Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

sábado, 21 de abril de 2012

Kasser & Kelvin, 21/04/12

Kasser & Kelvin,
             Indiscutivelmente uma das melhores duplas sertanejas do Brasil, com seu espetáculo de canções, alegria e emoção produzem no público sensações únicas!
Em meados do ano de 1998 dois sonhadores se encontraram na cidade de Jundiaí-SP e iniciaram uma carreira brilhante e sólida. Após anos de perseverança e apoio de amigos, fãs e familiares gravaram seu primeiro trabalho o álbum Amor de Mulher, com um dos mais respeitados e admirados repertórios entre o estilo sertanejo moderno. Com produção e logística independente surpreenderam mais uma vez, levando ao público 250 mil cópias.
Parcerias com profissionais honestos e competentes têm consolidado ainda mais, o trabalho que visa atingir os quatro cantos do país.


Atualmente Kasser & Kelvin participam de festas e feiras agropecuárias por todo o território nacional, reunindo verdadeiras multidões que aplaudem e cantam suas canções nos shows.
O espetáculo leva ao palco 6 (seis) músicos, 2 (dois) Técnicos de som e 6 (seis) holdings, além da competente produção executiva, enfim, uma equipe que emociona o público com seus ritmos e melodias capazes de impressionar à qualquer telespectador, ouvinte ou expectador, lotando casas de shows e praças.
            Desde a sua formação grandes nomes da nossa música sertaneja apóiam o trabalho de Kasser & Kelvin, acompanhando suas interpretações e também belíssimas composições, assim, consolidando-as nas melhores emissoras de rádio e televisão do Brasil.
            Para o ano de 2009 surpresas estão sendo preparadas bem como o novo CD da dupla, que será lançado no mês de Março, e mais uma vez vem com um repertório de muito bom gosto artístico e comercial. Trabalhando este novo CD a gravação do primeiro DVD é o próximo objetivo da dupla, contando então com a junção das melhores músicas gravadas nos dois fonogramas anteriores.
            Kasser & Kelvin, dois dos melhores intérpretes da música sertaneja são sucesso por onde passam, e a humildade e o talento dos dois comprovado por todos explica o segredo deste sucesso crescente.
Biografia enviada por koxa
Goiano e Paranaense
            A Dupla sertaneja, Goiano (Valdomiro Neres Ferreira) e Paranaense (João Roberto Alonso), que surgiu na década de 80, defende "com unhas e dentes" o estilo Caipira Raiz. 
            Valdomiro nasceu no Sítio de Abadia, próximo a Goiânia/GO, no dia 11/05/1960. Valdomiro formou em 1978 com o Violeiro Valdo de Souza (conhecido como Valdo Viola) a dupla "Neres e Nerci", dupla essa que durou até 1980. 
Nerci (o Valdo) resolveu então tentar a sorte na capital paulista. Oito meses depois, porém, Valdomiro o chamou de volta a Goiânia/GO e os dois voltaram a cantar em dupla, só que desta vez com o nome "Neres e Nerinho". 
            Alguns meses depois, "Neres e Nerinho" seguiram para São Paulo/SP. Na Paulicéia Desvairada, conheceram outros Violeiros renomados, dentre os quais, o Criador e Rei do Pagode Tião Carreiro, que gostou dos acordes que Valdomiro (Neres) tirava de sua Viola. 
A dupla "Neres e Nerinho", no entanto, não chegou a gravar nenhum disco e acabou se desfazendo ainda no início da década de 80. 
Nessa época, o Valdomiro formou com João Roberto Alonso a dupla "Goiano e Paranaense", enquanto que o Valdo formou outra dupla com seu irmão Valdinho. 
            Valdo Viola já gravou 3 CD's junto com seu irmão e a dupla já se apresentou em diversos programas de TV, comandados por renomados apresentadores, do quilate de Raul Gil, Inezita Barroso e Geraldo Meirelles. 
Valdo Viola é, por sinal, um violeiro de estúdio que vem sendo bastante requisitado para gravações, além de estar preparando um CD de Solos de Viola Caipira e também apoiando musicalmente a dupla formada por seus irmãos "Matheus e Ariel". 
            João Roberto Alonso (o Paranaense) nasceu em Londrina/PR no dia 10/04/1959 e, com apenas 2 meses de idade seguiu para o interior Paulista, na região de São José do Rio Preto/SP, onde reside até hoje. 
