos) mantendo também na época dois programas sertanejos de rádio com alto índice de audiência na cidade em que vivia. Por esta época, Nanci gravou três CDs independentes e participou de alguns programas de TV, como Marcelo Costa e Viola minha viola. Hoje Nanci Portela vive na cidade de São Paulo, onde conheceu à SICAM (Sociedade Independente de Autores e Compositores musicais) Pela cooperativa da sociedade em breve Nanci estará lançando seu novo trabalho em disco, cuja amostra são as duas faixas de site, sendo destaque a música POR AMOR e CAMA QUEBRADA. Nanci Portela completa 15 anos de carreira. Com experiência e dedicação, Nanci gosta muito de sua arte e em breve estará novamente percorrendo o Brasil divulgando seu novo trabalho.
Aos amantes da boa musica sertaneja: vale à pena conferir o novo trabalho de Nanci Portela
JANAÍNA KAIS –
A nova sensação da música Sertaneja Contemporânea, há alguns anos, a cidade de Rio Claro, no interior de São Paulo, viu surgir o que viria a ser, tempos depois, um verdadeiro fenômeno artístico. Aos nove anos de idade, Janaína Kais já cantava em eventos religiosos, encantando a todos os presentes com sua voz afinada e sua precoce “elegância” vocal.
O tempo passou, a tendência artística enraizou-se cada vez mais e, aos dezesseis anos, já participava de uma banda de baile. Pouco depois, ainda adolescente, conseguiu incluir uma música de sua autoria em uma coletânea sertaneja, trabalho realizado ainda na sua região natal. Janaína Kais já era sucesso desde essa época, em Rio Claro.
Alçar novos vôos foi, então, um passo natural para a sua carreira. Apaixonada pelas artes cursou as melhores escolas de teatro do Rio de Janeiro e de São Paulo, participando, durante anos, de grandes espetáculos (como “As Filhas da Mãe” e “Coração Safado”, ambas do dramaturgo Ronaldo Ciambroni) e fazendo participações em novelas televisivas.
Nesse período, em que concomitantemente concluiu o ensino superior em Propaganda e Marketing, Kais com sua vasta experiência de palco , adquirida no teatro e domínio de platéias, com certeza são detalhes que hoje fazem um poderoso diferencial em sua carreira. Voltar para a música era apenas questão de tempo e oportunidade.
No auge de sua trajetória pelo teatro, Janaína Kais conheceu o empresário Vitto Jr, que vislumbrou o potencial da artista e foi responsável pela retomada de sua carreira musical. Daí para a gravação de seu primeiro CD, “Só o Tempo...”, foi apenas um passo. Firmando uma sólida parceria com os Estúdios Promix, com o maestro Gabriel Jacob, expoente do universo musical, sobretudo de estilo sertanejo, Kais escolheu a dedo o repertório de seu primeiro disco, contando com a participação de grandes nomes da música popular, como Michael Sullivan, Carlos Colla, Cláudio Noam, Cecílio Nena, entre muitos outros, além de incluir quatro composições de sua autoria. “Só o Tempo...” caiu imediatamente nas graças do público e da crítica especializada. Aos poucos, sua música de trabalho, “Mulher Pra Namorar” (composição própria), começou a ser tocada em rádios de diversas partes do Brasil, gerando um sucesso quase imediato. A partir de então, foi firmada uma parceria com a gravadora Atração, ao mesmo tempo, sua música foi escolhida pra integrar a trilha sonora da novela “Paraíso”, de Benedito Ruy Barbosa, exibida pela Rede Globo, às 18 horas. Escolhida como música de trabalho, “Mulher Pra Namorar” tem recebido inúmeros pedidos de execução, em rádios de todo o País, abrindo portas para que Janaína Kais tenha diversos shows marcados em cidades do interior do Brasil. Todo o carisma e o talento de Janaína Kais podem ser conferidos em seus shows, altamente dançantes, e cênicos,com muita interação com o público e cuidado especial com a sonoridade, o repertório e a qualidade de todos os componentes do espetáculo. Todos os detalhes da carreira de Janaína Kais podem ser conferidos em seu site oficial (www.janainakais.com.br) e blog (www.janainakais.blogspot.com). Janaína Kais pode ainda ser encontrada no Orkut (Janaína Kais – Só o Tempo...), assim como as comunidades dedicadas à cantora.
Contatos:
PAULO RAMA (014) 97922239 / 81740535
SANDRA MUNIZ(O16) 32220580
SITE
Roberta Miranda
            Sou de João Pessoa, na Paraíba, meus pais tinham três filhos homens e queriam uma menina.
Depois de 17 anos eu nasci, Maria Miranda.
Quando completei oito anos, a família veio tentar a sorte em São Paulo. Meus irmãos se tornaram professores. Eu, concluído o curso colegial, pegava o violão e matava as aulas do cursinho. Queria ser cantora. Apanhei. Fui quase interna, pois eles sonhavam que a única filha fosse professora. Naquele tempo, violão, música e vida noturna não eram o
ideal de uma família como a nossa, que migrou para a cidade mais rica do país. Acontece que eu tinha um sonho e uma determinação.
Eu queria ser artista, compositora, cantora. Para isso, trabalhei arduamente por quatorze anos em bares e casas noturnas e me tornei Roberta Miranda.
Em São Miguel Paulista, para onde viemos, descobri que Hermeto Paschoal morava na mesma rua. Fugia para a casa dele e ficava quietinha o vendo ele trabalhar. Mamãe ia me buscar, pedia desculpas por eu estar incomodando, mas ele me salvava sempre, dizendo que não atrapalhava em nada. Eu respirava fundo e seguia atrás do meu sonho. Aos 16 anos, comecei a cantar em bares e acabei sendo contratado para abrir os shows do Beco e do Jogral, em São Paulo, na época o reduto da Bossa Nova.
Abri show para Fafá de Belém, Rosemary e quem mais estivessem sendo dirigido por Abelardo Figueiredo ou Augusto César Vanucci.
Eu queria cantar, cantar e compor loucamente e, se possível, ser ouvida e entendida. Naturalmente, apareceu um empresário de conversa bonita, dizendo gostar das minhas composições e pensando torná-las conhecidas. Fiquei em êxtase, mas quando soube que o meu nome não seria citado mas que ganharia um bom dinheiro, objeto de extrema necessidade, o meu sonho falou mais alto: não e não. Quero o meu nome aparecendo.
Continuei na minha vida de crooner, até que me aconselharam a ter cuidado com a noite, porque termina por criar alguns vícios perigosos para o canto. Parei por três anos. Enquanto isso trabalhava como maquiadora, assistente de estúdio, qualquer coisa que me permitisse comer e compor.
Fiz 400 composições e bicos que me aproximavam dos artistas, das gravadoras, para oferecer as minhas músicas. Até que um dia mostrei "Majestade, o Sabiá", numa gravadora. Eles gostaram muito e resolveram gravar. Foi um super sucesso e Jair Rodrigues vendeu quase um milhão de discos. Ainda não havia chegado a vez da cantora Roberta Miranda, mas a compositora fora reconhecida. Era um começo, pensei. Finalmente, gravei o meu primeiro disco. Eu tinha tanta sede, tanta vontade de vencer que perguntei ao meu maestro, Nelson Oscar, quantos discos teriam que vender para que a gravadora me desse a oportunidade de gravar o segundo disco. Ele falou: "Roberta, para você pagar todo os custos terá que vender 5.000 cópias".
Eu pensei: "Vendo de porta em porta, vendo para minha família, vendo para os meus amigos", cheia de empolgação. De repente, lancei o disco que tem a música "São tantas coisas", como carro chefe. Viajei durante oito meses, por todo o Brasil divulgando o trabalho e um dia cheguei à fábrica da gravadora Continental e vi um caminhão carregado de discos.
Eu, na maior simplicidade, cheia de curiosidade, comentei com o carregador: "Nossa quantos discos!...Quantos têm aí? E ele respondeu que eram 100.000 cópias. "Quem é o artista?", Perguntei. "É tudo seu, Roberta Miranda"...Fiquei parada, levitando, sentindo o chão fugir.
Depois de tanto me digladiar com o machismo, o venci as custas do meu talento e do desafio de dizer uma frase de extrema simplicidade e de grandes implicações. Não é fácil dizer EU QUERO.
A mulher nasceu com todos os requisitos para ser vencedora. Só precisa tomar conhecimento do valor que representa a coragem de querer.

LOGO NO COMEÇO
Durante os 14 anos em que trabalhou como crooner nas casas noturnas de São Paulo, Roberta Miranda esperava a oportunidade de gravar. E foi conduzida por este sonho que ela impulsionou a sua carreira.
Em sua história de vida nunca faltaram lutas e desafios, situações que ela soube administrar e transformá-las em conquistas marcantes.
Roberta Miranda, portanto, deve ser considerada uma vencedora, a partir de seu estilo inconfundível e da busca incessante da qualidade em tudo o que faz.
Seu público compreende este processo e é exatamente para os seus milhões de admiradores que a cantora e compositora continua a se mostrar inteira, procurando sempre se superar. Hoje, Roberta Miranda alcançou a marca de 17 milhões de discos vendidos.
OS PRIMEIROS SUCESSOS
“No camarim e em casa, ela compunha muito”. Um dia uma estrela faltou, foi chamada às pressas, sabia o roteiro de cor e abafou num solo com Pedrinho Mattar. Tomou coragem e escreveu às gravadoras RCA e CBS, oferecendo-se como intérprete. A resposta da indústria do disco: já tem muita mulher cantando, passar bem, obrigado. Subiu as paredes.
Foi trabalhar como assistente de estúdio.
Levava mel, rapadura e paçoca para as duplas sertanejas, fazia a maquiagem dos artistas para as capas de discos." Carlos Arruda - O Estado de São Paulo (28/11/87)."
86 - Lança-se como cantora. Sai o primeiro disco intitulado Roberta Miranda. Em pouquíssimo tempo, as canções Meu Dengo, Chuva de Amor e São tantas coisas se tornam enorme sucesso. Resultado: mais de 800 mil cópias vendidas. Discos de Ouro e de Platina.
87 - O segundo Roberta Miranda e o estouro de Vá com Deus, Esperança e Rei dos Reis resulta em quase um milhão de cópias vendidas. Roberta Miranda, carismática, conquista definitivamente o público, além de se tornar uma das compositoras mais requisitadas do Brasil.
88 - Shows em São Paulo, capital e interior, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso, Goiás, Paraná, Rondônia, Rio Grande do Sul e Pará. Foram 150 apresentações.
89 - A popularidade lhe rende o título de RAINHA DA CANÇÃO SERTANEJA. Em seu novo Roberta Miranda, canta com o coração, mantendo a emoção à flor da pele, ao demonstrar maturidade de grande intérprete. Show no Anhembi dirigido por Ronaldo Bôscoli.
O TEMPO DA COLHEITA
90 - O quarto disco da carreira, com destaque para as canções Marcas e Tudo em Você me Atrai. A música sertaneja já é considerada um fenômeno nacional. É o ano em que ela vai para Angola e cria o maior transtorno: as mulheres declaram greve de sexo aos seus parceiros, caso eles não comparecessem com os ingressos para o show de Roberta Miranda.
91 - Dirigida por Walter Lacet, estréia no Rio de Janeiro, no Canecão.
92 - Um novo sucesso: SOL DA MINHA VIDA, primeiro disco que não leva o nome da cantora. No repertório, oito músicas de sua autoria, incluindo uma homenagem à terra natal (Tambaú), um bolero (Lição de vida) e uma regravação (Desespero de uma Noite). Já são seis anos de estrada e mais de cinco milhões de discos vendidos, representando 15 Discos de Platina.
93 - Roberta Miranda chega ao sexto lançamento em sua carreira e conquista o coração dos portugueses, batendo a marca de mais de um milhão de cópias vendidas naquele país. O sucesso lhe rendeu um Disco de Platina duplo, sendo que naquela época Roberta ainda não havia se apresentado por lá. No Rio de Janeiro e São Paulo, show dirigido por Eduardo Dusek.
94 - Sucesso absoluto com mais um disco e a canção Vem pra Mim. Um ano difícil para Roberta.

95 - Chega às lojas o oitavo trabalho. A canção Mistério é um hit nas rádios.
96 - Novo disco, onde se encontra o forró tradicional e a primeira gravação que Roberta faz de uma música de Roberto Carlos, Eu te Amo, te Amo, te Amo. Sucesso com Um minuto a Mais, balada romântica que conta a história de um amor relâmpago que entra na trilha sonora da novela "O Amor Está no Ar". No Rio de Janeiro, ela estréia um show dirigido por Waly Salomão. Shows em Portugal e nos Estados Unidos.
97 - Lançamento de VIDA, décimo disco da carreira e primeiro pela PolyGram, além da sonhada gravação de Majestade, o Sabiá, música que a tornou conhecida no meio artístico, vendendo acima de 800.000 cópias na voz de Jair Rodrigues. O Disco de Ouro veio em tempo recorde: 140 mil cópias vendidas em dez dias. Roberta Miranda ocupa o posto de uma das cantoras mais bem-sucedidas do Brasil, com vendas sempre superiores a 400.000 cópias.
98 - Uma trilha de amor que seguindo a tradição, inclui um forró, músicas suas, versões, um fado e um bolero. 1998 foi o ano de PAIXÃO, e do lançamento do site da cantora.
99 –
Um ano muito especial na vida de Roberta, que realizou um antigo projeto de cantar com o rei Reginaldo Rossi e fez um disco - Caminhos - bem mais autoral do que os dois últimos. Retorna à Angola, para inicialmente para quatro apresentações, que se transformaram em seis shows em apenas uma semana, em Luanda. Ela está de bem com a vida, muito bem e com novas esperanças.
