Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Pedro Fernandez 21/08/12

Pedro Fernandez
Irão me perguntar por que depositei aqui na
R-Sertaneja a biografia de Pedro Fernandes, muito simples sou admirador de musicas mexicanas e principalmente as canções rancheiras.
Então a canção rancheira nada mais é que uma musica campesina.
Curti muito Pedrito Fernandes com suas canções apaixonadas.
Nome real
José Martín Cuevas Cobos
Data de Nascimento 1969/09/28
Berço Guadalajara, Jalisco, México


José Martín Cuevas Cobos (Guadalajara, México, 28 de setembro de 1969), mais conhecido como Pedro Fernández, cantor, ator e compositor de música rancheira mexicana. Foi nomeado após duas grandes figuras da música mexicana: Pedro Infante e Vicente Fernández.
Irmão Pedro Fernandez Paquito Cuevas, Laura Cuevas, Eduardo Cuevas e José Luis Cuevas Cobos a quem ele finalmente tinha um nome, mas não participou em alguns filmes com ele.
Casado desde 1988 com uma jovem modelo chamada Rebecca Garza Reynosa irmã de um futebolista de renome, que levou suas filhas amados: Osmara, Michelle e Gema Karina Guadalupe.
Atualmente reside em Monterrey, N. L. 7 anos.
Desde muito pequeno, é recrutado pela Sociedade de Autores e Compositores do México FDF seus agradecimentos ao seu grande talento e com este apoio que ele gravou seu primeiro álbum. O primeiro hit de sua carreira, é a menina da mochila azul, um tema que continua a identificar no mundo de língua espanhola.
Em que a gravação de 1975, Pedro apenas 7 anos. O grande impacto alcançado, leva-o a gravar vários álbuns e atuar em vários filmes, que abrem a possibilidade de entrar no mercado de filmes e viajar para a Europa, onde é um sucesso. Entre seus sucessos estão músicas como criança: atuais e canela, mãe de Song, amigo, Guadalajara, La dos poços, e muitos outros.
Em suas aventuras adolescentes na música pop, gravando músicas como Manequim, Glamour, olhos mel boneca, um sábado, novamente, os infratores, etc, e maiores e seu recorde de 18 anos de sucesso: O Vencedor (sucesso do grupo sueco ABBA) e Confiança absurdo (grupo britânico de sucesso Wham!). Ele também gravou um álbum com canções Juan Gabriel intitulado "Caro", onde faz dueto com a cantora Karina de Venezuela.
Participar da novela estrela Alcançar II onde se juntou aos Bonecas de papel do grupo, ao lado de artistas como Ricky Martin, Rivera Angélica, Gaytan Bibi, Sasha, e Rubin Erick. No entanto, ele não estaria no grupo deve ser do sabão carreira musical contínua no gênero Pop com o álbum "Para um Amigo" e, assim, promovendo em que está incluído o tópico a faixa-título, que ganhou o compositor com uma ação alegando que não Ricardo Cocciante pediu permissão para gravá-lo, mas isso não impede que Peter tem sucesso com esta canção como, Táxi, hey, não o fim do mundo, "Gold", "Não há nada como uma mulher", entre outros.
Pedro tem uma pausa de três anos sem gravar problemas materiais com a gravadora, que pergunta se você quer voltar a gravar a música ranchera pára no esquecimento. Em 1993, sua nova gravadora Polygram abre a porta e volta para a música que ele nasceu e que nunca se separar. Questões recorde, eu quanto eu te amo, GEM, dois, Amor, Serenata Huasteca, entre outros, e torna-se moda juventude música ranchera como havia mesmo qualquer jovem artista que tinha confiança no gênero.
Registros 1993 a telenovela "Looking for Paradise", como protagónico com a atriz Yolanda Andrade e antagônicos Alejandro Ibarra, novela controversa pela primeira vez na televisão aborda questões como a delinqüência juvenil, drogas, estupro e abuso dos pais.
Onde os pais de Peter eram Maria Vermelho e Echanove onde Pedro Alonso em seu papel no sabão cai para o papel de Yolanda sendo namorada de seu melhor amigo, Alejandro papel Ibarra.
