Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Paulynha da Sanfona

Paulynha da Sanfona
Natural de  Santa Catarina, atualmente reside no estado de Mato Grosso.
Oriunda de uma família de músicos não foi difícil descobrir seu talento, aos 5 anos de idade Paulynha já viajava com seu pai pelo mundo artístico e já cantarolava as primeiras canções.
Passaram-se alguns anos um dia no escritório de seu pai pegou a sanfona de 80 baixo e começou a tocar algumas notinhas musicais, o pai ao perceber o dom da filha, a presenteou com uma sanfona em uma viagem a cidade de Gurupi-To.
Em alguns meses já estava no Palco executando algumas músicas.
Paulynha começou a cantar e tocar sanfona aos 10 anos de idade e já traz em seu currículo importantes apresentações, umas delas com o Grupo Tradição, quando Michel Teló ainda era integrante do grupo.


Na seqüência foram surgindo oportunidades para participar de grandes shows a nível nacional, com artistas de destaque no cenário musical Brasileiro como:
Maria Cecília & Rodolfo, Calçinha Preta, Janaynna Targino, Nechivile, Gean e Giovani e novamente com Michel Teló em carreira solo.
Também Participou de importantes programas de TV como: PROGRAMA RAUL GIL, QUAL SEU É TALENTO e ELIANA CAMARGO.
Dona de uma capacidade incrível e de um talento vocal impressionante, hoje Paulynha vem se apresentando em shows por todo o Brasil, mostrando seu talento e versatilidade na sanfona, seu trabalho é sucesso por onde passa, conquistando o carinho e a admiração de seus Fãs.
Convidada pelo Raul Gil, Paulynha se apresentou no dia 30/10/2010 no Quadro Eu e as Crianças(SBT),com a música "Mercedita". Foi um Sucesso que o Brasil todo aplaudiu, e é claro Raul Gil frizou à ela : " As portas estarão sempre abertas para quando você quiser voltar".
Paulynha ficou lisonjeada com o convite, e agradeceu à Raul Gil.
Paulynha também fez participação no Show de Michel Teló na Exponop dia 10/05/2011 em Sinop - MT,foi convidada por ele,que por sinal ja à conhecia,pois ela também fez participação no Show do Grupo Tradição, quando ainda Michel fazia parte do Grupo.

Avaré e Jatai
Nascidos em Nanuque, Minas Gerais, Anilson da Costa Meireles (Avaré) e João Batista da Costa Meireles (Jataí).
Mudaram - se para Goiânia com seus familiares no ano de 1972.
No ano 1982 Anilson e seu irmão João Batista, iniciaram sua trajetória artística formando a dupla que é conhecida hoje como Avaré e Jataí.
Desde então passaram a se apresentar em circos, praças, showmícios, rádios, programas de auditório, casas noturnas e outros eventos. Participaram de festivais promovidos por canais de TV, rádio e entidades como SESI, obtendo melhor classificação com a música “Sorriso do Mundo” em 1998, ano em que garantiu a participação da dupla no CD do Festival do SESI. Em 2002 foram classificados em 4º Lugar com a música Lamento do Rio, que também foi incluída no CD do Festival; e ainda nesse mesmo ano foi gravado o primeiro CD da dupla, intitulado Chave da Paixão que inclui a música "Sorriso do Mundo" por se tratar da música que lançou definitivamente a dupla no mundo artístico profissional, que tem composições próprias e de parceiros compositores. Já em 2003 conquistou a primeira colocação na modalidade raízes, com a música A Garupa, e ainda em 2º lugar na modalidade interpretação. E em 2004 no mesmo Festival que é realizado pelo SESI, foram classificados em 2º lugar nas categorias: Interpretação e Composição. Inclusive, tendo garantido mais uma vez a participação no CD deste evento que foi gravado no fim do ano de 2004, para o deleite do público amante de música raiz. Em 2007 participaram mais uma vez do festival do SESI sendo classificados em primeiro lugar na modalidade composição com a música "Firme no Bote".