2000 - Renovou o contrato com a Gravadora Universal e lançou o disco A Majestade, O Sabiá. O primeiro ao vivo, uma releitura de seus grandes sucessos e algumas boas novidades. Uma delas a música Um Dia De Domingo, de Sullivan e Massadas, um clássico da melhor música romântica, que voltou a frequentar as paradas de sucessos.
2001 - O CD Histórias de Amor foi distribuído para as lojas em março. Roberta sorrindo na capa reforça o clima alegre das faixas, que vão do forró ao bolero mambo, sempre falando de amores, sedução, coisas da vida... Faz Amor Comigo, de Michael Sullivan e Carlos Colla, chega às rádios para confirmar o sucesso deste novo trabalho.
            Em novembro deste ano lança o CD Tudo isto é Fado, com clássicos como Ai, Mouraria, Nem às paredes confesso e Só nós dois. Um presente de final de ano para os fãs daqui e do velho continente, e uma homenagem de Roberta a rainha do fado, Amália Rodrigues.
2002 - Pele de Amor é lançado no finalzinho de Agosto. O disco é o décimo sexto registro de seu trabalho de compositora e intérprete, que comprova, mais uma vez, a experiência e a sabedoria, adquiridas ao longo dos dezesseis anos de sua carreira, incomparavelmente bem-sucedida. Ao mesmo tempo, ao viajar por cada uma de suas 13 faixas, Pele de Amor ainda mostra um pouco da sempre-menina Roberta, aquela que na adolescência, seguiu corajosa e determinada seu sonho de ser artista.
2004 - É o ano de Alma Sertaneja. O esperado 17º disco da cantora é lançado em abril pelo selo da Maynard Music, gravadora criada por Marcos Maynard. O disco mescla a pureza da música da raiz sertaneja com o romantismo exacerbado em um total de 14 canções. Ainda antes do lançamento do disco, as rádios do país já executavam a balada Dois Em Um (Roberta Miranda), primeira faixa de trabalho, que fala do amor pleno, da entrega total.
2008 - SENHORA RAIZ OU DE COMO SE FAZ UMA DECLARAÇÃO DE AMOR (Texto de autoria de Bibi Ferreira)
            Senhora Raiz vem confirmar o que todos nós sabemos: Roberta Miranda é dona de uma voz excepcionalmente bonita que, aliada a sua qualidade vocal, faz dela essa potência popular. Com mais de 20 anos de carreira, 20 discos gravados e mais de 16 milhões de discos vendidos é, sem dúvida nenhuma, a maior cantora de seu gênero na música brasileira. A explicação para o sucesso de Roberta? Elementar meu caro Watson, seu talento. Talento que ela utiliza a seu favor na hora da pesquisa do repertório, verdadeira garimpeira de tesouros, capaz de transitar entre uma guarânia, Meu Primeiro Amor (José Fortuna, H. Gimenez e Pinheiro Jr.), Tristeza do Jeca (Angelino de Oliveira) imenso sucesso popular do filme homônimo com Mazzaropi no papel título – os mais jovens podem até desconhecer o filme mas graças a regravações como essa jamais esquecerão a música – e Guacira, parceria do maestro e grande erudito, Hekel Tavares com Joracy Camargo. Roberta não faz por menos e convida ninguém menos que Maria Bethânia para cantar com ela. Para os que vão reclamar da ausência de músicas da própria Roberta, que além de cantar e encantar, ainda compõe, um momento supremo de delicadeza com A Majestade, o Sabiá, com certeza seu maior sucesso autoral no gênero e que não poderia ficar de fora. Mas as preocupações e o cuidado de Roberta, ultrapassam o conteúdo, ela quer cuidar também da forma, e embala para presente essas obras servindo-se de uma orquestra de músicos eruditos, que ela alia aos músicos sertanejos. Sutileza e elegância garantidas. Artista que sou, impossível não me identificar com os versos de Viajante Solitário (Edinho da Matta/Cezar Meridional): “ Minha vida é viajar, sou o amor que alguém espera / Sou o portador da alegria... (...) / Sou o artista da estrada/ (...) passo e deixo uma saudade....sempre chora um coração...” Afinal, foi numa dessas inúmeras viagens que marcam a vida dos artistas que nossos caminhos se cruzaram....estávamos num aeroporto, indo não sei pra onde ou chegando de onde também não sei, quando Roberta se aproximou e me perguntou se poderia dirigi-la no show de lançamento do seu disco Pele de Amor. Convite inesperado, mas prontamente aceito. Como foi esse para escrever esse release. Ouvindo SENHORA RAIZ “meus pensamentos tomam forma e eu viajo” pensando-nos muitos corações que hão de se emocionar com essa viagem, então não mais solitária, de Roberta Miranda ao mundo da legítima música sertaneja de raiz. Aquela que é tocada nas rodas de viola, por boiadeiros, caminhoneiros e lavradores. Mais do que uma declaração de amor que marca uma volta às suas origens de grande parte do povo desse nosso Brasil, aquele que normalmente deixamos à margem, e do qual Roberta Miranda é verdadeira representante, diria mesmo, porta-voz.... E que voz!
Amanda Coalho
A mais nova Revelação da musica SERTANEJA, com apenas 4 anos de carreira Amanda vem conquistando seu espaço no meio artístico, e conquistando o carinho do público, é uma verdadeira guerreira, não possui banda, e faz seus shows com Playback e mesmo assim arrasa em cima dos palcos.
E sempre buscando novos horizontes para que cada vez mais as pessoas conheçam essa grande cantora.
Já fez shows em vários lugares como Interior de SP.
Nas cidades de Gabriel Monteiro - Bar da Preta
Queiroz - Aniversário da cidade encerrando 3 dias de festa em praça publica com aproximadamente 1.300 pessoas
Piacatu –
No caipirão Sertanejo.
No grande ABC.
Chopperia Refugiu´s Em São Bernardo do Campo
O melhor do Espetinho Na vila Industrial - São Paulo
Adega Barbieri - Santo André
Brasileiros Bar e Restaurante - Santo André
Restaurante Frutos do Mar Navegantes - Santo André
Thá Kerida - Jardim - Santo André.
Haras Lumini - Forever Yong - São Bernardo do Campo.
Planeta Snooker bar - Carrão - São Paulo
Ariane Amorim
            Começou com 4 anos de idade dublando Sandy e Junior; Ivete Sangalo; etc..
Até que seus familiares descobriram que ela cantava, e assim Ariane foi se desenvolvendo.
Aos 6 anos, Ariane começou a cantar; cantava em eventos na sua cidade, etc..Ela começou a expandir; a cantar em cidades mais longes; etc.. Hoje ela corre o Brasil inteiro.
Ariane Amorim também já participou de programas de televisão: Raul Gil(ex calora do Raul Gil); TV Sudoeste; Caminhos da roça (EPTV - GLOBO).
Mas Ariane também tem o dom da composição, e de tocar vários outros instrumentos como: viola; violão; cavaquinho; bateria; guitarra; baixo; teclado; piano; e alguns outros..
Ariane Amorim sempre participa dos Shows de Juliano César; César menotti e Fabiano; João Bosco e Vinicius; Zé Henrique e Gabriel; etc..
E Agora esta com uma banda que a acompanha nos shows.
Nos seus Shows ela pega a viola caipira e faz o resgate da verdadeira moda caipira.
É um Show eclético; Mas Ariane é mais voltada para o Sertanejo.
Brunna Campos
Nasceu na cidade de Embu das Artes – S.P. , seu talento artístico iniciou aos quatro anos de idade quando entrou em um curso de pintura logo depois em um curso de teatro. Foi então que aprendeu a ter espontaneidade nos palcos.
A música foi um passo definitivo para ela no mundo da arte. Ao longo de sua carreira como cantora, Brunna passou por muitas dificuldades, porem nunca deixou de acreditar primeiramente em Deus e faz questão de afirmar que o grande incentivo para continuar são seus pais que sempre a acompanharam em seus shows.
“A MÚSICA REPRESENTA TUDO NA MINHA VIDA”(diz Brunna)
No ano de 2006 Brunna Campos estreou seus primeiros shows em barzinhos e grandes casas de show da região sempre acompanhada de seu irmão no violão.
O leque de artistas e ritmos que inspiram Brunna é bastante variado, podemos citar Ivete Sangalo, Christian e Ralf, Mariah Carey, Shania Twain, Zezé de Camargo e Luciano, Ana Carolina, Cássia Eller e Roberto Carlos.
A música encanta a vida das pessoas e ela se encantou exatamente por isso. Em momentos nos quais pensava em desistir, parava por alguns minutos e ouvia uma música. “Ao mesmo tempo em que a música emociona também nos faz chorar, remete ao passado e é claro, nos traz alegria. Minha vida mudou”, comenta Brunna.
Atualmente, aos 20 anos, Brunna Campos compôs a sua primeira música e está focada na divulgação e aprimoramento do seu trabalho juntamente com a produtora Andre Matte produções e eventos.
 “É preciso muita coragem para acreditar em um sonho. Estou muito feliz, é o que eu quero para minha vida”.
Brunna Campos
www.brunnacampos.com.br  
Camilla Castro,
         Cantora e compositora.
Nascida e criada em Itumbiara/GO, berço de outros grandes nomes da música sertaneja. Quando criança Camilla já demonstrava interesse pela música, ouvindo
os programas de rádio com seus avós. E, com apenas 10 anos de idade participava de eventos municipais e apresentações artísticas de grande público, surpreendendo a todos com o seu talento e carisma precoces.
Fez parte de várias bandas, mas foi em 2009 que Camilla Castro deu início a sua carreira musical, formando uma dupla sertaneja feminina e gravando um CD independente com várias regravações de sucesso para divulgar o seu trabalho.
Participou de vários programas de TV e de Rádios e, fez vários shows pelo interior dos Estados de Minas Gerais e Goiás.
Em 2011, Camilla Castro partiu para a carreira solo e, em uma fase mais madura começa a compor suas próprias canções, inspirada em seus maiores ídolos, nacionais e internacionais, tais como: Pena Branca e Xavantinho, Almir Sater, Renato Teixeira, Leandro e Leonardo, Zezé Di Camargo e Luciano, Jorge e Mateus, Ivete Sangalo,   Elis Regina, Ana Carolina, dentre outros. Mas, é a paixão pelo som da viola do mestre Tião Carreiro que dá ao universo musical de Camilla Castro, a grande força e o privilégio de levar adiante a cultura sertaneja.
Seu estilo único e contagiante mescla o sertanejo, o pop, o romantismo e a moda de viola e, a cada dia Camilla Castro conquista mais o público com sua diversidade musical.
Autora dos sucessos “Seu olhar” e “Caiu a ficha”, Camilla Castro em breve lançará o seu primeiro CD solo, com regravações de sucesso e inspirado na animação de seus shows. Aguardem!
Leidilane
         Nome: Leidilane Oliveira Rodrigues
Natural de: Uberlândia MG
Mora Em: iturama MG
Leidilane, desde muito jovem, sempre foi uma verdadeira amante da música sertaneja.
A música acabou acontecendo na vida da Leidilane, em 2003, como forma de brincadeira, cantando com os amigos e familiares, e acabou tornando-se uma profissão.
Hoje Pretendo Seguir Carreira Na Musica Leidilane, Ainda Não Gravou CD Mas Como Já Escrevi Muitas Musicas Quero Uma gravadora Que Me Ajude A Lançar o primeiro de Muitos CDS e DVDS Sendo que o primeiro Será Completamente Autoral, Depois Pretendo Lançar Mais CDs Autoral, mas Também Aceito Parcerias e Composições De Duplas famosas, agora Tenho Canal Oficial No Youtube http://www.youtube.com/Cantoraleidilane2010 Twitter Oficial http://twitter.com/Leidilaneartist e Participo do Olha Minha Banda do Caldeirão do Huck Da TV Globo http://www.8p.com.br/olhaminhabandadesertanejo/leidilane/perfil é Também Tenho Site Oficial HTTPS://sites. google.com/site/cantoraleidilane/ é Blog Oficial http://leidilaneoficial.blogspot.com/. Leidilane vem Conquistando cada Vez Mais O Seu Espaço No Cenário Artístico. Desde Já Fico Muito Feliz e Agradecida Com o Carinho dos Amigos e Fãs Por todo o Brasil, e deixo um forte Abraço Para Todos Aqueles que Acreditam No Esforço e No Sucesso De Leidilane.

Juliana Oliver
A cantora Juliana Resende de oliveira, é mineira de bambui e nasceu no dia 16/08/1983 o seu nome artístico foi modificado por ela mesma.
Desde cedo Juliana já demonstrava talento musical e tocava violão, ao qual sua família tinha uma ligação com a musica.
Sua avó cantava lindamente e seu tio cantava e tocava violão.
Toda influencia fez com que Juliana se interessasse em seguir carreira artística.
Juliana ainda na adolescência começou a se apresentar em bares, casamentos, festas de rodeio e bola e viola em sua cidade natal e região. Talento nato de uma cantora que por onde passa emociona milhares de pessoas com seu carisma e simpatia
Janaynna
Quem vê uma foto da morena de olhos verdes certamente não liga a pessoa ao vozeirão e à década e meia de carreira que a transformam rapidamente em um dos principais nomes da música sertaneja brasileira. Situação comprovada com o alcance nacional que chega com este Se Liga - Ao Vivo, quinto disco e primeiro DVD de Janaynna. Aos 24 anos, a cantora nascida em Campo Grande começou realmente cedo na música, seguindo os passos do pai, que dividia o tempo entre o emprego de delegado e o trio Los Dinamites, do qual fazia parte. Nessa época, lançou o primeiro trabalho, uma fita-cassete batizada "Menina Chamamezeira".
