Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

domingo, 17 de junho de 2012

O trio Irene, Iara e Pontelli.17/06/12

O trio Irene, Iara e Pontelli.
Formou-se depois que dois outros grupos foram desfeitos.
Eles se apresentam pela primeira vez na TV, neste domingo (3/6/12).
Na TV cultura
O Viola, Minha Viola deste domingo (3/6) trará a primeira apresentação do trio Irene, Iara e Pontelli na TV.
Membros de dois outros grandes grupos da história da música caipira, eles se reúnem em programa inédito..
Irene fazia parte do Duo Ciriema, um dos mais famosos duos femininos da música caipira, que era formado por ela e Cida (Aparecida Martins Batista).
Já Iara e Pontelli eram parceiros de Dorinho, formando o trio Dorinho, Iara e Pontelli –.
Que era chamado de “O Trio de Ouro”, por seus fãs.


Tanto Cida quanto Dorinho faleceram no ano de 2011.
Algum tempo se passou e Irene, Iara e Pontelli resolveram se juntar para continuar o trabalho musical, mantendo a dedicação à música raiz e também homenageando Cida e Dorinho, que tanto contribuíram para a história da música sertaneja brasileira.
Delio e Delinha
José Pompeu e Delanira Gonçalves Pompeu são naturais de Vista Alegre, no município de Maracaju - MS.
Primos e também marido e mulher, iniciaram a carreira artística profissional na década de 1950, na mesma época em que havia se casado.
Cantando, de início, em festas e programas de auditório, foram conquistando uma rápida e merecida popularidade, que incentivou o casal a seguir em frente com maiores desafios.
Pouco tempo depois de se unirem pelos laços matrimoniais, Délio e Delinha trocaram o interior do Mato Grosso do Sul (na época, Maracaju - MS ainda pertencia ao estado do Mato Grosso) pela capital paulista, onde atuaram nas Rádios "Bandeirantes" e "Nove de Julho".
Delinha contava apenas 19 anos de idade, na época.
A mudança para São Paulo-SP foi incentivada pelo compositor sul mato-grossense Zacarias Mourão e, além de atuarem nas duas emissoras de rádio já mencionadas, a dupla assinou contrato com a gravadora Califórnia, na qual foi gravado no dia 26/03/1959 o primeiro disco 78 RPM (TC-1.045).
Tendo no lado A o rasqueado "Malvada" (Delinha e Délio) e no lado B o rasqueado "Cidades Irmãs" (Délio e Delinha).
No ano seguinte, no dia 29/03/1960, a dupla gravou também na Califórnia o segundo disco 78 RPM (TC-1.119), tendo no lado A o rasqueado "Prenda Querida" (Delinha e Délio) e no lado B a guarânia "Meu Cigarro" (Délio e Delinha).
Délio e Delinha foram ganhando fama a nível nacional e eram conhecidos carinhosamente pelo grande público como o "Casal de Onças do Mato Grosso" (na época, o Mato Grosso e o Mato Grosso do Sul eram ainda o mesmo estado).
A dupla gravou suas músicas em diversos ritmos de raiz, tais como o maxixe mato-grossense, a cana verde, o arrasta-pé e, principalmente, o Rasqueado.
A quase totalidade do repertório de Délio e Delinha é de composições próprias, tendo eventualmente parceria com compositores tais como Constantino Gallardi, Joaquim Marcondes e o Comendador Biguá.
Délio e Delinha também participaram da gravação da trilha sonora do primeiro filme estrelado pela inesquecível dupla Tonico e Tinoco: "Lá No Meu Sertão" de Eduardo Llorente, em 1961.
Apesar de a dupla ter se realizado artisticamente na capital paulista, a saudade foi muito maior e Délio e Delinha decidiram retornar ao querido estado do Mato Grosso, ainda na década de 1960.
Ocorreu também o divórcio após os 25 anos do casamento de Délio e Delinha.
A dupla, porém chegou a se reunir novamente em 1978, ocasião na qual lançou o disco independente "O Sol e a Lua".
E, em 1993, influenciados por antigos admiradores, somados a uma numerosa geração jovem, que veio aos poucos descobrindo seu belíssimo repertório, a dupla reapareceu em algumas apresentações públicas.
O reconhecimento do público e o carinho das pessoas é o que há de mais valor.
O final do casamento não foi o final da dupla caipira Délio e Delinha, apesar de alguns anos de interrupção da carreira musical.