Em 1994, ele lançou seu álbum do jeito que eu sinto um tema que dá sucesso incomparável e fama que retomada novo filho estava jogando todo o continente americano e na Europa, atingiu a platina no México, e Platina Duplo Estados Unidos, Venezuela, Chile e mais da América Central. Com essa música as portas abertas para a música vernácula juventude no rádio, como você adicionar novos instrumentos musicais como teclado com um mais contemporâneo, alguns temas que contêm são: "Meu caminho de sentimento", "Teresa", "Crazy "," Release Me "," Memórias de Your Love "," Crazy "," Se você vai ", tema composto por Pedro e depois gravá-la Marck Antony cantor e Margarita" rainha "de salsa e outros temas.
Em 1995 o seu álbum de Pedro Fernandez dá mais prestígio internacional ganhando platina e de ouro nos Estados Unidos, América Central e América do Sul com músicas como: A mulher que você ama tema do filme "Don Juan DeMarco", composta por Bryan Adams, que Recebe parabéns pelo seu crossover, Novillero, Quem?,
El Sinaloa, etc
Em 1996, ele gravou quatro músicas novas e uma coleção de hits, o álbum foi chamado de "Desejos e Delírios" onde estão músicas como "Foram três anos", "Se você soubesse", "indiano virgem" e discos últimos pecuaristas hits.
Em 1997, uma homenagem a um dos respresentativos maioria dos artistas e melhor compositor José Alfredo Jiménez México, intitulado Tributo a: José Alfredo Jiménez, este álbum é um orgulho para o México e para o mesmo Pedro Fernandez pode finalmente prestar homenagem em todos os sentidos da palavra ficar totalmente na história musical e pessoal do JA Maior Jimenez, contendo as músicas "Devagar", "Você e as Nuvens", "Um mundo estranho", "Se nós deixamos", "Quando a lua nasce", "A última bebida", "Ela", "Caminos de Guanajuato" , entre outros.
“Ano “Aventureiro” de 1998, que consolida a carreira ea personalidade de Pedro Fernandez, “Eu sou novo” é tocada e cantada em qualquer lugar onde o público tem lotado em todos os lugares, tanto o gosto por esta interpretação é chamado”.
O aventureiro americano "e é onde você começa a moldá-la em seus shows mais espetaculares que começa a usar o Ruana (poncho é um cobertor usado em clima frio para cobertura da terra contra ele) neste disco são tópicos, tais como:" Eu continuava querendo "," Não vê "," Eu sou novo "," Chuva de Prata "," Isso é um mexicano ", entre outros.
"O mais romântico: Pedro Fernandez", lançado em 1999, e como o título diz: uma coleção das mais românticas de Pedro e uma canção que dá título a uma telenovela "Labirintos da paixão."
Ano de 2000 ainda está escalando as ligações de idolatria, "eu não estava”, tema interpretado por seu ídolo Pedro Infante, que se sente muito respeito e medo de gravar este grande tema conhecido por todos os mexicanos, mas a qualidade, carisma, experiência e voz de Pedro Fernandez fez o seu tópico agora este é, sem dúvida, a carta onde quer que ocorra, um tema que a música alta e mariachi e estilo de dança e lugar alegre para ninguém. Algumas músicas do álbum são: "Eu não era", "Besame Morenita", "Uma Rosa para Você", "Uma mulher que amava" sujeito a Bertin Osborne dueto, "Without Your Love", entre outros.
"Coração" de 2002, Pedro Fernandez esteve presente para a Televisa empresa e sempre foi considerado a questões telenovela e cantar o hino nacional para personalidades como boxeadores Julio Cesar Chavez e "Finito" Lopez, e os jogos equipe nacional do Brasil e México, em Guadalajara. “
“Aqui Pedro canta músicas como “O touro e da Lua”, “O Outro”, “Santa domingo”, um dueto com sua filha Gemma canção dedicada a batatas que são divorciadas ou separadas, “Deixá-los falar”, “Bem-vindo”,” Sete Mares “," Quem vai querer-me a mim ", etc. A capa do álbum é uma obra-prima do pintor O.O campo.
"Ouça", foi gravado em 2005 e Pedro Fernandez é obviamente o ponto forte da Universal Music no México por alguns anos para que seus problemas de som em um muito especial e espectacular para dizer os shows onde eles estão lotados onde apresentou Alguns temas são "Como você se esquecer?," Ouça-me "," Eu te amo "," Está tudo bem "(Armando Manzanero canção que pela primeira vez realizada no primeiro concerto no Auditório Nacional magnum Cidade do México, que pode ser visto no youtube) "Eu nasci 'cantar' pa," Você é uma mulher ", etc.
