Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Alma & Lua.18/12/12


Alma & Lua.
Nossa história começa muito antes de nos conhecermos; decidi que seria artista aos três anos de idade, no dia em que minha mãe teve a feliz ideia de me colocar em frente à tevê para assistir ao programa Jovem Guarda. Quando vi Roberto Carlos pela primeira vez, pirei! Só quem presenciou esse movimento - a Jovem Guarda - consegue entender sobre o que estou falando; e aos mais novos, digo: muito do que vivemos hoje é fruto desse movimento; mas falaremos sobre isso em outra oportunidade.
Assim, como se pode perceber, o projeto de carreira artística era meu; a Rah nunca teve essa pretensão, embora tivesse talento e motivação pra isso: seu pai era amante de música sertaneja e fazia parte de um trio que se apresentava pela região de Casa Branca - cidade onde nascemos; a garotinha vivia cantarolando canções conhecidas da época...
Em meados dos anos setenta fui morar perto de sua casa, então começamos a interagir: participávamos de festivais pela região, promovíamos apresentações... Rah integrava minha banda, e todos nós seguíamos sonhando com o lançamento do meu primeiro disco, que daria suporte para que cada um do grupo realizasse seus anseios profissionais e artísticos.
Em 1983 passei mais tempo em São Paulo e, amparado por minhas primas Leonor e Rose, e pelos tios Libânio e Olinda (saudades...), conheci pessoas do meio artístico - Moacir Machado (descobridor de Simone, Zezé Di Camargo, Leandro e Leonardo, Rosa Maria...), o maestro Julio Megaglia, e também alguns executivos de gravadoras e empresários artísticos. Enquanto analisava algumas propostas para o lançamento da minha carreira solo, compreendi que havia algo de muito especial quando eu e a Rah cantávamos juntos, e se assim fosse, poderíamos tornar nossa união ainda mais sólida. Não tive dúvidas: convidei-a para um projeto de carreira em dupla; a moça hesitou, mas acabou aceitando o convite.
Já não éramos mais somente amigos - havíamos iniciado o namoro em 1978 e, vez ou outra,  ensaiávamos parcerias em dueto sem grandes pretensões...
Mas agora era pra valer!
Em janeiro de 1984 vencemos o 1º Festival de Música Sertaneja de Casa Branca, e assim nasceu à dupla Alma & Lua.
O nome foi criado a partir de palavras que faziam parte da letra de uma das canções que interpretamos nesse festival.
Iniciou-se, então, o processo de inserção no meio artístico com o apoio de Geraldo Meirelles (descobridor da dupla Chitãozinho e Xororó), mas foi Moacir Machado quem nos apresentou a Mickael - um importante produtor musical da época. Mickael despertou nosso interesse por ser ousado e inovador, e em 1989, sob seus cuidados, lançamos nosso primeiro álbum pelo selo Brasil Rural, cujo carro chefe era a canção "Reflexões em Minha Vida" (versão de Joel Marques para o flashback Reflections of my life do grupo Marmelade) e emplacamos algumas faixas nas paradas de sucesso das principais emissoras de rádio do país. Casamo-nos em novembro daquele ano.
Em 1991 gravamos o segundo álbum, mas nos desinteressamos pela carreira devido ao rumo exageradamente comercial que as coisas estavam tomando; decidimos seguir por caminhos menos glamorosos e cantar canções mais relevantes. Como havíamos nos convertido ao cristianismo nesse mesmo ano, também notávamos um "estranho mover" que nos impelia a um posicionamento artístico-cristão. Nossa primeira atitude foi incluir cânticos espirituais em nosso repertório, que mesclávamos com nossas canções e com stands; porém, em dezembro de 1995 fomos "tomados pela ideia" de substituir nosso projeto de carreira pelo ministério.
Em janeiro de 1996, com o apoio do pastor da Igreja Presbiteriana de Casa Branca, Sérgio Paulo, e apadrinhados fonograficamente por Celsino Gama, diretor de LPC Comunicações, a "idéia” foi posta em prática.
Nossa influência musical é quase que totalmente dos anos 60 e 70 - Revival, Betlemania, Jovem Guarda, além da música caipira; acreditamos que cada detalhe de nossas vidas foi planejado por Deus - nossas influências, nossas personalidades e nossas experiências; nossos fracassos, nossos êxitos e desistências, pois foi através deste ministério que nossos anseios artísticos foram alcançados, nossos egos foram abalados e o nosso canto, restaurado. Somos gratos a Deus por ter nos incluído em seu Plano que é Perfeito.

Texto revisado por Francisco Bueno
Fonte site alma e lua

Nenhum comentário:

Postar um comentário