O pai, com quatro outros filhos (todos homens) para criar desistiu da música, voltou a ser delegado e deixou fichas na mesa de Janaynna. "Nem tive oportunidade de conhecer o outro lado. Eu nasci na música e nunca pensei em outra coisa", diz a cantora. Aos 14 anos, ela lançou o primeiro CD, Hora do Rodeio. Mas dois anos depois o pai faleceu, o que uniu ainda mais a família e a fez formar dupla com irmão, lançando Cléber Junior e Janaynna. Fizeram um disco juntos, mas dois anos depois ela voltou a seguir carreira solo e começar a despontar em sua cidade, a qual ajuda a incluir no mapa do sertanejo brasileiro. Vieram o primeiro disco ao vivo e o CD Falando de Amor, quando as composições começaram a explodir. E neste Se Liga - Ao Vivo, gravado em Campo Grande, ela entrega de cara três de seus hits tão animados quanto empolgantes "Sacanagem Tua", "Cê Tá Louco?" e "Que Papo é Esse?". Nestas estão também a assinatura de Janaynna a defesa à igualdade feminina nas relações, na música, na vida. Na primeira, canta sobre "(sacanagem tua) me deixar na rua (após sair com amigas)", na segunda, "(cê ta louco?) vou te dar o troco e você vai se dar mal", e na terceira, "(que papo é esse) de dizer que to pagando pau?". Recados mais diretos, impossível. Emenda com outro enorme sucesso do repertório, a balada "Julieta e Romeu". Outro agito, com "Dou a Vida por um Beijo", e uma guinada para um embalo de forró em "Pegando Ônibus (Campo Grande é Longe)". Aqui, outra característica do estilo da cantora, a presença acertada do acordeão. "No gênero que sigo, vamos formatando o som com instrumentos diferentes, percussão, guitarra", afirma. Seguem duas bonitas baladas, "Agenda Rabiscada" e "Cara de Pau", e o calor no chão cresce com "Quem Cala Consente". "Canalha" é feita sob medida para estourar letra grudenta e boa, ritmo e melodia cativantes e refrão acertado. O trabalho fecha com mais três pancadas agitadas, "Pra Que Brigar?", "Se Liga" e "Bye Bye". Ainda dá tempo de encaixar uma faixa-bônus, a bela "Só com Você", em versão acústica, que reforça o alcance vocal de Janaynna. E dá tempo de perguntar a ela como é abrir caminho para as mulheres nesse universo sertanejo. "Tem algumas representantes já como a Roberta Miranda, mas é ótimo ver que estou abrindo portas.
“Sinto-me mãezona da turma, e orgulhosa de puxar a fila das mulheres.” Tabus existem para serem quebrados.
E com Se Liga - Ao Vivo, Janaynna o faz deliciosamente...
Afiliem
A musa teen dos rodeios!
Cantora e apresentadora de TV, Afiliem é a nova musa teen do Brasil!
Começou sua carreira cantando nas aberturas de rodeio, incluindo 3 anos no rodeios de Barretos.
Aeileen com apenas 15 anos já tem 3 cds gravados e ela e sua banda estam percorrendo todo o Brasil com sua banda e um super show em um estilo bem personalizado pela propria Aeileen , que podemos definir como rock-country.
Com certeza você vai ouvir falar muito ainda dela... pois ela realmente nasceu para brilhar!
Princesa e Paloma
Cantoras. Dupla sertaneja.
As irmãs Princesa e Paloma são consideradas uma dupla romântica canta desde a infância passada no Nordeste. Paloma começou a cantar com um irmão, mas sua carreira profissional somente iniciou-se com a irmã Princesa. Dentre as composições que gravaram, se destacam "Diabo de marido" e "Cama perfumada".
 (1995) Princesa e Paloma • LP
ADRIANA & VIVIANE
         Adriana e Viviane Adriana e Viviane uma dupla formada por irmãs da cidade de ribeirão preto –SP e vem representar todas as mulheres ribeirão pretanas e de todo Brasil com força total no gênero musical da musica sertaneja. As irmãs são baking vocal em estúdios e compositoras ,trabalharam como baking vocal de duplas de renome como Fred e pedrito,Roby e Roger, Lucas e Luan etc, com musicas gravadas com vários artistas do interior e de vários estados, são eles Mauricio e Marcelo, Juliano césar, Roby e Roger, As mineirinhas,tom e Arnaldo ,Dany Pink apresentadora da Rede vida, Ulisses e Moisés,João Marcos e Matheus entre outros. Agora as meninas lançam o primeiro CD já sendo muito bem aceito nas principais emissoras de rádio do país. O CD conta com sertanejo universitário, batidao, românticas entre outras. Adriana e Viviane contam com vasta experiência com o palco para exposições, feiras, TVs etc. Adriana e Viviane , a dupla sertaneja feminina que vem com tudo e promete ficar... A dupla esta entre as 12 mais pedidas da programação diária da emissoras no gênero sertanejo com a musica CASA DOS MACHO, e ficaram também entre as 12 com a primeira musica de trabalho EU QUERO VER, depois foi a vez da faixa FEITO CAPIM.
ELIANE CAMARGO 
             PROGRAMAS DE TV E RÁDIO
A cantora paranaense Eliane Camargo soma mais de 25 anos de carreira; profissão que iniciou criança juntamente com seu pai o músico saxofonista Dirceu Camargo, pois cantar sempre ajudou no orçamento familiar e custeou os estudos de uma menina precoce, que entrou na escola com 6 anos, fez faculdades de Educação Física e Direito, se formou aos 19 anos; aos 20 finalizou sua especialização em metodologia do ensino superior e já era professora universitária na (U.E.L) Universidade Estadual de Londrina – Paraná.
Motivada por sua mãe, Dona Lurdinha, após a morte do seu pai, ela decidiu desistir dos estudos acadêmicos onde já estava iniciando seu curso de mestrado para seguir seus sonhos e sua vocação artística.
Ela já administrou casas de espetáculos, organizou feiras agropecuárias, festas, eventos e iniciou sua carreira de cantora lançando seu 1º LP. Depois disso decidiu morar na capital Paulista e os investimentos na área musical não pararam mais, hoje ela é a apresentadora dos Programas de Rádio e Televisão ELIANE CAMARGO.
Os Programas de TV estão sendo transmitidos em 22 emissoras de televisão:
Os Programas de Rádio estão sendo veiculados em 105 emissoras em 18 estados brasileiros.
PARA SABER MAIS INFORMAÇÕES, PARTICIPAR  OU TRANSIMITIR OS PROGRAMAS ACESSE:
 Release ELIANE CAMARGO / 10º CD / 1º DVD “PROFISSÃO CANTORA”
 Os CDs e DVD lançados pela cantora Eliane Camargo, sempre fazem referência ao estilo caipira, pois ela tem uma identidade muito grande com quem também passou a infância na roça, com o homem do campo, o trabalhador rural, o povo do interior do país; fãs que lhe garantem milhares de sócios de carteirinha afiliados ao fã clube amigos da Rainha do Bailão e ao fã clube Mulher Esperta. Ela faz uma média de 10 a 12 shows e presenças VIPS por mês, e coordena também o licenciamento de vários produtos com sua marca como: Semi Jóias Country, Sabonetes Fragê e sua mais recente marca, ainda não lançada, alimentos para cães: Serv Dog e outros produtos estão programados para serem lançados...
 Eliane Camargo é uma vendedora nata, tem credibilidade com os telespectadores dos seus programas de TV e ouvintes dos seus programas de rádio, audiências comprovadas e elogiadas pela imprensa, artistas e parceiros comerciais.
Todo este trabalho e dedicação existem porque é pra você que Eliane Camargo quer cantar e conta com o seu apoio para continuar escrevendo as páginas de suas realizações na história da música sertaneja.
 ELIANE CAMARGO VOL. 10
O CD Eliane Camargo vol. 9 teve 14 faixas e algumas músicas se destacaram como: Melancia (Carlos Randall / Danymar / Villa), Coração que bate asas (Joel Marques), Obrigada Jesus (Carlos Randall), Volta amor (João Gustavo) e foi produzido por Carlos Randall. Ela esta preparando para 2012, o CD vol. 10 e o 2º DVD que certamente se destacarão entre os lançamentos mais esperados do segmento sertanejo em 2012, que serão produzidos pelo músico, compositor e produtor João Gustavo.
Para 2012 além de novidades nas apresentações de seu novo show, Eliane Camargo estará lançando seu 10º CD, juntamente com seu 2º DVD, já que foi e continua sendo um sucesso seu 1º DVD Eliane Camargo “Profissão Cantora” com 22 faixas em um lindo Show gravado em São Bernardo do Campo na Estância Alto da Serra; uma produção minuciosa com 6 trocas de roupas, coreografias e um público muito diferenciado formado por convidados especiais: cantores, artistas, duplas sertanejas, compositores, radialistas e contratantes de shows...
Enfim, o resultado destes projetos foram muito satisfatórios e o Brasil confere em DVD ao vivo em CDs e nos shows a alegria, o talento, a performance de uma artista completa: Eliane Camargo.

Por causa deste amor e desta paixão que Eliane Camargo tem com seu público, ela percorre o Brasil cantando em várias cidades e festas apresentando sua musicalidade e seu talento em muitas festas, rodeios, aniversários de cidades, leilões, bailões,  forrós, feiras agropecuárias e em eventos empresariais... Você não pode deixar de assistir, cantar e se divertir com ela:
ELIANE CAMARGO
“O SHOW QUE ESTÁ CONQUISTANDO O BRASIL”
EM BREVE AÍ NA SUA CIDADE...
Assessoria e contatos / licenciamentos / publicidade / vendas de produtos e shows:
Telefone: 0**11. 3362.1436.
Endereço para correspondências:
Caixa Postal 62628 CEP: 01214-970
São Paulo - Capital
A cantora Eliane Camargo é paranaense, natural da cidade de Londrina, nasceu no dia 01 de março sob signo de peixes e é conhecida como "A Rainha do Bailão".
O Bailão faz parte da cultura e folclore do povo do sul, por isso ela assimilou várias influências rítmicas e dançantes e sempre inclui nos seus trabalhos o melhor da música regional. Eliane Camargo se expressa de uma maneira muito pessoal com seu público. As apresentações ao vivo com os músicos, têm um algo mais, ou seja, a experiência e a versatilidade musical de quem cursou a melhor escola da música que é a profissão de cantora da noite somados hoje em mais de 25 anos de carreira.
Eliane Camargo tem um carisma que impressiona, uma facilidade de conquistar fãs e fazer novas amizades, ela faz questão de coordenar de perto a central do seu fã-clube, hoje com mais de 25.000 sócios que acompanham de perto sua trajetória musical através do "Fã Clube amigos da Rainha do Bailão".
A verdade, é que Eliane Camargo é de uma nova geração de artistas que teve que ir a luta, em busca de um lugar ao sol, precisou cantar muito para poder investir na sua própria carreira, e quem conhece a vida desta cantora sabe que todas suas vitórias foram conseguidas com muito esforço.
A profissão da cantora começou cedo! O pai foi maestro, saxofonista e teve um conjunto de baile que ensaiava na sala de sua casa, e cantar desde criança sempre ajudou no orçamento familiar.
A mãe foi cantora no auge dos programas de rádio e canta até hoje. O pai não queria que a filha seguisse essa profissão, queria que estudasse e ela realizou o sonho do Sr. Dirceu Camargo, fez duas faculdades: Educação Física, Direito e pós-graduação em metodologia do Ensino Superior.
Eliane Camargo foi precoce em tudo, entrou na escola com 6 anos; na Universidade com 16, se formou com 19 e aos 21 anos já era professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL), chegou a ter 6 empregos simultâneos, praticou esporte durante 15 anos, foi uma ginasta premiada (Ginástica Olímpica) e encerrou sua carreira como campeã nos jogos abertos do Paraná realizada na comemoração do cinqüentenário da cidade de Londrina..
Quando o pai adoeceu e veio a falecer em 1986, Eliane Camargo arriscava seus primeiros passos como apresentadora de televisão (local) com recreação e atividades físicas, infantis e pedagógicas no programa "Eliane e o ABC da alegria" na TV Tropical de Londrina e já era sucesso no seu programa diário na Rádio Cruzeiro Am Londrina PR, programa "Eliane e Você" das 8 às 12 hs. Ter sido radialista foi fundamental para ela decidir entrar no mundo do disco e gravar em 1991 seu 1º LP... Daí em diante passou somente a fazer aquilo que mais queria e fez a opção pela música.
Hoje Eliane Camargo se diz feliz com os sonhos que vão se realizando e com tantos amigos que fez nesta longa caminhada. Ela é hoje presença confirmada nos programas de televisão e rádio de todo Brasil.
As coisas mudaram muito na vida da cantora Eliane Camargo; há 16 anos fixou residência em São Paulo para cantar e encantar além dos paranaenses, o Brasil todo... E viaja por todo o Brasil para cumprir seus compromissos de shows e divulgação.
“Na bagagem leva a experiência de 9 trabalhos lançados o 1º LP em 1991” Rainha do Bailão" Vol. 1 - 2º LP em 1994 "Rainha do Bailão" Vol 2 - 3º trabalho já em CD em 1996 "Rainha do Bailão" Vol. 3, o 4º CD em 1998 e o 5º CD em 2001, 6º CD "Fera Domada" em 2003, em 2005 lançou o CD vol. 7º em 2007, o 8º CD ao vivo e seu 1º DVD Eliane Camargo "Profissão Cantora" e o 9º CD em 2010, trabalhos que tem garantido muitas apresentações por todo o Brasil, aclamado hoje como sendo: "O show que está conquistando o Brasil. "
O ano de 1997 foi um ano de muitas conquistas, Eliane Camargo retornou às origens do trabalho que fazia no começo de carreira quando era apenas apresentadora de TV e radialista que sonhava em ser uma cantora de sucesso. Retornou à televisão  para produzir e apresentar seu próprio Programa Eliane Camargo  transmitido há 15 anos na TV e há 8 anos no rádio confira: www.programaelianecamargo.com.br
 Tauane e Layane
Tauane e Layane são naturais da cidade de Posse Goiás. Layane nascida em 30/05/1993 Tauane nascida em 20/07/1994, e se mudaram para Goiânia no ano de 2003. Começaram a se interessar por música desde crianças, foi onde então surgiu a idéia de escrever músicas ainda que sem instrumentos.
