Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Tony Francis 05/10/12

Tony Francis
Nascido em 27 de fevereiro de 1982 na cidade de Jataí - GO, de família musical cresceu influenciado pela música sertaneja através de seus pais Apartir dos 9 anos de idade Tony Francis começou a participar de vários festivais de música, com 11 anos de idade, já cantava em bares e casas de shows, viajando pelo Brasil acreditando em seu sonho.
 Em 2002 Tony Francis foi escolhido dentre 10.000 artistas a participar de um reality show musical FAMA na rede GLOBO, ficando entre os finalistas.
Tony Francis já acumula vários CDs entre os seus e de participações, fazendo sucesso nas rádios de todo Brasil destacando as músicas “Madrugada”, “Dim Terim Bebim”, 



“Refém” “Atrás de um sonho” “Mulher“ “Nem na bebedeira” que recentemente foi regravada pela dupla Bruno e Marrone, “Talvez sim talvez não” e também a regravação da música “Romaria”, que faz parte da trilha sonora do programa Carga Pesada.
Participou do DVD ao vivo e acústico da cantora Roberta Miranda na música “Eu quero sempre mais” que virou sucesso Brasil a fora. Tony recentemente emplacou a música “Evidências” regravação de Chitãozinho e Xororó na trilha sonora da novela Ribeirão do Tempo tema de destaque na trama. Tony Já passou por vários programas de TV, tais como programa Frutos da Terra, Domingão do Faustão, Altas Horas, Sem Censura, Mulheres, Caldeirão do Huck,Todo Seu, Mais Você, Show da Virada, A Tarde é Sua, Mulheres ,Terra da Padroeira, Manhã Gazeta,Odair Terra, Túlio Izak, Boa Noite Brasil entre outros. Em 2011 Tony Francis lança seu quarto cd “Um Dia a Gente Aprende” com destaque para as músicas: “Era Só Te Amar” “Adeus Tchau Tchau” “Flores” “Terminei” ”Na Hora H” “Perdi Você no carnaval”.
 Em 2012 Tony Francis vem de encontro ao atual mercado sertanejo com a música “Tôco” seu novo sucesso.“Um dia a gente aprende que no perdão existe a mesma força do amor, o perdão e o amor tem de andar sempre juntos” TONY FRANCIS
Fonte http://www.johnnyrodrigues.com.br




Rei do Gado e Boiadeiro

Filhos de agricultores, Antônio Borges de Alvarenga, o Cacique, filho de Francisco Borges de Alvarenga e Joana Geraldina de Oliveira, nasceu em numa tribo às margens do Rio Vermelho, no município de Rondonópolis-MT, em 25 de março de 1935, e Roque Pereira Paiva, o Pajé, filho de Antônio Pereira Paiva e Cecília Verdoot, nasceu na mesma tribo em 22 de agosto de 1936 e faleceu em São Paulo-SP em 05 de março de 1994.
Cacique e Pajé nasceram na tribo às margens do Rio Vermelho, no município de Rondonópolis-MT, mas devido a uma epidemia de febre amarela, foram entregues pelo padre a dois boiadeiros que passavam por aquela região. Eles foram na comitiva levando a boiada e trouxeram os dois. Cacique foi adotado por Francisco Borges de Alvarenga e o Pajé por Antônio Verduti Paiva. O Pajé recebeu o nome de Roque Pereira Paiva. Cacique foi registrado em Monte Aprazível-SP. e Pajé em Bofete-SP, e regulavam a idade, eram da mesma tribo mas não eram irmãos. Lá tinha os Bororó e os Caiapó.