Ao que consta, a dupla gravou 14 discos 78 RPM mais 19 Lps e mais 4 CDs.
Em dezembro de 2007 foi lançado o CD e o DVD comemorando os 50 anos de carreira da dupla Délio e Delinha no Clube União Beneficente dos Sub-Tenentes e Sargentos das Forças Armadas, em Campo Grande-MS, DVD esse que foi gravado no mesmo local, no dia 02/06/2007, e que contou com a participação de Maciel Corrêa e Zézinho Nantes.
O DVD apresenta diversas músicas que marcaram a trajetória da dupla, intercaladas com imagens de arquivo, fotos e depoimentos de amigos, músicos e profissionais de emissoras de rádio que sempre acompanharam a carreira da dupla.
Em linguagem agradável e poética, é contada a trajetória de Délio e Delinha e seu repertório, cujas letras retratam amores impossíveis, sentimentos nativos e sofrimentos apaixonados.
Composições musicais que permanecem na memória dos que conhecem (mesmo que tardiamente) os sucessos de Délio e Delinha.
Esse trabalho resultou do empenho do repórter cinematográfico José Eduardo Moraes (o Zédu), e também de João Paulo, filho de Délio e Delinha.
De início, eles foram em busca de financiamento do FIC (Fundo de Investimentos Culturais) do Governo anterior, no entanto, não conseguiram o recurso.
Resolveram então ir em busca de recursos junto à iniciativa privada em Campo Grande-MS.
Os recursos levantados, no entanto, foram muito aquém do que se necessitava, em relação aos custos da gravação, levando-se também em conta a importância da dupla Délio e Delinha para a Cultura Sul-Mato-Grossense.
Mesmo assim, o projeto foi levado adiante e foi gravado o importante DVD, prestando justa homenagem à dupla Délio e Delinha, proporcionando também à nova geração de Apreciadores o contato com o trabalho da dupla que não pode ser jamais esquecida.
Fora o CD e o DVD supramencionados, existem pouquíssimos discos de Délio e Delinha disponíveis à venda, além de pouquíssimo de sua obra musical ter sido remasterizado em CD.
Duas "exceções à regra" podem ser destacadas, já que a EMI lançou (apesar de ter sido em pequena quantidade) uma belíssima coletânea, fazendo parte da Série "Raízes Sertanejas", contendo, dentre outros, os sucessos "Malvada" (Delinha e Délio), "Prenda Querida" (Delinha e Délio), "Flor de Mato Grosso" (Délio e Delinha), "Saudade Vai Saudade Vem" (Délio e Delinha), "Goianinha" (Délio e Delinha), "Coração Sertanejo" (Délio e Delinha), "Louvor a São João" (Délio e Delinha), "Foi na Hora da Partida" (Délio e Delinha), "Quero Seus Beijos" (Delinha, Délio e Constantino Gallardi), além do Chotis "De Mato Grosso a São Paulo" (Délio e Delinha).
Outro disco que foi remasterizado em CD, apesar de pequena quantidade e raríssimo, foi o já mencionado "O Sol e a Lua", lançado originalmente em 1978, após a separação conjugal de Délio e Delinha. Observa-se que a faixa-título, que abre o disco, é "autobiográfica".
Délio morreu, aos 84 anos, em 08 de fevereiro de 2010, em Campo Grande, MS, vítima de câncer de pulmão.
Texto: Sandra Cristina Peripato
Eddy Chaves e Armando
Conheça a dupla sertaneja que vai ser destaque do programa câmera Record dia 18 de maio.
Eles lutam por fama, sucesso e reconhecimento, não sabem o que é fazer sucesso.
Acostumados a cantar para poucos, nunca foram ouvidos no rádio, são obrigados a acumular funções para sobreviver. Nos pequenos palcos, Eddy Chaves e Armando, lutam para ser apenas uma dupla no meio da multidão, quem sabe, repetir a trajetória das duplas mais conhecidas.
A amizade começou a 10 anos. Dizem que às vezes no show tem 10 pessoas mas, para eles é o mesmo de ter 10 mil pessoas.
Eddy Chaves e Armando, eles trabalham como "pedreiro", já trabalharam na roça.
São eles mesmo empresário, eles mesmo carregam seus equipamentos, eles mesmo montam seu próprio show.
A dupla é de Capão Bonito.
Eddy chaves tem 38 anos, seu parceiro tem 42.
Eles têm ajuda de um amigo que tem um carro para levar suas caixas de som.
Telefone: (15) 9702-6869, com João da Filmadora.
Postado por Tião Camargo

Nenhum comentário:

Postar um comentário