Em 2006 Layane aos 13 anos começa a tocar violão e se interessar cada vez mais, e com a evolução da irmã Tauane por sua vez, também resolve aprender.
E formará uma dupla elas se juntaram com o tio Junior Pereira nas composições, e mais idéias e músicas foram surgindo.
Então participaram de vários festivais musicais, com a musica de composição próprio ‘’Brigar pra que’’elas arrancaram aplausos dos jurados e de todos os presentes, no festival da O.M.B em Goiânia.
E prosseguiram fazendo apresentações e shows, em 2009 gravaram um disco de divulgação.
Com muito carisma e humildade a dupla conseguiu agradar todos com suas músicas.
Tauane e Layane não pararam por ai receberam elogios também na internet com vídeos e musicas, com a mistura de vários ritmos prevalecendo o Sertanejo Universitário.
Com uma boa alternância de voz elas seguiram cantando, porém sempre achando tempo para compor suas músicas.
 DADOS PARA CONTATO
Telefone: (62): 91578146 ou (62): 99354462
Site: www.tauaneelayane.com.br
Email: tauaneelayane@gmail.com
Dinah Rodrigues
Nascida em URUAÇU- GO cidade interpretações.
Nascida em URUAÇU- GO cidade turística banhada pelo "Lago Serra da Mesa” a goianinha começou a cantar bem cedo e já aos três anos de idade se apresentava em Igrejas e cerimoniais, aos 10 anos em festas e eventos de escola e na adolescência em festas maiores/ Exposições Agropecuárias/ Festas de Peão como vocalista da Banda Polymusic.
Mais tarde em Minas Gerais, atuou em duplas sertanejas dentre elas Mineira & Goianinha, destacando-se no meio musical (Parte do Brasil, Argentina e Paraguai) com o sucesso da música inédita “Noites mal dormidas”(comp.José Alves) quando em dupla : “AS MORENAS DA FRONTEIRA” em participação no DVD do acordeonista, cantor e músico Tostão Mineiro, juntamente com outros artistas renomados do meio artístico.
Foi presença marcante no 1º REALITY SHOW "Desafio da Música Gospel" realizado no Brasil pela Rede TV.
Sendo sua última parceria com a ex-integrante (As Mineirinhas) Sandra & Dinah interpretando grandes clássicos do sertanejo romântico as músicas Raiz.
Foi então que Dinah Rodrigues, rumo a São Paulo por sorte, passando pelo Estado de Mato Grosso do Sul, à cidade de Três Lagoas - MS se rendeu ao chamamé ao batidão e as polcas paraguaias e assim foi descoberta pela assessora Sandra Laura e Empresários da região que a ajudaram impulsionar sua carreira com o lançamento do seu mais novo projeto Cd Single(solo) Promocional “CORAÇÃO VIROU PEÃO” em gravação independente, que chega recheado de novidades, incluindo composições inéditas e regravações de Grandes nomes da nossa Música sertaneja, contendo desde faixas de melody bem dançantes como também os famosos modão que até nos dias de hoje embalam os corações apaixonados.
Dinah Rodrigues também está sendo carinhosamente apoiada por grandes amigos compositores e suas composições especiais, DR(Direitos Autorais Reservados) e Instrumentistas, que compõem a Trilha Sonora do seu Projeto 2011, cujas mãos estão ajudando a consagrar o seu projeto solo. Ressaltando a participação da rainha do chamamé em Mato grosso do sul a respeitada Compositora e Cantora Delinha (noutros tempos, parceira em Duo com nosso saudoso Délio) e de seu filho João Paulo interpretando junto com Dinah Rodrigues uma de suas felizes composições, a música “O SOL E A LUA” (Délio & Delinha).
Agora, com seu novo trabalho em carreira solo, englobando também o sertanejo universitário em sua turnê de shows pelo Brasil Dinah Rodrigues está fazendo a alegria da galera e conquistando uma legião de fãs, com certeza está fazendo a diferença.
Sempre bem acompanhada do seu Esposo/Empresário e Músico Sérgio Pirajuba, sua equipe uniArts's, Banda, Amigos, Fãs,Empresários e Patrocinadores. Já é puro sucesso!
DINAH RODRIGUES chega ao mercado musical de cara nova, com muita energia positiva no seu novo trabalho, com o carisma de sempre esbanjando e espalhando felicidade com suas belíssimas interpretações.
Ana Elisa e Mariana
         Junho 2010  
Ana Elisa e Mariana
A Dupla
Ana Elisa e Mariana: Naturais de Paranavaí/PR, as irmãs, um tanto meninas, um tanto mulheres, felizes da vida e totalmente maluquinhas, extrovertidas e apaixonadas por música, logo cedo se envolveram no meio musical. Cresceram cantando em corais de igreja, participaram de várias bandas, concursos e tiveram suas carreiras solo.
Na universidade, uma cursava comunicação social e a outra administração de empresas. Claro, dá pra perceber que a Ana fala mais que a boca e a Mariana sempre segura às pontas. Amigas acima de tudo, unidas em qualquer situação. Companhia nunca faltou… Sempre foi muito divertido conviver ou estar perto dessas duas, que contagiam e enchem de alegria o ambiente onde estão.
O violão na mão e a voz do coração falaram mais alto. O pedido dos amigos da faculdade e o incentivo da família tornaram-se o ponto chave para a decisão: Ana Elisa e Mariana, a primeira dupla feminina do sertanejo universitário tornou-se realidade.

Foi em fevereiro de 2009 que a dupla reuniu alguns amigos para um “showzinho particular”. O repertório foi gravado e distribuído de presente para os convidados, em um CD Promocional. Não deu outra. As músicas logo foram parar na internet e o que começou de brincadeira virou coisa séria. As rádios começaram a tocar e os ouvintes a pedir sem parar. Em 1 mês, a música “Sou Ciumenta”, composição de Ana Elisa, Mariana e do produtor musical da dupla, Juliano Raffan, estava entre as mais pedidas das principais rádios do estado de São Paulo. Um pouquinho mais de tempo e Minas, Goiás, Paraná e outros estados já estavam envolvidos pelo som de Ana Elisa e Mariana.
Com o lançamento da música “Google”, de composição de Ana Elisa e Juliano Raffan, na Festa do Peão de Barretos, interior de São Paulo, o público carimbou sua aceitação e, de norte a sul do Brasil, as “meninas do Google”, como ficaram conhecidas, se tornaram sucesso garantido. Motivo de tweets e comentários em diversos blogs, a música ganhou a rede e, atualmente, tem quase 300 mil views no youtube.
Ana Elisa e Mariana, que atualmente vivem no interior de São Paulo, já não param mais em casa. Sempre em defesa da mulherada, acabam criando polêmica por onde passam. “Eu acho que toda mulher tem direito a um cartão de crédito bem rechonchudo. Se os homens querem mulher bonita, têm que investir… Academia, salão de beleza, roupas, perfumes… Tudo isso custa caro!”, argumenta Mariana. Já, Ana Elisa, espera que alguém invente um “GPS para Homens”, para ser implantado na pele. “Assim, poderiam desligar o celular à vontade, como sempre fazem, e poderíamos encontrá-los em qualquer lugar”, brinca.
Elas contam que tudo o que dizem é com base no que ouvem da mulherada. “A gente ouve as mesmas histórias em todos os lugares por onde passa. Por isso sabemos que homem é tudo igual”, explica Mariana. “Igual nada… Sempre tem um pior que o outro”, continua Ana Elisa.
Há quem diga que elas são totalmente malucas, mas não há quem negue que elas ”causam” por onde passam.
Patrícia e Adriana
Mãe: Sandra Regina
Pai: Leônidas
Irmãos: Cleyton, Fabio, Wellington e Junior.
As irmãs Patrícia Maria Paredes de Souza e Adriana Regina Paredes de Souza começaram sua carreira no ano de 1997, elas se tornaram a primeira dupla feminina do Mato Grosso do Sul
As primeiras apresentações foram realizadas em bares, festas de amigos e shows nos bairros de Campo Grande/MS. O primeiro CD foi gravado no Atualmente Choperria e no Centro de Convenções Rubens Gil de Camilo, o antigo Palácio Popular da Cultura, com 14 faixas, nos dias 19, 20 e 21 de outubro de 2001. Elas conquistaram muitos admiradores e emplacaram grandes sucessos como?
O mais fraco Coração?
Composta por Eduardo Araújo, gravada por Cristian e Ralf e a regravação de?
Tudo que eu vivo? (Lê cose Che vivi) gravada por Laura Pausini. O primeiro trabalho apresenta também composições próprias, pois a faixa 6 do CD, que recebe o nome de?
Contemplando o Pantanal?
Foi feita pela dupla.
Adriana, que além de ser vocalista ajuda a banda tocando violão, ainda escreveu a música?
Não dá mais?
E?Assim é o nosso amor?
Que fazem parte do CD.
Elas venderam mais de 20 mil cópias deste álbum no Estado.
Depois de serem reconhecidas dentro do Estado, elas passaram a fazer vários shows, divulgando cada vez mais as canções, conquistando o carinho dos fãs, que variam desde as crianças até os idosos.
Mas como todos os outros artistas, as dificuldades começaram a surgir, pois Adriana namorava um integrante da banda, que se chamava Rogério Albuquerque de Sá.
Quando tudo parecia estar bem, vem a noticia: Rogério acabou falecendo em um acidente de carro, na BR 101 entre Natal (RN) e João Pessoa (PB), no dia 23 de janeiro de 2003.
Ele estava acompanhado de seu amigo, que também tocava na banda, Luiz Gustavo, mais conhecido como Gugu.
Eles estavam viajando de férias para João Pessoa, em uma Van, com grande parte da família do?Gugu?
E no acidente apenas o motorista sobreviveu.
O mundo para ela parecia ter desabado e em razão do drama, resolveu que não dava para continuar cantando.
Dessa forma, Patrícia que também ficou muito chocada com a tragédia, seguiu carreira solo.
Depois de alguns dias, Adriana vai ao Show onde Patrícia estava se apresentando.
Ao ver a irmã cantando sozinha, Adriana sentiu vontade de voltar aos palcos, percebeu que a carreira tinha que continuar.
Ela faz uma surpresa para Patrícia: sobe no palco e começa a cantar novamente, dando seqüência ao trabalho em dupla.
Juntas, elas divulgam o primeiro CD, fazendo várias apresentações por todo o Estado.
Em 2004 acontece a gravação do segundo disco que recebe o título de?Patrícia e Adriana ao vivo volume 2. A produção tinha 14 faixas e foi lançada pela Pantanal Empreendimentos Artísticos, conhecida como a Pantanal Discos, uma produtora criada por Michel Teló, Teófilo Teló e Yvan Miyazato, A gravadora já lançou trabalhos de grandes artistas como: Grupo MDO, Tradição, Canto da Terra, Brenno Reis e Marco Viola, Marco Aurélio e Mathias, Gilson e Júnior, Thúlio e Thiago, João Bosco e Vinícius, Henrique e Heduardo, Alisson e Ryan, Marcelo Loureiro, Maciel Corrêa, Simone Figueiredo, Patrícia e Adriana, Marlucy e Silmara e Edson e Ruan.
A gravadora está localizada na Rua Moreira Cabral, 347 na Vila Feliciana Carol, em Campo Grande (MS).
Esse trabalho ajudou no desenvolvimento da dupla, que começou a ser conhecida fora do Estado. O CD apresenta canções de grande sucesso, como?Aprendi a Esperar Composta por Thúlio e Airo e?Esquecer-te é impossível? De Joie Scott e Karen Taylor, que é mais conhecida como?A relva.
   Mas a fama assustou um pouco as irmãs, que em 2005, deram uma pausa na carreira, buscando um amadurecimento maior.
Na época elas não sabiam como lidar com fama, porque aumentava o número de shows e elas já não tinham mais tempo para a família, amigos, namorado.
Como tinham de estar sempre se apresentando em outras cidades, Estados, rádios e programas de televisão, a dupla ficou muito confusa, porque estava acostumada a passar uma grande parte do tempo curtindo a família. Patrícia por exemplo, cuidava de sua filha, Talyta.
E assim, elas já quase não ficavam em casa, e podiam dizer que a casa era a própria estrada, raramente conseguiam passar alguns dias sem ter algum compromisso.
Dessa forma, optaram por parar de cantar, tentar seguir uma vida como a maioria das pessoas faz: trabalhando e cuidando de sua família.
Os fãs ficaram entristecidos com essa notícia, que durou aproximadamente um ano e três meses, até que elas perceberam que era à hora de voltar e a dupla sentiu necessidade de ir à busca de seus sonhos.
Foi quando receberam uma proposta bacana e seguiram para São Paulo para gravar um DVD acústico. Escolheram um repertório e gravaram algumas canções, mas como certas músicas não foram liberadas, porque os compositores precisam autorizar as canções para que elas pudessem gravar e alguns deles não quiseram liberar, como por exemplo, o Thúlio (Thúlio e Thiago), que impediu a autorização da canção?Aprendi a esperar? No DVD.
Ele alegou que essa canção, que foi escrita por ele e pelo Airo, que é um grande compositor do Estado, já havia sido gravada em DVD e, portanto não seria legal ter a música sendo usada em trabalho semelhante pelas meninas.
Dessa forma o DVD foi gravado, mas não foi liberado para ser vendido devido a esses problemas com algumas canções.
 Depois disso, em 2008 os fãs ficaram animados com a chegada de mais um CD, o terceiro em doze anos de carreira.
Com um repertório diferente, Patrícia e Adriana começam a divulgar o terceiro filho.