Em 2007, o álbum "Diga-me o meu amor", com a canção "Amiga por favor" o coloca no auge de sua carreira e também gravou com o artista internacional e amigo de Peter fdz. Canção de David Bisbal "Heal minha ferida", que foi realizado no Auditório Nacional, onde o artista David Bisbal é convidado para seu 30 º aniversário no referido local na Cidade do México e causando uma ovação de pé. A 1 ª vez que eles cantaram essa música estava no Idol Espanha. Ele também contém músicas como "Que esta do que a outra", "Deixe-me chorar", "Sinto falta do seu olhar" estreia tema como um compositor de sua filha Karina, "Onde estava o amor que nós", entre outros.
2009 "da cantora" faixa título de seu mais recente número 38, no qual gravou 2 músicas de sua filha Karina, que mostra que esta pode ser uma ótima maneira para suas composições e seu pai Pedro Fernandez plasma com grande sentimento que ela queria transmitir, as músicas são: "Diga as estrelas", "Eu não vou esquecer", de autoria de Pedro Fernandez são "Até que o dinheiro nos separe" e "Oh Love", contém dois tópicos banda com um grande produtor dedicado a este gênero de temas "não são outra coração" e "Cantor", contém outro muito romântico como "eu preciso de você", "eu vou" e "Deixe-me", entre outros ... Este álbum é o título da novela que o dinheiro nos separe-versa, ou vice, mas Pedro Fernandez está provando ser um ídolo do povo mexicano e música tanto no palco e televisisivos ainda um grande padrão de qualidade e profissionalismo, além de carisma que emana e simplicidade que só os grandes artistas, como Pedro Infante em seu sangue. Estes dados podem notar que na página de comentários www.ticketmaster.com.mx olhando para o nome de Pedro Fernandez.
Fonte http://www.hitred.com/musica/latina/pedrito-fernandez 



Mococa e Moraci                       
Cada novo disco é como um filho que nasce.                           
 “Que Deus abençoe a todos que nos ajudam em nosso dia-a-dia a galgar mais este degrau e que possamos levar um pouco de alegria, ternura e paz a todos os corações, por acreditarmos ser esta a missão fundamental do artista”. Mococa e Paraíso 

João Leôncio, o Mococa, nasceu no dia 29/03/1939 em Mococa-SP; foi, no entanto, registrado em Arceburgo - MG, município próximo de Mococa - SP, possivelmente porque seu pai "queria que o filho fosse mineiro". 
Adotando o nome artístico de Canhoto, João Leôncio cantou desde a infância até seus 20 anos de idade na Rádio Clube de Mococa com seu parceiro Garotinho.
Era a dupla "Canhoto e Garotinho". 
Aos 20 anos de idade, trabalhando na Camargo Corrêa, João Leôncio foi transferido para a Capital Paulista e, em 1961, fez dupla com Mouraí, com quem gravou dois compactos duplos. 
Em 1968, João Leôncio, já com o nome artístico de Mococa, formou a famosa dupla com João Maurício de Oliveira, o Moraci, nascido em Prata - MG em 1948 e que faleceu no dia 20/08/1985, vítima de acidente automobilístico em São José do Rio Preto-SP. 
 “Mococa e Moraci" gravaram 33 Lps e a dupla durou 17 anos, até a trágica morte de Moraci.
Foram destaques alguns sucessos tais como: "O Grande Milagre" (Miltinho Rodrigues), "O Céu Chorou Por Mim" (Haroldo José - A. Calçada), "A Noiva Do Meu Bairro" (Miltinho Rodrigues), "Convite De Casamento" (Miltinho Rodrigues - Sebastião Victor), "Copo de Cerveja" (Sebastião Victor), "Velho Sozinho" (Roberto Stanganelli - Hélio Cavenaghi) e "Fuscão Preto" ( Jeca Mineiro - Atílio Versutti), apenas para citar algumas. 
De 1970 a 1975, Mococa e Moraci participavam do "Programa Edgard de Souza" que ia ao ar todas as Terças-Feiras às 21:30 pela Rádio Nacional de São Paulo-SP.