Fizeram uma parceria com os humoristas Nilton Pinto e Tom Carvalho viajando com eles pelas principais cidades de Goiás, e algumas cidades do Mato Grosso durante todo o ano de 2004 e de 2005.
Em agosto de 2004 fizeram a abertura do show de Teodoro e Sampaio realizado em Ribeirão Pires, na grande cidade São Paulo.
Em 2006 a dupla gravou seu segundo CD que traz sucessos como " Alerta do Criador" e "Caboclo de Tradição", que destacaram ainda mais a dupla no meio sertanejo.
O trabalho realizado até então é um trabalho independente e não conta com patrocínios e/ou empresários. E já estão preparando o terceiro CD.
Participam de vários programas de TV como frutos da terra transmitido pela TV Anhanguera, na beira da mata transmitido pela TV Brasil Central (Goiânia) e Brasil Caipira transmitido pela TV Câmera (Brasilia , São Paulo e outros estados brasileiros ).
São defensores da música sertaneja raiz e não pretendem mudar de estilo pois o dia que a raiz morrer, morre também a árvore. Fazem shows em todo o estado de Goiás e em vários estados brasileiros levando alegria ao coração dos admiradores da música sertaneja raiz.

Mário Zan, O Maior Zanfoneiro do Brasil.
Mário Zan civilmente Mário João Zandomenighi, nascido em Veneza (Itália) a 9 de outubro de 1920 e falecido em São Paulo a 8 de novembro de 2006, não era violeiro e nunca tocou uma viola da forma magistral como o fez com o acordeão. É provável, até, que jamais tenha tocado uma viola.
Mas, não há um violeiro, um sequer, que não execute uma canção desse ítalo-brasileiro que veio com a família para o Brasil aos 4 anos de idade, desembarcando em Santa Adélia, interior do Estado de São Paulo. E entre essas canções está o rasqueado “Chalana”, dele e do paulista Arlindo Pinto (1906-1968), autor de expressivas composições sertanejas nas décadas de 1940 e 1950. Foi composta por volta de 1944, originalmente para acordeão, e gravada pelo Duo Brasil Moreno em 1952, em um 78 RPM que tinha do Lado B outro rasqueado, “Abandonada”, de Palmeira e Mário Zan.
O Duo Brasil Moreno, formado pelas irmãs Dora (Dora de Paula, 1917) e Didi (Antonia Glória de Paula, 1914), ambas paulistas de Guariba e já falecidas, regravou “Chalana” em 1969, em LP. Pertencentes a família de cantores, as duas começaram a cantar com outros irmãos em programas de calouro no final dos anos 1940. Inicialmente, como quarteto, depois trio. A dupla veio em 1952, permanecendo até metade da década de 1970.
Em 1954, o próprio Mário Zan gravou a primeira versão instrumental de “Chalana” em um disco 78, pela RCA Victor, que tinha do Lado A “Falem de mim”, dele e Messias Garcia. Na sua concepção, a música instrumental (ou solada, como se referia às suas execuções, em que somente se toca o instrumento) permite que o ouvinte faça outras coisas enquanto escuta; a cantada exige atenção.
“Chalana” se transformou em um clássico e foi gravada também, dentre dezenas de outros intérpretes, por Zé do Rancho, no disco A Viola do Zé (1966); Duo Brasil Moreno – Chalana (1969); Tonico e Tinoco, no LP Laço de Amizade (1971); Almir Sater no CD Almir Sater no Pantanal (1990); Renato Teixeira e Pena Branca & Xavantinho, Ao vivo em Tatuí (1992), Helena Meirelles no seu primeiro disco (1994) e no CD ao vivo (2002); Pena Branca & Xavantinho, no CD Pingo D’Água (1996) e Sérgio Reis, em Grandes Sucessos (1999).