Em uma reunião com o amigo DJ Caco, surgiu a idéia de começar a cantar uma vez por semana em algum espaço, para dar mais oportunidade para as pessoas conheceram o novo trabalho e também para relembrar sucessos e reunir grandes amigos.
Assim surge o
Sarau Sertanejo Patrícia e Adriana e Convidados.
Nesse ano de 2010 elas participaram do Garagem do Faustão e ficaram entre os 4 finalistas, par mais q não ganharam isso fez um bem enorme para a carreira delas,o número de shows aumentou,ouve troca de empresário e agora trabalham junto com a dupla vencedora do Garagem ''Munhoz e Mariano'' que também é de Campo Grande.
Agora no de 2011, elas planejam lançar o quarto cd e um DVD ao vivo!!!
(Leyde e Laura)
LUCINEIDE (Leyde) e MARINILZA (Laura) nascidas no Estado de Mato Grosso,
Lucineide na cidade de Guiratinga e Marinilza na cidade de Pedra Preta,
Filhas do Sr. José e dona Sidelina, foram criadas na “roça” juntamente com seus dez irmãos trabalhando no plantio de: arroz, feijão e milho.
Seus pais eram os rezadores de terço da região, o primeiro contato da dupla com a música foi através dos cânticos religiosos,
além dos causos de fim de tarde, rodas de viola nas reuniões de famílias e da influência do irmão mais velho que sempre esteve envolvido com a música através de duplas e trios do qual fez parte.
Por isso, com 10 e 13 anos começaram a cantarolar na beira do rio em seus afazeres doméstico.
Esse irmão (Sandro Lúcio) já havia estabelecido sua carreira, com gravações de discos e programas televisivos, numa de suas visitas à família, o pai da dupla chamou a atenção do filho para assisti-las sem ser visto, uma vez “as meninas” eram muito tímidas, porém, por pouco tempo já que sonhavam com a vida artística e com a fama.
Posteriormente, mudou-se para Rondonópolis-MT e começaram a cantar na rádio local Amorim Juventude no programa do Cafezinho, todos gostaram. Em virtude disso, em meados de 1985 tornaram-se vocalista do irmão viajando por todo o Estado de Mato Grosso e Pará. Com as apresentações houve a necessidade da criação de um nome artístico para a dupla com a ajuda do irmão, em 1987, tornaram-se “Leyde e Laura”.
Em 1988 inicia-se a carreira da dupla, com apresentações nos mesmos estados onde já eram conhecidas, porém foi em 1990 que consolidaram a carreira com a realização de um Show na Exposição de Rondonópolis-MT,
Levadas pelo contratante Noel Paulino que na ocasião era o presidente do sindicato de Rondonópolis-MT, onde houve acompanhamento da Rede Manchete de Televisão com uma cobertura especial com a dupla.
Conheceram, neste ano, o empresário artístico Oswaldo Galhardi que se interessou pelo trabalho apresentado pela dupla e convidou-as para gravarem seu primeiro disco na cidade de São Paulo-SP.
Foi no ano de 1991 que lançou o primeiro disco pela Gravadora Tocantins dos queridos Liu e Léo que juntamente com o empresário, acreditaram no crescimento da dupla.
Atualmente, a dupla tem dezesseis anos de uma carreira consolidada, bem estruturada, conhecidas e respeitadas pelo público e colegas de trabalho, com dez discos gravados, apresentações em todo interior do País e além de todos os beneméritos adquiridos também guardam com carinhos os prêmios acumulados nesses anos de carreira, tais como: Ary Barroso, Troféu Tonico e Tinoco, Troféu Tião Carreiro, Troféu Sertanejo e Estrada Boiadeira.
Irmãs Barbosa
Desde cedo, o talento das filhas teve o reconhecimento de seu Osvaldo, clarinetista e sanfoneiro, que deu a orientação vocal: Edna faria a segunda voz e Dinah, a primeira.
O acerto do passo inicial consolidou a trilha do sucesso. Nascidas em São Paulo, Edna e Dinah levantaram a seguir vários prêmios em festivais de música sertaneja. Um deles, decisivo na carreira, foi o Festival Arizona, da Rádio Globo.
Em 1979, Edna e Dinah obteve um segundo lugar na semifinal.
No ano seguinte, primeiro lugar. Ai aconteceu a RCA e o primeiro disco da dupla, sem dúvida uma das mais afinadas da musica sertaneja no Brasil. Para Edna e Dinah, a música "Sanfona Xonada" (José Felipe e Paulo Gaúcho), destaque no primeiro disco, abriu as portas da gravadora Continental (Warner).
E vieram novos sucessos, como "Pra que" (José Fortuna e Paraíso), "Menina Moça (Fátima Leão) e "Grita Coração" (Antônio Carlos e Jocafi). Vieram novos discos também. O quinto pela RGE inclui uma belíssima regravação de "Querer e perder" (Ray Girado - Versão de Roberto). Além da afinação notável, Edna e Dinah se destacam também pela versatilidade. Pela gravadoras Velas, elas lançaram dois trabalhos e no segundo CD elas cantam de Tião Carreiro a Chico Buarque. Passam pelos pampas gaúchos com Berenice Azambuja e revisitam Jessé e Raul Seixas. Atualmente elas se preparam para a gravação de seu primeiro DVD.
As Mineirinhas
São: 
Cantoras, Dupla sertaneja.
Sandra - Minas Gerais
Valéria - Minas Gerais.
Compositora ******** Com um repertório romântico, fazendo uso da beleza e da sensualidade, em suas apresentações, tem entre seus sucessos, "Abra o coração", de Fátima Leão e Elias Muniz, "Não me deixe faltar amor", de César Augusto, César Rossini e Lucas Robles, "Te quero, te adoro", de César Rossini e Piska, "Não diga adeus jamais", de Tivas e Rock, "Porque fugiu de mim", de Fátima Leão e Valéria, "Só quero te dizer", de Joel Marques, "Gato me ama", de Valdir Luz e Jefferson Farias, "Não sei tirar você de mim", de Elias Muniz e Maracaí e "Por uma aventura", "Fantástica loucura" e "Abusa de mim", as três de Elias Muniz.
Em 1999, lançaram o CD "Agarra, agarra", com destaque para a música título, de Maria da Paz e J. Moreno.
A dupla As Mineirinhas, chama a atenção pela qualidade do repertório e a riqueza das harmonias vocais.
 Os trabalhos delas trazem os grandes sucessos das garotas nos anos 80 e parte dos 90.
Com um repertório romântico, beleza e sensualidade, essas garotas encantam o público com músicas de grande compositor famoso.
Uma voz poderosa que encanta todos. 
Sandra e Valéria das harmonias vocais.
Os trabalhos delas trazem os grandes sucessos das garotas nos anos 80 e parte dos 90.
Com um repertório romântico, beleza e sensualidade, essas garotas encantam o público com músicas de grandes compositores famosos.
Uma voz poderosa que encanta todos.
Carmen Silva
Carmen Sebastiana de Jesus (Veríssimo, 22 de março de 1954) é o nome da famosa cantora brasileira Carmen Silva, também conhecida carinhosamente pelos fãs como A Pérola Negra.
Carmen é natural de Veríssimo, no Triângulo Mineiro. Iniciou sua carreira ainda muito jovem. Participou de vários programas de calouros.
Venceu o concurso "Um Cantor por um Milhão, um Milhão por uma Canção", da Rede Record. Seu primeiro sucesso foi à música "Adeus Solidão", no seu primeiro disco pela gravadora Philips, um compacto duplo.
Ganharam diversos prêmios e troféus, como o Roquete Pinto e o Chico Viola.
No início de sua carreira sofreu pressão por parte da indústria fonográfica para gravar sambas, ritmo com o qual não se identificava e pelo qual não queria ser estigmatizada, posto que preferisse interpretações romântica, o que criou polêmica entre muitos críticos.
Seus principais sucessos são: "Adeus Solidão", "Fofurinha", "Sapequinha", "Espinho na Cama", "Fotografia", "Amor com Amor se Paga" e "Ser tua Namorada".
Antes do sucesso artístico, foi babá e empregada doméstica; atualmente, Carmem Silva é cantora gospel e faz parte do casting da gravadora Graça Music
Sandra & Leonarda,
É de Balneário Comburiu-SC.
Desde pequena, Sandra canta e sonha em fazer sucesso um dia.
Inspirada em seus pais e avós, já cantores, não poderia ser diferente. Leonarda, vendo sua irmã cantar teve interesse pela música e formaram a dupla S&L.
Hoje as irmãs catarinenses compartilham do mesmo sonho, batalhando para defender a mulherada da versão dos homens.
A dupla vem realizando muitos shows pelo Brasil e com a aceitação do público em geral, mostram que as mulheres também têm vez e voz dentro da música sertaneja.
Estão no 6° CD fazendo muitos shows e arrastando multidão por onde passam.
Elas são reconhecidas pelo talento, simplicidade e carinho com que tratam as pessoas.
Juntas, Sandra & Leonarda surpreendem e reúnem amigos e fãs com a bela voz e pelo sucesso que vem fazendo sem contar a simpatia em cima do palco sempre.
Sendo assim, o Fã-Clube resolveu unir os fãs de todas as cidades e idades para juntos criarmos forças e seguirmos em frente.
Todo Fã-Clube tem seu nome e o nosso não poderia ser diferente, sendo assim: Sejam Bem-Vindos ao FC Destino.
Alcançar o sucesso nacional é o maior objetivo de S&L e do nosso Fã-Clube também, por isso a cada ano nos tornarmos mais forte, unidos e sempre levando a bandeira das meninas adiante.
Fica registrado aqui a minha torcida e de todos os fãs verdadeiros de Sandra & Leonarda, que elas prosperem cada vez mais.
E pode ter certeza de que isso não está muito longe de acontecer! Se Deus quiser, logo logo, S&L serão reconhecidas nacionalmente.
Com o carinho mais sincero do mundo...
 Mirian & Mislene
A dupla Mirian & Mislene, são duas talentosas irmãs. Mirian nasceu no dia primeiro de junho de 1985 e Mislene no dia 28 de junho de 1986. Ainda pequenas foram morar na Fazenda São José, na cidade de Cajobi - SP. Desde pequenas, já mostravam o dom que tinham para a música e com o incentivo de amigos e da família foram crescendo e fazendo da música a sua profissão. 
Os elogios e incentivos eram tantos, que os pais começaram a enxergar que as pequeninas cantoras tinham realmente talento, e não deveria ser desperdiçado. Vendo que não haveria muito recurso onde moravam resolveram de mudar para a bela cidade de São José do Rio Preto-SP. 
Mirian & Mislene, com o apoio da família, foram crescendo e aperfeiçoando-se nessa profissão. Estudaram três anos no Conservatório Musical Villa Lobos da cidade de São José do Rio Preto-SP, formando-se em Teclado, Teoria Musical, e Canto-Coral.
Professoras de música, elas cantam, compõe e tocam vários instrumentos como teclados, violão, percussão, flauta-doce e sanfona. Mirian ainda aprendeu a tocar viola caipira, instrumento que domina muitíssimo bem e é a maior novidade da bela e jovem dupla: Uma mulher tocando viola!
Essas garotas, que vieram de família humilde, cresceram ouvindo moda de viola, tomando gosto pela tradição caipira e erguendo essa bandeira por onde passam.
Atualmente residentes da bela cidade de Indaiatuba-SP, e com mais de 16 anos de carreira e dois CDs gravados, Mirian & Mislene têm passagens por programas de rádio, televisão, circos, rodeios, eventos e festas de todo o Brasil.
Enfim, um show espetacular com muito charme e talento que você não pode perder!
Indaiatuba
Lílian & Natália
Uma dupla voltada para o estilo sertanejo universitário, romântico, e dançante, trabalham atualmente em um projeto que promete atingir 100% de seus objetivos, sendo esse apresentar as músicas de uma forma diversificada, contrária de tudo o que estamos acostumados a ouvir, a dupla usa a letra das músicas pela versão feminina, entretanto preservando sempre o seu estilo.
Essas jovens cantoras que se conheceram através de amigos em comum tem muita garra e determinação, garantia de um show animado e diferente.
Objetivos de Lílian & Natalia
Com a certeza do que quer seguir em suas vidas, essas meninas procuram atualmente um investidor para iniciarem um trabalho profissional de grande qualidade.
Confiantes no seu trabalho, acreditam que sua música é agradável para todo o público sertanejo.
Por fim Lílian & Natalia vem chegando pra garantir a ``inovação da Música sertaneja, de uma forma sutil e feminina, sendo elas uma das únicas duplas sertanejas femininas do Brasil, e o que é melhor, com muita qualidade, carisma, simpatia,beleza e talento. 
 Jéssica Santos & Jennifer
Jéssica Santos e Jennifer. Irmãs criadas e reveladas na região de Itapetininga, interior de São Paulo. Jéssica César Santos nascida em 24/04/92 e Jennifer César Santos em 06/12/95. 
A princípio tudo começou com Jéssica Santos, que através do incentivo do pai (João Souza Santos),aos 6 anos de idade Jéssica Santos começou à aprender à tocar teclado e cantar, mas segundo o pai, ela já cantarolava desde os 3 anos.
Com 9 anos já estava com o trabalho na praça, e aos poucos foi conquistando seu espaço pela região, chegando à prestar serviço para prefeituras, participar de eventos beneficente, promoshows em porta de lojas, enfim, todos os tipos de evento.
Quatro anos depois surgiu a dupla, pois sua irmã Jennifer, já começava à participar dos shows.Aos 12 anos Jéssica Santos e seu pai partiram pra São Paulo, em busca da realização de um sonho no qual sempre acreditaram. Logo depois também foi o restante da família. Adquirindo grande experiência, Jéssica Santos e Jennifer passaram por palcos importantes de São Paulo como o CTN (Rádio Atual), uma das casas de show com maior público, festa junina do São Paulo Futebol Clube, no Morumbi, entre outros.