Antônio e Roque desenvolveram atividades artísticas e utilizaram diversos outros pseudônimos antes de formar a dupla Cacique e Pajé:
Antônio adotou de início o nome artístico de Peixoto e fez com João Rodrigues, a dupla "Peixoto e Peixinho". Gravaram na gravadora Centenário um "compacto duplo" no qual continha a música "Violeiro Franco" (Antônio Borges e Roque Pereira Paiva). Em seguida, adotou o nome de Rei do Gado e formou dupla com Peão Campeiro. A dupla "Peão Campeiro e Rei do Gado" lançou um LP em 1970 pela gravadora Califórnia, destacando-se entre outras a música "Arrependida" (Garcia e Zé Matão).
Em 1971, Antônio Borges gravou com João Antônio um LP pela Fermata. Pouco tempo depois, mudou seu nome artístico para Ferreirinha e fez dupla com João Ferreira: a dupla "João Ferreira e Ferreirinha".
Em 1977, reassumiu o nome artístico de Rei do Gado, juntou-se finalmente a Roque Pereira, que adotou o nome de Boiadeiro. E, com o pseudônimo de "Índios Caiapó", gravaram um LP pela Sonora. Era a dupla "Rei do Gado e Boiadeiro - Os Índios Caiapó".
E foi no ano de 1978, que nasceu a dupla chamada "Cacique e Pajé, ocasião na qual gravaram um LP pela Chantecler, com destaque para "Pescador e Catireiro" (Cacique e Carreirinho). No mesmo ano, participaram juntamente com Sérgio Reis e a Orquestra de Violeiros de Osasco-SP do histórico show promovido por Tonico e Tinoco no Teatro Municipal de São Paulo-SP, o qual também deu origem ao livro "Da Beira da Tuia ao Teatro Municipal". Aliás, foi Tonico e Tinoco que, tendo gostado da dupla, sugeriram o nome.
Cacique ficou sabendo que ele era realmente filho do cacique da Tribo Caiapó, enquanto que seu avô paterno havia sido um pajé (curandeiro) na mesma tribo.
Em 1979, fizeram sucesso com "Caçando e Pescando" (Cacique e Tangará) e "Deixa o Índio em Paz" (Cacique e Capitão Furtado). E, na década de 1980, lançaram mais 5 LPs, destacando-se, dentre outras, "Viola no Samba" (Rei do Mar e Cacique), "Poemas das Cordas" (Paulo Gaúcho e Zé Raimundo), "Cadê o Gato" (Cacique e Pajé) e "As Flores e os Animais" (Paraíso e José Fortuna).
Em 1983, Cacique e Pajé participaram do LP de Taiguara "Canções de Amor e Liberdade" interpretando com ele "Voz do Leste" (Taiguara). Disco esse, por sinal, extremamente emocionante, que foi o primeiro que Taiguara gravou após ter retornado do exílio no Uruguai.
Em 1985, quando do lançamento do 8º LP, com destaque para "Peão Sabido" (Cacique e Nhô Véio), Pajé foi vítima de um derrame que o obrigou a se afastar da dupla.
Seguiu-se um período de 3 anos no qual as apresentações continuavam, no entanto, Pajé apenas "dublava" e mal conseguia cumprimentar o público. Cacique também era ajudado pelo Rocha da dupla "Rocha e Umuarama", pelo Zé Matão e também pelo Odilon (o mesmo que já formou dupla com Tião do Carro), nas apresentações em que o Pajé não tinha condições de se apresentar.
Em 1993, Cacique também passou mal, com problemas cardíacos e necessitou de cirurgia. Seguiu-se um periódo de extremas dificuldades, em que ambos os integrantes da dupla foram ajudados pelos irmãos de sangue (que integravam a dupla "Caiuê e Caiapó"), os quais chegaram a "interpretar" Cacique e Pajé, já que Cacique chegou a praticamente perder a voz.
Além de "Caiuê e Caiapó", Odilon e Zé Matão também "dublavam" Cacique e Pajé nas apresentações da dupla. E, nesse período, diversos "Pajés" também cantaram ao lado de Cacique, dentre eles, Luiz Mariano, Zé Nobre e Pedrinho Tamim, até que Roque Pereira Paiva, o Pajezinho, como é carinhosamente chamado pelo Cacique, veio a falecer tragicamente, no ano de 1994, após ter perdido a voz, sofrido dois derrames, além de ter tido braço e perna direitos amputados. "Pajézinho" deixou a esposa com oito filhos.
Cacique, desiludido, tinha a informação médica de que não mais voltaria a cantar. Nessa ocasião, Cachoêra (José Pereira de Souza), que era músico do estúdio, também deu uma força e cantou algum tempo no lugar do Pajé, tendo inclusive gravado dois discos.
Cachoêra substituiu o Pajé na dupla, que prosseguiu com o mesmo nome e lançou novo LP pelo selo Disco de Ouro, com destaque para "Barretos Não Faz Feio" (Cacique, Lourival dos Santos e João Macedo).
De acordo com Cacique, o Pajezinho é que arranjava os 'Pajé' pra ele. Ele ouvia e indicava. Mas, depois que ele morreu, ele ficou com o Cachoêra. O "Pajé atual" ele já conhecia, ele é meio primo seu.
Geraldo Aparecido da Silva, filho da índia Joana Dias Barbosa, nasceu em Itapuí-SP, às margens do Rio Tietê, no dia 29 de julho de 1943. O esposo de Joana era boiadeiro e também catireiro e muito bom violeiro, de acordo com Geraldo, que passou a ser o Pajé a partir do ano de 1997.
Geraldo já havia feito dupla com João Goiano e integrou também o "Trio Andorinha".
E foi numa apresentação desse trio que nasceu a nova dupla Cacique e Pajé, como a conhecemos nos dias atuais. Após Geraldo Aparecido ter cantado junto com Antônio Borges, diversas pessoas presentes abraçaram os dois e disseram que era "... a melhor dupla depois do primeiro Pajé..." Dentre os presentes, estavam Pedro Jacob e também o compositor Aleixinho.
Antônio Borges e Geraldo Aparecido, a nova dupla "Cacique e Pajé" gravaram então um CD contendo somente Modas de Viola. E foram mais 6 CD's e diversos shows que vieram depois.
Antônio Borges e Geraldo Aparecido mantém-se em plena atividade com o nome "Cacique e Pajé".


Nenhum comentário:

Postar um comentário