E, de 1976 a 1981, a dupla participava do inesquecível "Linha Sertaneja Classe A", pela Rádio Record de São Paulo-SP, programa comandado por Sebastião Victor e também por Zé Bettio. 
Sebastião Victor e Miltinho Rodrigues foram dois dos principais compositores dos maiores sucessos interpretados pela já famosa dupla. 
Após o repentino falecimento de Moraci em 1985, foi que Mococa formou a dupla com Paraíso no ano seguinte, como será visto adiante. 
José Plínio Transferetti, o Paraíso, nasceu no dia 01/06/1947 em Elias Fausto-SP, na mesma época em que Eurico Gaspar Dutra, por “imposição de sua esposa", havia proibido o jogo e fechado os cassinos no Brasil, fato que prejudicou grandes e excelentes artistas que se apresentavam nessas casas, como acontecia, por exemplo, no renomado Cassino da Urca, no Rio de Janeiro - RJ. 
Como se nota em seu sobrenome, José Plínio é de origem italiana.
Seu avô veio de Mântua, como imigrante.
Seu pai Antônio trabalhou na roça na região de Campinas-SP como vaqueiro e amansador de potro.
Desde a infância, com o apoio de seu pai, José Plínio já se apresentava em festinhas, clubes e também na Rádio Cacique de Capivari-SP, no "Programa do Zé Coruja", integrando a dupla "Caboclo e Caboclinho". 
Em 1962, com o incentivo que o então Presidente Juscelino Kubitschéck de Oliveira havia injetado em todo o Povo Brasileiro, José Plínio se mudou juntamente com a família para a Paulicéia Desvairada onde continuou sua procura por um parceiro com quem pudesse formar uma Dupla Sertaneja. 
E foi somente em 1967, durante o regime militar, que José Plínio adotou o nome de Cristalino e formou com João Cristiano a Dupla "Cristiano e Cristalino", a qual conquistou o 1º lugar no Festival de Música Sertaneja da TV Cultura, com a música "Nossa Mensagem" ( Goiá). 
O prêmio desse Festival (idealizado por Geraldo Meirelles em seu programa "Cidade Sertaneja") era o grande sonho dos artistas do gênero: a gravação de um disco na Chantecher, gravadora que era na época um reduto de grandes nomes da nossa Boa Música Brasileira.
E, também como prêmio, a dupla assinou um contrato por um ano com a Rádio Nove de Julho de São Paulo-SP. 
José Plínio também já atuava na composição, tendo músicas suas gravadas por intérpretes já renomados tais como Abel e Caim e Lourenço e Lourival. 
Em 1974, José Plínio adotou o nome de Smith e formou juntamente com Aparecido Tomás de Oliveira a dupla "Scoth e Smith" e gravaram dois LPs na Chantecher; destaque para "Deu Zebra Na Minha Vida" (Benedito Seviero - Sebastião Victor), "O Abajur" (Benedito Seviero - Sebastião Victor) e "Minha Santa Pecadora" (Benedito Seviero - Sebastião Victor). "Scoth e Smith" também participaram do programa "Linha Sertaneja Classe A" na Rádio Record de São Paulo-SP. 
E em 1978, a dupla mudou o nome para "Tomás e Timóteo" e gravou um LP na gravadora Tapecar, com destaque para "Inferno Da Vida" (Benedito Seviero - Tomás). 
E foi nesse mesmo ano de 1978 que José Plínio, ainda com o pseudônimo de Timóteo, chamou a atenção do Criador e Rei do Pagode Tião Carreiro que, após uma de suas famosas brigas com o Pardinho, convidou-o para trabalhar com ele e sugeriu seu atual nome artístico de Paraíso.
E a dupla "Tião Carreiro e Paraíso" gravou 4 LPs na Continental e durou até o ano de 1981, quando Tião Carreiro e Pardinho fizeram as pazes e voltaram a formar a célebre dupla. 
E, ainda em 1981, quando o Brasil já se encontrava "a caminho da Democracia", na gestão do então Presidente da República, o General João Batista Figueiredo, Paraíso gravou juntamente com "Cezar e Paulinho" (filhos do Craveiro da dupla Craveiro e Cravinho) "Noite Maravilhosa" (Paraíso) que foi não apenas o primeiro grande sucesso de uma composição sua como também o primeiro sucesso e faixa-título do quarto LP da dupla "Cezar e Paulinho". 
E, na mesma época, em parceria com José Fortuna, Paraíso também criou composições musicais que marcaram de forma bastante significativa o nosso Cancioneiro, como por exemplo "O Ipê e o Prisioneiro" (José Fortuna - Paraíso), "As Flores Do Lago" (José Fortuna - Paraíso), "Avenida Boiadeira" (José Fortuna - Paraíso), "Cunhada" (José Fortuna - Paraíso), "Mãe Terra" (José Fortuna - Paraíso)   e "Raízes do Amor" (José Fortuna - Paraíso), apenas para citar algumas. 
O inesquecível compositor José Fortuna, além de ter sido um dos principais parceiros na composição, era sogro do Paraíso, já que ele é casado com sua filha, a atriz e compositora Iara Fortuna. 
Paraíso também compôs páginas célebres do repertório Caipira Raiz em parceria com José Caetano Erba, dentre as quais podemos destacar "Cadeira De Balanço" (Caetano Erba - Paraíso), "Saco De Ouro" (Paraíso - Caetano Erba), "Mala Amarela" (Caetano Erba - Paraíso) e "O Escravo" (Caetano Erba - Paraíso). 
"Saco De Ouro" foi a primeira composição da parceria de Paraíso com José Caetano Erba, sendo que sua letra foi inspirada na lida de seu pai, apesar de não ser exatamente uma biografia. De acordo com Paraíso, "Esse era o jeito do pessoal na época: ia guardando os trens num saco e deixando num canto.
E ali estava a história de cada um." E, de acordo com José Hamilton Ribeiro, em seu excelente livro "Música Caipira - As 270 Maiores Modas De Todos Os Tempos", "Apesar do nome, não existe ouro na música, só na memória do peão - para ele, era como se aquele saco de coisas velhas guardasse uma fortuna de saudade e recordações." 
E, além dos já citados, Paraíso também compôs inúmeras obras primas juntamente com Moacyr dos Santos, tais como "Franguinho Na Panela" (Moacyr dos Santos - Paraíso), "Não É Mole Não" (Paraíso - Moacyr dos Santos), "O Esteio E O Estorvo" (Moacyr dos Santos - Paraíso), "O Gato E A Pomba" (Moacyr dos Santos - Paraíso) e "Pé De Boi E Mão De Vaca" (Moacyr dos Santos - Paraíso). 
Paraíso era por sinal muito amigo de Moacyr dos Santos e "Franguinho Na Panela" teve uma história "sui-generis", já que Moacyr um dia foi ao escritório de Paraíso e lhe mostrou um "rascunho" da belíssima composição, a qual encantou o parceiro que, ocupado, acabou "deixando o franguinho para outro dia". 
Porém, poucos dias depois, Moacyr "partiu para o Andar de Cima" e Paraíso, bastante chateado, tentavam lembrar como era a melodia do "franguinho"... E nada! Até que, bastante tempo depois, uma Dupla Caipira foi ao seu escritório, querendo orientação para gravar um disco e, numa fita, levavam também uma gravação do que seria a "idéia básica" do mesmo "Franguinho na Panela"! 
Moacyr dos Santos também era amigo dessa dupla e havia apresentado a eles o "franguinho". Paraíso fez então o "acabamento" tão desejado e a primeira gravação ficou a cargo de Craveiro e Cravinho, que, com bastante alegria, num momento de retorno à carreira artística, fizeram ficar ainda mais bonito o "Franguinho Na Panela" (Moacyr dos Santos - Paraíso) e, com sucesso imediato! 
Como produtor, Paraíso também tornou conhecida a dupla "João Paulo e Daniel", levada por ele à gravadora Continental e que gravou inclusive "A Loira Do Carro Branco" (José Fortuna - Paraíso) e também "Fazenda São Francisco" (Maior Proeza) (José Fortuna - Paraíso). 
E, conforme já mencionado nesse resumo biográfico, foi no ano de 1986, um ano após o falecimento repentino de Moraci, que Paraíso formou com João Leôncio a dupla "Mococa e Paraíso. Tendo lançado o primeiro disco pela gravadora 3M do Brasil, com destaque para "Saco de Ouro" (Paraíso - Caetano Erba), "Orelhão Azul" (Morgado - Carlos César), “Os Homens Não Devem Chorar (Nova Flor) (Palmeira - Mário Zan), além da célebre e já mencionada “O Ipê E O Prisioneiro” (José Fortuna - Paraíso)”. 
Também conhecida como a "Dupla Café Com Leite", "Mococa e Paraíso" são ligados às Raízes da Música Sertaneja e interpretam belíssimas músicas que falam das coisas simples, cantando a vida e o árduo trabalho do homem do campo.
No entanto, têm gravado também obras musicais de cunho romântico, aproximando-se muito do controvertido estilo "pop-sertanejo", com sucessos tais como "Orelhão Azul" (Morgado - Carlos Cezar) e "Licor De Amor" (Iara Fortuna - Paraíso). 
No entanto, Mococa e Paraíso esclarecem que, "...apesar do romantismo que existe em seus repertórios, a característica sertaneja da dupla está sempre firmemente presente em todos os seus trabalhos, visto ser esta uma preocupação constante de ambos: não perder jamais a identidade com suas raízes..." E constam realmente em seus trabalhos, lançados em diversas gravadoras, Modas de Viola tais como "O Caçador" (Moacyr dos Santos - Sulino) e "A Filha Do Barbeiro" (Jesus Belmiro - Mococa), e também o Pagode de Viola "Rimas De Rodeio" (Jesus Belmiro - Paraíso). 


 Mococa & Paraíso
Uniram suas vozes no ano de 1986, tendo lançado até o momento, mais de 20 produções, entre CDs e DVD pelas Gravadoras 3M do Brasil, MM Gravações, Alagretto, RGE, Movieplay, Fortuna e o mais recente pela Gravadora Arlequim.
       Muito embora tenha vindo cada qual de parcerias anteriores, firmaram-se no estilo sertanejo-raiz, sem deixar de lado obras musicais de características bastante românticas, destacando-se entre alguns sucessos da dupla.: 'Orelhão Azul' (Morgado e Carlos Cezar), 'Licor de Amor' (Iara Fortuna e Paraíso), 'Saco de Ouro' (Caetano Erba e Paraíso), 'O Ipê e o Prisioneiro (José Fortuna e Paraíso), 'Os Homens não Devem Chorar' (regravação de 'Nova Flor' de Palmeira e Mário Zan), 'O Sinuelo' (José Fortuna, Paraíso e Nhô Moraes), 'O Pulo do Gato' (Paiva e Gama), 'Mãe das Mães' (José Victor, Sebastião de Assis e Sandro Lúcio), 'Por Ela (versão de Biafra e Aloísio Reis), etc...
      Eles esclarecem que, apesar do romantismo constante em seus repertórios, a característica sertaneja da dupla está sempre firmemente presente em todos os seus trabalhos, visto ser esta uma preocupação constante de ambos.: não perder jamais a identidade com suas raízes. Um exemplo disto é a gravação das modas de viola 'O Caçador' (Sulino e Moacyr dos Santos), 'A Filha do Barbeiro' (Jesus Belmiro e Mococa), bem como do pagode 'Rimas de Rodeio' (Jesus Belmiro e Paraíso).
      Há pouco tempo foi lançado um trabalho de Mococa e Paraíso, muito bem elaborado pela Gravadora Movieplay, contendo regravações destes grandes clássicos sertanejos.: 'Saudades da Minha Terra', 'Terra Tombada', 'O Carro e a Faculdade', 'Filho Adotivo', 'Doce de Cidra', 'Rio de Lágrimas', 'Colcha de Retalhos', 'Porta do Mundo', 'O Céu Chorou por Mim', 'Parede e Meia', 'Ainda Ontem Chorei de Saudade' e muitos outros.
      E nesta mesma linha de regravações, saiu recentemente pela Gravadora Arlequim mais um trabalho com os maiores sucessos sertanejos de todos os tempos, incluindo-se 'Mágoa de Boiadeiro', 'Casa de Caboclo', 'Índia', 'Mala Amarela', 'A Loira do Carro Branco', entre outros.
       O grande momento de Mococa e Paraíso, porém, ocorreu com o lançamento do 1º DVD da dupla, também pela Gravadora Arlequim, com participações especiais de Bruno e Marrone, Sérgio Reis, Cezar e Paulinho, Chico Rey e Paraná, Beth Guzzo, entre outros grandes nomes da música sertaneja.
      Após este DVD, lançaram também pela Gravadora Arlequim, mais um trabalho com um toque um pouco diferente, a gravação de Caipira Brucutu (Santa Fé e Paraíso), um rock sertanejo extremamente dançante.
      Ainda neste ano de 2011, preparam um novo CD com músicas inéditas, entre estas uma homenagem ao grande médium brasileiro Chico Xavier, de autoria de José Fortuna e Paraíso, entre outras obras no estilo raiz e também romântico. Lançam ainda um CD de poemas de José Fortuna, interpretado por grandes atores nacionais, mesclado com regravações de obras famosas do compositor.
O show que a dupla realiza por todo o Brasil com sua Banda não se restringe apenas ao repertório de música raiz, mas é bastante diversificado, incluindo músicas românticas e dançantes.
Mococa (João Leôncio), nasceu no dia 29 de março de 1939 na cidade de Mococa, estado de São Paulo; tendo sido registrado em Arceburgo, município contíguo, mas pertencente ao estado de Minas Gerais, talvez pelo fato do pai desejar ardentemente que o filho fosse mineiro. Cantava desde pequeno até a idade dos 20 anos, na Rádio Clube de Mococa com seu parceiro Garotinho, formando a dupla Canhoto e Garotinho.
Após esta idade, foi trabalhar na Empresa Camargo Corrêa, e por meio dela acabou sendo transferido para São Paulo, a pedido do velho amigo e diretor Deoclécio.
Já no ano de 1961, fez dupla com Mouraí, tendo com ele gravado dois compactos duplos na época, cujas obras mais destacadas foram.: 'Sagrado Coxim', em homenagem ao autor Zacarias Mourão e 'Chore Comigo'.
Em 1968 fez dupla com Moraci, gravando ao todo 33 LPs (vinil), numa parceria artística que durou 17 anos, até a morte do parceiro em São José do Rio Preto/SP, num acidente automobilístico no dia 20/08/1985. Foram destaques de Mococa e Moraci.: 'O Grande Milagre' (Miltinho Rodrigues), 'O Céu Chorou por Mim' (Haroldo José e A. Calçada), 'A Noiva do Meu Bairro' (Miltinho Rodrigues). De 1970 à 1975, participou com Moraci no Programa Edgard de Souza da Rádio Nacional, grande audiência na época, levado ao ar às 3ª feiras, no horário das 21:30 h. De 1976 até 1981 a dupla participou da Linha Sertaneja Classe A, programa de estrondoso sucesso comandado por Sebastião Victor e Zé Béttio pela Rádio Record de São Paulo.
Após o falecimento do parceiro Moraci, Mococa fez dupla com Paraíso no ano de 1986, com quem atua até hoje.
Mococa é pai de dois belos filhos, Silvia e João Paulo que, ao que parece, promete continuar as pegadas artísticas do pai.
Paraíso (José Plínio Trasferetti), nasceu na cidade de Elias Fausto, estado de São Paulo, em 01/06/1947. Desde a infância, apoiado por seu pai Antonio, cantava nas festas de sua cidade, bem como na Rádio Cacique de Capivari, no Programa do Zé Coruja com o nome de Caboclo e Caboclinho.
No ano de 1962, mudou-se com a família para São Paulo, e continuou sua luta à procura de um parceiro com quem pudesse formar uma dupla sertaneja, sempre incentivado e estimulado pelo pai. Tal fato se deu somente no ano de 1967, quando formou a dupla Cristiano e Cristalino, chegando a vencer em 1º lugar o Festival de Música Sertaneja na TV Cultura de São Paulo, idealizado pelo Marechal Geraldo Meirelles, em seu Programa Cidade Sertaneja. O Prêmio foi a Gravação de um LP na Gravadora Chantecler, além do Contrato de 01 ano de apresentações na Rádio Nove de Julho e na Rádio Aparecida.
Paralelamente vinha desenvolvendo sua carreira como compositor, gravando com intérpretes de renome na época, como Abel e Caim e Lourenço e Lourival.
No ano de 1974 lançou uma nova dupla com o nome de Scoth e Smith, apadrinhados por Sebastião Victor e Benedito Seviero, tendo gravado pela Gravadora Chantecher dois LPs, e participado do Programa Linha Sertaneja Classe A, pela Rádio Record de São Paulo, um dos programas líderes de audiência entre o público sertanejo. Esta dupla chegou a mudar de nome depois para Tomaz e Timóteo.
Mas a grande guinada em sua carreira veio no ano de 1978, quando a dupla Tião Carreiro e Pardinho se separou. Tião Carreiro, conhecido como 'o maior violeiro do Brasil', convidou então o 'José Plínio' para com ele formar uma dupla, e o batizou com o nome de Paraíso.
Juntos gravaram 04 LPs pela Gravadora Continental, até o ano de 1981, quando a dupla Tião Carreiro e Pardinho voltou a gravar juntos, e Paraíso seguiu sua carreira de compositor e produtor de discos.
Como Produtor Musical destacam-se inúmeros artístas, dentre estes, Cezar e Paulinho, que além de terem sido produzidos por Paraíso, estouraram com seu primeiro grande sucesso como autor, a música 'Noite Maravilhosa'.
Nesta época, iniciou uma parceria fecunda com José Fortuna, destacando-se entre suas primeiras parcerias a obra 'O Ipê e o Prisioneiro'. Esta união musical se mantém até hoje, passando a seus cuidados a administração de todo o repertório de José Fortuna. São também seus parceiros de composições: Moacyr dos Santos, Jesus Belmiro, Benedito Seviero, Lourival dos Santos, José Caetano Erba, Wally Macedo, Tião Carreiro, Tinoco, Mococa, etc... em obras famosas tais como: 'Saco de Ouro', 'A Loira do Carro Branco', 'Fazenda São Francisco', 'Mala Amarela', 'Franguinho na Panela', e tantas outras.
Algo a destacar em sua carreira como Produtor de Discos foi a descoberta da dupla João Paulo e Daniel, levados por Paraíso à Gravadora Chantecher, e tendo gravado seus dois primeiros LPs por seu intermédio e produção naquela Gravadora.
No ano de 1986 formou com Mococa a dupla Mococa & Paraíso, atuando juntos até os dias de hoje. Após terem gravado diversos CDs, a dupla lançou recentemente pela gravadora Arlequim seu 1º DVD: "Mococa & Paraíso e Convidados", com as participações de Sérgio Reis, Bruno & Marrone, Cezar & Paulinho, Chico Rey & Paraná, Beth Guzzo, entre outros convidados. Acrescenta-se que neste DVD há um registro histórico dos anos 80 com um número musical de Tião Carreiro e Paraíso, gravado na TV Cultura de São Paulo, no Programa Viola Minha Viola.
A dupla prepara no momento mais um trabalho com músicas inéditas, e outro com poemas de José Fortuna interpretados por grandes nomes do teatro nacional, intercalados com números musicais de autoria de José Fortuna.
Paraíso foi reconhecido em sua terra natal Elias Fausto, tendo sido agraciado com o Título de Cidadão daquele município no ano de 1997.
Atualmente, Paraíso além da dupla com Mococa, milita na área dos Direitos Autorais, tendo sua própria Editora e Gravadora que é a Fortuna Musical Edições Ltda, administrando e produzindo o repertório de diversos autores e intérpretes do universo sertanejo.

Zé Ricardo e Clodoaldo
Zé Ricardo e Clodoaldo são naturais da cidade de Cajuru - SP, ambos cantam desde pequeninos.
Formam a dupla a 07 anos e hoje com o seu primeiro Cd gravado viajam por todo território brasileiro proporcionando por onde passam grandes emoções e muitas alegrias com grande show musical.
A música “Apaixonado” é o carro chefe do CD! É envolvente, contagiante e apaixonada como o próprio nome já diz.
Está na boca do povo e já é sucesso em todo Brasil!
O CD está repleto de variados ritmos musical universitários: forró, românticas arrasta pé, Guarânias, Batidão, de viola e muito mais.
Também musicais de pai para filho que são as faixas, nº. 6 (Como um homem tem que ser), que Clodoaldo fez para o seu filho Guilherme, e a nº. 15 (Filho é “Felicidade”), que Zé Ricardo canta com seu filho de apenas oito aninhos, Marcos Vinicius. Enfim, o CD é tudo de bom!
Hoje, juntamente com nosso empresário Souza, muito mais que um grande amigo, deixamos o nosso abraço e nosso eterno agradecimento a todos que prestigiam e valorizam o nosso trabalho.
 “… O nosso mais fundo e grato obrigado a todos que fazem a Dupla Zé Ricardo e Clodoaldo acontecer… “

Nenhum comentário:

Postar um comentário