Um marco nessa passagem por São Paulo foi a participação de Jéssica Santos no programa Raul Gil, o que valorizou muito seu trabalho. Na época Jennifer não pôde participar, pois não tinha idade suficiente para o quadro.
Tiveram passagens em redes de TV locais, rádios como Trianon, Globo e outras.
Após quase 5 anos em São Paulo trabalhando sozinhos, na “raça”, resolveram voltar para Itapetininga, onde tem suas raízes.
E assim, estão dando continuidade à esse trabalho e agora muito mais evoluído, pois Jéssica Santos pode ser considerada "multifuncional", pois canta, compõe, toca sanfona, viola caipira, teclado, violão e guitarra, enfim, um pouco de tudo. Jennifer canta e toca violão. 
Esse diferencial vem chamando a atenção por onde passam, pois não é comum encontrar uma dupla sertaneja feminina, tão jovem, e que já leve esse trabalho tão a sério, como filosofia de vida.
O irmão mais novo, Victor Santos, de 7 anos vai pelo mesmo caminho, pois canta e toca violão.
Isso tudo só é possível porque sempre houve um sonhador e idealizador disso tudo, o pai desses talentos (João)
Irmãs Passos
Irmãs Passos (Aline e Aracéli), natural da cidade de Joinville-SC. Uma dupla que teve seu início musical há 16 anos, quando ainda criança. Participaram de vários Festivais de música em São Francisco do Sul - SC, onde moravam na época.
Pouco tempo depois começaram a cantar com a família, o pai Nilton na guitarra e vocal, o irmão Alan, teclado e vocal, o irmão Andrei no contrabaixo, a Aline na bateria e vocal e Aracéli, no vocal. Iniciava-se a Banda Família Passos, que animaram vários eventos na cidade onde moravam. 
Aline e Aracéli foram convidadas para cantar com o conjunto que fazia os festivais da canção: Banda Bahamas, Aline na época com 13 anos de idade e a Aracéli com 11 aninhos. Alguns anos depois voltaram a morar em Joinville e foram convidadas para serem as vocalistas do Musical Os Bárbaros, onde cantaram durante um ano. Depois desse tempo, o pai e empresário Nilton, decidiu dar continuidade ao Musical Família Passos, que passou a ser chamada de Irmãos Passos, a família novamente se reuniu fazendo shows e bailes em toda região Norte de SC. No dia 1° de dezembro de 2001 realizaram a gravação do 1° CD, como Irmãs Passos, no ano de 2003, posteriormente gravaram o 2° CD resultando num investimento maior de ônibus e uma equipe formada por 13 pessoas entre músicos e técnicos de som. As Irmãs Passos fazem bailes e shows por vários Estados do Brasil com sua Banda Paixão Sul, equipe de músicos profissionais que receberam nome para a banda devido aos bailes que chegam até 5 hs.
Ano de 2007, a realização de mais um CD o 3° da carreira, com músicas selecionadas e grandes compositores como: Juvelino Lopes, Marcos Paulo, Marciano, entre outros mestres compositores da música sertaneja. 
Carla e Cheila 
as irmãs, Carla e Cheila, moramos no interior do Rio Grande do Sul, em Cerro Largo Crescemos cultivando um sonho...o de fazer carreira musical. 
Em 20 anos enfrentamos muitas dificuldades, mesmo com o grande apoio de nossa família. 
Nossa maior história foi em festivais de música (sertaneja, popular e nativista) em nosso estado. Muitas vezes dormimos em bancos de rodoviária esperando o ônibus pra voltar pra casa, nós e nossa mãe, pois não tínhamos dinheiro pro hotel. O lanche era levado de casa e o banho tomado nos banheiros dos clubes e ginásios. Temos uma coleção com mais de 500 troféus e sabemos a história de cada um deles. Cantamos também um tempo em bandas, mas a vida nesse ramo não é fácil. 
Hoje somos casadas e com filhas. Investimos cada uma em carreiras diferentes... Eu, Carla, sou professora de Artes e Publicitária e Cheila é Fotógrafa. Mesmo assim, a música sempre esteve presente em nossas vidas. Nesses últimos anos o sonho começou a ficar mais real e com o apoio de nossos maridos que são também nossos produtores culturais e musicais, conquistamos nessa semana, o nosso primeiro CD Promocional, com quatro músicas.
Se tudo der certo, no final desse ano sai um CD completo, com doze. 
Sempre fomos apaixonadas por música sertaneja, e admiradoras de duplas como Chrystian e Ralf, Zezé di Camargo e Luciano, Chitãozinho e Xororó... As Marcianas eram referência por ser dupla feminina... Roupa Nova também sempre esteve em nosso repertório, pois o trabalho vocal deles é incomparável. Hoje, muitas duplas nos inspiram...
Nossa música de trabalho é “Meu amor, meu bem querer” (inédita). 
Esperamos que gostassem. 
Música de trabalho, “Meu amor, meu bem querer” (inédita)

 Contato:(055)3359-2558 / (055)9131-5347
Agradecemos do fundo do coração a atenção e o apoio... 
Um abraço, com carinho,
Carla e Cheila. 
Contato para Shows: (055)3359-2558 / (055)9131-5347
  rhpropaganda@gpsnet.com.br  
Tauane e Layane
                Tauane e Layane são naturais da cidade de Posse Goiás. Layane nascida em 30/05/1993 Tauane nascida em 20/07/1994, e se mudaram para Goiânia no ano de 2003. Começaram a se interessar por música desde crianças, foi onde então surgiu a idéia de escrever músicas ainda que sem instrumentos.
Em 2006 Layane aos 13 anos começa a tocar violão e se interessar cada vez mais, e com a evolução da irmã Tauane por sua vez, também resolve aprender. E formarão uma dupla elas se juntaram com o tio Junior Pereira nas composições, e mais idéias e músicas foram surgindo.
Então participaram de vários festivais musicais, com a musica de composição próprio ‘’Brigar pra que’’elas arrancaram aplausos dos jurados e de todos os presentes, no festival da O.M.B realizado no dia 20/09/2009 em Goiânia. E prosseguiram fazendo apresentações e shows, Portal shopping 01/01/2008, Show em Inhumas 19/12/2009, Confraternização da paz no Jardim Guanabara 26/03/2010,Programa fique por dentro 17/03/2010,entrevista na rádio Terra FM 15/01/2010,Entrevista da rádio Cultura FM de Posse Go 18/02/2010, Show na Novena da paróquia Jesus bom pastor 21/04/2010 e
em 2009 gravaram um disco de divulgação. Com muito carisma e humildade a dupla conseguiu agradar todos com suas músicas.
Tauane e Layane não pararam por ai receberam elogios também na internet com vídeos e musicas, com a mistura de vários ritmos prevalecendo o Sertanejo Universitário.
Com uma boa alternância de voz elas seguiram cantando, porém sempre achando tempo para compor suas músicas.
As Caipiras
                        Música no sangue
A vocação para a música começou cedo para as irmãs Fernanda e Jaqueline... Por incentivo do pai, cantor e compositor que gravou 3 LPs no inicio da década de 1980, estabeleceram desde a infância laços com a música sertaneja. Os pais Randal e Romilda, foram os responsáveis pela formação da dupla, e juntos sonharam com uma carreira de sucesso para as filhas. Iniciaria então a busca pela inserção no cenário artístico sertanejo, uma dupla do interior de Minas Gerais. Residindo na comunidade rural da Tenda dos Morenos, e vivendo da plantação de tomate – dura realidade de quem vive na roça - as chances de realizar o sonho de gravar um CD eram poucas. Mesmo com a aceitação da dupla feminina nas apresentações em festas populares da região, gravar um CD parecia coisa impossível, na época.
Um objetivo...
O sonho estava em primeiro plano na vida da família, porém as necessidades básicas deveriam ser primeiramente supridas. Mas o talento e o prazer de cantar falavam mais alto. Foram muitas as apresentações da dupla em sua região, sobretudo nas festas típicas e rurais como as festas juninas, folias de reis, rodeios, entre outras. Tais eventos proporcionaram à dupla novas experiências e acima de tudo confiança no que sabiam fazer muito bem. Na cidade se apresentaram em bares e casas de shows com os pais. Participaram também de um festival em 2005 de uma rádio em Uberlândia obtendo a segunda colocação. E assim, foram construindo uma carreira artística que desembocou na realização do sonho: O primeiro CD produzido por Tiago Carvalho em São Paulo em 2008, com a ajuda do atual empresário da dupla, Dione Lopes. Buscando agradar todos os gostos, gêneros e idades, o interior das gerais lança no mundo artístico da música sertaneja a mais nova dupla feminina: As Caipiras.
Alzira e Tetê Espíndola: 
Filhas de Alba e Francisco Espíndola, os 8 irmãos Gílson, Jerry, Sérgio, Alzira, Humberto, Tetê, Geraldo e Celito, juntamente com Iara Rennó (Iara Espíndola Rennó - filha de Alzira Espíndola e Carlos Rennó) e Dani Black (Daniel Espíndola Black - filho de Tetê Espíndola e Arnaldo Black), formam uma Família de Músicos cuja criação musical confere à Nossa Terra uma Identidade Cultural própria, influenciada pela Música Regional de Raiz, além de Serestas e Boleros, tudo isso conectado a uma Memória Auditiva que vem desde os tempos da infância vivida no bairro Amambaí na cidade de Campo Grande-MS.
Da imensa Riqueza Musical cultivada pela Família Espíndola, será dado destaque nesse resumo biográfico às irmãs Alzira e Tetê Espíndola que, além de suas respectivas carreiras – solo na Fina Flor da MPB vem dando uma contribuição bastante significativa à Música Caipira Raiz, cantando em dupla principalmente o tradicional Repertório Musical que faz parte do Estado do Mato Grosso do Sul e do Pantanal Mato - grossense.
Alzira Maria Miranda Espíndola nasceu em Campo Grande-MS no ano de 1957.
Notável Cantora, Alzira Espíndola também toca Viola, Violão, Percussão e Craviola (Instrumento de cordas criado pelo Violonista Paulinho Nogueira, com som misto de Cravo e Viola), sendo também Compositora, tendo como parceiros Músicos do quilate de Itamar Assumpção, Alice Ruiz, Tetê Espíndola, Jerry Espíndola, Carlos Rennó e Arrigo Barnabé.
Diversos caminhos influenciaram o gosto de Alzira pela Música, como por exemplo, os Teatros que sua mãe Alba criava para entreter os filhos, os discos do Roberto Carlos, da Tropicália e dos Beatles, que ela escutava desde a infância, além dos irmãos Sérgio e Geraldo tocando Violão no ambiente familiar.
Em 1973, Alzira já compunha e em 1977 passou a integrar junto com seus irmãos o Grupo "Luzazul", grupo esse que acabou se transferindo para a Capital Paulista, tendo mudado o nome para "Tetê E O Lírio Selvagem". O grupo gravou um LP pela Phillips em 1978 ("Tetê E O Lírio Selvagem" produzido por Luiz Carlos Maluly) e se desfez logo em seguida.
No mesmo ano de 1979, Alzira e o Músico amigo Almir Sater criaram o show "Vozes E Violas" e realizaram diversas apresentações pelas Regiões Sudeste e Centro-Oeste, tendo sido bastante aclamado pela Crítica Paulista.
Alzira também participou do LP de Tetê Espíndola "Piraretã"- gravado em 1980 pela Philips), juntamente com seu irmão Geraldo Espíndola, nas faixas "Refazenda" (Gilberto Gil) e "Aratarda" (Tetê Espíndola - Alzira Espíndola).
Em 1983, Alzira gravou o Compacto Duplo "Terra Boa" (Independente - BNCD-001) com as Músicas "Terra Boa" (Almir Sater - Paulo Simões), "Nossa Senhora Do Pantanal" (Alzira Espíndola - Orlando Antunes Batista), "Pai Da Natureza" (Alzira Espíndola) e "Luzmarina" (Alzira Espíndola).
Em 1985 Alzira passou a residir em definitivo na Paulicéia Desvairada e, nesse ano, participou da faixa "Benzinho" (Almir Sater) do excelente LP de Almir Sater "Instrumental" (Gravado em 1985 pela gravadora, Som Da Gente -
E foi no ano de 1987 que Alzira gravou seu primeiro LP solo, "Alzira Espíndola", lançado pela gravadora 3M (3M3. 0026), produzido por Almir Sater, com composições de renomados autores do quilate de Arrigo Barnabé, Paulo Simões, Guilherme Rondon, Kapenga Ventura, Renato Teixeira e Almir Sater, além da própria Alzira Espíndola.
Em 1990 Alzira Espíndola realizou uma tournée pela Alemanha, Áustria e Suíça, juntamente com Itamar Assumpção e a Banda "Isca de Polícia". No ano seguinte, Alzira gravou o LP "Amme" (em 1991 pela gravadora Baratos Afins -   com participações de Tetê Espíndola, Jerry Espíndola e Itamar Assumpção, que foi o produtor do disco. Nesse LP, Alzira mostrou uma estética musical um tanto inversa do LP de 1987, com um "alinhamento mais abusado" nos temas musicais.
Com esse disco, Alzira foi indicada ao Prêmio Sharp 1992 na categoria de Melhor Cantora Pop.
Cinco anos depois, Alzira gravou o CD "Peçamme" (gravado em 1996 também pela Baratos Afins -   com participações de "Luli e Lucina", Tetê Espíndola e Jerry Espíndola, também com composições de Itamar Assumpção, Jerry Espíndola, Humberto Espíndola, Luli, Lucina, Alice Ruiz, Paulo Salles e Alzira Espíndola.
E foi em 1998 que Alzira lançou juntamente com Tetê Espíndola o excelente CD "Anahí" pela gravadora Dabliú Discos, o qual será comentado logo abaixo com mais detalhes.
Alzira continua seguindo sua carreira solo na Fina Flor da MPB, tendo gravado inclusive no ano 2000 o CD "Ninguém Pode Calar" (Dabliú Discos -  com 9 composições da inesquecível Maysa que é a grande homenageada desse disco, no qual Alzira, com sua voz delicada, substitui a "gravidade fosseta" de Maysa por um certo "sabor mais agridoce e leve".
Os Arranjos Orquestrais, tão característicos das memoráveis gravações de Maysa, deram lugar à simplicidade sonora dos Violões tocados por Luís Waack e pela própria Alzira, além das participações de Paulo Lepetit e Mintcho Garramone (Baixo), Simone Soul e Ricardo Garcia (Percussão) e Mário Manga (Violoncelo).
Além de belíssimas composições do Song-Book de Maysa, tais como "Meu Mundo Caiu" (Maysa), "Felicidade Infeliz" (Maysa), "Ouça" (Maysa) e "Voltei" (Maysa - Henrique Simonetti), Alzira completa o repertório do CD com três belíssimas Músicas consagradas que conferem uma "afinidade temática" com o repertório do disco e que também foram gravadas por Maysa: "Bom Dia Tristeza" (Adoniran Barbosa - Vinícius de Moraes), "Quem Quiser Encontrar O Amor" (Carlos Lyra - Geraldo Vandré) e, como vinheta, "Chão De Estrelas" (Silvio Caldas - Orestes Barbosa).
Teresinha Maria Miranda Espíndola nasceu em Campo Grande-MS no dia 11/03/1954. Notável Cantora, Compositora e Instrumentista, Tetê Espíndola iniciou sua Carreira Musical integrando o já mencionado Grupo "Luzazul",
Tocando Craviola (Instrumento de cordas criado pelo Violonista Paulinho Nogueira, com som misto de Cravo e Viola, conforme já mencionado).
Com raríssima voz sopraníssimo, considerada como "A Voz que tem "Pássaros na Garganta", Tetê soube como poucos capturar em suas composições e interpretações a densidade e a "atmosfera espiritual" e cantar o intuitivo das paisagens da belíssima Região Centro-Oeste do Brasil, região essa cercada de grandes planícies de horizontes infindos e natureza exuberante, onde se localiza o maravilhoso Pantanal Matogrossense.
Tetê cresceu ouvindo Guarânias, Polcas e Serestas em família. Não tinham Rádio em casa, porém, o canto popular de seu país chegou aos seus ouvidos principalmente através da mãe Alba, que cantava os sucessos das grandes interpretes de sua época, despertando o interesse da filha pelo canto.
Tetê também sentiu o encanto proporcionado pelo Piano tocado a Seis Mãos pelos tios trigêmeos.
Passava hora a fio acocorada ao lado do Instrumento Musical que era tocado.
Não tendo tido nenhum estudo formal de Música, Tetê fez do contato com a Natureza a sua "Escola Musical" onde ela "aprendeu a cantar com os passarinhos", cri-cris dos grilos, trinados, coaxar de sapos e os sons das cachoeiras que completavam o clima de realismo fantástico que envolveu a sua Formação Musical.
O irmão mais velho, Humberto Espíndola, Artista Plástico, havia comprado um Violão para os irmãos e, em pouco tempo, Geraldo e Sérgio já tocavam o Instrumento, com Tetê como intérprete e, em pouco tempo, já participavam dos festivais organizados em Campo Grande-MS.
Geraldo, Sérgio e Tetê formaram então o Grupo Acústico "Luzazul", do qual também passaram a fazer parte os irmãos Celito (Baixo Acústico) e Alzira (Violão de 12 Cordas), além de Jerry, que trouxe o "lado pop" para o universo musical dos Espíndolas.
Tetê também passou a gostar da Craviola, Instrumento Musical que Geraldo já tocava há algum tempo.
Geraldo Espíndola era também o Compositor da maior parte das Músicas interpretadas pelo grupo, e que eram inspiradas nos sons e nas paisagens do Centro-Oeste Brasileiro.
Além da beleza natural da região, a proximidade com as fronteiras do Brasil com o Paraguai e Bolívia, influenciaram o grupo na recriação das Polcas e Guarânias, transformando esses ritmos em algo como "Blues Exóticos", que passaram a ser a "marca registrada" da família.
Tetê Espíndola gravou, juntamente com o grupo, em 1978, o já mencionado LP "Tetê E O Lírio Selvagem" (Philips - Nº. 6349 364). Em 1980, gravou o LP "Piraretã" (Phillips - Nº 6349 429), com as participações de Geraldo e Alzira Espíndola.
Em 1981, Tetê participou do Festival MPB-Shell defendendo a valsa "Londrina" (Arrigo Barnabé), composição que foi agraciada com o prêmio de Melhor Arranjo, para o Maestro Cláudio Leal Ferreira.
Em 1982, gravou o LP "Pássaros Na Garganta" (pela gravadora Som Da Gente - SDG 012/82), com composições de Carlos Rennó, Geraldo Espíndola, Arrigo Barnabé, Celito Espíndola e Tetê Espíndola, com destaque para uma interpretação sui - generis da belíssima "Sertaneja" (René Bittencourt). Esse disco foi considerado pela crítica como o melhor de Tetê.
Em 1985 Tetê Espíndola conquistou o Primeiro Lugar no "Festival Dos Festivais", promovido pela Rede Globo, com a canção “Escrita Nas Estrelas” (Arnaldo Black - Carlos Rennó), que bateu recordes de execução e vendagem, conferindo-lhe também um Disco de Ouro.
Tetê Espíndola gravou também os LP's "Gaiola" (em 1986 pela Barclay/Ariola - Nº 829 053-1) e "Ouvir" (em 1991 - LuzAzul - 804.221) e os CD's "Só Tetê" (em 1994 pela Camerati - TCD 1010-2) e "Canção Do Amor" (em 1995 pela JHO Music - JHO-OT-5014).
Nesse período, Tetê participou como Representante Brasileira do "Festival The Concert Voice", em Roma, no ano de 1988. No ano seguinte, apresentou-se em Paris no "New Morning" e no "Festival de Jazz" na Bélgica.
Com uma bolsa da Fundação Vitae, Tetê Espíndola desenvolvou em conjunto com Marta Catunda e Humberto Espíndola um projeto muito interessante sobre a Instrumentalidade da Voz Humana e a Musicalidade dos Pássaros da Amazônia e do Pantanal, catalogado em tons.
O resultando dessas pesquisas podem ser ouvidas no já citado CD "Ouvir", editado também com o nome "Ouvir/Birds", que foi distribuído em diversos países da Europa.
E em 1998 Alzira e Tetê Espíndola juntaram suas vozes e gravou o excelente CD "Anahí" pela gravadora Dabliú Discos (DB0057). Gravado ao vivo no Itaú Cultural - São Paulo-SP, nos dias 17 e 18/01/1998, o CD registrou o encontro de duas vozes bem diferentes, harmonizando, porém duas sensibilidades que "beberam na mesma fonte"!
O resultado foi um trabalho primoroso, na interpretação de belíssimas Páginas Musicais que fazem parte do Repertório Pantaneiro, com destaque para "Pé De Cedro" (Zacarias Mourão - Goiá), "Chalana" (Arlindo Pinto - Mário Zan) e "Ciriema" (Nhô Pai - Mário Zan), além das paraguaias "Meu Primeiro Amor (Lejania)" (Hermínio Gimenez - versão: José Fortuna - Pinheirinho Jr.), "Merceditas" (Ramon Sixto Rios), "Índia" (Manuel Ortiz Guerrero - José Asunción Flores - versão: José Fortuna), "Galopera" (Maurício Cardozo Ocampo) e a faixa-título "Anahí (Leyenda De La Flor Del Ceibo)" (O. J. Sosa Cordero - versão: José Fortuna). Merece destaque também a interpretação sui-generis de "Serra Da Boa Esperança" (Lamartine Babo) e "Mágoas De Caboclo" (Leonel Azevedo - J. Cascata).
Alzira e Tetê Espíndola prosseguem em suas belíssimas Carreiras Artísticas, tanto em Carreira - Solo, como em Dupla, interpretando tanto a Música Regional do Mato Grosso do Sul como também a Fina Flor da MPB.
Tetê Espíndola também atuou como Atriz nos filmes "Mônica e a Sereia do Rio" de Maurício de Souza, dirigido por Walter Hugo Khoury e no curta-metragem "Caramujo-Flor", de Joel Pizzini.
Merece destaque também a participação de Tetê no CD "O Mestre Leo Peracchi e a Jazz Sinfônica - Canções De Tom E Vinícius" (gravado em 2001 pela Dabliú Discos - DB0106), com arranjos originais escritos pelo Maestro Léo Peracchi para as Músicas de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, gravado ao vivo no Teatro do SESC Pompéia de São Paulo-SP, juntamente com a Orquestra Jazz Sinfônica sob a regência do Maestro João Maurício Galindo. O CD também conta com a participação das Cantoras Céline Imbert, Mônica Salmaso, Ná Ozzetti, Vânia Bastos, Jane Duboc e Myriam Peracchi. 
Célia e Celma: 
As irmãs gêmeas Célia Mazzei e Celma Mazzei nasceram em Ubá - MG, que também é a cidade natal do grande Ary Barroso, compositor de “Aquarela do Brasil” e “No Rancho Fundo” (em parceria com Lamartine Babo), e que foi homenageado por Célia e Celma num de seus melhores CDs.
Célia e Celma são filhas do renomado fotógrafo profissional da Zona da Mata Mineira Celidonio Mazzei, que também tocava Bombardino numa Banda da Cidade de Ubá - MG.
E, sendo italiano, Celidonio também ensinou as filhas a cantar nesse idioma.
Desde crianças, acompanhavam as Manifestações Folclóricas de Ubá e região: no dia 13 de Maio, por exemplo, pulavam atrás do grupo de Congados; cantavam e dançavam a Quadrilha nas Festas Juninas; e também dançavam o Calango (dança típica do Norte Mineiro – bastante divulgada por Téo Azevedo).
Tinham apenas 5 anos de idade quando pela primeira vez cantaram em público, o que se deu num concurso infantil que foi promovido por um circo que fazia uma “tournée pela cidade. Ganharam o primeiro lugar, cantando em dueto e em italiano a música "Babbo Non Vuole".
A irmã mais velha, Adélia, trabalhava como locutora e também como atriz na Rádio
Educadora de Ubá e, no programa "A Hora do Guri" as irmãs gêmeas cantavam ao vivo os “jingles” de propaganda do "Abacatinho", que era um refrigerante fabricado e comercializado na região.
Apresentavam-se também no coro da Igreja Nossa Senhora do Rosário, nas Encenações Litúrgicas. Também cantavam no coral do Colégio Sacrè-Coeur de Marie, onde estudaram e se formaram Professoras Primárias, aos 17 anos de idade.
Não demorou em trocarem o Magistério pela Carreira Artística.
Durante o Curso Ginasial criaram o “Conjunto Garotas", um grupo instrumental que se tornou sucesso na região. Celma tocava Baixo Acústico e Percussão; Célia tocava Bateria e teve também aulas em Juiz de Fora com Miltinho, que atualmente faz parte do famoso Sexteto do Jô Soares.
Enquanto estudavam em Ubá, Célia e Celma apresentavam-se esporadicamente nas TVs do Rio de Janeiro, no final da década de 60 com um repertório que incluía músicas de Ary Barroso, Pixinguinha, Luiz Gonzaga, Joubert de Carvalho, Catulo da Paixão Cearense, Tom Jobim, Vinícius de Morais e Chico Buarque, além de Canções Italianas.
A partir do final da década de 60, tiveram importantes contatos artísticos com o pianista Luiz Carlos Vinhas na extinta TV Tupi; com Miéle e Ronaldo Bôscoli na boate Blow Up na Capital Paulista; novamente na Cidade Maravilhosa, com Carlos Imperial (formando o grupo vocal "A Turma da Pesada", do qual também faziam parte Ângelo Antônio e Gastão Lamounier).
Dentre as diversas experiências artísticas que tiveram, no ano de 1975, Célia e Celma fizeram também uma temporada na casa de shows "Saci Pererê", em Tóquio, onde passaram seis meses.
Na década de 80, dividiram o palco com Cauby Peixoto (no espetáculo "Dance com Cauby") e também com Emílio Santiago (dentro do Projeto Pixinguinha).
O primeiro LP foi gravado em 1987 pela gravadora 3M. A escolha do repertório foi “um tanto difícil”, pois afinal cantavam a Boa Música Brasileira em diversos estilos, além da Música Internacional.
Fizeram opção por uma volta às nossas Raízes Interioranas e gravaram Toadas, Guarânias, Valseados e Rasqueados.
A partir de então, passaram a residir na Paulicéia Desvairada e passaram a se dedicar exclusivamente ao estudo e à difusão da Música Regional e do nosso riquíssimo Folclore.
O segundo LP foi uma produção independente.
Não encontrei até o momento nada sobre remasterização em CD do primeiro e segundo LPs de Célia e Celma.
Em 1988, foram até Brasília e apresentaram ao Ministro da Cultura (professor Celso Furtado, tendo José Sarney como Presidente da República, na época) um projeto de criação do "Museu de Imagens e do Som do Sertão".
A idéia das irmãs era antiga, pois elas sempre observavam nas suas andanças, que a Música Caipira vinha se transformando e se perdendo cada vez mais da Memória Brasileira, como também as nossas Manifestações Folclóricas que estavam se extinguindo de modo vertiginoso.
O projeto teve total apoio do Ministro, no entanto, como não poderia deixar de ser, devido às “mudanças políticas” e a “outras dificuldades em viabilizá-lo”, ficou “arquivado”.
Também atuaram na TV como atrizes em alguns quadros do programa "Os Trapalhões" na Globo; e em 1990 participaram da novela "Ana Raio e Zé Trovão", na extinta TV Manchete onde interpretaram a dupla "Luminosa e Luminada". Almir Sater também participou da mesma novela.
Em 1994, lançaram o livro "A Cozinha Caipira de Célia e Celma" pela Editora Nova Fronteira: com 160 receitas tradicionais recolhidas de famílias da Zona da Mata Mineira, o livro foi bastante elogiado pela simplicidade e pelo sabor das 160 receitas que nos são apresentadas.
Em 1995, receberam em Belo Horizonte - MG o título "Embaixador do Centenário", pelo trabalho de resgate dos variados segmentos da Cultura Mineira.
Em 1996, no Espaço Cultural Armazém Bar, em São Paulo, gravaram ao vivo o CD "Caipirarte" (feito graças à “Lei de Incentivo à Cultura”).
Esse trabalho antológico contou com a participação de Mestres da Música Caipira Raiz, tais como João Pacífico, Adauto Santos, Lourival dos Santos e Moacyr dos Santos. O CD inicialmente havia sido denominado "Na Cozinha Caipira de Célia & Celma" e é comercializado pela gravadora do CPC - Umes.
Em Dezembro de 1997, Célia e Celma receberam a “Comenda Ary Barroso”, da Câmara dos Vereadores de Ubá - MG.
E no mesmo ano gravaram o CD "Ary Mineiro" a partir de uma pesquisa sobre a Música do ilustre conterrâneo de Ubá - MG, com músicas de cunho interiorano, algumas inéditas, tendo inclusive o “Linguajar Caipira”. O CD é comercializado pela Revivendo.
Desde Abril de 1998, as irmãs gêmeas apresentam o "Programa Célia & Celma", no Canal Rural (Canal 35 da SKY/NET), onde são mostrados nossos artistas populares, que fazem a cultura do interior do Brasil.
As gêmeas são responsáveis pela produção e a direção musical do programa, que vai ao ar as Segundas às 13h00 e às 21h30; às Terças às 13h30; às Sextas às 13h00 e às 21h30; e aos Sábados às 13h30. O programa também pode ser captado pelas Antenas Parabólicas.
Só é uma pena um programa excelente como esse não ser apresentado também na chamada “TV aberta”, mas apenas nas TVs por assinatura e parabólicas...
"Brasil Na mesma Toada" é o mais recente trabalho discográfico de Célia e Celma, com um repertório de toadas brasileiras, daquelas que não se ouve mais no rádio. “Um Agradinho é Bom” (Folclore – Adaptação de Almirante), "Coisas da Roça" (João de Barro, o Braguinha), "Maringá", (Joubert de Carvalho), "Menino do Braçanã" (Luiz Vieira - Arnaldo Passos), e “Alpendre da Saudade” (Edmundo Souto - João Pacífico) estão entre as faixas deste CD gravado pela gravadora do CPC - Umes.
O novo projeto que está em andamento e em busca de patrocínio é o CD "Cantando Receitas com Célia & Celma".
Uma idéia original e muito interessante, pois "as receitas estão musicadas", têm rima, e contém todos os ingredientes.
Com certeza, teremos um CD excelente e, muito "gostoso de se ouvir"...
 Duo Ciriema:  
  
   Aparecida Martins Batista e Irene Lopes, ambas nascidas em Franca-SP em 1940 e 1941, respectivamente, iniciaram sua carreira artística no início da década de 60.
O primeiro disco foi gravado em 1961, um 78 RPM com dois grandes sucessos musicais: “Não Beba Mais Não” (Jeca Mineiro – Orlandinho) e “Mais Uma Lição” (Nonô Basílio).
Acompanhada por Orlandinho, no Acordeom, o Duo Ciriema participou de diversos programas de rádio na Capital Paulista em diversas emissoras, entre as quais, a Nacional (hoje Globo) e a Bandeirantes.
Ainda em 1961, viajaram a Região Nordeste do Brasil e mostraram a Música Sertaneja, onde, até então, predominavam o Frevo e o Forró. Nessa excursão, a dupla percorreu os Estados da Bahia, Sergipe, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará.
Após o lançamento de dois LPs e após o retorno de uma temporada em Assuncion no Paraguai, em 1964, o Duo Ciriema deixou a carreira artística, retomando-a, porém em 1972, a convite da gravadora Continental.
No final da década de 1970, no entanto, o Duo Ciriema abandonou em definitivo a carreira artística.
Ficaram as gravações (para nossa felicidade, remasterizadas em CD) que continuam fazendo sucesso até hoje tais como "Não Beba Mais Não" (Jeca Mineiro – Orlandinho), "Mais Uma Lição" (Nonô Basílio), "Colcha de Retalhos" (Raul Torres), “O Vai e Vem do Carreiro" (Carlos Cezar - José Fortuna), “Tardes Morenas de Mato Grosso” (Goiá - Valderi), "Os Homens Não Devem Chorar (Nova Flor)" (Palmeira - Mário Zan) e “Ciriema” (Mario Zan - Nhô Pai).
Aparecida Martins Batista passou para o Oriente Eterno no dia 17/07/2011, na Capital Paulista, onde estava internada desde o dia 02/07/2011, com diagnóstico de câncer, já avançado, com metástase por todo o corpo... 


As Caipiras


Música no sangue
A vocação para a música começou cedo para as irmãs Fernanda e Jaqueline...

Por incentivo do pai, cantor e compositor que gravou 3 LPs no inicio da década de1980, estabeleceram desde a infância laços com a música sertaneja.
Os pais Randal e Romilda, foram os responsáveis pela formação da dupla, e juntos sonharam com uma carreira de sucesso para as filhas. Iniciaria então a busca pela inserção no cenário artístico sertanejo, uma dupla do interior de Minas gerais.
Residindo na comunidade rural da Tenda dos Morenos, e vivendo da plantação de tomate – dura realidade de quem vive na roça - as chances de realizar o sonho de gravar um CD eram poucas. Mesmo com a aceitação da dupla feminina nas apresentações em festas populares da região, gravar um CD parecia coisa impossível, na época.
Um objetivo...
O sonho estava em primeiro plano na vida da família, porém as necessidades básicas deveriam ser primeiramente supridas. Mas o talento e o prazer de cantar falavam mais alto.
Foram muitas as apresentações da dupla em sua região, sobretudo nas festas típicas e rurais como as festas juninas, folias de reis, rodeios, entre outras. Tais eventos proporcionaram à dupla novas experiências e acima de tudo confiança no que sabiam fazer muito bem. Na cidade se apresentaram em bares e casas de shows com os pais. Participaram também de um festival em 2005 de uma rádio em Uberlândia obtendo a segunda colocação.
E assim, foram construindo uma carreira artística que desembocou na realização do sonho: O primeiro CD produzido por Tiago Carvalho em São Paulo em 2008, com ajuda do atual empresário da dupla, Dione Lopes. Buscando agradar todos os gostos, gêneros e idades, o interior das gerais lança no mundo artístico da música sertaneja a mais nova dupla feminina: As Caipiras.

Thauana Prestes

            Thauana Prestes é curitibana, iniciou sua carreira aos nove anos de idade, cantando na escola, participando de corais e alguns festivais. Quando adolescente emprestou sua voz para várias campanhas publicitárias, jingles e outros trabalhos paralelos, como banda baile e outros.
A cantora marca a quinta geração de músicos sertanejos da família Prestes. Seu tataravô Feliciano Antônio Prestes, tocava cavaquinho e viola caipira nos bailes, o bisavô Joaquim Pedro Prestes era acordeonista, o avô Alcênio Pedro Prestes foi cantor e violonista e seu pai Divon, foi sucesso nos anos oitenta com a dupla Divon e Alan.
Orgulhosa de suas origens, Thauana aos dezoito anos decidiu tentar carreira solo. Apesar da versatilidade de estilos, o sertanejo sempre foi sua paixão desde criança, quando ouvia modas de viola e músicas antigas com seu pai. Hoje, aos vinte e dois anos, a cantora é formada em Ciências Contábeis, mas optou integralmente pela música, que segundo ela, jamais poderia viver sem.
A cantora também agradece alguns amigos especiais que estiveram com ela nesse trajeto apoiando sempre. Aos primeiros a acreditarem em seu trabalho, Maurício Ferigato e André de Paula do Grupo S.U (TV SERTANEJO, BLOG S.U e RÁDIO COUNTRY) e também ao Thiago Mello e Glauber Duarte. Ao Ale Leprevo, Fernando Vieira, Carlão Picheth, Paula Walter, Nicolas Leprevost e todos da CWB BRASIL, que vem acreditando e incentivando sua carreira. A todos do grupo Wood´s em especial aos queridos Bruno e Fabricio Maggi. A TNA Produções e Jornal Rota Sul, ao Produtor Musical André Rangel do Estúdio Tom Maior pela impecável produção, seus músicos Will Marques, Robson Zan, Ximbal e Marquinhos Tavares e á SALVACOM OUTLET por vesti-la e pela imensa parceria.
Para você leitor
Hoje é dia de um show muito importante, assim como todos os shows e todos os lugares que eu passo cantando também são. Mas hoje, é um dia especial. Especial porque é em uma cidade muito querida para mim, e porque vejo que depois de alguns dos meus poucos anos de vida lutando por esse ideal chamado músico, as coisas têm entrado em seu devido lugar.
Ás vezes nos está em um lugar quando na verdade devemos estar em outros. A vida vai dando voltas e as pessoas vão mudando ao seu redor, mas o mais bonito disso é que o sonho não muda nunca, e continua nos movendo.
Hoje subirei mais uma vez em um palco para mostrar que isso é a minha vida. Prazer sou essa pessoa. Sou cantora. Sou Thauana. Você pode nunca ter ouvido falar de mim ou procurar pela minha vida freneticamente. E logo quem sabe minhas músicas possam te acompanhar por onde você for, na casa, no carro, no trabalho. Talvez você me ouça e depois me veja em um palco e diga: nossa, é ela.
Alegria é meu nome, e felicidade meu sobrenome, assim como está tatuado em mim.
E tudo isso porque alguém aí que está me lendo agora confia, assim como eu, que eu sou capaz.
Cheguei até aqui e o céu é o limite sempre.
E esqueci de dizer, sou vencedora. Porque há um Deus lá em cima que é fiel e que tem me prometido incessantemente que aquilo que eu pedi está próximo!
Obrigada meus amigos, quero um dia chamá-los meus fãs!
Mas posso dizer que me torno cada dia mais, fã de vocês todos, porque de vocês vem grande parte da força para seguir em frente. E tudo que tem acontecido é só o começo!
Vamos cantar que o show não para!
Porque vocês existem!
Cantar sempre foi um sonho, e ele vem se realizando há uns bons anos apesar da minha pouca idade.
Tudo vem acontecendo conforme os planos de Deus para minha vida.
Hoje estou aqui pra dividir com vocês mais uma novidade, mais uma etapa vencida.
Meu site está pronto.
Há etapas que temos que passar quando caminhamos por nós mesmos, e este site é parte dessa concretização, porque ele ficou simplesmente perfeito. Mais do que eu havia imaginado!
Então eu queria agradecer ao pessoal da Agência MyDream, Julinha, James e todos que estiveram envolvidos nessa tarefa, que agüentaram com paciência as mudanças que pedi, e me ajudaram com mais carinho ainda a deixá-lo perfeito.
E quero agradecer sempre a vocês, que me acompanham.
É difícil cair a ficha de que tenho fãs, apesar de cantar há tanto tempo isso é novo pra mim. É estranho dizer e ouvir, mas a sensação ao ouvir os elogios e tanto carinho que tenho recebido só me faz ver que tudo vale a pena, que sonhar é a base da vida e que Deus só tem colocado pessoas maravilhosas em meu caminho!
Obrigada a você que me lê, me segue me acompanha!
Visitem... Quantas vezes quiserem, ouçam as músicas, baixem os Wallpappers... Acompanhem tudo!
http://www.thauanaprestes.com.br/
Fonte http://www.cantorathauanaprestes.blogspot.com.br/

Camilla Castro
Camilla Castro, 21 anos, cantora e compositora.
Nascida e criada em Itumbiara/GO, berço de outros grandes nomes da música sertaneja. Quando criança Camilla já demonstrava interesse pela música, ouvindo os programas de rádio com seus avós. Com apenas 10 anos de idade participava de eventos municipais e apresentações artísticas de grande público, surpreendendo a todos com o seu talento e carisma precoces. Fez parte de várias bandas, mas foi em 2009 que Camilla Castro deu início a sua carreira musical, formando uma dupla sertaneja feminina e gravando um CD independente com várias regravações de sucesso para divulgar o seu trabalho. Participou de vários programas de TV e de Rádio, fez vários shows pelo interior dos Estados de Minas Gerais e Goiás. Em 2011, Camilla Castro partiu para a carreira solo e em uma fase mais madura começou a compor suas próprias canções, inspirada em seus maiores ídolos nacionais e internacionais, tais como: Pena Branca e Xavantinho, Almir Sater, Renato Teixeira, Leandro e Leonardo, Zezé Di Camargo e Luciano, Victor e Léo, Jorge e Mateus, Ivete Sangalo, Beyoncè, Shakira, Elis Regina, Ana Carolina, dentre outros. Mas, é a paixão pelo som da viola do mestre Tião Carreiro que dá ao universo musical de Camilla Castro, a grande força e o privilégio de levar adiante a cultura sertaneja. A cada dia Camilla Castro conquista mais o público com a sua diversidade musical. Seu estilo único e contagiante mescla o sertanejo, o pop, o folk, o country, o romantismo e a moda de viola. Autora dos sucessos "Seu olhar" e "Caiu à ficha", Camilla Castro gravou em março/2012 o seu primeiro CD solo, inspirado na animação de seus shows. Este novo CD vem com uma proposta animada, produção diferenciada e arranjos modernos, prometendo mexer com o público em todos os sentidos.
E a história continua...