Total de visualizações de página

Quer sua Biografia aqui = escreva a sua e envie pelo contato que se encontra em baixo. 

R

R-Sertaneja sempre ligada a Melhor Rádio de se Ouvir.

domingo, 7 de dezembro de 2014

Campanha E Cuiabano

Campanha E Cuiabano

Antônio Campanha (Campanha) nasceu em Monte Alto-SP no dia 05 de dezembro de 1925. Olívio Campanha (Cuiabano) nasceu também em Monte Alto-SP no dia 05 de março de 1928 e faleceu em São José do Rio Preto-SP no dia 16 de junho de 1981.
Antônio iniciou sua carreira musical ainda criança, com apenas 12 anos de idade, quando formou dupla com seu irmão mais velho Augusto Campanha, que era considerado excelente cantor e violeiro, na época. Integrou com alguma regularidade a dupla "Campanha e Angelim" e, quando já contava com seus 20 anos, Antônio venceu um concurso de cantadores na região e integrou também a dupla "Campanha e Paulista".
Junto com seu irmão Olívio, Antônio chegou tocar em alguns circos, dentre eles, "Nosso Circo" em São José do Rio Preto. A dupla com Olívio foi formada nessa época, no ano de 1948, ocasião na qual começaram cantando na Rádio PRB-8 de São José do Rio Preto.

A nova dupla costumava se apresentar com o nome de "Irmãos Campanha" e também como "Campanha e Seu Irmão". No ano de 1952, Antônio e Olívio seguiram para a capital paulista onde fizeram um teste na Rádio Nacional, com o diretor Costa Lima. Foram aprovados e se apresentaram durante vários anos nessa famosa emissora paulistana.
Antes disso, os dois irmãos estiveram pertinho de fechar o contrato com a extinta Rádio Tupi, mas acabaram, de última hora, perdendo a vaga para a dupla " Palmeira e Luizinho".
Foi por sujestão dos compositores Arlindo Pinto e Anacleto Rosas Jr. que Antônio e Olívio acabaram adotando para a dupla o nome artístico de "Campanha e Cuiabano", pois "Irmãos Campanha" não era um bom nome, por ser pouco marcante, não destacando um ou outro integrante da dupla. Como Antônio era o que mais se destacava, era o compositor da dupla, ficou sendo o Campanha. Faltava um nome marcante para seu irmão; e o escolhido foi Cuiabano, por ser sonoro e ainda não ter sido usado por qualquer outra dupla vocal.
O primeiro disco 78 RPM de Campanha e Cuiabano foi gravado no ano de 1953, com o cururu "Barra Bonita" (Arlindo Pinto e Priminho) e a moda campeira "Pião Vira-Mundo" (Campanha e Benedito Seviero).
No ano seguinte, Campanha e Cuiabano conheceram o acordeonista Célio Cassiano Chagas (Celinho), de Conceição das Alagoas-MG, que se juntou à dupla e os acompanhou durante alguns anos, porém, somente em apresentações ao vivo, já que o trio "Campanha, Cuiabano e Celinho" não chegou a gravar nenhum disco. A formação do trio aconteceu por sugestão do radialista Nhô Zé que era diretor da programação sertaneja da Rádio Nacional de São Paulo. A partir de 1960, Celinho passou a acompanhar a dupla Pedro Bento e Zé da Estrada, com quem se apresenta até hoje.
Campanha e Cuiabano também foram acompanhados em algumas gravações pelo acordeonista Pirigoso.
Foi no ano de 1957, que Campanha e Cuiabano gravaram pela primeira vez a moda ligeira "Meu Passarinho" (Campanha e Zé Rosa). Sem dúvida, o maior sucesso da dupla. E, no outro lado do mesmo 78 RPM, a moda campeira "Peão de Viagem" (Priminho e Maninho).
Também merecem destaque outras belíssimas interpretações de Campanha e Cuiabano tais como "Genuína Cana Verde" (Celinho e Lázaro Franco de Godoy), onde contou com a participação das Primas Miranda, "Novo Castelo" (Campanha e Pirigoso), "Um Berrante na Solidão" (Ramon Cariz e George AB), que contou com a participação especial da belíssima voz de João Pacífico fazendo uma declamação, "Desprezo de Amor" (Souza e Campanha), "Rolinha Cabocla" (João Pacífico e Raul Torres), "Morrendo de Saudade" (Jane Rossi da Rocha e Cuiabano), "Lá na Fazenda" (Francisco Lacerda e Ricarda Jardim) e "Rei da Estrada" (Quintino Eliseu e Luiz Alves Pereira), entre outras.
Apesar de terem gravado na Sinter, Copacabana, RCA, Odeon e Chantecler, a discografia de Campanha e Cuiabano encontra-se quase que totalmente esquecida e praticamente inexistente no comércio, excessão apenas ao CD da série "Luar do Sertão" que a BMG (antiga RCA) remasterizou no ano 2000.
Cuiabano, pouco antes do seu falecimento em 1981, chegou a transferir seu nome artístico ao seu outro irmão João Jaime Campanha (nascido em Palestina-SP em 1943 e falecido em São José do Rio Preto-SP em 1999).
Campanha ainda chegou a formar uma dupla com o acordeonista Pirigoso com quem gravou o LP "Mourão da Porteira" pela K-Tel em 1981. E em 1983 Campanha chegou a gravar em "carreira-solo" o LP "Baile das Cordas" pelo selo Laço.
Consta também que Antônio Campanha trabalhou como empreiteiro em compra e venda de imóveis, além de ter apresentado o seu programa de rádio na Emissora Independência de Mirassol-SP.
Apesar da idade avançada, Antônio Campanha jamais descartou a possibilidade de voltar a cantar, tendo inclusive recebido diversos convites. Com 85 anos de idade, irradiando uma simpatia fora do comum, Antônio Campanha continua ponteando a viola caipira e forma atualmente com seu sobrinho João Campanha a dupla que continua com o nome "Campanha e Cuiabano".
João Campanha é também fundador e regente da Orquestra de Violeiros de São José do Rio Preto. E Antônio Campanha, com o codinome de "O Mestre da Música Sertaneja", apresenta também o programa "No Terreiro da Fazenda", na Rádio Comunitária Evidência - FM-103,5 MHz - de São José do Rio Preto, de segunda à sexta-feira das 15:00 às 17:00.

Nenhum comentário:

Postar um comentário