"Goiano e Paranaense" lançaram seu primeiro LP em 1988: "Lágrimas de Pai", com composições de Lourival dos Santos, Tião Carreiro, Amaraí, Léo Canhoto, Joel Marque, Toni Viola, Domério de Oliveira e muitos outros, além do próprio Goiano. 
            O segundo LP, no entanto, só foi lançado seis anos depois, em 1994. Nesse período, entre diversos shows, Goiano e Paranaense sofreram um acidente de carro nas proximidades de Orlândia/SP, próximo à cidade de Ribeirão Preto/SP. Goiano dormia no banco traseiro e foi atirado para fora do veículo, sofrendo lesões na garganta. 
            Impossibilitado de cantar e praticamente sem fala durante quase dois ano. Contudo, Goiano recuperou a sua voz graças ao Dr. Paulo Fontes e isso possibilitou a gravação do segundo disco. 
Nesse segundo disco, Goiano é autor de 9 das 12 Músicas, com destaque para "O Doutor E O Caipira" (Goiano - Geraldinho). 
            Goiano e Paranaense gravaram mais três discos: "A Voz do Cantador" (1996), "O Poder do Criador" (2000) e "Minha Vida, Minha Luz" (2003). A dupla também participou em diversos discos de outros intérpretes e também do DVD "100 % Caipira" (lançado pela Indie Records em 2005), interpretando "Doutor Caipira" (Abel - Benedito Seviero). 
            Merece destaque também a participação da dupla na faixa "A Coisa Tá Feia" (Tião Carreiro - Lourival dos Santos) no CD "Saudades De Tião Carreiro - Os Amigos Cantam Seus Sucessos", lançado em 1996 pela Warner Music (06301715-2). 
"Casa de Capim" (Ademyr Rico) interpretada por Goiano e Paranaense, é a 10ª faixa do CD "Minha Vida Minha Luz", lançado em 2003. 
            Em 2008 a dupla " Goiano e Paranaense" se desfez. Goiano formou uma nova dupla com Gustavo (Marcio Joel Moreira, nascido em Catanduva/SP no dia 12/03/1966, e que já havia cantado em "carreira-solo" em Ibirá/SP e São José do Rio Preto/SP). E o Paranaense formou nova dupla com Geraldo Viola, o mesmo que integrava a dupla Geraldo Viola e Dino Guedes. 
            A título de curiosidade, Geraldo Viola, passou a escrever seu nome com "dois eles" no nome da nova dupla formada com o Paranaense ("Geralldo Viola e Paranaense") para diferenciar do nome da Dupla anterior, já que o Dino Guedes formou dupla com novo parceiro, mantendo no entanto, o nome original da dupla "Geraldo Viola e Dino Guedes". 
            Geraldo Viola e Dino Guedes continuam existindo como dupla, no entando, não é mais o Geraldo Viola do início da respectiva Dupla; é um novo parceiro. E o Geraldo Viola da respectiva dupla em seu início é o mesmo Geralldo Viola da Dupla "Geralldo Viola e Paranaense"... 
            De qualquer forma, as Duplas "Goiano e Gustavo" e "Geralldo Viola e Paranaense" também duraram pouquíssimo... É que no primeiro semestre de 2009, de acordo com informação de Cleber Vianna (idealizador da Casa Dos Violeiros em Salvador/BA), Goiano e Paranaense anunciaram que voltaram a cantar como dupla novamente, anunciando novo CD para esse ano de 2009, para grande alegria dos apreciadores da autêntica Música Caipira Raiz! 
            De acordo com a informação de José Costa, essa não foi a primeira vez que a Dupla, "Goiano e Paranaense" se separou... Segundo ele, "Divino e Donizete' estavam meio divorciados (dando um tempo) e, nesse tempo aconteceu o mesmo com 'Goiano e Paranaense' e também com 'Dombar e Darlei'; então, formou-se "Divino e Paranaense", que gravou um disco, mas pouco passou de 6 meses. 
Donizete fez dupla com Dombar e durou um ano e meio. Quis o destino que o Donizeti voltasse com o Divino; os laços familiares falaram mais alto e hoje estão bem unidos, todos empenhados em seus projetos..." 
