Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

sempre sertanejo

Sertanejos
O sertanejo é uma figura típica do mato, resultante do contacto entre a população branca e os indígenas, que deu origem a uma população mestiça, a dos sertanejos.
O vaqueiro nordestino, baiano, piauiense ou cearense encarna o sertão.
O sertão brasileiro é geograficamente definido pelo território norte de Minas Gerais e as zonas do interior da Região do Nordeste, que compreende os estados da Baía, Piauí, Pernambuco, Paraíba e Ceará. A palavra sertão, deriva do termo "desertão" usada pelos portugueses, que ao penetrarem para o interior, se aperceberam das características de secura e aridez da paisagem.



O Nordeste, uma região semiárida onde os problemas de sobrevivência são muitos é também uma região com uma estrutura agrária rígida.
O povoamento do interior do Brasil teve lugar entre o século XVI e o século XVII, seguindo o curso do rio São Francisco.
A cultura da cana-de-açúcar fazia-se nas terras do litoral, mas por determinação do governo, o gado não podia ser criado nestas terras.
Assim, os criadores de gado entraram pelo sertão e fixaram-se nas margens do rio São Francisco. Ao se fixarem no interior, os donos dos currais, deixavam o gado solto e não respeitavam os direitos dos indígenas que aí viviam.
Por sua vez, os indígenas caçavam o gado solto nas pastagens o que dava origem a conflitos freqüentes.
Quando os holandeses ocuparam o Nordeste de 1630-1654, as tribos de índios dividiram-se.
Os Potiguaras deram o apoio aos portugueses e os Janduí aos holandeses.
Estes últimos aliaram- a outras tribos, que viam as suas terras atribuídas aos portugueses, e formaram a Confederação dos Cariris.
Os conflitos foram freqüentes e nem sempre fáceis.
A vida das populações, nesta região semi-areada nunca foi fácil devido às condições adversas: secas periódicas, vegetação escassa e desigualdades sociais profundas.
De um lado, os grandes proprietários com as suas terras e cabeças de gado apoiados numa estrutura social e política sólida e, por outro, os sertanejos, no limiar da sobrevivência, que ganham a vida a cuidar do gado, a trabalhar o couro e a preparar o charque.
A fome torna-se crônica e as revoltas sociais são freqüentes no século XIX e começos do século XX.
É desta população que partem os movimentos populares como o que deu origem à Guerra dos Canudos de António Conselheiro.
O sertanejo tem um estilo de vida imortalizado na poesia e na prosa brasileira, mas é a sua música com os seus instrumentos rudimentares e ritmados que os populariza.
Sertanejo será sempre sertanejo
Suponhamos que você resolva abrir uma loja de roupas.
Faz uma pesquisa e fica sabendo das marcas e modelos mais vendidos. Mas decide ser "diferente" e abarrota sua loja com modelos exóticos, roupas espalhafatosas, multicoloridas e por aí afora.
Você vai ter clientes.
Pouquíssimos, é verdade, mas vai ter clientes.
Poucos, porque você entrou num mercado restrito. Quase ninguém quer usar as roupas que você vende.
Alguma semelhança com a música?
Total!
Na música não é diferente.
O sujeito passa horas, dias, fazendo uma música.
Faz das tripas coração para que a música não se pareça com nada existente.
Coloca trezentos e cinquenta acordes na pobrezinha.
Faz uma letra que sai do nada e vai a lugar nenhum.
Pronto.
Agora ele já pode mostrar sua música ao mundo!
Só que o mundo - leia-se o público - está muito ocupado para tentar decifrar aquilo.
Prefere consumir algo mais simples e direto.
Aí está o segredo.
Não há segredo algum.
A música sertaneja reúne a maioria dos ingredientes para o sucesso. (((Confira: 1) Letras simples, (diretas e compreensíveis2) Melodia corretamente estruturada (para o público)3) Acordes simples e apenas os necessários4) Cantores de alto nível Há mais quesitos, mas estes são os principais.
Alguns teimam em dizer: "esta música é muito comercial".
Como se comercial fosse defeito!
Se você quer vender algo, este algo tem que ser comercial precisa ser vendável.
O problema é que alguns artistas de outros gêneros não compreendem suas posições no mercado.
Eles têm um público restrito, não devido à discriminação, falta de cultura do povo ou coisa assim.
É devido ao tipo de música que fazem.
Difícil de fazer, difícil de tocar e difícil de ouvir.
Outros podem achar que é um modismo, vai passar.
Não acredito.
Modismos passam, é verdade.
Lambada, disco e outros já se foram.
E junto com os modismos vão se embora os artistas.
Ficam conhecidos com artistas daquele "gênero".
Como este se escafedeu...
Mas o sertanejo, em minha opinião, vem sendo construído com uma base mais sólida, há muitos anos.
Não é algo criado da noite para o dia.
Por isso ira permanecer sempre.
A não ser certos "sub-rótulos" como "sertanejo universitário".
Este é um modismo e vai passar.
Mas não a música sertaneja.
E nem adianta também dizerem que é só uma questão de divulgação. Pegue por aí uma música rebuscada, complicada e divulgue massivamente.
Não vai dar em nada.
O povo desliga o rádio, a TV e cata o cd do Zezé di Camargo!
Tem mais.
Alguns acham que as rádios só tocam o que as gravadoras mandam. Bem, não sei.
Só sei que se fosse o dono de uma rádio, tocaria aquilo que o povo quer ouvir, que faz sucesso.
E os maiores sucessos têm contrato com as grandes gravadoras.
E também porque os meus anunciantes, caso eu assim não o fizesse, iriam gastar seu dinheiro em outras bandas.
Simplicidade.
Este é o nome da canção.
E ponto final.
O povo tem cabeça oca, vai Maria com as outras.





Nenhum comentário:

Postar um comentário