Mais recentemente, gravaram “Chalana”, Bruno e Marrone (com participação de Milionário e Zé Rico), no CD Acústico Volume II (2007); Divino e Donizete, em Perfil Sertanejo (2007); Roberta Miranda, no CD Senhora Raiz (2008); Viola do Cerrado, Ao Vivo (2008), Rolando Boldrin & Almir Sater, em Coração Sertanejo 2 (2009) e João Neto e Frederico, no CD Só Modão (2009).
No início dos anos 1990, a partir da telenovela “Pantanal”, da Rede Manchete, cuja trilha sonora incluía uma gravação de “Chalana” por Almir Sater, a canção se transformou em hino da região pantaneira, onde estão os Estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul.
Na definição da folclorista e apresentadora de rádio e televisão Inezita Cardoso (Inês Madalena Aranha de Lima, 1925) é a música que simboliza o Pantanal.
Musicalmente, a composição de Mário Zan e Arlindo Pinto representa na concepção de pesquisadores e músicos, entre os quais Almir Sater o primeiro movimento para a fusão da música brasileira com a música paraguaia – que viria a se materializar anos mais tarde. Embasamento musical ele possuía, pois, já no começo da carreira profissional, em 1933, tocava diversos ritmos, a ponto de, tão logo gravar o primeiro disco, um 78 RPM com o tango “El Choclo” e a valsa “Namorados”, da sua autoria, receber o convite para uma excursão de três meses por cidades do Sudeste e Centro-Oeste do País.
Foi justamente durante esta excursão, entre 1943 e 1944, que lhe veio a inspiração para compor a melodia de “Chalana”, cuja letra foi escrita depois por Arlindo Pinto. Da janela de um hotel, nas margens do Rio Paraguai, em Corumbá, o músico divisava uma curva do rio e, descendo as águas do rio, uma chalana. Sua filha, a instrumentista e cantora Mariângela Zan, em sua página na Internet, no espaço reservado à história do pai, traz o depoimento do sanfoneiro: “A canção surgiu do nosso sofrimento durante a excursão, da saudade que sentíamos, sem notícias da família”.
Mário Zan e outros artistas chegando a Corumbá, em 1944, na histórica excursão - foto cedida gentilmente pea família do músico para esta página
Mário Zan e outros artistas chegando a Corumbá, em 1944, na histórica excursão - foto cedida gentilmente por Mariangela Zan, filha do músico.
Segundo o Dicionário Houaiss o termo chalana define as embarcações usadas em águas fluviais, de fundo chato, lados retos e com proa e popa salientes. Na prática, é usada para a navegação nos rios pantaneiros, entre Brasil e Bolívia, mais acentuadamente no Rio Paraguai. É o principal meio de transporte nas regiões mais longínquas do Pantanal, por ser de grande porte. Ao contrário da gaiola, sem divisões internas, a chalana possui cabinas para passageiros.
Além de “Chalana”, hino das bandas pantaneiras brasileiras, outra composição do músico ítalo-brasileiro, o dobrado “Quarto Centenário”, se destacou e se transformou no hino da Cidade de são Paulo. Foi composta em 1954 em parceria com J. M. Alves para homenagear os 400 anos da fundação da Cidade de São Paulo e venceu o concurso municipal. O disco, também em 78 RPM, vendeu 1 milhão de cópias em poucos meses.
A beleza emanada da singeleza, mas jamais vulgar, das melodias compostas por Mário Zan ficou evidente, tal qual ocorreu com a “Chalana”, em Pantanal, também em “Nova Flor” (Os homens não devem chorar). Originalmente um rasqueado e gravada por Mário Zan em 1958, esta canção entrou na trilha sonora internacional da primeira edição da novela “Pecado Capital”, da Rede Globo, em 1976, com o grupo vocal norte-americano The Letterman cantando a versão inglesa “Love me like a stranger”.