Biografia enviada por Elizabeth
Valderi e Mizael
            José Rodrigues de Carvalho, o Valderi, nasceu em Mortugaba - BA. Mauro Petenuci, o Mizael, filho de Ângelo Petenuci e Letécia Petenuci, nasceu em Ubirajara-SP e faleceu na Capital Paulista no dia 05/02/2008, quando contava 64 anos de idade. 
Ambos se conheceram no ano de 1972, quando a dupla se formou. Valderi e Mizael participaram durante 15 anos do inesquecível programa "Linha Sertaneja Classe A", sob o comando de Zé Béttio e José Russo, nos 1000 kHz da Rádio Record de São Paulo-SP. Depois foram mais 5 anos nos 1.100 kHz da Rádio Nacional de São Paulo-SP (hoje Rádio Globo). A dupla também chegou a se apresentar no excelente Programa Viola Minha Viola que vai ao ar pela TV Cultura de São Paulo, apresentado por Inezita Barroso. 
            De acordo com o IMMUB - Instituto Memória Musical Brasileira, o primeiro LP da dupla foi "O Divórcio", gravado em 1977 pela Gravadora Uirapuru/CBS (350001), com destaque para "Espinho na Cama" (Praense - Compadre Lima), "Caminhando Pela Vida" (Goiá - Marciano) e "O Carro e a Faculdade" (Sulino - José Fortuna). 
            Também de acordo com o IMMUB, o segundo LP da dupla foi "Valderi e Mizael - Vol. 2", gravado em 1979, também pela Gravadora Uirapuru/CBS (350040), com destaque para "Avião das Nove" (Praense - Ado), "De Cara a Cara" (Nonô Basílio) e "Herança de um Carreiro" (Marciano - Darci Rossi). ,
Os três primeiros Lps de "Valderi e Mizael" foram gravados na CBS (hoje Sony Music) sob a direção de Orácio Faustino, sendo que "O Carro e a Faculdade" (Sulino - José Fortuna) e "Espinho na Cama" (Praense - Compadre Lima) foram as músicas que projetaram a dupla no mundo caboclo. 
            De acordo com artigo na inesquecível Revista "Moda e Viola", na época do primeiro LP, "Valderi e Mizael" surpreenderam pela maneira diferente de interpretar nossas músicas e principalmente porque foram logo atingindo os primeiros lugares das paradas de sucesso, com seu disco lançado pela CBS. É na humildade que reside todo o valor de um artista. Aqueles que sabem escalar os degraus da fama sem se esquecer de suas origens, permanecem na crista da onda indefinidamente. E 'Valderi e Mizael' sabem disso. Eles conhecem, como nós, muitos que se iniciaram na arte musical dando a impressão de que permaneceriam para sempre e que, no entanto, caíram assustadoramente. 
            O sucesso não pode jamais subir à cabeça de ninguém. E 'Valderi e Mizael' têm cabeça bastante para aquilatar o valor que lhes deu não só a Gravadora CBS, através do Orácio Faustino, mas também todos os programadores espalhados por este Brasil imenso, fazendo rodar os seus discos, e notadamente os fãs que adquiriram seus LP's. É por tudo isso que cremos que 'Valderi e Mizael' vieram para ficar. Estão muito bem orientados pela direção da CBS que tem em Orácio Faustino um batalhador incansável em prol das coisas do Sertão (...) Parabéns, 'Valderi e Mizael'! O início foi ótimo. Que o segundo LP tenha sucesso ainda maior que o primeiro, são os nossos votos. " 
            No início da década de 1980, "Valderi e Mizael" trocaram a CBS pela Copacabana. No entanto, como "nem tudo é perfeito", eles tiveram que se "render" aos interesses comerciais da gravadora, além de uma espera de quase dois anos, já que a Copacabana queria recuperar parte do investimento, relançando velhos "tapes" da dupla, que eram de propriedade da K-Tel. De acordo com Valderi, em artigo publicado também pela Revista "Moda e Viola", "... Essa política em parte foi boa porque ajudou a vender os antigos discos de 'Valderi e Mizael'. Por outro lado, também criou uma grande confusão junto aos nossos fãs, porque todos esperavam alguma coisa nova, e daí a decepção... “
            Ainda de acordo com Valderi, ““... Resolvemos - em conjunto com José Homero, que é o produtor do disco - modificar o modo de cantar da dupla, para deixá-la ainda mais comercial. Agora, ao invés do dueto, estamos cantando em dissonante, que é um estilo que está tendo uma grande aceitação. “
Na época, a música mais solicitada do respectivo LP era "Olho de Vidro" (Manuelito Nunes - João Batista - Mizael). 
            Calcula-se que "Valderi e Mizael" tenham gravado pelo menos 10 LP's e CD's "de carreira", entre 1977 e 2007, sem contar com algumas coletâneas que foram lançadas, além de participações especiais, dentre as quais merece destaque a faixa 12, "Viúva Rica" (Tião Carreiro - Edward de Marchi), a qual a dupla interpretou juntamente com Daniel no CD "Meu Reino Encantado II", lançado em 2003 pela Warner Music (5050466586520). 
Consta também na discografia uma "inversão" do nome da dupla: um LP de "Mizael e Waldery" (com mudança na grafia do nome artístico do José Rodrigues de Carvalho, trocando as letras V por W e I por Y) intitulado "Caminhos de Minha Infância" (CL 4164), gravado pela Califórnia, não constando o ano da gravação. Todas as músicas desse LP são de autoria do grande poeta Goiá, com destaque para as faixas "Ainda Uma Vez Adeus" (Goiá - Sebastião Victor), "Meu Coró" (Goiá - Plínio Alves), "O Mártir do Calvário" (Goiá - Bié), "Vovó Rita" (Waldery - Goiá) e "Estrela Dourada" (Mizael - Goiá), além da faixa-título "Caminhos de Minha Infância" (Ivan Caíres - Goiá). 
            Curiosamente, esse LP de "Mizael e Waldery" possui o mesmo repertório, com a mesma ordem e as mesmas gravações das faixas do LP homônimo de "Valderi e Mizael" intitulado "Caminhos de Minha Infância" (COELP 41569), gravado pela Copacabana em 1981! Observa-se no entanto, que as fotos da dupla no LP de "Mizael e Waldery" são mais antigas, evidenciando que a dupla adotou primeiro o nome "Mizael e Waldery", tendo mudado depois para "Valderi e Mizael". 
            Dentre os diversos sucessos da dupla, merecem destaque as gravações de belíssimas composições musicais tais como "A Enxada de Ouro" (José Fortuna - Jair Sanches), "Olho de Vidro" (Manoelito Nunes - João Batista - Mizael), "Flor de Aquidauana" (Francisco A. do Carmo - Manoelito Nunes), "Espinho na Cama" (Praense - Compadre Lima), "Despedida de um Poeta" (Goiá - Amir), "Abismo Cruel" (Sulino - José Fortuna), "O Carro e a Faculdade" (Sulino - José Fortuna), "Centelha Divina" (Goiá - Amir), "Avião das Nove" (Praense - Ado), "Rei dos Judeus" (Dino Franco -Wanderley), "Conselho de Pai" (Manuelito Nunes - Mizael), "Explode Coração" (Léo Canhoto), "Tardes Morenas de Mato Grosso" (Goiá - Valderi), "Cidade de Santo André" (Julião saturno - Goiá), "O Mártir do Calvário" (Goiá - Bié), "Rastros na Areia" (Padre Zezinho - Manoelito Nunes - Mizael) e "Caminhos de Minha Infância" (Ivan Caires - Goiá), apenas para citar algumas. 
            A dupla "Valderi e Mizael" terminou no dia 05/02/2008, quando Mizael passou para o andar de cima, aos 64 anos de idade, após um período internado no Hospital das Clínicas de São Paulo-SP, tendo deixado viúva sua Esposa Elenita Ferreira Petenuci. Seu corpo foi sepultado no Cemitério Jardim da Paz, no Bairro Cachoeira, em Curitiba-PR. 
            E, em 2009, cerca de um ano e meio após o falecimento do Mizael, Valderi passou a cantar em dupla com Jannel (que formava anteriormente a dupla "Juninho e Janel") sendo que a formação da nova dupla "Valderi e Jannel" foi incentivada pelo compositor Morgado. 
Biografia enviada por Ronalves
Édson e Anderson
Édson e Anderson (ex-Adriano e Anderson) têm feito diferença nos shows sertanejos, por cada região que passam. Aliados com ternura e dedicação, a dupla tem contagiado o público e, além de se apresentarem com bastante vigor e emoção, trazem um repertório bem diferenciado, cantando desde sertanejo mais clássico, ao mais moderno (Universitário).
            A dupla iniciou a carreira há cinco anos em Pompeu, Minas Gerais.
Adriano influenciado pelo seu tio que era músico, começou na carreira artística como músico de bandas, ao cantar no coro da igreja.
Anderson, por influência dos seus pais, se envolveu com a música ao cantar nos bares de Minas Gerais. Desde cedo, foi visível que a música caipira fazia parte das vidas desses dois mineiros que se espelhavam em grandes nomes da música sertaneja como Alan e Aladim, Gilberto e Gilmar, Gino e Geno, Tião Carreiro e Pardinho, dentre outros.
A dupla, Adriano e Anderson realizou três trabalhos, sendo que o primeiro CD “Nossa História”, foi produzido em Belo Horizonte, o segundo CD “Vontade de te Ver”, foi produzido pelo produtor Pinocchio, em São Paulo, e o terceiro CD “Sem amor não dá”, foi produzido em Belo Horizonte, pelo produtor Pinocchio e Fabinho Gonçalves.
O CD Adriano e Anderson Acústico ao vivo, contam com a participação especial de César Menotti e Fabiano, Alan e Alex e Gisa Freitas, gravado em Pompeu, sendo produzido por Fabinho Gonçalves e Cristiano Caldas.
Em 2007 a dupla fez várias apresentações em Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Goiás, Mato Grosso, e gravaram a música “Adeus para nunca mais” em parceria com a dupla César Menotti e Fabiano. Participaram de shows com as duplas Bruno e Marrone, Edson e Hudson e Eduardo Costa.
Em 2008 a dupla passou por várias cidades de Minas Gerais, como Governador Valadares, Pompeu, Papagaios, Itabirito e Bom Despacho mostrando, nesta região, o melhor do sertanejo, e com todo carisma e humildade, se destacam cada vez mais no cenário da nova geração de duplas românticas.
Com todo carisma e dedicação, a dupla Édson e Anderson vem conquistando grande espaço no universo sertanejo. Devido a isso, eles acabam de lançar mais um sensacional trabalho titulado “Sem amor não dá”.
O CD contém 16 faixas, com os maiores clássicos da autêntica música sertaneja, incluindo algumas regravações como “Ciúme Exagerado” e “Som e Imagem”. O novo álbum conta com as participações da dupla ,César Menotti e Fabiano com o grande sucesso “Adeus pra Nunca Mais”, e da cantora Gisa Freitas com a música “Agora sou Feliz”, que é um hino evangélico composto por César Menotti, Fabiano e Fábio Lacerda em agradecimento ao nosso Pai Eterno.
Esse trabalho foi produzido por dois ilustres membros do meio sertanejo, o grande amigo e maestro Pinóchio e Fabinho Gonçalves, que vem expandindo neste universo como uma das novas revelações do cenário sertanejo.
Biografia enviada por Elizabeth
Zé Rubens e Guilherme
Em 2008 Zé Rubens e Guilherme decidiram assumir profissionalmente a dupla, mesmo com suas carreiras em plena ascensão um como empresário e outro como engenheiro, quer se dedicar muito à música que é uma paixão e um estilo de vida.
José Rubens Caninéo, nascido em 28 de novembro 1983 natural de Taubaté.
Empresário em sua cidade, começou a cantar os 15 anos, sempre gostou da música sertaneja raiz como: Tião Carreiro e Pardinho, Chitãozinho e Xororó, Sergio Reis e outros. O gosto pela música ficou ainda mais forte quando começou a arriscar a compor suas músicas, muitos elogios despertaram então a formação da dupla com um grande amigo e companheiro de muitas rodas de viola.
Guilherme Del Nero Fiorellini, nascido em 29 de março 1985 natural de Piracaia. Engenheiro ambiental começou a cantar aos 6 anos, nascido e criado no sítio, sempre envolvido pela música raiz.
Em 2004 formou a dupla com Zé Rubens para cantar em rodas de amigos, em seus freqüentes churrascos, mais os amigos e parentes não pararam de animar os dois a gravar um CD, pois todos gostam e cantam suas músicas e torcem para que mais pessoas curtam com a nova dupla.
Biografia  por mfranco


Nenhum comentário:

Postar um comentário