“Nova Flor”, que recebeu o título “Los hombres no deben llorar” na letra versada para o espanhol por Pepe Ávila, foi gravada por Roberto Carlos em 1992, a partir de uma nova feição que ele e Erasmo Carlos deram à letra, a partir da edição espanhola, com toque de bolero. Na nova versão, os criadores da extinta Jovem Guarda sacrificaram a expressão “nova flor”, base do título original da canção de Palmeira e Mário Zan.
Os pesquisadores afirmam que a discografia de Mário João Zandomenighi – cuja simplificação para Mário Zan teria sido sugestão de Walter Foster – reúne cerca de 300 discos em 78 RPM, 105 LPs, além de 40 CDs, dos quais 30 ainda estão em catálogo. Os pesquisadores creditam essa popularidade, principalmente, ao fato de Mário Zan ser identificado em todo o País como o maior solista de festas juninas. Luiz Gonzaga costumava dizer, sempre que o chamavam de rei da sanfona: “Eu sou o rei do baião; o rei da sanfona é Mario Zan”.
Breve cronologia
1920 – Nasce, na região de Vêneto, nordeste da Itália, cuja capital é Veneza.
1924 – Chega ao Brasil, com a família.
1933 – Estréia como sanfoneiro profissional.
1939 – Começam as apresentações em rádios, pela Cruzeiro do Sul.
1940 – Vai ao Rio de Janeiro conhecer Luiz Gonzaga, onde fica por um tempo e toca na casa noturna Sambadancing.
1944 – Volta para São Paulo e inicia os shows, começando por Corumbá;
Compõe “Chalana”, que recebe letra de Arlindo Pinto;
Grava primeiro disco de 78 RPM com o tango “El Choclo” e a valsa “Namorados”, da sua autoria, pela Continental.
1946 – Indicado por Luiz Gonzaga para ocupar o seu lugar de solista na gravadora RCA, onde gravou mais de 300 discos de 78 rotações e 40 LPs.
1948 – Grava disco só com músicas juninas e cria a marcação cantada da quadrilha.
1954 – Grava o rasqueado “Chalana”, pela RCA Victor;
Grava o dobrado “Quarto Centenário”, em homenagem aos 400 anos da fundação da Cidade de São Paulo, em parceria com J. M. Alves;
Participa do filme “Da terra nasce o ódio”, de Antoninho Hossri.
1956 – Dedica-se a pesquisa musical e lança tupiana, um tipo índio com batidas ritmadas.
1958 – Grava o rasqueado “Nova flor” (Os homens não devem chorar).
1960 – Participa do filme “Tristeza do Jeca”, de Milton Amaral.
1963 – Participa do filme “Casinha pequenina”, de Glauco Mirko Laurelli.
1976 – A versão inglesa de “Nova Flor” (“Love me like a stranger”) gravada pelo grupo vocal norte-americano The Letterman entra na trilha sonora internacional da novela “Pecado Capital”, da Rede Globo.
1989 – Lamenta a morte de Luiz Gonzaga e prevê a descaracterização da música de São João.
1990 – “Chalana” faz parte da trilha sonora da novela “Pantanal”, da Rede Manchete.
1998 – Comanda o programa “Mário Zan e seus convidados”, na TV Rede Vida.
2002 – Sua obra é tema de enredo da Escola de Samba Rosas de Ouro.
2004 – A composição “Festa na roça”, parceria com Palmeira, foi apontada em pesquisa realizada pela Ecad como uma das mais tocadas nas festas juninas e joaninas no Brasil;
Recebe título de Cidadão Honorário de São Paulo, por ocasião dos festejos dos 450 anos da cidade;
Homenagem da Escola de Samba Rosas de Ouro, na passagem dos 450 anos da Cidade de São Paulo.
2006 - Homenagem dos governos dos Estados do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul, pela autoria do rasqueado “Chalana”.

Sepultado, em São Paulo, no Cemitério da Consolação, em túmulo vizinho ao da Marquesa de Santos, como era seu desejo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário